René Auberjonois comenta seu retorno a Jornada

Rene Auberjonois (Odo, em Deep Space Nine), trouve uma bagagem teatral rica e variada ao franchise, além da fama de muitos anos pela interpretação de Clayton Endicott III em ‘Benson’.

Desde a conclusão de DS9, ele tem aparecido em diversos filmes para a TV e atuado em papéis da telona, em produções como ‘O Patriota’ e ‘Inspetor Bugiganga’.

Recentemente, apareceu em shows aclamados como ‘Judging Amy’ e ‘The Practice’. Ele também tem emprestado a voz para vários personagens animados, incluido Kanjar-Ro da ‘Liga da Justiça’, Renard de ‘A Lenda de Tarzan’ e o cantante Chef Louie de ‘A Pequena Sereia’.

No episódio “Oasis” de Enterprise, Auberjonois interpreta um pai preocupado que pode esconder um segredo sinistro. No mês passado, o ator falou ao Trek Nation sobre o que deixou para trás com a Deep Space Nine, com quem deseja trabalhar e que tramas de Enterprise soam suspeitamente familiares:

Trek Nation: Deve ser legal ser popular com esse franchise. Eles telefonaram e disseram, ‘We Temos um papel perfeito para você’?

Rene Auberjonois: Não sei se eles disseram que era o papel perfeito, mas falaram que tinham um script que gostariam se eu considerasse fazer. Eu olhei para ele e pensei que seria ótimo. Então o fiz, e foi muito divertido – tive um déjà vu total. Estávamos nas plataformas de Voyager, com a mesma equipe, muitos dos mesmos rostos, e praticamente o mesmo script!

Trek Nation: Disseram que você faz um personagem que começa como mocinho e vira vilão.

Auberjonois: E termina como mocinho. Ele é apenas mal-direcionado. Ele é o tipo do personagem como Prospero — Prospero de The Tempest, com sua filha, vivendo nesse planeta ou asteróide. E a Enterprise entra em cena.

Trek Nation: Ouvi notícias conflitantes sobre o nome do seu personagem — o site oficial de Jornada discorda com grande número de pessoas que dizem ter uma cópia do roteiro em filmagens. Qual é o nome?

Auberjonois: Quer saber? Eu não me lembro! Elcazar, eu acho? Não sou de grande ajuda nessa questão!

Trek Nation: Acho que o site oficial disse Ezral.

Auberjonois: Era algo assim. Mas é perfeitamente possível que tenham mudado o nome. Eu nunca vi o nome, não acho que alguém diga meu nome, então pode ser que eles decidiram mudá-lo e não precisaram se preocupar com isso no roteiro.

Trek Nation: Você vinha acompanhando a série?

Auberjonois: Não. Na verdade eu estava envergonhado — Fui ver Rick Berman no dia em que fui provar meu figurino. Parei no escritório para ver Rick, então fomos juntos ao set onde estão filmando o seriado. E enquanto andávamos em um pequeno carro de golfe pelo lugar, ele disse, ‘So Então, o que está achando da série? Você já assistiu?’ E eu disse, ‘Rick, adoraria mentir para você, mas não, não assisti’. E ele disse, ‘Você é um filho da mãe’!

Naquela noite, percebi que ia passar, e disse, ‘Bom, É melhor eu assistir já que vou estar nela’. E eu assisti e me pareceu boa. Mas pareceu…familiar. Você sabe. É o que eu disse, déjà vu total! É Jornada, o que posso dizer?

Trek Nation: Que episódio passou? O do Klingon?

Auberjonois: Não, o do doutor. Era um episódio com o doutor, ele estava namorando alguém, começando um relacionamento.

Trek Nation: Que não foi citado desde aquele episódio.

Auberjonois: Você nunca sabe sobre essas coisas. Ele podem ficar trazendo de volta e deixando de lado, como o rolo entre Odo/Kira.

Trek Nation: Eu achei o rolo Odo/Kira bastante consistente, uma vez que decidiram explorá-lo.

Auberjonois: Mas levou um tempão para eles fazerem isso! Eles meio que provocaram, e tentaram se livrar disso mas não conseguiram. They’d Tocara num ponto importante e ficaram presos a isso. Eventualmente tinham que resolvê-lo.

Trek Nation: Na última vez em que o entrevistei, parecia que os fãs gostaram mais da resolução do que você e Nana [Visitor].

Auberjonois: Ah, tivemos bons momentos — adorávamos trabalhar juntos, estávamos muito confortáveis um com o outro. Mas não foi tão interessante para nós… Você sabe, ontem quando fui ao cinema vi um trailer do novo Star Wars…

Trek Nation: A história de amor entre Anakin/Amidala?

Auberjonois: Ai meu Deus! Dawson’s Creek encontra Star Wars! Sei lá, não sei porque minha mente viajou até lá.

Trek Nation: O que eu gostava sobre Odo e Kira era que eles não eram adolescentes, ou mesmo tão jovens quanto Paris e Torres em Voyager. Não era um romance cheio de sentimentalismo típico. Imagino que não há nenhum plano de trazer Odo de volta da gosma dos Fundadores?

Auberjonois: Ah, eu ficaria muito surpreso se ele surgisse de novo da lama!

(…)

Trek Nation: Imagino que você conheceu a maioria [dos atores] nas convenções? E quanto a Enterprise — Com qual dos atores você interagiu mais?

Auberjonois: Com Scott [Bakula], o que foi ótimo. Ele é simplesmente cativante, concentrado, gentil, e leve no set. É o set de Jornada mais feliz que eu já visitei. Eles realmente estão se divertindo muito. Todos estão felizes por estarem lá, e se dão muito bem.

Acho que Scott dá o tom. Ele é um verdadeiro cavalheiro e se importa com todos, dos de cima ou de baixo. Ele é ótimo.

Trek Nation: Você já o conhecia, ou a um dos outros atores?

Auberjonois: Não. Eu nem o tinha encontrado, apesar de termos amigos em comum. Eu não tinha trabalhado com nenhum deles. É claro que, quanto à equipe de produção, eram os mesmos caras e moças.

Trek Nation: Eles disseram por que pensaram em você para o papel?

Auberjonois: Rick disse que eles estavam na escalação de atores, estudando como queriam que o personagem fosse, e alguém disse, ‘It Ele deveria ser como René — não Odo, mas René como ele é’. E Rick disse, ‘Bem, por que não tentamos com René’? E eles o fizeram. E foi bom.

Trek Nation: Foi uma reunião nostálgica ou estranha voltar ao estúdio?

Auberjonois: Houve uma certa nostalgia, mas foi estranho só no sentido de que é muito familiar. A mesa de serviço era a mesma, muito do guarda-roupa, o trailer da maquiagem, o pessoal da maquiagem é o mesmo. Pareceu muito familiar.

Trek Nation: Quanta maquiagem você usou para Enterprise?

Auberjonois: Muito pouco. Eram umas pintas do tipo da Dax na minha testa. Não era quase nada.

(…)

Auberjonois: Aquele ator [Connor Trinneer] é bom; ele tem um bom histórico no palco também.

Trek Nation: De todos os personagens, acho que estão escrevendo o dele de forma mais consistente.

Auberjonois: Sempre leva um tempo até eles descobrirem quem os personagens são. Os roteiristas e produtores sempre têm uma idéia, então eles usam dos instrumentos e papéis para contar como se toca a música. A Vulcana [Jolene Blalock] é uma verdadeira Hilary Swank, mas tive pouco contato com ela.

Trek Nation: Você acha? As características dela que eles estão enfatizando na série não são as que me fazem lembrar de Hilary Swank.

Auberjonois: Assim como fizeram com Terry Farrell.

Trek Nation: E com Nana Visitor nas temporadas mais recentes.

Auberjonois: Há uma verdadeira necessidade em apresentar um certo visual. A Paramount queria a coisa do sexo em Enterprise. E um sentimento de nostalgia, como um regresso ao seriado velho. Era o suficiente para se ter uma Jornada erótica!

Trek Nation: Ha! Agora, isso é Deep Space Nine ou Voyager?

Auberjonois: Voyager era a Jornada nas Estrelas entediante! E eu digo isso com a maior afeição. Acho que ficou muito dura — nas últimas temporadas, eles sempre ficam sem gás. Quantas vezes você pode juntar 26 histórias diferentes sem esgotar?

Trek Nation: Você sente alguma falta de Deep Space Nine?

Auberjonois: Eu sinto certamente falta com relação ao fato de adorar ser parte de um grande elenco e de um franchise estável. Eu tenho esse tipo de ética de trabalho. Eu saí do teatro de repertório, onde trabalhava 50 semanas por ano, e adorava traalhar com pessoas. E era divertido. Mas eu devo dizer, quando terminava, terminava mesmo. Era hora de ir. Então eu não queria voltar a fazer a série.

Trek Nation: Você sente ressentimento entre os atores de Deep Space Nine sobre a conversa de trazer o elenco de Voyager para o franchise do cinema, e sobre o fato de Kate Mulgrew estar no próximo filme, mas nem tanto alvoroço sobre DS9?

Auberjonois: Eu não posso falar por todo mundo, mas certamente não há ressentimento de minha parte. Não é uma grande surpresa para mim. Eles podiam colocar o elenco de Voyager porque eram mais Frota Estelar. Eu nunca imaginei que meu personagem faria parte de um filme porque é tudo sobre a Frota. Logo, eu já previa que aconteceria com Voyager.

Trek Nation: Estou morrendo para ver a Kira no comando. Uma cena que fosse.

Auberjonois: A Nana também. Tenho certeza de que ela adoraria fazer.

Trek Nation: Os fãs te reconhecem muito? Você não se parece tanto com o Odo quanto os atores que interpretaram humanos. E sua voz também é dierente.

Auberjonois: Sim, bastante, mas devo dizer que é dividido igualmente entre Benson e Jornada. É meu rosto sem as linhas. Eu fazia uma voz para o Odo, mas as pessoas não te reconhecem pela voz.

Trek Nation: E você ainda está fazendo convenções.

Auberjonois: Na verdade, Armin [Shimerman] me ligou ontem porque devemos aparecer em Orlando dos dias 22 e 23 de março. A essa altura, acho que já respondemos todas as perguntas que você possa imaginar sobre Deep Space Nine, então fazemos essa coisa que chamamos de Jazz Teatral, onde interpretamos partes de peças e recitamos poesia, literatura… coisas de que gostamos. É divertido.

Trek Nation: Sei que os atores Dominions fazem a Hora do Shakespeare Cardassiano, ou algo assim.

Auberjonois: Fomos nós que originamos o conceito, com Dave Scott. Nana e eu começamos a fazer isso com Love Letters.

Na verdade, eu faço convenções por dois motivos. Prmeiro para levantar dnheiro para o Doctors Without Borders, porque dôo tudo que recebo para o Doctors Without Borders. Mas também para ganhar passagens aéreas de graça. Com essa viagem em particular que estou recebendo vou poder visitar meu pai de 91 anos na Irlanda.

(…)

Trek Nation: Voc~e tem algum projeto que queira fazer antes de se aposentar?

Auberjonois: Eu nunca vou me aposentar. Minha cabeça não funciona assim. Eu só espero alguma coisa se apresentar, e então a considero. Acho que sempre que penso ‘Eu tenho que fazer isso’, é algo que não devia fazer pra início de conversa.

Fonte: TrekToday

Be the first to comment on "René Auberjonois comenta seu retorno a Jornada"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*