Entrevista com Brannon Braga, Parte I

Brannon Braga praticamente cresceu vendo Jornada. Ele tinha 20 anos, quando um estágio lhe proporcionou a oportunidade de escrever para A Nova Geração. Com isso o jovem escritor ficou 15 anos na franquia, onde escreveu e produziu para Voyager, co-escreveu dois longametragens de A Nova Geração, e co-criou e produziu Enterprise. Numa entrevista (em duas partes) ao Star Trek.com, Braga lembrou seus tempos em Jornada e sua nova série Terra Nova

O quanto distante se parece Jornada para você agora?

“Eu comecei em Jornada há 21 anos e terminei … Eu não poderia dizer com certeza. Enterprise terminou há seis ou sete anos atrás. Foi em 2005, de modo que há seis anos. Curiosamente, Jornada ainda está muito presente, porque Terra Nova é muito parecida com Jornada em espírito. É a série, de tudo que eu já trabalhei desde Jornada, que mais se assemelha a Jornada no sentido de que é uma série humanista, uma série de motivação, uma série de ficção científica. É sobre o ser humano tentando melhorar. As histórias são do tipo mais autônomas. E eu estou trabalhando com Rene Echevarria, com quem eu trabalhei em Jornada. Rene e eu muitas vezes dizemos que parece que estamos trabalhando em Jornada de novo, porque é o tipo de histórias que nos fazem sentir a boa e velha Jornada. Assim, Jornada está muito em minha mente e ela está muito presente. No entanto, eu fiz uma entrevista para um livro de A Nova Geração que está saindo no próximo ano, e passei cerca de duas horas no telefone, sendo perguntado sobre cada episódio que escrevi. E digo que mal podia me lembrar deles. Então, eu mal podia responder as perguntas. Eu dizia: “Você pode me dizer sobre o que esse episódio foi?” Eu tento lembrar os bons, no entanto.”

Muitos fãs são familiarizados com você e seu trabalho em Jornada, e há muitos novos fãs, pessoas que entraram a bordo depois de verem o filme Star Trek e estão agora recuperando o atraso de Jornada passada. Então, para aqueles leitores que não estão familiarizados com o seu trabalho, leve-os, através dessa entrevista, na história de como você conseguiu um estágio que finalmente resultou em você se juntar a equipe de roteiristas de A Nova Geração …

“Eu estava no meu último ano de faculdade na U.C. Santa Cruz e havia um programa de estágio para roteiro oferecido pela Academy of Televison Arts & Sciences, e aconteceu de ser apenas com A Nova Geração naquele ano. Foi realmente Michael Piller, que descanse em paz, que me escolheu entre um grupo de finalistas para ser o estagiário na série. Eu realmente devo tudo a Michael. Eu aprendi muito do que sei hoje sobre este ofício com ele e as outras pessoas na equipe. Eu tinha um estágio de oito semanas e, basicamente, ele nunca acabou. Eu tive um script para reescrever com meu bom amigo Ron Moore. Eu tive um script para escrever eu próprio. Então eles me contrataram na equipe. E depois, no entanto, muitos anos depois, eu estava correndo com Voyager e então co-criando Enterprise. Por isso, foi uma viagem bastante notável de estagiário de Jornada sendo minha vida por 15 anos.”

Vamos percorrer as séries e filmes, começando com  A Nova Geração. Quais episódios lhe causam mais orgulhoso que tenham o seu nome?

“O episódio que mais me orgulho é “All Good Things …,” que foi o episódio final, e eu estou orgulhoso dele, por uma série de razões. Topo da lista, que foi simplesmente um ótimo episódio de duas horas de  A Nova Geração  que explorou totalmente os personagens e o sentimentalismo de onde começaram, onde estão e para onde estão indo. Ele tinha uma premissa de ficção científica grande. O tipo de atingir o impossível. Não me lembro de como Ron Moore e eu fizemos isso, mas foi um grande final para uma grande série. Ele não decepcionou.”

Quão diferente foi a experiência de Voyager para você?

Voyager foi um pouco de um paradoxo na medida em que foi mais difícil porque não tínhamos a popularidade em massa que tinha A Nova Geração. Nós não tivemos o Capitão Picard. Não me interpretem mal. Eu amava a Capitã Janeway, mas o Capitão Picard foi difícil de bater. Kirk e Picard são persoangens difíceis de seguir e eu acho que, nesse ponto, já havia alguma fadiga de Jornada a resolver. Mas quando você volta, cerca de quatro temporadas, cinco e seis de Voyager, eu acho que nós estávamos fazendo o melhor de nós para as histórias de Jornada. Acho que Voyager ficou sob algumas críticas de alguns fãs, mas eu acho que se você olhar para trás, foi uma excelente série. Havia muitos episódios que eram muito sofisticados em sua narrativa, mesmo em comparação com A Nova Geração. Por isso estou muito orgulhoso de Voyager.”

Nos leve para a chegada de Jeri Ryan como Seven Of Nine. Algumas pessoas amaram o personagem e algumas pessoas desprezavam o personagem, mas de qualquer maneira todos sentiram que foi um divisor de águas …

“A série precisava de um chute no traseiro. Criativamente, precisávamos de algo. A série de Jornada, na minha opinião, é apenas tão boa quanto seu capitão, e a capitã Janeway foi uma grande capitã, mas ela não teve seu Spock ou Data, na verdade. Nós simplesmente não tivemos esses personagens de ficção científica especiais como Spock ou Data, o personagem que luta para ser humano. A idéia de colocar um Borg a bordo nos deu a chance de ter uma criança selvagem lá. Essa foi a metáfora, uma criança selvagem, e Janeway seria sua mãe e tentaria domá-la e ajudar a fazê-la humana novamente. Que foi uma nova visão sobre esse tipo de personagem. Isso não é para diminuir o Doutor, o personagem de Bob Picardo. Ele era maravilhoso, mas ele realmente não era um contraste de Janeway. Ele não era alguém que Janeway poderia se opor. Para mim, Seven of Nine acrescentou um belo toque de magia que o espetáculo precisava no momento. O fato de que ela era uma mulher bonita era apenas, para mim, um benefício. Muita gente pensou que era de mau gosto que nós tínhamos uma garota peituda, mas eu diria, “Você realmente assistiu a série original? Ostentava um cortejo de garotas. Kirk seria considerado um viciado em sexo pelos padrões de hoje. Uma certa sensualidade tem estado sempre no coração de Jornada. Então eu discordaria dessa crítica sobre Seven. Eu achei que o personagem foi uma grande adição para a série. E o tipo de atear fogo ao elenco também. Foi muito controverso. Nós nos livramos de Kes e trouxemos Seven of Nine, e algumas pessoas do elenco ficaram chateadas com isso e alguns acharam que foi legal, mas no final de tudo, eu acho que fizemos todas as coisas certas de forma criativa para a série, em minha opinião.”

Que episódio de Voyager deixa você feliz até hoje e qual seria aquele que você gostaria de esquecer?

“Claro, que o que eu gostaria de esquecer logo foi “Threshold”. Que é aquele em que Janeway e Paris se transformar em lagartos. Foi um verdadeiro ponto baixo. Eu estava tentando alguma coisa. Eu não quero entrar na discussão do que eu estava tentando fazer, mas não funcionou. Foi a minha homenagem, eu acho, a David Cronenberg, A Mosca, mas isso realmente deu errado para mim. Foi mal executado por mim. Tenho muito carinho nos episódios “Timeless” ou “Deadlock”. Eu achei que “Deadlock” foi a Jornada clássica e qualquer que fosse a equipe que estivesse nesse episódio, teria sido um bom episódio de Jornada. “Timeless” era específico para Voyager. Ele realmente não podia ter sido feito em qualquer um das outras séries. Eu creio que foi realmente bom. Tentamos fazer Voyager mais épica e por isso fizemos episódios de duas partes, como “Dark Frontier”, que eu achei muito legal. E um favorito especial para mim foi “Someone to Watch Over Me”. Isso foi realmente um melodrama muito simples, sem batalhas espaciais e ficção científica não muito em tudo. Ele mostrou que Jornada pode ser engraçado e comovente.”

Nós não queremos deixar de fora os filmes que você co-escreveu, Generations e First Contact. Como tiveram poucos recurso é gratificante para você que a maioria dos fãs ainda considere First Contact o melhor de A Nova Geração na tela grande?

“Escrever para o cinema, foi uma experiência incrível. Foi um tipo diferente de contar histórias. Foi uma oportunidade para escrever filmes de longa metragem, que eu sempre quis fazer. Isso levou para um outro trabalho de produção. Ron e eu éramos novos escritores e nunca tínhamos escrito um filme antes, quando fizemos Generations. Estávamos tentando servir a uma grande quantidade de mestres e nós estávamos passando o bastão de uma geração para outra. Eu não me saí tão bem quanto gostaria. Eu não quero falar por Ron ou por Rick Berman, mas acho que Kirk e Picard deveriam ter sido colocados na batalha de naves espaciais, em suas respectivas pontes, e não cozinhando ovos. Posso dizer isso agora, já que passou tempo suficiente. Eu não acho que foi a segunda metade do filme, pessoalmente. Se um fã quiser sentar e assistir Generations com o comentário que Ron e eu fizemos para o DVD, estamos sendo bastante honestos sobre o que gostamos e não gostamos nesse filme. Nosso comentário para First Contact é muito chato, porque o filme ficou muito bem. Portanto, não havia nada realmente a dizer. Acabamos de ter uma boa idéia e foi um filme divertido. Acho que algumas pessoas gostaram da Rainha Borg e algumas não, mas para nós, a Rainha Borg foi o que fez tudo funcionar. Percebemos rapidamente que os Borgs não são tão interessantes para um filme de duas horas, porque eles não dizem nada. Eles são zumbis robôs. Então, para mim, a Rainha Borg foi a coisa mais legal de novo sobre esse filme.”

Vamos passar para a Enterprise. Foi uma experiência diferente para você estar lá desde o começo, desde o início do desenvolvimento da série? E o que, exatamente, você e Rick Berman estavam buscando com Enterprise?

“Bom, primeiro de tudo, fiquei muito honrado por ajudar Rick a criar essa série e eu fiquei muito assustado por mostrar tudo de Jornada, que tinha vindo antes. Rick tinha uma boa idéia de fazer isso um prequel. A idéia parecia muito romântica na época. Acho que tivemos algo um pouco diferente em mente inicialmente. Francamente, nossa idéia original era para defini-la na Terra e levá-la um pouco mais para trás, para a construção da nave em primeiro lugar, e realmente torná-la um prequel. Em alguns aspectos, eu acho, que poderia ter tido um pouco mais de sensação, na forma como J.J. Abrams fez na abertura do seu filme, que eu adorei. Sua imagem da nave era algo que eu simplesmente adorava e queria que tivéssemos feito em Enterprise. Mas a idéia prequel parecia que nos daria a capacidade de voltar para os dias de Kirk e Picard e os outros personagens e fazer algumas histórias um pouco mais contemporâneas, porque os personagens eram um pouco mais intimamente relacionados aos nossos dias.”

Nos dias de hoje, as pessoas debatem sobre o conflito Vulcano-humano retratado em Enterprise. O que entrou na decisão de desenvolver esse segmento história?

“Eu realmente apoiei a decisão criativa de fazer o homem em conflito com os vulcanos. Um monte de gente … Eu não sei se foi um monte, na verdade. Eu sei que houve alguns fãs de Jornada que realmente odiavam o fato de que os seres humanos e vulcanos não se davam bem, porque essa não é a forma como foi retratado na série original e em outras séries. Mas as relações mudam ao longo de um século. Olhe para a nossa relação com a Alemanha em comparação com algumas décadas. Então, a idéia de estarmos em conflito com os vulcanos e quase ressentindo pela chegada da nave do avô deles e o domínio deles sobre nós desde o fim de First Contact … Eu achei que foi realmente uma nova idéia, interessante que foi, para mim, divertido de escrever e bastante animada. Enterprise … foi apenas uma daquelas sériesm que espero que os fãs dêem uma olhada se eles nunca a assistiram ou uma segunda olhada, se viram e não gostaram, porque é uma séries muito boa. Eu não vou dizer que cada episódio foi maravilhoso, mas você poderia dizer isso sobre qualquer um dos episódios. Eu realmente amei Enterprise. Adorei os personagens e o elenco. Se você não assistiu a nenhuma temporada, assista a temporada três ou quatro.”

Em breve a segunda parte dessa entrevista.

 

9 Comments on "Entrevista com Brannon Braga, Parte I"

  1. Sete de Nove ? Arrghhh, nao chamem assim a minha Seven of Nine….hahahahaha

  2. Realmente. Não é uma tradução exata para o nome da personagem. Obrigado.

  3. Hahahahahaha so tirando um sarro da dublagem, Ralph. O que seria da minha vida sem falar mal da dublagem brasiuleira hahahahahaha. Recebeu a capa de TNG remasterizada em Blu-Ray, camarada ?

  4. O Braga foi muito pessimista com relação à Enterprise. O primeiro ano foi muito bom e o segundo teve uma queda no início, mas do meio pra frente melhorou muito. Terceiro e quartos anos, não precisa nem falar, tirando dois ou tres episódios, foram maravilhosos.

  5. Ok. Recebido.

  6. Cada vez que leio alguma entrevista sobre quem escreveu jornada, fico com mais e mais vontade de ver uma nova série. Quem sabe a proposta do David Foster não é aceita na Paramount e logo temos mais série de qualidade sobre Star Trek. Braga teve seus alto e baixos como todos, mas, realmente é alguém que eu preferia não ver novamente criando para Jornada.

  7. Como sempre falo, o maior erro do BB é que não queria largar o osso nem mesmo quando as coisas ficaram feias, aí acabarão com ele quando já não dava mais.

    Só para separar as coisas, quando falo BB é Brannon Braga, quando falo B&B é Braga e Berman.

  8. Qdo falo BB é a dupla Brennon e Braga.

  9. No final das contas, mais somou do que diminuiu. Claro, como diz Pado, pra ficar 100% deveria ter saído na hora certa. Tudo na vida tem um ciclo e ele (possivelmente B&B) não perceberam isso.

    Valeu BB!

Leave a comment

Your email address will not be published.


*