LDS 3×01: Grounded

Por favor, mantenham mãos e pés dentro da Phoenix o tempo todo

Sinopse

Data estelar: desconhecida

Na casa da família Freeman, na capital federada, Mariner desconta sua frustração pela atual situação em que a mãe  se encontra jogando um vaso de árvore bonsai no monitor onde ela e o almirante assistem o noticiário da Federation News Network, que transmite uma matéria sobre isso. Freeman diz para ela se acalmar e confiar no sistema, uma vez que eles sabem que Carol não fez nada de errado. Mariner está totalmente cética a respeito disso, e sua frustação só aumenta quando um almirante colega de Freeman os informa sobre a juíza que vai presidir o caso.

Mais tarde, Mariner desabafa com Boimler na vinícola para uvas-passas da família dele em Modesto, na Califórnia. Juntos, eles acabam cozinhando uma ideia de pegarem os detalhados diários do alferes a bordo da Cerritos, que contém cópias completas dos diários oficiais da capitão. Mariner e Boimler vão procurar Rutherford, para decepção das várias funcionárias da vinícola que estavam dando em cima do alferes — com ele totalmente desatento que estava recebendo essa atenção.

A dupla encontra Rutherford e Tendi jantando no Sisko’s, em Nova Orleans, e Mariner os convence a ajudar, considerando que acredita que sua mãe está servindo de bode expiatório de uma grande conspiração. Rutherford sabe em qual doca seca a Cerritos se encontra, mas, para entrarem na nave, precisariam acessar um tipo especial de teleporte encriptografado que só algumas instalações da Frota possuem.

Eles tentam se infiltrar numa dessas instalações, mas ficam cheios de nove horas para renderem o responsável pelo local, um simpático e bondoso chefe de operações obcecado pela tecnologia de teleporte. Depois de se entenderem com o sujeito, que simpatiza com a causa dos alferes, ele os informa que o teleporte do planeta para a órbita está temporariamente suspenso, devido a passagem de um grupo migratório de verugaments pela órbita da Terra.

Considerando isso, eles precisam encontrar uma nave qualquer que seja capaz de os levar até a órbita da Lua, onde fica a doca seca em que a Cerritos aguarda reparos. Mariner, então, pede para eles serem teleportados para Bozeman, Montana, onde existe agora um parque temático dedicado a celebrar o Primeiro Contato. Eles providenciam para entrarem em um dos passeios do parque, uma reprodução da Phoenix que, apesar de servir apenas para o passeio, é plenamente capaz de decolar e viajar em dobra básica. Ao som de “Magic Carpet Ride”, Rutherford maloca os controles automáticos desta reprodução da Phoenix e conseguem atracar na Cerritos, com a Phoenix sendo, então, tomada por Gavin, um visitante do parque que vê nisso uma oportunidade para ter uma nave para chamar de sua.

O grupo finalmente consegue os diários de Boimler, mas Mariner se desaponta pelo fato de o colega colocar um monte de irrelevâncias junto com os diários de Freeman, o que ela imagina irá desacreditar a validade daquilo como evidência para o julgamento. Boimler, Tendi e Rutherford pedem para ela não desanimar e acreditar que a verdade prevalecerá, mas, fingindo que vai seguir o conselho deles e levar os diários para o tribunal, Mariner os coloca em uma das naves auxiliares e programa para os deixarem na Terra, enquanto ela mesma pretende roubar a Cerritos e ir até Qo’noS tentar encontrar os klingons que teriam fornecido a bomba.

Boimler muda os parâmetros de programação da nave auxiliar, para que esta os leve de volta a Cerritos — que já está se afastando da doca seca, para surpresa da equipe de plantão na estação orbital próxima. A nave auxiliar faz um pouso desgovernado no hangar, e o grupo chega até a ponte para tentar evitar que ela cometa um erro que pode lhe custar a carreira e a liberdade. Mariner luta contra eles para tentar colocar a Cerritos em dobra, e Rutherford consegue travar os controles da nave, para frustração de Mariner, que acaba se acalmando com os seus amigos conversando com ela.

Contudo, duas coisas alcançam a nave naquele instante. Primeiro, um par de caças Peregrine intercepta a nave questionando o que estão fazendo, e, logo depois, o grupo de verugaments que está migrando, que cerca completamente a nave. Tendi cozinha uma baita cascata para responder aos oficiais que os questionam, ao afirmar que estavam realizando uma missão para estudar as práticas de acasalamento daqueles bichos, que, de fato, começam a fazer isso, devido ao fato de o casco exposto da Cerritos ter condições ideais para tanto.

Os oficiais de segurança encontram os alferes no hangar da Cerritos, ajudando as criaturas a realizarem suas fecundações em um ambiente razoavelmente gosmento e eletrificado. Os oficiais parecem satisfeitos e pedem a confirmação do oficial superior que liberou aquela missão, e, antes que o grupo possa reagir, Carol Freeman, o almirante Freeman, Shax e T’Ana aparecem e ela confirma que foi sob suas ordens, para surpresa dos alferes.

Freeman explica que tudo deu certo no julgamento: enquanto era realizado, um time de operações especiais da Frota, incluindo o capitão Bateson e comandante Tuvok, conseguiu desvendar o mistério em uma épica missão e limpar o nome da colega de Frota deles. Mariner fica surpresa pelo desfecho, ao que o pai dela diz que não deveria ser o caso, pois ele mesmo e seus amigos insistiram para que ela confiasse no sistema. Com isso, Carol ordena o grupo a limpar a zona que criaram em sua nave.

Os pais de Mariner passam um bom sermão na moça no gabinete de Freeman e, apesar de levarem em conta as boas intenções de Beckett, consideram também que nenhum deles dois sente-se mais em uma posição em que podem agir como pais e, ao mesmo tempo, impor autoridade militar sobre ela. Portanto, a informam que, a partir daquele momento, Ramson é quem terá total e completa autonomia de autoridade sobre a alferes, para ela entrar na linha. No hangar, enquanto limpam a gosma, os demais alferes assistem a um noticiário da FNN, informando que a Frota resgatou um maluco em órbita de Júpiter a bordo de uma reprodução desgovernada da Phoenix.

Comentários

Como comentamos na temporada anterior, não dá para assumir nada por padrão em Lower Decks. Com “Grounded” tivemos o primeiro episódio “conclusão de gancho” da série e, nele, as inversões de expectativas pelas quais é conhecida mais uma vez bateram forte, com a resolução do dilema da capitão Freeman tendo sido através de uma missão de apoio da Frota e com todo o processo legal atrelado a isso.

Este foi o proverbial sabot jogado no maquinário das teorias e especulações do fandom, algo já tradicionalíssimo de fazermos. No lugar de alguma conspiração sinistra para incriminar Freeman, na qual renegados almirantes malvados e grupos misteriosos estariam envolvidos, e a qual os intrépidos protagonistas iriam resolver na força do ódio, juntamente com convidados especiais de última hora, foram os mecanismos à disposição da Frota e da Federação os utilizados para inocentar a capitão da Cerritos.

Não foi necessário um “Lower Decks: Inssureição” nem nada disso. Como o almirante Freeman disse desde o início: uma vez na vida, confie no sistema. Nesse sentido, o episódio foi absurdamente aderente aos melhores preceitos de Star Trek e reflete a utopia social pela qual a franquia é conhecida, mas que muitas vezes é cinicamente deixada de lado em inúmeros outros episódios em favor de elementos de trama. E, se até formos ver, o rolo foi, sim, resolvido com uma épica missão digna de um longa de Jornada. Mas, seguindo a premissa da série, nós não acompanhamos isso, acompanhamos os subalternos… em sua bem-intencionada, mas totalmente irrelevante ação para resolver a trama.

Críticas minhas ficam pela maneira com que elementos lógicos ficam meio truncados, de modo a trama existir tal qual a equipe criativa precisava, como a incapacidade deles de acessarem remotamente os diários de Boimer (estariam em um dos seus padds, e apenas lá), e a maneira displicente com que permitiram Gavin a ficar com a réplica da Phoenix, embora isso tenha sido obviamente setup para a boa piada final do episódio; racionalizável na medida que eles podiam saber que o troço jamais iria conseguir deixar o Setor 001 por não ter capacidade real para isso.

Aprendemos mais sobre os personagens? Sim, embora de maneira não equalizada. Mas compreensível, já que foi um episódio de Mariner e, portanto, ela foi central à trama deste (mas como já mencionado, não à missão principal). Ela, obviamente, era a que estava mais emocionalmente engajada com o dilema da sua comandante, e isto também pontuou as ações dos demais protagonistas, que se mostraram dispostos a enfrentarem as consequências de se alinharem com a colega no momento em que ela se mostrou frágil e necessitada. Ao mesmo tempo, eles tinham pespectiva não enviesada o bastante para conseguirem considerar o todo, como o próprio almirante Freeman confiou que isso aconteceria, mesmo sem ter visto o que nós próprios vimos de Boimler, Tendi e Rutherford apoiando Mariner.

Mariner teve um enorme erro de julgamento sobre a situação toda, e seu ímpeto a impediu de fazer corretamente sua leitura. É extremamente saudável que a protagonista seja retratada de maneira “imperfeita” mas com os sentimentos e valores no lugar correto. É a retratação do “federado evoluído” do século 24, mas com as imperfeições que o tornam um ser humano realista.

A dinâmica no início da terceira temporada se mostra bem oposta àquela do início da segunda: nesta última, Mariner tinha carta branca para “marinerizar” à vontade, para desgosto de Ramson. Agora, qualquer “marinerizada” e o proverbial rabo dela pertence ao primeiro oficial. Pelo valor da face, isso pode parecer que a equipe criativa opta por se pintar em um canto, mas na realidade é o contrário: abre caminho para dinâmicas diferentes entre os personagens.

Foi interessante aprender (embora já houvesse dicas em episódios anteriores) que Mariner não reconhece na Terra um lugar onde sente ter raízes; ela deve ter crescido com os pais servindo em naves da Frota e outros locais, e anseia por estar na fronteira, o seu lugar de conforto. Dessa forma, embora não possa se encaixar de maneira perfeita na estrutura de comando da Frota, ela tem a necessidade dessa organização para lhe prover as oportunidades que deseja.

Independentemente da relação direta deles com Mariner no episódio, todos os alferes tiveram participações valiosas alocadas: Rutherford com o conhecimento para encontrarem e acessarem a Cerritos, Boimler com seus diários e ajustes na nave auxiliar para voltarem a Cerritos, e Tendi com o jogo de cintura de aproveitar a migração dos verugaments.

Este último merece destaque, com o “arco de Tendi para a temporada” tendo dica inicial aqui, com o comentário dela nunca tendo saído de São Francisco, de tão focada que estava nos estudos. Serve, inclusive, como um leve embasamento daquilo que foi levantado no piloto, de ela não saber do que se tratava areia (embora continue sendo absurdo). Além disso, ela se mostrou conhecedora das teorias científicas que livraram a cara deles quando a Cerritos foi interceptada. Como visto no final da segunda temporada, ela prosseguir na carreira focando nos aspectos de pesquisa e ciências será um arco para a oriana.

Nas referências, tudo continua bem utilizado e bastante orgânico. A necessidade de uma nave leve para irem até a órbita da Lua convidou a vermos como é Bozeman, uma divertida cidade turística com nada menos do que um parque temático dedicado ao Primeiro Contato, acompanhado de todas as deixas visuais que essa ideia proporciona, dos restaurantes ao passeio principal ter letreiro de quanto tempo está durando a fila de espera. É algo muito bom na medida que dá texturas realísticas à vida cotidiana na Terra, algo que sempre me agrada — e não invalida em nada a cidade de Bozeman ter outras instalações mais “formais” para celebrar o Primeiro Contato, diga-se de passagem.

Referências como o Sisko’s ficaram bem encaixadas também: eles estavam ali por fazerem parte da mitologia da franquia, mas sem ocorrer deslumbramento gratuito em ficarem declamando como estavam no “restaurante do profeta” ou coisa do tipo.

De itens menores, uma pequena decepção foi não utilizarem uma recapitulação dos eventos do episódio anterior com narração tipo “Last Time, on Star Trek: Lower Decks…” e “And now, the conclusion” mas é compreensível que ficasse de fora, devido ao curto tempo que um episódio de animação tem para desenvolver sua trama; isso foi realizado de maneira mais otimizada na forma de animação nova com o noticiário da FNN.

No frigir dos ovos, um episódio que equilibra bem seus elementos sérios em relação a seus elementos de humor, e serve de muito bom ponto de partida para o que pode ser mais uma boa temporada de Lower Decks.

Avaliação

Citações

“Well, ahoy, there. Come in, come in. Don’t let the door hit you where the Big Bang split you.”
(Mas, bem, saudações. Entrem, entrem. Só cuidado para a porta não acertar vocês onde o Big Bang os dividiram.)
Chefe Carlton Dennis, convidando os subalternos para entrarem na instalação com o teleporte tático da Frota

“All right, buckos, prepare for your trek amongst the stars.”
(Muito bem caras, se preparem para sua jornada através das estrelas.)
Zefram Cochrane holográfico na atração Ride the Phoenix, em Bozeman

“It’s an orgy?”
(É uma orgia?)
Mariner, sobre as verugament escolherem a Cerritos para se reproduzirem

“Starfleet really came through. Who’d have thought?”
“Me, Beckett. I told you from the start to trust in the system. I said it this morning. I bet your friends told you just as much.”
“Um… they might’ve said… I mean, whatever, all that matters is you’re free, right, mom?”
(A Frota Estelar realmente fez o correto. Quem poderia imaginar?)
(Eu, Beckett. Eu te falei desde o início para confiar no sistema. Eu disse essa manhã mesmo. Eu aposto que seus amigos te falaram a mesma coisa.)
(Hum… eles podem ter dito… quero dizer, que seja, o que importa é que você está livre, certo, mãe?)
Mariner e almirante Freeman, comentando sobre o resultado do julgamento

“As far as you’re concerned, Mariner, I’m your mama now.”
(No que te diz respeito, Mariner, eu sou a sua mamãe agora.)
Ransom, se deliciando com Mariner aterrorizada pela possibilidade

Trivia

  • O vídeo inicial da franquia Star Trek que começou a aparecer antes dos episódios de Star Trek: Strange New Worlds foi ligeiramente atualizado para Lower Decks. A Cerritos substituiu a Enterprise em Lower Decks, o que significa que provavelmente veremos variantes similares usadas para Prodigy, Picard e Discovery quando esses seriados voltarem ao ar.
  • O julgamento da capitão Freeman é coberto pela Federation News Network (FNN). As notícias de rodapé incluem uma referência aos Cavaleiros Solares de Buffalo (Buffalo Solar Knights) derrotando os Reis de Londres (London Kings), uma futura equipe de beisebol e favorita de Benjamin Sisko, vistos nos episódios “Past Tense, Part II”“If Wishes Were Horses”, de Deep Space Nine.
  • O agora almirante Edward Jellico, visto no episódio “Chain of Command”, de A Nova Geração, baniu as Irmãs Zebulon, referenciadas no episódio “Terminal Provocations” de Lower Decks, de qualquer nave na ativa.
  • As notícias de rodapé também indicam que Zakdorn, de seis anos de idade, é a pessoa mais jovem a ser coroada Grande Mestre de Strategema, jogo que foi introduzido em “Peak Performance” de A Nova Geração. Informam, ainda, que um grupo de adolescentes se machucou recentemente em um concerto de Sonny Clemonds. Clemonds é o sobrevivente criogênico do século 20 que se torna amigo de Data, no episódio “The Neutral Zone”.
  • Os repórteres que entrevistam a tripulação durante o julgamento de Freeman usam crachás semelhantes aos usados pelos repórteres em Star Trek: Generations. O logotipo simplificado da estação os identifica como repórteres da FPC.
  • A Federation News Network (FNN) também apareceu no episódio “Children of Mars”, de Short Treks, e no episódio “Remembrance”, de Star Trek: Picard.
  • A capital do planeta Pakled é a Big Strong City (Cidade Grande e Forte).
  • Beckett Mariner não cresceu na Terra.
  • A Ponte Golden Gate não é vermelha, como citado por Mariner, mas sim pintada com a cor laranja.
  • As cadeiras no gabinete do almirante Freeman são cadeiras de salão direcionais, de Vladimir Kagan, estão em Star Trek desde a época de A Nova Geração e apareceram pela última vez em Jornada nas Estrelas: Nemesis.
  • O vinhedo da família de Boimler foi estabelecido no episódio “wej Duj”. Fica no exterior de Modesto, Califórnia, que é onde grande parte das passas de uva da Califórnia são cultivadas.
  • O vinhedo da família Boimler evoca abertamente os episódios “Family” e “All Good Things”, de A Nova Geração, nos quais vemos o vinhedo de Jean-Luc Picard na França. Alguns dos maiores equipamentos flutuantes também foram vistos em Star Trek: Picard.
  • Boimler está vestindo nos vinhedos a mesma roupa que o Picard alternativo do futuro, no início de “All Good Things”.
  • A primeira garota que fala com Boimler no vinhedo sobre as uvas é baseada na garota da caixa de passas americana, da marca Sun Maid.
  • O restaurante de cozinha crioula de Joseph Sisko aparece como quando foi visto pela última vez no episódio “Image in the Sand”, de Deep Space Nine.
  • Quando Tendi e Rutherford estão comendo no restaurante de Sisko, eles usam um molho Ketracel White Hot. Ketracel-white era um composto químico criado para ser um narcótico viciante que continha uma enzima isogênica. Os soldados jem’hadar do Dominion foram geneticamente modificados para não possuírem a enzima que este produto fornecia, e precisavam de doses frequentes da droga para sobreviver.
  • O jacaré visto e citado na cozinha crioula de Sisko em “Homefront”️ e “Paradise Lost”️ também aparece neste episódio.
  • A placa dos especiais do dia na cozinha crioula de Sisko é baseada em placa muito semelhante, vista no episódio “Paradise Lost”, de Deep Space Nine, apresentando quase os mesmos especiais.
  • Rutherford usa um agasalho igual ao que Jake Sisko usou nos episódios “The Visitor”, “Homefront” e “Shattered Mirror” de Deep Space Nine.
  • O chefe de transporte Carlton Dennis (Denny) está usando um uniforme mais antigo da Frota Estelar, da era de Star Trek: Voyager; com sua jaqueta exterior, ele está vestido de maneira bem semelhante ao holograma de Lewis Zimmerman, visto no episódio “Projections” de Voyager.
  • O aficionado por teletransportadores, chefe Carlton Dennis, está lendo Emory Erickson: A Memoir. Conhecemos Emory Erickson, inventor do teletransportador, no episódio “Daedalus” de Enterprise.
  • Denny restaurou muitas plataformas de teletransporte; sua coleção apresenta teletransportadores baseados nos sets vistos em muitos filmes e produções televisivas de Star Trek. Estão incluídas plataformas baseadas nas da Estação Espacial K-7, da USS Enterprise, da USS Enterprise-D e da USS Voyager.
  • A conexão de destaque do episódio é a visita dos alferes a Bozeman, Montana, o local do Primeiro Contato entre humanos e vulcanos, instigado pelo primeiro voo de dobra de Zefram Cochrane. Tudo isso fez parte do filme Jornada nas Estrelas: Primeiro Contato, que estabeleceu que no século 24 havia uma grande estátua de Cochrane no local. Essa estátua pode ser vista como parte de um parque temático, que inclui uma série de outros elementos ou referências ao filme, incluindo uma barraca de bebidas chamada Thirst Contact.
  • A estátua de Zefram Cochrane mencionada por Geordi La Forge em Jornada nas Estrelas: Primeiro Contato está no centro do parque em Bozeman; um modelo dessa estátua também estava nos aposentos do capitão Archer a bordo da Enterprise NX-01.
  • As naves de segurança da Frota Estelar que perseguem a Cerritos depois que os alferes a roubam tem o mesmo desenho que as embarcações de caça da Federação vistas na Batalha de Deep Space Nine, em “Sacrifício dos Anjos”.
  • À medida que a câmera se aproxima da histórica Bozeman, o tema musical de Jerry Goldsmith, que Cochrane tocava no bar no filme. E a nave de pesquisa vulcana, que desembarcou em Bozeman, foi transformado na Zona de Primeiro Contato Divertida (First Contact Fun Zone).
  • Na atração do parque temático “Ride The Phoenix“, um holograma de Cochrane como piloto tem a voz original de James Cromwell.
  • Tendi e Rutherford usam um chapéu igual ao de Zephram Cochrane, do filme Jornada nas Estrelas: Primeiro Contato, adquirido no parque como lembrança.
  • A roupa que Boimler veste na Terra é baseada na roupa civil que Wesley Crusher usou em sua última aparição no episódio “Journey’s End”, de A Nova Geração.
  • Os balões infláveis vistos no parque em Bozeman são baseados na Defiant, T’Plana-Hath, Enterprise, Phoenix ou Delta, da Frota Estelar. A última vez que tínhamos visto um balão da Enterprise foi no episódio “The Practical Joker”, da Série Animada.
  • Graças ao seu implante, Rutherford foi capaz de recordar as coordenadas de 19 dígitos da doca seca.
  • A missão secreta para exonerar a capitão Freeman foi liderada pelo capitão Morgan Bateson de “Cause and Effect”, de A Nova Geração , com alguma ajuda de Tuvok, retratado aqui pela primeira vez desde seu retorno ao Quadrante Alfa.
  • O chefe Carlton “Denny” Dennis e o “capitão” Gavin foram dublados por Bobby Moynihan, mais conhecido pelo seu trabalho no Saturday Night Live, que incluiu atuar como Spocko em um quadro de Star Trek com Chris Pine, o capitão Kirk dos filmes da era Kelvin.
  • O cockpit da nave Phoenix de Zefram Cochrane durante o lançamento em Bozeman, Montana, em 2382 foi totalmente recriado com base na Phoenix de 2063 do filme Jornada nas Estrelas: Primeiro Contato.
  • Em uma cena neste episódio, o nome familiar da nave auxiliar é Red Wood, não Redwood, como em todos os outros episódios.
  • O almirante Buenamigo (e um dos oficiais da segurança) foi dublado por Carlos Alazraqui, pai de Rylee Alazraqui, que é a voz de Rok-Tahk em Prodigy.
  • O almirante Buenamigo tem um modelo do Álamo em exposição em seu escritório. O’Brien e Bashir também possuem uma réplica, vista em “What You Leave Behind”, de Deep Space Nine, e um edifício muito semelhante é visto em Vashti, no episódio “Absolute Candor”, de Star Trek: Picard.
  • As peças de xadrez 3-D na versão desktop do jogo, vistas no escritório da base estelar tipo Regula, baseiam-se claramente nas peças de xadrez vistas na Série Clássica, em episódios como “Charlie X” e “Court Martial”.
  • A nave auxiliar que caiu de novo na Cerritos foi a Joshua Tree, mas não parece ter sido destruída.
  • Após a destruição da nave auxiliar Yosemite no episódio “Where Pleasant Fountains Lie”, da 2ª temporada de Lower Decks, a Cerritos recebeu uma nova nave, Yosemite 2, como vista brevemente quando a nave auxiliar cai.
  • Como as naves auxiliares da USS Cerritos e outras naves da classe Califórnia em geral, as naves auxiliares tipo 6A Contra Costa e Pinnacles, vistas na Terra têm o nome de parques nacionais localizados na Califórnia.
  • A nave em que o fabricante de dados está escapando é um cargueiro retelliano, que apareceu originalmente no episódio “Precious Cargo”, de Star Trek: Enterprise. O modelo foi posteriormente reutilizado como um cargueiro tarkaleano e um cargueiro tellarita.
  • Só é preciso ter 100 centímetros de altura (3 pés, 3 polegadas) para “Navegar na Phoenix”.
  • O emblema “Phoenix – Faster Than Light” (Phoenix – Mais Rápida Que a Luz) visto em toda a experiência Phoenix, tem uma origem muito obscura e não foi criado recentemente para o episódio. Não é de Jornada nas Estrelas: Primeiro Contato, mas foi criado para o episódio “First Flight”, de Enterprise, no qual apareceu em uma vitrine de emblemas das primeiras missões fictícias Terra/Frota Estelar no Clube 602 e no Controle de Missões. Foi visto um pouco melhor nas imagens dos bastidores.
  • A Cerritos ainda tinha o revestimento do casco removido, o que ocorreu durante os eventos do episódio “First First Contact”.
  • Boimler disse que os seus registos remontam a 58018.7, que seria por volta da época do episódio “We’ll Always Have Tom Paris”.
  • Entre as suas admissões, Brad revelou que pinta o seu cabelo de roxo, e ninguém conhece a verdadeira cor de seu cabelo.
  • A equipe de segurança da Frota Estelar foi colocada em uma Base Estelar do tipo Regula 1, que liberou caças de ataque da Federação.
  • O capitão Morgan Bateson (Kelsey Grammer), visto no episódio “Cause and Effect”, de A Nova Geração, utilizou uma nave da classe Akira no planeta Pakled.
  • Após a USS Pasteur, em “All Good Things”, e a USS Quito, em “Cupid’s Errant Arrow”, de A Nova Geração, vemos outra nave da classe Olympic durante a evacuação do planeta Pakled.
  • O falsificador que eles localizaram era um zakdorn, espécie que apareceu nos episódios “Peak Performance”, “Ménage à Troi” e “Unification I”, de A Nova Geração.
  • O primeiro nome do almirante Freeman foi revelado como sendo Alonzo. Sua esposa encurtou-o para ‘Zo.
  • A FNN relatou que um “rapazinho” resolveu o último teorema de Fermat, que foi realmente resolvido em 1995. O episódio “The Royale”, de A Nova Geração, refere-se ao fato de não ter sido resolvido, mas o episódio “Facets”, de Deep Space Nine, faz referência à prova do matemático Andrew Wiles.
  • A Rainha Pakled foi vista sendo detida durante a montagem épica.
  • Um dos pakleds vistos no final do episódio é Rumdar, que foi apresentado no episódio “The Spy Humongous”, da 2ª temporada, ainda com o seu boné de basebol e camisa da loja de presentes da USS Cerritos.
  • A música que Cochrane coloca para tocar na Fênix, neste episódio e no filme Jornada nas Estrelas: Primeiro Contato, é a versão de 1969 de “Magic Carpet Ride” de Steppenwolf.
  • O desenho da sala de audiências do julgamento da capitão Freeman, vista no final do episódio parece basear-se parcialmente no pódio dos juízes no episódio “Court Martial”, da Série Clássica. Até apresenta o computador antiquado na frente do pódio.
  • Depois que o tenente O’Connor viu um coala “equilibrando o universo em suas costas”, em “Moist Vessel”, e o alferes Boimler viu um coala quando ele quase se afogou, em “First First Contact”, um nebuloso coala aparece nas nuvens da nebulosa na animação de abertura.
  • O display retroiluminado para óculos que foi virado de cabeça para baixo e usado no cockpit da Phoenix  também foi recriado para a réplica do cockpit da Phoenix.
  • O vídeo de segurança de Zefram Cochrane na fila e a bordo da Phoenix lembra avisos semelhantes típicos de passeios de parques temáticos, particularmente aqueles baseados em ficção científica, como o famoso Back to the Future: The Ride que havia nos parques da Universal Studios e, claro, os passeios que haviam no antigo Star Trek: The Experience, como o Klingon Encounter e o Borg Invasion 4-D.
  • Este é um raro episódio de Star Trek que tem apenas uma história A. Não há história B, que normalmente segue personagens diferentes em um enredo diferente, mas às vezes relacionado.
  • A sequência de batalha nos créditos de abertura ficou um pouco mais intensa na terceira temporada. A cada temporada, a USS Cerritos parece estar tendo cada vez mais problemas nos créditos iniciais. Na temporada 1, foram apenas romulanos e os borgs, na temporada 2, klingons e pakleds se juntaram a eles na luta e agora na temporada 3, uma entidade cristalina também apareceu.

Ficha Técnica

Escrito por Chris Kula
Dirigido por Jason Zurek

Exibido em 25 de agosto de 2022

Título em português: “De Castigo”

Elenco

Tawny Newsome como Beckett Mariner
Jack Quaid como Brad Boimler
Noël Wells como D’Vana Tendi
Eugene Cordero como Sam Rutherford
Dawnn Lewis como Carol Freeman
Jerry O’Connell como Jack Ransom
Fred Tatasciore como Shaxs
Gillian Vigman como T’Ana

Elenco convidado

James Cromwell como Zefram Cochrane holográfico
Phil LaMarr como Alonzo Freeman
Carlos Alazraqui como Les Buenamigo
Bobby Moynihan como Gavin
Kari Wahlgren como Sylvia Ront

TB ao Vivo

Enquete

Trivia de Maria Lucia Rácz
Revisão de Nívea Doria

Episódio anterior | Próximo episódio