TNG 5×21: The Perfect Mate

Jean-Luc Picard sofre dilema ético e deixa transparecer sua fragilidade

Sinopse

Data estelar: 45761.3

A guerra entre os sistemas Krios e Valt Menor está marcada para terminar a bordo do território neutro da Enterprise, em uma Cerimônia de Reconciliação. O embaixador kriosiano, Briam, chega primeiro, com um presente para o líder valtês Alrik, um item frágil e insubstituível que ele pede que seja guardado em local onde somente presenças autorizadas poderiam ocorrer.

Enquanto ruma para encontrar Alrik, a Enterprise encontra uma nave auxiliar ferengi e transporta seus dois ocupantes a bordo. Picard e a tripulação descobrem que sua chegada não foi coincidência, quando um dos ferengis é pego tentando roubar o presente. Após ser abalada pelo alienígena, a estrutura em formato de casulo que guarda o presente se dissolve, revelando uma bela e exótica mulher em seu interior.

A mulher, Kamala, explica que é uma metamorfa empática, uma criatura rara nascida com a habilidade de sentir o que seu companheiro deseja e tornar-se o que ele quer que ela seja. Desde o nascimento ela foi criada para ser um presente para Alrik, como uma oferenda de paz. Entretanto, como seu casulo foi quebrado prematuramente, ela está vulnerável, enviando poderosos sinais sexuais para todo homem que encontra. Briam pede que ela seja confinada em seus alojamentos até Alrik chegar, mas isso choca Beverly, que diz a Picard que ele está ajudando a transportar Kamala para uma vida de virtual prostituição. Ela o convence a falar com a mulher e libertá-la de seus aposentos.

Picard tem dificuldades para resistir à beleza de Kamala, e por isso designa Data, que é imune ao charme da mulher, para ser sua escolta. Data leva Kamala ao bar panorâmico, onde todos os homens ficam atraídos por ela. Kamala percebe que está criando confusão e decide voltar, de livre e espontânea vontade, a seus aposentos. Enquanto isso, ao que Picard e Geordi ajudam a preparar a cerimônia, os ferengis tentam subornar Briam para ter Kamala. Quando ele se recusa, os alienígenas o deixam inconsciente.

Com Briam incapaz de cumprir seus deveres, Picard é requisitado para assumir seu papel nas negociações de paz. Infelizmente, o capitão sabe pouco dos costumes e rituais do povo kriosiano e precisa pedir ajuda a Kamala. Conforme trabalham juntos, Picard sente maior dificuldade em resistir à mulher. Kamala confessa que também está tentando resistir e que acha irônico ter encontrado um homem como Picard um dia antes de conhecer a pessoa com quem passará o resto da vida.

Alrik chega, e Picard é chamado para entregar Kamala a seu novo companheiro na Cerimônia de Reconciliação. Entretanto, quando ele chega no quarto dela, Kamala diz que está apaixonada e indissoluvelmente ligada ao capitão. Ele pergunta se ela pretende seguir com a cerimônia, e ela diz que precisa colocar seus deveres acima de seus desejos.

Comentários

“The Perfect Mate” é mais um daqueles episódios que se baseiam em elementos do cotidiano e exploram a atmosfera do século 24 para gerar interesse na audiência. Pode-se dizer que o segmento toca em vários assuntos, que vão de escravidão a prostituição, passando por infidelidade.

Mas, na verdade, o episódio está longe de discutir grandes questões. Ele é muito mais um estudo de personagens – feito especialmente sobre Picard. Estamos acostumados a ver um capitão cuja firmeza de caráter é tão grande que nada, absolutamente nada, pode abalar. Agora, e se o oponente a ser vencido dessa vez é impossível de se ignorar? E se é uma mulher irresistível e ao mesmo tempo inatingível?

Levando por esse lado, é interessante acompanharmos cada minuto do episódio, que testa Picard até seus limites. Um dos maiores sonhos de cada ser humano é encontrar seu par ideal – sua “alma gêmea”, por assim dizer. Kamala é capaz de se tornar essa alma gêmea para qualquer um, e o bom capitão é o feliz ganhador.

Um dilema surge daí: de um lado, sua extrema firmeza de caráter. Afinal, essa mulher tem um destino histórico – casar-se com um homem e encerrar anos de conflito. Nunca Picard permitiria que alguma coisa, principalmente ele mesmo, interrompesse esse importante processo.

Do outro lado, sua felicidade pessoal. Picard está extremamente envolvido, não só pela beleza física irresistível da alienígena, mas também por ela representar simplesmente tudo o que ele sempre sonhou em uma mulher (lembre-se, ela é empática e é capaz de ser exatamente o que seu companheiro quer dela). A felicidade parece estar tão próxima de suas mãos. O problema é que o preço pode ser a continuação de uma guerra.

O mais interessante é que não são nem as consequências que o afligem, mas sim o simples fato de que seguir no curso que levaria à sua satisfação pessoal é errado, por qualquer ângulo que se olhe. Primeira Diretriz, regras da Federação, ética pessoal e posição neutra no conflito precisariam ser jogadas pela janela para justificar essa posição – algo que Picard nunca aceitaria fazer.

Alguém pode pensar que Kamala não merece o companheiro que vai receber, ou que ainda ela teria direito a escolher a pessoa ideal para ela, justificando assim a quebra de protocolo (que o capitão já mostrava certa abertura para cometer, caso fosse a vontade da mulher). Mas é importante lembrar que Kamala só se tornou a pessoa sensível que era graças à ligação com Jean-Luc. O fato de sua transformação ser definitiva pouco tem a ver com o que ela queria, mas sim com o que ela havia se tornado. Portanto, achar que ela “queria” ficar com o capitão, e não com Alrik, é interpretar um acidente de percurso (a abertura prematura do casulo) como autodeterminação e vontade consciente.

O resultado mais interessante do episódio é que ele nos mostra um pouco mais de quem realmente é Jean-Luc. Não o capitão Picard, mas simplesmente Jean-Luc. É interessante notar que no fim, o senso ético que Kamala derivou do capitão foi mais forte que o dele próprio. Se a mulher tivesse dito que não queria seguir com a cerimônia, o capitão provavelmente iria interceder em seu favor. Mas ela colocou seu dever acima de tudo, como Picard normalmente faria.

Além disso, é extremamente curioso observar Jean-Luc baixando a guarda. Duas cenas transparecem isso de forma preciosa. Primeiro, quando ele conversa com Beverly e pede claramente por uma amiga, abrindo mão de todo e qualquer relacionamento de subordinação ou mesmo coleguismo que haveria entre os dois. Não eram o capitão e a oficial médica-chefe. Eram dois amigos.

Depois, quando o embaixador Briam se mostra intrigado com a incrível capacidade do capitão de resistir a Kamala. Ao se perguntar como Picard teria feito isso, o kriosiano só recebe a resposta “acionar”, ordem dada ao oficial do transporte para que envie o embaixador à superfície. Ali, embora não expressa, é muito claro o tom da “resposta”. É como se Picard tivesse dito, “não resisti”.

Do ponto de vista do enredo, não há muito a comentar. A história é razoavelmente coerente, simples, mas também não oferece grandes destaques. A introdução dos ferengis serve mais como elemento de falsa encrenca, produzindo algumas reviravoltas na história que permitem que ela sustente os 45 minutos sem o suporte de uma trama B. No fim das contas, “The Perfect Mate” consegue ficar na média, por oferecer uma visão única sobre o que se passa sob o manto (quase) impenetrável que reveste o capitão da Enterprise.

Avaliação

Citações

“My emphatic powers can only sense a man of deep passion and conviction. So controlled, so disciplined. I’m simply curious to know what lies beneath.”
“Nothing, nothing lies beneath. I’m… I’m really quite dull.”
(Meus poderes empáticos só podem sentir um homem de profunda paixão e convicção. Tão controlado, tão disciplinado. Estou simplesmente curiosa para saber o que há por baixo.)
(Nada, nada está por baixo. Eu… eu sou bem tedioso.)

“What is it about me you fear? Do you find me unattractive?”
“I find you unavailable.”
(O que há em mim que você teme? Você não me acha atraente?)
(Eu acho você indisponível.)
Kamala e Jean-Luc Picard

Trivia

  • O roteiro passou por revisões de vários escritores. De acordo com Michael Piller, a questão central era que a relação entre Picard e Kamala não estava funcionando. Ele comentou: “Num longo memorando para René Echevarria, eu disse que esse episódio não funciona se a audiência, pelo menos os homens, não se apaixonar por essa mulher também. Ela tem de ser bem resolvida, brilhante, estimulante, com uma grande personalidade, e a audiência deveria dizer, ‘eu vejo o problema para Picard’. Se não houver eletricidade magnética entre os dois e não acontecer para mim, como um homem vendo-a, então a audiência não vai aceitar por um segundo sequer que Picard se sentiria tentado.”
  • Piller destacou a conversa entre Picard e Crusher, em que o capitão representa a visão roddenberriana desapaixonada. “Temos Beverly defendendo o ponto de vista de que a missão da Kamala equivale a prostituição. E temos Picard pegando o outro lado: que, aprovando isso ou não, não podemos mudar ou interferir com o jeito que essas pessoas são. E se você aceitar a visão de Roddenberry, sobre a qual estamos erigidos, você tem de respeitar isso.”
  • Gary Perconte era o pseudônimo de um amigo de Piller, Reuben Leder, que não gostou da reescrita de sua versão do roteiro. Esta foi a única vez em que um escritor solicitou o uso de um pseudônimo enquanto Piller foi o showrunner de A Nova Geração.
  • Um final alternativo proposto por Piller durante as filmagens trazia Picard interferindo na cerimônia para parar o casamento, apenas para revelar que essa intervenção abrupta era só a imaginação dele, conforme a cerimônia prosseguia. Patrick Stewart gostou da ideia, e ela foi filmada. Mas Rick Berman vetou seu uso. A cena aparece como um extra no lançamento em Blu-ray da quinta temporada de A Nova Geração.
  • Outros dois finais alternativos foram considerados, mas não filmados. Num deles, Kamala interrompia a cerimônia para recusar tanto Alrik como Picard. Piller relembrou assim: “Ela diz que pela influência de Picard ela foi iluminada e vai partir em busca de aventura, deixando os dois parados lá. Eu fui voto vencido. Acho que aqueles que votaram contra diriam que ela partir não era justificado por nada mais do que estava no roteiro, mas eu discutiria isso.”
  • Rick Berman lembrou que houve muitas discussões acaloradas sobre a escolha do final. “Nenhum de nós jamais saberá qual dos quatro teria sido melhor.”
  • “The Perfect Mate” foi filmado entre 14 e 25 de fevereiro de 1992, nos galpões 8, 9 e 16 da Paramount.
  • O figurinista Robert Blackman ficou muito satisfeito com seu trabalho neste episódio, mas admite que teve dificuldades com o vestido de noiva, que o roteiro descrevia como “o mais incrível vestido que uma mulher já vestiu”.
  • O instrumento musical kriosinao era um gamelão de Bali.
  • Marina Sirtis não aparece neste episódio.
  • A bela atriz Famke Janssen participa deste episódio como Kamala. Famke tem uma sólida carreira cinematográfica, com filmes como 007 contra Goldeneye. Porém ela é mais facilmente identificável como a dra. Jean Grey do filme X-Men, onde contracenou novamente com Patrick Stewart, que interpreta Charles Xavier.
  • A maquiagem de Kamala inspirou mais tarde o novo visual dos trills, à la Jadzia Dax, em Deep Space Nine. A versão original dos alienígenas simbióticos foi descartada por sua maior complexidade e por dificultar a criação de uma personagem sexy, como Jadzia precisava ser. Por sinal, Janssen recebeu proposta para viver Jadzia. Só depois que ela recusou, Terry Farrell foi trazida para o papel.
  • Max Grodenchik, o ator que interpreta o Ferengi Rom em Deep Space Nine, participa deste episódio como Par Lenor. Grodenchik já havia participado de A Nova Geração como o ferengi Sovak no episódio da terceira temporada “Captain’s Holiday”.
  • Aqui Picard menciona como chegou a ter aulas de piano quando criança, e que sua mãe gostava de ouvi-lo tocando. É um detalhe especialmente impactante depois que conhecemos a real história entre Jean-Luc e sua mãe, na segunda temporada de Picard.
  • Em entrevista ao Trek Brasilis, Michael Piller falou o seguinte sobre o episódio: “Sempre tive um ponto fraco no meu coração por ‘The Perfect Mate’. Não me pergunte por quê. Eu não chamaria de meu favorito, mas é um de que me lembro com grande apreciação quando penso em toda a minha experiência.”
  • O diretor Cliff Bole comentou sobre o episódio: “Ele mostrou que Picard tem uma falha, você pode atingir seu personagem. Isso significa que você pode continuar a fazer o personagem funcionar. Acho que é uma boa apresentação de Picard, porque normalmente ele não se permitiria ser tão vulnerável.”
  • Rick Berman também falou bem do resultado final. “Fiquei muito satisfeito com ele. [Famke Janssen] está tão bonita quanto qualquer mulher que já tenhamos visto e teve uma performance maravilhosa.”

Ficha Técnica

História de René Echevarria e Gary Perconte
Roteiro de Gary Perconte e Michael Piller

Dirigido por Cliff Bole

Exibido em 27 de abril de 1992

 Título em português: “O Par Perfeito”

Elenco

Patrick Stewart como Jean-Luc Picard
Jonathan Frakes como William Thomas Riker
Brent Spiner como Data
LeVar Burton como Geordi La Forge
Michael Dorn como Worf
Gates McFadden como Beverly Crusher

Elenco convidado

Famke Janssen como Kamala
Tim O’Connor como Briam
Max Grodénchik como Par Lenor
Mickey Cottrell como Alrik
Michael Snyder como Qol
David Paul Needles como minerador 1
Roger Rignack como minerador 2
Charles Gunning como minerador 3
April Grace como oficial do transporte
Majel Barrett como voz do computador

Enquete

Edição de Maria Lucia Rácz
Revisão de Susana Alexandria

Episódio anterior | Próximo episódio