Wil Wheaton conta como foi trabalhar em Jornada

O ator Wil Wheaton, que interpretou o personagem juvenil Wesley Crusher de A Nova Geração, está atualmente no seriado The Big Bang Theory, mas ele pode ser visto também em Leverage Eureka. Além de atuar, ele tornou-se blogueiro e critico de revista sobre histórias em quadrinhos e games. Também possui alguns trabalhos como escritor.  Aos 38 anos, Wheaton teve uma conversa franca com o Star Trek.com, onde falou a respeito de seus dias em Jornada.

Como você se sente estes dias com A Nova Geração e Wesley Crusher, e o seu lugar na sua vida?

“Estou muito orgulhoso da experiência. É uma grande parte de quem eu sou. Eu brinco muito online sobre como todos nós temos tido estranha adolescência. A maioria das pessoas tem realmente sorte, porque as suas adolescências desajeitadas são evidenciadas apenas nos álbuns de fotos que a mãe pega em encontros de férias para envergonhá-lo na frente da nova namorada. Mas para mim, ele fez na frente do mundo e é preservado nas páginas de revistas teen e em fitas de vídeo dos velhos tempos. É uma enorme parte da minha vida, Jornada, e os anos que passei fazendo a série, desempenhei um papel importantíssimo no desenvolvimento de quem eu sou como um adulto. Foi há 23 anos e posso olhar para trás com muito carinho agora. É divertido olhar para trás. Eu assisto os episódios de A Nova Geração … eu escrevi um livro sobre isso chamado “Memories of the Future”, que é como um guia de episódios da série. É parte guia de episódio, parte do anuário do ensino médio, e uma parte de narrativa para fazer você dizer “Oh meu Deus, eu não posso acreditar que foi tão legal”. É basicamente um olhar humorístico em volta da primeira temporada, quando estávamos todos realmente lutando para encontrar o nosso caminho e os escritores não tinham certeza do que a série ia ser. Há coisas ali que realmente parecem envelhecidas e realmente não resistem ao teste do tempo. E foi uma delícia voltar e olhar para tudo isso e usar isso como desculpa para chamar Brent (Spiner) e (Jonathan) Frakes e LeVar (Burton), e usá-lo como desculpa para ficarmos juntos e conversarmos sobre essas coisas. É realmente maravilhoso para mim ser um adulto agora e olhar para trás sobre essa experiência. Eu posso ver através dos olhos de uma criança. Eu converso com Frakes sobre ele, e ele lembra-o através dos olhos de um cara de 30 anos. É muito legal ver que as nossas memórias se sobrepõem onde as nossas percepções forem muito divergentes.”

Se você pudesse fazer tudo de novo, de que forma você gostaria de ter visto Wesley desenvolvendo de forma diferente?

“Eu sempre quis que eles tivessem aproveitado de alguma coisa do que eu estava passando na minha vida, no momento. Eu era muito inteligente para a minha própria espécie e era precoce, como resultado disso. Estava cercado diariamente por adultos que eu poderia me relacionar profissionalmente, mas não pessoalmente. No final do dia, quando eles podiam ir para suas bebidas, eu ía para casa. Nós não tínhamos muito em comum. Lembro-me de Frakes tentando me animar com jazz e eu estava tentando fazê-lo se animar com Depeche Mode, e nós simplesmente não conseguíamos encontrar um terreno comum. Isso criou muita angústia para mim, porque eu me senti realmente em conflito. Eu amava essas pessoas e nós estávamos tão perto profissionalmente, mas pessoalmente senti-me muito solitário e muito isolado. E imagino que Wesley Crusher sentia da mesma maneira e teria sofrido um monte de mesmos sentimentos que eu senti. Eu acho que se os escritores tivessem passado algum tempo explorando isso, eles provavelmente teriam dado a Wesley algumas dimensões extras que teriam feito dele atrativo a um público mais amplo. Ao mesmo tempo, quando estávamos fazendo A Nova Geração, fomos exibidos pela primeira vez em syndication e tivemos 42 minutos para contar uma história. As histórias tiveram de ser completamente auto-suficientes. Não houve episódio multi-arcos até a quarta temporada, quando havia alguns episódios de duas partes. Não havia nada que se aproximasse do que vimos em Battlestar Galactica e Lost. Tivemos nove atores regulares em A Nova Geração e os escritores tinham que escolher, com muito cuidado, o que eles estavam indo escrever e que tipos de histórias eles iam dizer. Então, quando Ron Moore começou a escrever para nós e me escreveu alguns roteiros realmente legais, eu fiz o que pude realmente fazer para honrar o dom que me deu, com essas histórias.”

Um monte de gente adorou Wesley, mas também você aguentou uma tremenda pressão durante a execução da série. Apesar do fato de que você era apenas um garoto interpretando um personagem escrito por outros, aquelas pessoas que simplesmente odiavam o personagem mais ou menos descarregaram em você. Como você tomou pessoalmente a crítica?

“Eu tenho 38 anos e agora me encontro com pessoas de todo o lugar, nos aeroportos, nas cafeterias, nos restaurantes, nas convenções. Conheço pessoas que cresceram assistindo A Nova Geração, que estão em torno da minha idade, e eles me dizem o quanto gostavam de Wesley Crusher e quanto eles eram relacionados a ele. Sempre que vou a qualquer coisa associada com ciência ou medicina ou engenharia, quando vou falar em universidades, quando vou fazer algo com a NASA, eu encontro pessoas que foram inspiradas a se tornarem o que são hoje, trabalhando em algum tipo de ciência de campo, porque amavam Wesley Crusher. Então, eu descobri ao longo dos anos que as pessoas que são adultas agora, elas não tinham acesso à Usenet e a tecla Caps Lock quando elas eram crianças. O que eu estava ouvindo nos velhos tempos, eram de pessoas mais velhas, que tinham apenas uma espécie de predisposição a não gostar de um personagem novo em uma série. Eu acho que os escritores poderiam ter navegado em torno disso e o fazerem mais compreensível, em vez de darem uma idéia, mas eles tiveram um tempo difícil para superar um monte de coisas. E como criança foi muito difícil para mim. Foi difícil não levar isso pessoalmente. Crianças são difíceis. Os jovens sentem-se inseguros. Passava 50 horas por semana fazendo Jornada, quando era jovem. Isso foi realmente minha vida. Indo às convenções na época e as pessoas me criticando e me atacando, pessoalmente, talvez em vez de falarem sobre o escrito, foi doloroso.”

Durante a sua aparição mais recente em The Big Bang Theory, Sheldon se refere a Wesley como o Jar Jar Binks do universo de Jornada. Quão confortável você ficou com os escritores ao chamá-lo assim?

“Eu não vejo ele como o Jar Jar Binks do universo de Jornada. Essa não foi minha chamada. É engraçado. Uma das coisas que é maravilhosa sobre as interações entre Sheldon e Wil Wheaton do Mal é que, do ponto de vista do Wil Wheaton do Mal, ele continua dando corda a Sheldon para se enforcar. Wil Wheaton do Mal constrói armadilhas e observa Sheldon cair nelas mais e mais. Wil Wheaton do Mal apenas se delicia com isso. É a melhor coisa do mundo. Começar a trabalhar com um ator incrível como Jim (Parsons) é uma alegria. Toda vez que eu trabalho em Big Bang Theory, eu cresço num nível de qualidade de comédia, porque todo mundo que trabalha nessa série, dos escritores e diretores aos produtores e elenco, está no topo de seu jogo. É como se eu começasse a entrar e sair numa equipa recheada de estrelas, algumas vezes por ano.”

Você fez uma participação especial como Wesley para uma cena em Nemesis que acabou cortada do filme, mas pode ser encontrada entre os extras do DVD. Em retrospecto, você preferia que foi eliminada, pois deixaria Wesley ainda vagando pela galáxia com o viajante?

“Essa experiência para mim foi menos sobre o que fiz na tela e muito mais sobre ter dois dias voltando a Jornada e, finalmente, sendo um adulto com os adultos, que é uma experiência que eu sempre quis ter quando criança . Eu nunca tive a experiência quando era pequeno, e foi incrivelmente maravilhoso. Eu escrevi sobre isso no meu livro. Há dois capítulos sobre como era estar lá e trabalhar com todos novamente. Foi como voltar da faculdade para estar com a família.”

Você também fez uma participação especial com a voz em Star Trek. Como isso aconteceu?

“J.J. (Abrams) e eu estávamos mantendo em segredo completo, porque apenas imaginava que seria uma espécie de East Egg (surpresa) legal que ninguém jamais iria saber. Então, alguém na Paramount descobriu e eles tiveram que fazer um monte de escrituração comigo e tiveram que dar meu nome aos créditos. E eu não queria ter problemas com o meu sindicato. Então fomos em frente e disse ao mundo sobre o assunto. Foi muito divertido.”

E o que você achou do filme?

“Adorei o filme. Eu realmente gostei da maneira com que J.J. fez o universo de Jornada relevante para a geração dos meus filhos. E eu estou realmente animado para ver aonde ele vai.”

Vamos falar sobre seu blog. Todos blogam agora, mas você estava muito à frente, tendo iniciado seu blog mais de uma década atrás. O que fez você dizer, tão cedo, o futuro é agora?

“Eu sempre quis escrever e eu sempre gostei de escrever. Em 2000, eu adorei manter um blog, que me permitiu falar por mim mesmo, contar as histórias que eu queria dizer, comunicar-me com as pessoas sem intermediários, e realmente fazê-lo com meus próprios termos. Eu acho que nós temos visto, na última década, como muito da grande mídia perdeu a confiança de muita gente, as pessoas estão se voltando para a Internet e virando-se para os blogs e virando-se para mais vozes independentes só para experimentar o mundo. Fiquei contente de estar lá no início. Eu me lembro de uma época em que praticamente todos os atores, escritores e jornalistas e mesmo quem tivesse um site com um fórum, viam como uma espécie de desaprovação blogueiros como nós, os invasores sujos. Estou muito contente que isso veio, na medida do que tem e tem sido maravilhoso fazer parte disso.”

E, finalmente, após A Nova Geração, você poderia ter implodido e acabado como muitas ex-estrelas crianças – na reabilitação, no Dr. Drew ou mesmo morto. Em vez disso, você continuou trabalhando, criou suas próprias oportunidades, casou e constituiu família, etc. Então, o quanto perto, ou não, você alguma vez chegou de implodir e quanto orgulhoso de si mesmo você ficou por não deixar que isso acontecesse?

“Eu nunca senti que implodir fosse uma opção. Muitas pessoas que desabaram o fizeram porque estavam com raiva ou com algum tipo de dor muito intensa emocional/psicológica. Quando eu falei sobre a criação do Chaos, meu personagem em Leverage, eu decidi que Chaos seria um desses caras, e sua versão da implosão era ser um super-criminoso, vingar-se de todos e fazer o mundo pagar em caso de transgressão percebida e real contra ele. Para mim, eu apenas decidi que o período inicial de atuação, incluindo Jornada, foi uma grande parte da minha vida. Eu gostei do que fiz quando era criança, mas não havia nenhuma razão para pensar que, porque eu me tornara um adulto, que seria o fim. Para mim, sempre foi sobre o trabalho, sempre foi sobre o desempenho, e sempre foi sobre como agir. Nunca foi sobre qualquer outra coisa. Então, eu só fiz o que tinha de continuar fazendo. Na época eu tinha 20 anos, estava fazendo isso (atuar) por 13 anos. Para a maioria das pessoas, se você inicia sua carreira, quando está com seus 20 anos, entre 30 e 40 anos, é quando você talvez tenha um pouco de calma e descobre para onde ir. O meu veio apenas mais cedo porque eu era mais jovem quando comecei. Uma das coisas mais gentis que nenhuma outra pessoa me disse, veio do meu amigo John Scalzi, e ele falou: “Você sabe, cada dia você refuta o que diz F. Scott Fitzgerald de que não há segundo ato nas vidas americanas.”

12 Comments on "Wil Wheaton conta como foi trabalhar em Jornada"

  1. Comporta de ar pra ele.

  2. No artigo do Chatokay eu pedí para avançarem para o próximo artigo. Se soubessem como me arrependí quando ví sobre quem era o artigo de hoje!

  3. Eu queria saber qual é a birra que quase todo mundo tem com o ator e porque seu personagem saiu de TNG?

    Eu achei a atuação dele condizente e o personagem aceitável.

  4. Concordo com o Trekker.

    Ele era um moleque interpretando e foi condizente com isso.

    Como todos os atores e personagens, tem seu momento “tirem isso da minha carreira” mas gostei da atuação do Wheaton como Alferes Crusher.

    Mereceu o Latinum que recebeu.

  5. E ainda acrescento: dá pra ver que o cara não é burro, gosta de ST e dá valor a isso.

    Será que era só o fato dele ser “um moleque” no meio de adultos?

    Se esse era o problema, me espanta, pois preconceito é uma das coisas que ST não prega… embora não seja religião e eu não a tome como tal.

  6. Antonio de Pádua | 15 de dezembro de 2010 at 10:50 pm |

    Na minha opinião o personagem não foi conduzido da forma correta. Primeiramente era muito estranho um garoto tomando um posto em uma nave estelar, posto este que muitos se prepararam na academia e almejavam, Depois o incidente da academia, jogando a reputação dele na lama e por fim aquela coisa esquisita dos indios representando o Viajante. Mas acho que o ator em si representou bem o papel do “garoto-gênio”.

  7. Nossa…é mesmo…na última temporada, o menino Wes surtou e foi embora com o viajante…Que loucura!!!

  8. Ao contrário do “Chatokay” o Wil Wheaton ama jornada e tem orgulho de fazer parte da franquia… paremos então de implicar com o rapaz!

  9. os roteiristas simplesmente não souberam o que fazer com o seu personagem… concordo com Antônio de Pádua.

  10. O fato dele assumir um posto de forma “não normal” e precoce é creditado ao seu intelecto. Ponto.

    O lance dele faze aquela m. na academia, deve ser apenas pra mostrar que, embora gênio, ele tinha seus problemas como outro qualquer. Uma coisa é ser muito bom (gênio), outra coisa é ser perfeito.

    O lance do Viajante e dos índios, foi a maneira que os escritores arrumaram pra dar um sumiço no “muleke”, pois a audiência deveia estar pedindo a cabeça dele.

    Mas, resta a pergunta: porque acabaram com o personagem?

    Raaaallllphhhh!!!!!!

  11. O problema é que como sempre a dupla B&B usou a sua cabeça ultra, mega, super, plus, advanced e ultimated dura ao invés do bom senço e só mandaram embora o moleque praticamente no final de TNG, enquanto qualquer outro produtor já o teria descartado ou pelo menos alterado de forma drástica o personagem no segundo episódio.

  12. Concordo com o Victor; apesar de todos os pesares, pelo menos o Will gostou do personagem que fez, ao contrario do frustrado que fez o Chakotay.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*