Marc Okrand, o criador da linguagem Klingon

De todos os fenômenos dentro do universo de Jornada, um dos mais fascinantes é o fato de que a língua Klingon é praticamente considerada uma língua real, falada fluentemente por muitos fãs ao redor do mundo. O lingüista Marc Okrand é considerado o criador da linguagem Klingon. Numa entrevista ao Star Trek.com, Marc fala do processo de criação da língua Klingon e Vulcana e sua evolução durante os filmes e as séries.

Você é considerado o criador da linguagem Klingon. Como você conectou pela primeira vez com Jornada, e o que você realmente fez em Star Trek II: A Ira de Khan?

“Minha formação é em lingüística, e eu tenho um Ph.D. em Lingüística da Universidade da Califórnia, Berkeley. Por um tempo, eu ensinei a lingüística, mas, nos últimos 30 anos ou mais, eu estive envolvido com o closed caption de programas de televisão. O primeiro closed caption entrou no ar em 1980. O primeiro programa a ser legendado ao vivo – além de alguns testes que nós não divulgamos – foi a apresentação do Academy Awards em 1982. Então eu cheguei em Los Angeles na segunda-feira antes do Oscar e não havia nenhum trabalho a fazer. Com o tempo livre, peguei o telefone e comecei a fazer planos de almoço e jantar. Durante uma dessas chamadas, uma amiga me convidou para almoçar. Ela trabalhava na Paramount Pictures.”

Sua amiga era Sylvia Rubinstein, que foi assistente administrativo de Harve Bennett produtor executivo de Star Trek II …

“Star Trek II estava em pós-produção. Ela, Harve e eu nos conhecemos há muitos anos. Eu sabia que meus amigos trabalhavam em Jornada, e achei legal, mas não tinha nenhuma conexão adicional. De qualquer forma, Sylvia e eu e Deborah Arkelian, assistente de outro produtor, fomos para o almoço, e durante a conversa do almoço, de alguma forma o fato de que eu tinha um grau em lingüística surgiu. Deborah disse que era interessante, porque eles estavam em contato com o Departamento de Lingüística da UCLA. Perguntei porquê, e ela me disse que havia uma cena no filme onde Spock e um novo personagem, uma Vulcana, teriam uma breve conversa. Essa conversa foi filmada com os atores falando em inglês, mas, por várias razões, eles pensaram que seria melhor se eles falassem Vulcano acompanhado por legendas em inglês. A pessoa que eles estavam procurando na UCLA era para fazer frases sem sentido que combinavam com os movimentos labiais em inglês, então eles dublariam como se fosse um filme estrangeiro. Eu disse que achava que era uma boa idéia – um lingüista saberia que sons você poderia ou não ver nos lábios, e assim por diante, portanto, um lingüista faria um bom trabalho. Mas havia algum tipo de problema de logística e eles estavam preocupados que o trabalho não fosse feito a tempo. Perguntei quando teria que ser feito. Deborah disse: “Até o final desta semana” – que era exatamente quanto tempo eu ficaria na cidade. Eu disse: – “Eu posso fazer isso”. Sylvia concordou. E nesse ponto, o produtor Bill Phillips ao me conhecer disse: – “Venha me ver depois do almoço”. E de repente eu estava trabalhando para Jornada.”

“À tarde, Bill Phillips me mostrou a cena no filme que precisava ser mudada para Vulcano. Eu escrevi o diálogo, apenas quatro linhas, e era composta por sílabas que combinavam com os movimentos dos lábios, mas parecia diferente. Por exemplo, se a sílaba inglês fosse “boo”, eu mudaria para o “Moe” – tem a mesma aparência, mas sons diferentes.”

“No dia seguinte, Bill mostrou-me um pouco do início de Star Trek: O Filme onde Spock estava prestes a aceitar a sua realização do Kohlinar. Esta cena foi inteiramente em Vulcano. Então, eu rapidamente fiz algumas mudanças para que o Vulcano “novo” se encaixasse com o que já estava no filme. Eu, então, foi apresentado à atriz que interpretava a Vulcana (Saavik), uma atriz muito nova para Hollywood com o nome de Kirstie Alley, e comecei a trabalhar com ela para que ela pudesse dublar suas linhas. Na sexta-feira daquela semana, eu trabalhei com Leonard Nimoy para que ele pudesse dublar a sua. Nesta altura, os ensaios do Oscar estavam em andamento, e eu tinha que atendê-las. Então, depois de ajudar Leonard com suas linhas, eu entrei no carro e foi ao centro para o Oscar, pensando: “Eu acabei de ensinar Spock a falar Vulcano”.

Para Star Trek III: A Procura de Spock, você basicamente criou a linguagem Klingon. O que deu para fazer isso?

“Eu comecei olhando para Star Trek: O Filme, porque é onde o Klingon foi realmente falado primeiro. Há talvez uma meia dúzia de linhas em Klingon com legendas no início do filme. Escrevi essas linhas o melhor que pude, fiz uma lista dos sons nas palavras e descobri o que era uma legítima sílaba. Esse foi o começo. Todos os sons e todas as sílabas e todas as frases no primeiro filme formaram o esqueleto do que eu estava para construir. Quando eu estava assistindo o primeiro filme, não sabia quem compunha essas linhas. Quando conheci Mark Lenard, o ator que falou Klingon nesse filme, ele me disse que elas foram criadas por James Doohan. Então James Doohan realmente foi o criador original Klingon. Cheguei e o aperfeiçoei.”

“Neste processo, eu tinha quatro coisas em mente: (1) a linguagem tinha que incluir todos os sons do primeiro filme, (2) a linguagem tinha que ter sons não-inglês, uma vez que era para ser alienígena; (3) a linguagem tinha que ser gutural (grave ou profundo), uma vez que o roteiro de Star Trek III expressamente referia-se aos Klingon como uma linguagem gutural, e (4) que teve que ser aprendida e pronunciável pelos atores de língua inglesa, por isso contém muitos sons comuns em inglês, além dos sons mais exóticos. Eu também tentei fazer a gramática tipo não-inglês. O vocabulário foi fácil – eu inventei apenas o que era necessário para o filme. Se uma palavra não correspondia, eu não colocava um equivalente Klingon. O mesmo foi para a gramática – se uma construção particular ou elemento gramatical, digamos, um pronome, não fosse necessário para o filme, eu não o compunha. Mais tarde, eu adicionei lotes de vocabulário e gramática – material não pertencente ao filme. Mas, inicialmente, o roteiro levou o que foi feito”.

Como foi ensinar os atores a falar Klingon ou Vulcano em Star Trek III?

“O orador Klingon principal em Star Trek III era Christopher Lloyd, que interpretava o capitão Kruge. Ele era um ótimo aluno. Ele estava interessado não apenas em obter a pronúncia certa, como queria saber o significado das palavras e como as frases se encaixavam. Nós trabalhamos juntos praticamente todos os dias quando estavam filmando uma cena com Klingon falado. A maioria dos outros oradores Klingons no filme eram tripulantes do Kruge. Para a maior parte, eles tinham uma linha cada um que gritavam quando as coisas estavam indo errado. Eu não acho que eu já tenha visto um grupo de pessoas mais entusiasmadas. Ah – havia um outro orador Klingon chave, e havia o capitão Kirk. Ele tinha uma linha, o equivalente em Klingon para “leve-me para cima”, no final do filme. Eu não fui capaz de estar no set no dia que William Shatner filmou essa cena, mas eu trabalhei um pouco com ele uma semana antes. Eu não tinha idéia de como ele iria se sair até que eu vi o filme. Lembrei-me de suas aulas e fez um grande trabalho. Havia apenas um orador Vulcano no filme, e esse foi a nova Saavik, Robin Curtis. Robin aprendeu rápido e deu adequadamente a língua Vulcana uma emoção – mas ainda assim significativo – no roteiro.”

Naquele filme, Lloyd foi o seu melhor aluno. Seja honesto: quem foi o pior?

“O pior foi um membro da tripulação do Kruge – cujo nome não me lembro – que simplesmente não conseguia. Eu não tenho certeza do que ele estava falando, mas ele pegou o espírito da coisa.”

Você trabalhou tão bem em Star Trek I e Star Trek V e VI. Dê-nos uma memória ou duas de cada produção. E de que maneira o idioma Klingon evoluiu de filme para filme.

“Star Trek V era diferente de Star Trek III de duas maneiras. Primeiro, os personagens tinham conversas. Em Star Trek III, era na maior parte, embora não inteiramente, Kruge dando ordens. Mas em Star Trek V, Klaa e Vixis tinham, relativamente, falas longas. Isso foi realmente um desafio maior para os atores do que para mim, porque cada um tinha de aprender não só a sua própria linha, mas também a linha do outro ator para que ele soubesse quando começar a falar. A outra forma que fez Star Trek V diferente de Star Trek III é que depois de Star Trek III, o Dicionário Klingon tinha saído. Quando eu estava fazendo as linhas de Star Trek III, eu estava fazendo exatamente isso – aperfeiçoando-o. Se eu não gostasse de algo, eu poderia mudar. E se um ator pronunciasse errado, mas ainda soava como Klingon, eu poderia mudar a palavra Klingon para corresponder ao que o ator disse. Em Star Trek V, eu tive que ir pelo livro. Eu estava preso com o que eu tinha escrito, gostando ou não. Claro, houve novas palavras e novas peças da gramática eu tive que inventar para Star Trek V, mas eu tinha que ter certeza que usei o material do livro, se ele existisse.”

Falando do livro …

“O livro originalmente deveria sair ao mesmo tempo que Star Trek III, mas foi adiado por razões que são realmente interessantes e que eu deveria ter escrito, mas agora eu principalmente gostaria de esquecer. Depois que terminei ele, e quando nada estava acontecendo com a sua publicação, o filme entrou em pós-produção. Durante a pós-produção, eles mudaram algumas linhas que foram originalmente em inglês para Klingon, por isso fizemos algo como fizemos com o Vulcano em Star Trek II, só que eu tinha que fazê-lo soar como o Klingon no resto do filme, tanto em termos de sons quanto de gramática. Eu não tive a relativa liberdade que tive com o Vulcano. Eles também mudaram algumas legendas, por isso uma linha Klingon que originalmente significava uma coisa de repente significava outra. Isto, naturalmente, fez com que, em alguns casos, o dicionário já não combinava com a película ou faltaram algumas palavras que estavam no filme. Por causa do atraso na publicação, no entanto, eu fui capaz de fazer alterações no dicionário, para que todas as alterações feitas na pós-produção fossem incorporadas ao livro.”

“Mas na época de Star Trek V, o livro tinha sido publicado, então eu não podia mais fugir. Isso fez com que a criação de diálogos para Star Trek V realmente ficasse mais difícil do que foi para Star Trek III. É mais difícil seguir as regras do que as compor. Na verdade, um dos atores fez confusão numa linha em Star Trek V em uma cena que era demasiado complexa para refazer. Depois que Star Trek VI saiu, o dicionário foi reeditado com um adendo ao incorporar materiais criados após Star Trek III. Eu descobri uma maneira para que a linha fizesse sentido, combinando com a legenda e incluído no livro que revi. Assim, a linha em Star Trek V ficou correta depois de tudo isso.”

A única coisa nova e importante em Star Trek VI foi a incorporação de Shakespeare …

“O script estava cheio de linhas de Shakespeare, algumas faladas em Inglês e outras em Klingon. Então eu tive que traduzir pedaços de Shakespeare em Klingon, o que significava que eu tinha que descobrir o que seria um “petardo” Klingon, entre outras coisas. Nenhuma das linhas de Klingon foram usadas no filme – no momento em que terminei, elas foram trocadas de volta para o Inglês ou cortadas. Havia uma linha de Shakespeare que era falada em Klingon no filme, embora não tivesse sido parte do roteiro original. Essa linha era “Ser ou não ser”. Quando o diretor do filme, Nick Meyer, me pediu para criar uma versão Klingon disso, eu disse “tudo bem”, mas achei que seria difícil. O problema era que não não há verbo em Klingon que signifique “ser”, e eu fiz um grande trabalho sobre isso no livro. Pensei um pouco e perguntei ao Nick se a linha poderia significar “viver ou não viver.” Ele disse que estava bem e que eu deveria ensinar o Chris. Chris era Christopher Plummer, que estava fazendo o General Chang, e que era para falar a linha. A palavra para “viver” em Klingon é “yin”, e que eu transformei em “yin pagh yInbe”, literalmente, “viver ou não viver”, embora existam muitas outras maneiras que eu pudesse ter feito isso também. Quando eu disse a linha de Christopher Plummer, ele pensou e perguntou se poderia haver alguma outra maneira de dizê-lo. Pensei um pouco mais, e sugeri que “tah” substituisse “yin”: “tah pagh taHbe”. Isto soou bom para ele, especialmente com o H, áspero e gutural no final, de modo que se tornou a linha. A sílaba “tah”, até aquele momento, tinha um significado de sufixo “continuar a fazer” se ao verbo fosse anexado, por isso em “comer” mais tah significava “continuar comendo”. Eu dei uma promoção para o status de verbo, mas mantendo o mesmo significado. Então uma nova palavra que signifique “continuar, prosseguir, resistir”, foi criada assim: “continuar ou não continuar, prosseguir ou não prosseguir”.

“Se você ouvir atentamente, em Star Trek VI, você pode me ouvir falando Klingon. Há uma cena a bordo da nave Klingon, depois de ter sido atacada, onde há o caos – a perda de gravidade, retorna então a gravidade, um monte de vítimas. E há muitos gritos e pedidos sendo gritados por várias pessoas. Minha voz está no mix lá. Em algum lugar. Em segundo plano.”

O que Gene Roddenberry já disse a você sobre o seu trabalho e como ele complementou sua criação?

“Eu conheci Gene Roddenberry algumas vezes. Ele me agradeceu por minha contribuição para os filmes e, por esse tempo, A Nova Geração. Lembro-me de pensar que o agradecimento deve ir por outro caminho – eu que deveria agradecer a ele por sua contribuição.”

Quanto diferente foi um desafio em A Nova Geração?

“Eu não estava envolvido em tudo durante a primeira temporada de A Nova Geração. Há pelo menos um episódio com Klingon falado naquele primeiro ano. Eu acho que o escritor foi quem criou, disseram eles. Eu me envolvi durante a segunda temporada, que estava sendo filmada, em parte, enquanto Star Trek V estava sendo filmado, por isso na hora do almoço você via uma mistura de pessoas do século 20, 23, 24 vagando até o refeitório. As pessoas de A Nova Geração estavam trabalhando em um episódio que envolvia Klingons e queriam uma linha Klingon ou duas. Eles tinham uma cópia do dicionário, mas não conseguiam encontrar o que eles precisavam. Eles ouviram que eu estava no estúdio para Star Trek V, então eles me pediram para passar por lá. Encontrei-me com eles e lhes dei as linhas que eles precisavam, e eu fui consultado para alguns episódios mais. Eu não trabalhei diretamente com nenhum dos atores. Mais tarde, a maioria dos Klingon ouvidos em A Nova Geração foram criados pelos escritores, alguns dos quais seguindos muito de perto o dicionário, alguns nem tanto. Mas qualquer Klingon falado durante A Nova Geração considera-se como Klingon legítimo, tenha eu feito isso ou não, e eu incorporei tudo isso para a linguagem.”

Há alguma coisa, que você fez para Deep Space 9, Voyager e Enterprise?

Deep Space 9 e Voyager funcionaram principalmente como A Nova Geração – isto é, os escritores criaram o diálogo Klingon, às vezes com base no dicionário, às vezes não. Eu me envolvi no final de Enterprise, fornecendo algum diálogo Klingon e ajudando com alguns Vulcanos, e então a série foi cancelada.”

Como você se aproximou para ser consultor em Star Trek, e como foi essa experiência para você?

“Recebi um telefonema do escritório do filme Star Trek perguntando se eu estaria disposto a ajudar. Fui convidado para criar algumas linhas de diálogo em quatro línguas – Klingon, Vulcano, Romulano, e uma nova linguagem para um novo tipo de alienígena. As cenas com Klingon e da nova linguagem foram cortadas do filme relativamente cedo. Para Vulcano, eu construí sobre o que tinha feito para Star Trek II e III e Enterprise. Eu nunca tinha feito nada com Romulano antes, mas desde que romulanos e vulcanos estão relacionados, eu fiz a um idioma Romulano que poderia estar relacionado ao Vulcano – Não de perto, mas em certas maneiras padronizadas. As duas línguas são ouvidas em sua maioria no fundo em vez de serem faladas por personagens principais.”

“Eu não trabalhei com nenhum dos atores neste filme. Deram-me um roteiro com as linhas que precisava de tradução – Eu nunca tive uma cópia do roteiro completo – e escrevi transcrições e gravações em mp3 para os atores e para o treinador de diálogo usar. Eu estive no set uma vez – mas não para trabalhar. Aconteceu de eu estar em Los Angeles e passei a conhecer algumas das pessoas que eu tinha lidado via telefone e e-mail.”

Você estará envolvido na seqüência e, em caso afirmativo, quando você começa a trabalhar?

“Eu sei muito pouco sobre a sequência. Vamos ver se alguma coisa acontece.”

Você escreveu livros sobre Klingon, mesmo libreto (texto de ópera), e muito mais. Você ficou surpreendido pela forma como esta linguagem ficcional, em essência, tornou-se real?

“Quando Harve Bennett e eu, pela primeira vez, falamos sobre Klingon em Star Trek III, concordamos que, a fim de fazer o som real, teve que ser real. É por isso que eu trabalhei em um sistema fonológico e gramático e assim por diante, em vez de apenas ter um som legal . Eu escrevi “The Klingon Dictionary” esperando que as pessoas gostassem, é claro, mas eu sinceramente esperava que as pessoas olhassem para ele, tentando dizer algumas palavras – talvez memorizar uma ou duas. Eu nunca imaginei que as pessoas iriam estudá-lo tão a sério – analisar tudo – e aprender a falar tão bem que eles pudessem realmente levar em conversas e traduzir obras de literatura. Mas isso foi o que aconteceu. Eu acabei conhecendo e me tornando amigo de um monte de bons oradores ao longo dos anos, então eu não fico mais surpreso quando eles falam, mas quando ouço as pessoas que eu nunca conheci antes – especialmente em lugares que eu nunca fui antes ou no YouTube ou algo assim – falando a língua, ainda é uma sensação estranha. Embora as pessoas ainda peçam para mim novas palavras e julgamento gramatical, a linguagem tem assumido uma vida própria. Mesmo as pessoas que não sabem uma única palavra sabem que há tal linguagem e fazem piadas sobre ela – quando alguém tosse, outro diz: – “Você está falando Klingon”.

Quantas vezes as pessoas se aproximam de você, querendo conversar em Klingon?

“Além das convenções de Jornada ou coisas do gênero, eu não acho que isso já aconteceu. Mas em um local Klingon ou de Jornada, as pessoas vem até nós e dizem coisas para mim – não tanto para iniciar uma conversa a respeito, mas apenas dizer “Olá”. Eu geralmente não me envolvo em uma conversa Klingon – principalmente porque se eu cometer um erro – e tenho feito muitos – há até uma página na web com uma lista deles – torna-se-á parte da linguagem só porque eu disse , e então eu me afasto de tudo.”

Outra pergunta para ser honesto … O quanto famoso você está entre os seus amigos lingüistas e colegas?

“No início, eu não sabia qual seria a reação de lingüistas – o que significa, principalmente, aqueles na academia – o que poderiam pensar. Eu estava em uma reunião de lingüistas pouco depois do livro ser lançado e um professor da UCLA aproximou-se de mim e perguntou se eu era a pessoa que escreveu  “The Klingon Dictionary”. Eu disse que sim, e ele disse que tinha algo importante para me dizer. Eu pensei que eu estava prestes a ouvir algo como “Klingon vai de alguma forma manchar a disciplina ou algo assim”. Ela disse: “Eu quero que você saiba o quão grande é você por poder comprar um livro de lingüísticas em um aeroporto”. E esse foi um precursor do que aconteceu – Klingon foi incorporado as aulas da faculdade, em livros didáticos. Tornou-se uma forma de obter pessoas interessadas no campo. Eu não sei se eu sou uma estrela, mas alguns anos atrás eu conheci o então editor de Language, a revista publicada pela Linguistic Society of America. Ele era um estudioso muito conhecido e respeitado. Quando ele foi apresentado a mim, ele disse, “Oh – o lingüista famoso”.

No que você está trabalhando atualmente?

“Agora, eu estou tendo um pouco de calmaria, tendo acabado três grandes projetos: um CD de aprendizagem da língua que tem muitas palavras novas, todos referentes às coisas da Terra todos os dias, a versão Klingon de Monopoly, e um livro contendo uma versão expandida do libreto da ópera. Oh – e eu ajudei a alguns amigos com algumas coisas apropriadas para dizerem em seu casamento.”

E antes de terminarmos: qual é a sua palavra Klingon favorita – e por quê? E qual ator ou atriz que você pessoalmente ficou muito impressionado ao ouvir Klingon?

“Como eu estava trabalhando na língua, eu me perguntava se não haveria uma palavra que as pessoas saberiam mesmo que não soubessem nada mais sobre Klingon. E a palavra acabou por ser “Qapla”, que significa “sucesso”. Então eu acho que essa é a minha palavra preferida. Ouvir Christopher Plummer dizer as linhas que eu fiz até foi bastante impressionante. Melhor ainda era ouvir Klingon falado pelo reverendo Jim (interpretado por Christopher Lloyd) do sitcom Taxi.”

7 Comments on "Marc Okrand, o criador da linguagem Klingon"

  1. lol, peno aprendendo o inglês e já tem trekker falando Klingon, melhor aguardar o lançamento do tradutor universal portátil.

  2. “Eu sei muito pouco sobre a sequência. Vamos ver se alguma coisa acontece.”

    Ia ser muita sorte se ele dissesse alguma coisa, se o Benicio del Toro for fazer um Klingon, eu acho que ele vai ter muito trabalho.

    Mas é claro ele vai receber o roteiro apenas com as falas que vão ser traduzidas, bem se tiver muita coisa Klingon ele vai ter que se encontrar com os atores dessa vez.

    Muito interessante e Qapla prá eles! 🙂

  3. Realmente o “klingonês” se tornou um viral de sucesso entre os trekkers, eu mesmo já conhecí umas cinco pessoas que o falam fluentemente. Até onde eu sei muitos cursos de atores nos EUA dão aula sobre ele pois CONSIDERAVÃO Jornada nas Estrelas um ótimo empregador para iniciantes até o fim de TNG.

    Depois do dicionário e co tanta gente falando o idioma extraterrestre o Okrand foi mais um que só foi convidado a participar de STF para convencer alguns trekkers, acho que não volta para a continuação.

  4. O próprio nome do cara é meio klingon: Marc “Okrand”….

  5. Putz… o cara lembra de tudo que participou e dar pra perceber que ele trabalha de maneira séria e metódica. Parabéns!!

  6. dar = dá

  7. Percebesse que quando dispomos de pessoas competentes, qualquer ideia vira ouro. Dicionário Klingon! É preciso ser muito capaz para criar outra lingua. Star Trek deu certo em grande parte por isso. Pessoas habilidosas tendo a oportunidade de fazer o seu melhor.
    Matéria muito boa Ralph. Parabéns.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*