EDITORIAL: Sinal dos tempos

Quem acompanha o Trek Brasilis diariamente pôde perceber que estive afastado do site durante a semana que passou, em razão de uma viagem a trabalho que fui obrigado a fazer. Daí a publicação tardia deste editorial, motivado por declarações dadas por Paulo Gustavo Pereira, da revista Sci-Fi News, e Luiz Navarro, presidente do fã-clube Frota Estelar Brasil, durante a última convenção realizada no Anhembi, em São Paulo, no dia 2.

O estopim para as manifestações da dupla foi a nota publicada pelo Trek Brasilis no dia anterior à convenção revelando o investimento do USA para trazer um ator de Jornada ao Brasil até o final do ano, trabalhando em afinação com a Frota Estelar, que usaria de seu “know-how” para organizar o evento. Aparentemente insatisfeitos com o conteúdo da nota, que colocava em primeiro plano o canal USA e seus US$ 12 mil investidos no projeto em vez de destacar o esforço por parte da Frota Estelar Brasil para trazer um ator, Luiz Navarro (com comedimento e cuidado louváveis, apenas limitando-se a negar o conteúdo da matéria) e Paulo Gustavo Pereira resolveram criticar o trabalho do TB.

Eu não estava presente à convenção para responder diretamente às críticas, mas fui informado do que teria sido dito por lá. Se o alvo fosse apenas a nota, ou ainda a conduta jornalística adotada pela equipe do TB, nem teria me incomodado de reagir ao ocorrido. Afinal de contas, a qualidade do site já foi reconhecida diversas vezes, no Brasil e no exterior, de modo que não existe qualquer necessidade de dar qualquer tipo de explicação.

Infelizmente, Paulo Gustavo Pereira preferiu colocar as manguinhas de fora e fazer ataques diretos e de baixo calão a mim e ao site como um todo, demonstrando inclusive total desconhecimento de causa. Diante da postura deste jornalista, não me resta outra alternativa senão responder às baixarias, não porque elas me atinjam, ou ao TB, de algum modo, mas para que as pessoas tenham uma noção de quem está falando o que, e com quais motivações. O julgamento final, sobre quem tem e quem não tem razão, fico feliz em deixar a você, amigo leitor.

Vamos então, sem mais delongas, aos episódios ocorridos na convenção. Logo na abertura do evento, o assunto em pauta foi a nota do TB. Luiz Navarro teria aberto a convenção e logo de cara teria declarado o seguinte (a transcrição não é literal, uma vez que não estava lá, trata-se apenas de uma descrição aproximada feita por uma fonte confiável que esteve no evento):

“Andaram divulgando na internet fatos que não são verdadeiros sobre a Frota estar sendo ajudada pelo canal USA a trazer um ator de Jornada para alguma convenção. A Frota está tentando vender cotas de patrocínio para um hotel, empresa aérea, Sci-Fi News e canal USA [para o evento que teria um ator].”

O presidente do fã-clube obviamente estava incomodado com a suposta minimização do papel da Frota na vinda do ator, conforme reportada no TB um dia antes, mas isso não muda o fato de que uma compra de cota de patrocínio para um evento desse tipo é claramente uma “ajuda” do USA para que a Frota o realize. Portanto, não é nenhum absurdo dizer que o canal está ajudando o clube a trazer um ator, mesmo supondo que o envolvimento do USA seja mínimo. O que não é verdade, diga-se de passagem. Já houve entre o canal e Amaury Simoni, da Frota, várias reuniões para definir detalhes do acordo. O investimento do USA é o maior entre todos os participantes do pool de empresas que irá bancar o evento coordenado pela Frota. Um dos acertos entre o clube paulista e o canal é o de que a Frota iria sugerir nomes ao USA. O próprio Amaury descreve, na lista de e-mail da Frota, que o valor do investimento do USA é correspondente ao do cachê do ator. Será mesmo um equívoco dizer que o USA está bancando e trabalhando ativamente nesse projeto?

Respeito a posição de Luiz Navarro, embora ache que sua argumentação exige muito polimento para tornar-se minimamente sólida. Pelo menos ele optou pelo respeito, ao contrário do jornalista Paulo Gustavo Pereira, da revista Sci-Fi News. Em essência, o que ele fez, em palestra realizada durante a mesma convenção, após ler em voz alta a nota publicada pelo TB, foi desmentir que o USA esteja trazendo um ator para o Brasil. Veja cada argumento forte que ele tem.

“Quem escreveu isso [referindo-se à nota publicada] é um imbecil. Salvador Nogueira é um jornalista medíocre, o TB é um site medíocre.”

Segundo Paulo Gustavo, “divulgar essas ‘merdas’ atrapalha todo o trabalho. Eu trabalho há tempos nisso. Fazer um site e colocar essas ‘merdas’ nele é algo fácil”. Em determinado momento, Luiz Navarro chegou a interromper a ira do jornalista, dizendo não querer divulgar ainda mais o site alvejado. Pereira chegou a me convidar ao palco para discutir o assunto. Felizmente para a platéia (que não foi lá para ver bate-boca), eu não estava presente.

Defender-me das baixarias de Paulo Gustavo é simplesmente irresistível. Ele me chama de jornalista medíocre e imbecil, se esquecendo de que eu passei seis meses produzindo matérias para a Sci-Fi News, a revista em que ele trabalha. Então quer dizer que a revista dele é tão medíocre e imbecil quanto eu? Ele fala do que é fácil fazer, mas prefere não mencionar que essa publicação tão profissional em que ele trabalha nunca me pagou um tostão pelas matérias que produzi. Tampouco se discute a saída de Paulo Maffia da revista, indiscutivelmente um dos melhores profissionais da área e a verdadeira “alma” daquela revista. Um dos motivos foi o “problema” com o pagamento regular de salários. E Paulo Gustavo Pereira ainda quer ensinar a alguém o que é “merda”, o que é fácil, ou quem é imbecil ou medíocre. Com todo respeito ao profissional que é, com esse “repertório” ele não está em condições de falar muito.

Não valeria a pena trazer à tona toda essa palhaçada se não fosse para tirar dela uma importante conclusão. Felizmente, há uma mensagem muito clara a ser extraída do episódio: os velhos modelos estão se esfacelando. E tem gente que está apelando para se prender a eles e dar algum fôlego ao esquema arcaico e hipócrita que existe hoje.

Infelizmente, a cobertura jornalística do entretenimento não tem a reputação de honestidade. Sci-Fi News e Frota Estelar eram inimigos jurados até outro dia. Hoje são amissíssimos. Tudo vai ao sabor das conveniências. A mesma Frota que hoje chama o TB de medíocre e imbecil preparou uma carta de convenção (impressa pela editora da Sci-Fi News) chamando o personagem Reginald Barclay de Charles Barclay. Só a título de curiosidade, Charles Barkley é jogador de basquete da NBA. Depois, o TB que é medíocre e imbecil.

A boa notícia no meio de tudo isso é que há gente que não tem o rabo preso com ninguém. E isso incomoda muito quem está atolado nesse mar de interesses. Por essa razão que a turma da dublagem não gosta de ver notícias desfavoráveis a respeito de seu trabalho, ou a Sci-Fi News ver o nome do USA sendo colocado acima do dela. Quando o assunto envolve dinheiro, muita gente se incomoda. E aí reside o trunfo do TB –nosso trabalho não está vinculado a interesses econômicos. Trata-se apenas da aplicação de um modelo jornalístico a uma cobertura feita de fã para fã, sem interesse em conduzir massas, convencer grupos ou fazer dinheiro.

Tem gente que prefere pensar que é perseguição a este ou aquele clube ou pessoa. Outros acabam associando tudo a “bairrismo”. Há os que acham que gostamos apenas de fazer barulho. Há até os que preferem simplesmente categorizar como imbecilidades. O que eles pensam realmente não é importante. O fato é que nós compramos as brigas que os outros não podem comprar, por terem o rabo preso. O TB noticia o que você pode, deve e quer saber, respeitando um código de ética e mantendo um compromisso moral para com o mais importante patrimônio que um veículo de comunicação pode ter –o público.

Uma semana antes da publicação da nota que gerou essa confusão, Amaury Simoni foi procurado e confrontado com as informações. Ele optou por não se manifestar a respeito, apesar de nosso esforço de reportagem para ouvi-lo. Houve, portanto, toda as chances para que a Frota fizesse quaisquer comentários ou correções às informações. Agora, depois que cumprimos com o nosso dever de informar ao leitor exatamente o que sabíamos (e, acredite, não escrevemos nada na base do “achômetro”, embora algumas coisas realmente sejam tentadoras), a Frota vem fazer críticas ferozes e agressivas. Tarde demais.

Aliás, tarde demais para muitas coisas. Graças a veículos como o Trek Brasilis, o perfil do fã de Jornada nas Estrelas está mudando. O senso crítico está se aguçando, a capacidade do público de discernir certo ou errado, verdade ou mentira está cada vez mais apurada. Logo, não bastará subir no palco e dizer que fulano é imbecil para defender o indefensável. É só uma questão de tempo. Enquanto isso, cabe a cada um encontrar as pessoas que não têm ligações com as antigas estruturas, viciadas, por vezes desonestas, falsas, descompromissadas com seu público e cada vez menos eficientes em sua postura doutrinária e monopolizadora. A transição é dura, mas já aponta no horizonte uma nova fase para Jornada nas Estrelas e seus fãs no Brasil. É hora de escolher entre o passado e o futuro. Você decide.

Be the first to comment on "EDITORIAL: Sinal dos tempos"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*