DSC 1×09: Into the Forest I Go

Roteiro, direção e atuação perfeitos produzem um clássico

 

Sinopse

A Discovery é ordenada a deixar Pahvo e recuar para o espaço da Federação, a fim de não ficar vulnerável ao iminente ataque klingon. O capitão Lorca não fica satisfeito com a decisão, comunicada pelo almirante Terral, mas parece acatá-la — contudo, é só uma desculpa para que a tripulação tenha tempo de bolar um plano B: se eles descobrirem como detectar as naves klingons camufladas, voltarão a Pahvo para defender o planeta; se não…

Para mostrar aparente boa vontade com o Comando da Frota Estelar, Lorca ordena que a Discovery recue para a Base Estelar 46, mas por dobra espacial convencional, sem usar o motor de esporos. A fim de dar credibilidade à escolha, o capitão pede que Stamets finja estar com problemas com a interface com o motor e se reporte à enfermaria. Mal sabe ele que os problemas são reais.

Enquanto isso, Saru, Tyler e Burnham bolam um plano para neutralizar a camuflagem klingon — a Frota Estelar em tese pode criar um algoritmo capaz de detectar pequenas imperfeições no campo gravitacional artificial que torna a nave invisível se puder colocar dois dispositivos sensores dentro dela e triangular seu sinal a partir da Discovery enquanto a camuflagem estiver ativa. Para isso, seria preciso que um grupo de abordagem levasse os dispositivos a bordo da nave-sarcófago. Não bastasse isso, o processo de decifração do algoritmo seria lento, com dias de duração — mais tempo do que eles têm.

Diante desse quadro, Lorca encontra uma alternativa — se a Discovery der vários saltos com o motor de esporos em rápida sucessão ao redor da nave, pode conseguir os dados necessários muito mais depressa. Mas seriam precisos 133 saltos com poucos segundos entre um e outro, e as notícias da enfermaria não são boas. Por lá, Culber revela que Stamets está mesmo enfrentando sérios problemas neurológicos pelo uso continuado da interface que o liga ao motor de esporos.

Sem alternativa, Lorca decide tentar convencer Stamets da necessidade desse sacrifício. A fim de sensibilizá-lo, o capitão mostra que tem monitorado os dados colhidos a cada salto e que o motor de esporos parece gerar caminhos não só para qualquer lugar do universo como também para universos paralelos. Stamets fica encantado com as possibilidades abertas e sensibilizado pelo espírito de explorador de Lorca, até então jamais revelado. Pensando no que se poderá fazer após o fim da guerra, Stamets concorda em tentar fazer os 133 saltos.

A cadete Tilly ajuda a adaptar o motor de esporos para o plano de saltos rápidos, enquanto Culber faz o que pode para tentar monitorar a saúde de seu companheiro durante o esforço brutal que será essa manobra.

Quando tudo está pronto, o capitão faz um discurso motiviacional poderoso e a Discovery salta de volta a Pahvo, para enfrentar a Nave dos Mortos. Nela, Kol se mostra ansioso para destruir a “arma secreta” da Federação. Não sabe, contudo, que Tyler e Burnham se transportaram a bordo para sabotá-la. A princípio, Lorca não queria deixar que Michael participasse da missão, alegando risco excessivo para ela, mas acabou convencido.

A bordo da nave-sarcófago, Tyler e Burnham plantam o primeiro dos dispositivos sensores e estão a caminho da ponte para plantar o segundo quando detectam um sinal de vida humana a bordo. Michael diz que não quer deixar ninguém para trás, e eles encontram a almirante Cornwell — severamente ferida, sem poder mover as pernas, mas viva. Também lá está L’Rell, depois de levar uma surra dos homens de Kol. Ela se levanta, e quando Tyler vê sua antiga algoz, ele sofre uma crise nervosa — resultado de síndrome de estresse pós-traumático pelo fato de ter sido prisioneiro dos klingons por meses, torturado e abusado sexualmente por L’Rell.

Burnham entrega um feiser a Cornwell e diz para a almirante se defender como puder enquanto ela planta o segundo dispositivo na ponte. Uma vez feito isso, eles serão transportados para a Discovery.

Enquanto Burnham avança para a ponte, Cornwell tem problemas com klingons. Sua capacidade de atirar neles é limitada, e ela tenta tirar Tyler de seu torpor — o que só dá certo quando ela diz que Michael precisa dele. Assim, os klingons são debelados e eles conseguem se manter seguros por mais um tempo.

Na ponte, Burnham planta o segundo dispositivo, e a Discovery faz um ataque para induzir a nave-sarcófago a se camuflar, em seguida iniciando a sequência de 133 saltos. Stamets claramente está sofrendo, mas aguentando firme.

Na Nave dos Mortos, escondida na ponte, Michael usa o tradutor universal acoplado a seu comunicador para entender o que Kol e seus comandados estão dizendo. Todos estão desnorteados pelas ações da Discovery, e Kol está prestes a ordenar uma retirada. Burnham decide que precisa distraí-los e atira num dos klingons. Kol pede que ela se revele, o que ela o faz usando o comunicador para se fazer entender.

O general carrega nas mãos a insígnia que pertencia à capitão Georgiou — segundo ele, é boa para palitar os dentes. Os dois discutem, e ela revela que foi ela quem matou T’Kuvma, e desafia Kol para um duelo corpo a corpo. Entretido, ele concorda, e uma luta feroz se segue, enquanto a Discovery conclui os 133 saltos e consegue desenvolver o algoritmo da camuflagem.

Tyler e Cornwell então são transportados, mas L’Rell se agarra ao chefe de segurança na última hora e é transportada junto com ele. Na ponte, Burnham ouve o sinal de transporte. Ela se esquiva de Kol, pegando antes a insígnia de Georgiou, e se desmaterializa em meio a um salto.

Com a equipe de abordagem de volta — complementada pela resgatada almirante Cornwell e a agora prisioneira de guerra L’Rell –, Lorca ordena a ativação do algoritmo de detecção de camuflagem e o disparo de torpedos fotônicos contra a Nave dos Mortos, que explode numa imensa bola de fogo. Kol está morto.

A tripulação celebra a vitória, e Lorca entra em contato com o almirante Terral, notificando-o de que sua equipe está refinando o algoritmo para uso contra qualquer nave camuflada klingon e deve transmiti-lo num canal seguro em menos de 11 horas. Terral ordena o retorno da Discovery à Base Estelar 46, onde seu capitão deve receber a Legião de Honra.

Em órbita de Pahvo, Stamets está olhando para o vazio do espaço no hangar da Discovery quando Lorca vai ao seu encontro. Diz que pedirá à Frota que dê a Legião de Honra ao criador do motor de esporos e conta que os klingons já estão preparando uma retaliação. Stamets diz que pretende abandonar o motor de esporos para cuidar da saúde, mas está disposto a dar um último salto até a Base Estelar 46, para garantir a segurança da tripulação.

Quando a Discovery salta, contudo, alguma coisa dá errado. A nave emerge em local desconhecido, cercada por destroços, enquanto Stamets tem um colapso, fica com os olhos brancos e fala palavras desconexas, antes de desfalecer no chão…

Comentários

“Into the Forest I Go” é uma tempestade perfeita, com todos os elementos que fazem dele não só representativo do que Discovery tem de melhor, mas também o elevam ao panteão reservado aos melhores episódios da franquia.

Diante do desafio de criar um “fechamento de capítulo” para o primeiro bloco de episódios desta temporada, os produtores se saíram com um segmento bem acabado em todos os aspectos: o roteiro de Bo Yeon Kim e Erika Lippoldt é primoroso; a direção de Chris Byrne é impressionante; os valores de produção são excelentes, como já nos acostumamos a esperar da série, e as atuações também são brilhantes.

É emblemática a simetria que as roteiristas encontraram para este episódio, quase como um “espelho” (com o perdão da expressão, que usaremos muito ainda na temporada) do que foi o episódio duplo de abertura, “The Vulcan Hello”/“Battle at the Binary Stars”. No olho do furacão, claro, Michael Burnham.

Siga comigo: lá no começo, a história esquenta quando a Shenzhou trava o primeiro contato com a nave-sarcófago klingon. Burnham confronta sua capitão e não sabe aceitar “não” como resposta, o que leva à sua desgraça. Mais tarde, numa missão avançada desesperada, ela vê sua capitão ser morta, e a morte do líder T’Kuvma serve como catalisador para promover a unificação do Império Klingon.

Agora, vamos para “Into the Forest I Go”. A história esquenta quando a Discovery trava seu primeiro contato com a nave-sarcófago klingon. Burnham confronta seu capitão e consegue convencê-lo de que curso tomar, o que a coloca num caminho de redenção e reparação. Na missão avançada desesperada, ela descobre um humano capturado — a almirante Cornwell — e decide que ninguém ficará para trás. Ao final, todos retornam à Discovery, e a nave-sarcófago é destruída. A morte de Kol, novo líder do império, possivelmente coloca os klingons numa disputa interna pelo poder, uma fragmentação.

Especialmente simbólico é o resgate da insígnia de Georgiou por Michael. Quando ela retorna à ponte da Discovery para testemunhar a destruição da nave-sarcófago, o olhar que ela troca com Saru diz tudo: é o fim de um pesadelo.

Não o fim da guerra, contudo. E o que parece uma questão encaminhada — com a iminente transmissão ao Comando da Frota Estelar do algoritmo de detecção da camuflagem klingon — se torna grande incerteza quando um salto malfadado com o motor de esporos coloca a Discovery num lugar desconhecido, longe da Federação.

O recado é: a resolução da Guerra Klingon vai ter de esperar um pouco.

A tripulação da Discovery brilha muito no episódio. O capitão Lorca mais uma vez demonstra sua incrível capacidade motivacional, jogando com as emoções de sua tripulação para encontrar um meio de vencer a camuflagem klingon a fim de defender o planeta Pahvo, e mais tarde com o lado explorador de Stamets, para convencê-lo a dar os 133 saltos. E o discurso que ele faz à tripulação antes da batalha é de arrepiar.

Stamets também tem um papel fundamental aqui, dividido entre o dever e sua integridade física e emocional, e mais uma vez é o herói do momento, a exemplo da missão a Corvan II, em “The Butcher’s Knife Cares Not for the Lamb’s Cry”. A cena do beijo entre ele e Culber é natural e sentida, como deveria ser — um momento histórico para a franquia, executado com a sensibilidade que lhe cabe.

E mais arrojado ainda é o papel de Tyler na trama, com seu Transtorno de Estresse Pós-Traumático e a necessidade de lidar com a violência — de cunho sexual — que L’Rell lhe impôs. Qual é a relação dele com L’Rell? Ele é mesmo Voq? Se é, nem ele parece saber, e a confusão fica clara no encontro dos dois na detenção da Discovery. Ainda tem caroço nesse angu.

Michael, por sua vez, é a “alma” da missão, ao participar tanto do desenvolvimento do plano para neutralizar a camuflagem klingon como de sua execução, culminando com uma ótima cena de luta com Kol. E a interpretação de Sonequa Martin-Green mais uma vez é fantástica, sobretudo na cena com Tyler em que ela chora — algo que não estava no roteiro — ao saber da violência que ele sofreu. E violência sexual contra homem — ainda que a perpetradora seja klingon — é um tema complexo, pouco abordado e aqui tratado com sensibilidade e realismo. Mais um tabu que Star Trek vai ajudando a quebrar.

Por fim, mais algumas palavras sobre o trabalho do diretor Byrne. Fantástico. As cenas em que a Discovery vai de salto em salto para quebrar a camuflagem klingon, as transições maravilhosas de Pahvo, para o olho de Stamets, para o hangar e as efetivas cenas de ação, inclusive uma delas no corredor da nave klingon — mesmo corredor que rendeu uma cena insossa em “Si Vis Pacem, Para Bellum” — são de encher os olhos. O toque final perfeito de um episódio que não merece reparos, da concepção à execução. Bravo!

Avaliação

Citações

Lorca – I have no intention of reaching our destination. But if you’re planning on disobeying a direct order, best not to advertise the fact.
(“Não tenho intenção de chegar ao nosso destino. Mas, se você planeja desobedecer uma ordem direta, melhor não fazer propaganda disso.”)

Lorca – We are about to face the most difficult challenge we have ever attempted. Today, we stare down the bow of the Ship of the Dead, the very same ship that took thousands of our own at the Battle of the Binary Stars. When I took command of this vessel, you were a crew of polite scientists. Now, I look at you. You are fierce warriors all. No other Federation vessel would have a chance of pulling this off. Just us. Because mark my words: you will look back proudly and tell the world you were there the day the USS Discovery saved Pahvo and ended the Klingon War.
(“Estamos prestes a enfrentar o maior desafio que já travamos. Hoje, olhamos para a proa da Nave dos Mortos, a mesma nave que matou milhares dos nossos na Batalha das Estrelas Binárias. Quando assumi o comando desta nave, vocês eram uma tripulação de cientistas delicados. Agora, olho para vocês. São todos guerreiros ferozes. Nenhuma outra nave da Federação teria chance de tentar fazer isso. Só nós. Porque marquem minhas palavras: vocês lembraram disso com orgulho e dirão ao mundo que estavam lá no dia que a USS Discovery salvou Pahvo e encerrou a Guerra Klingon.”)

Saru – Captain, I’m afraid… I don’t know where we are.
(“Capitão, temo… não saber onde nós estamos.”)

 Trivia

  • A produção decidiu dividir a primeira temporada de Discovery em dois “capítulos”. O primeiro capítulo tem os 9 primeiros episódios, e o segundo, os 6 finais, perfazendo 15 ao todo. É a primeira vez que Jornada nas Estrelas tem um “episódio final de meia-temporada”.
  • O título do episódio vem de uma citação do poeta escocês-americano do século 19 John Muir: “And into the forest I go, to lose my mind and find my soul.” (“E entrar na floresta eu vou, perder minha mente e achar minha alma.”) De acordo com Bo Yeon Kim e Erika Lippoldt, roteiristas do episódio, a citação reflete a jornada de Michael Burnham nesse primeiro capítulo de Discovery.
  • A dupla de roteiristas queria originalmente que o número de saltos fosse 525.600, em referência à canção “Seasons of Love”, do musical Rent, que já teve montagens com Anthony Rapp (Stamets) e Wilson Cruz (Culber). Claro que o número era absurdamente grande demais. Então decidiram ficar com 133, numa homenagem ao piloto da série Battlestar Galactica de 2004, chamado “33”. O episódio foi escrito por Ronald D. Moore, veterano de Jornada nas Estrelas.
  • Ainda assim, uma citação a Rent aparece no episódio, quando Stamets sugere levar Culber a uma apresentação da ópera La bohème, que é a inspiração original de Rent. Foi, contudo, uma inclusão de última hora. Até pelo menos um roteiro de maio de 2017, Stamets convidava Culber para ver “The Quest for Collerio”, uma produção totalmente ficcional.
  • No roteiro, não havia menção a Burnham derrubar uma lágrima na cena em que Tyler revela como L’Rell o torturou. Aquilo foi um improviso de Sonequa Martin-Green.

  • Este é o primeiro episódio de Jornada nas Estrelas a ter um beijo romântico entre dois homens. Um beijo romântico entre duas mulheres apareceu 22 anos antes, em “Rejoined”, de Deep Space Nine.

Ficha técnica

Escrito por Bo Yeon Kim & Erika Lippoldt
Dirigido por Chris Byrne
Exibido em 12/11/2017
Produção: 109

Elenco:

Sonequa Martin-Green como Michael Burnham
Jason Isaacs como Gabriel Lorca
Doug Jones como Saru
Anthony Rapp como Paul Stamets
Mary Wiseman como Sylvia Tilly
Shazad Latif como Ash Tyler

Elenco convidado:

Jayne Brook como Katrina Cornwell
Mary Chieffo como L’Rell
Wilson Cruz como Hugh Culber
Kenneth Mitchell como Kol
Michael Ayres como técnico do transporte
Conrad Coates como almirante Terral
Emily Coutts como Keyla Detmer
Julianne Grossman como computador da Discovery
Patrick Kwok-Choon como Rhys
Sara Mitich como Airiam
Oyin Oladejo como Joann Owosekun
David Benjamin Tomlinson como oficial da ponte klingon

 TB ao Vivo

Leia também a opinião de Luiz Castanheira aqui.

256 Comments on "DSC 1×09: Into the Forest I Go"

  1. Mas… hein?

  2. Sensação de fim de temporada… com perguntas em aberto pra uma eventual segunda temporada.

  3. Alessandro Ferreira | 13 de novembro de 2017 at 7:58 am |

    Este Episódio já é um clássico! E quanto ao seguinte, Capt Lorca “danadenho” ele inseriu coordenadas “desconhecidas” sendo que o sistema de esporos funciona bem nas coordenadas de espaço conhecido.
    Congelem a tela que ele insere coordenadas, lá está escrito “Unknow”

  4. Eduardo Henrique Chagas | 13 de novembro de 2017 at 8:06 am |

    Depois de alguns episódios numa vibe TOS, a segunda parte da temporada vai abrir com uma vibe VOY… hehehe

  5. Vou ter que rever!!!

  6. Muita gente vai estar feliz com 1: destruição da nave sarcófago. 2: tradutor universal de volta

  7. Fenomenal. Fantástico. Chorei mais de uma vez. Nota 4/4.

  8. Reparou que foi o Lorca quem primeiro falou de múltiplos universos? Que ele estava estudando os saltos e fazendo esses esquemas e mapas? Tudo leva a crer que ele tinha conhecimento da existência do universo espelho. Ele colocou as coordenadas desconhecidas lá, ele saltou deliberadamente para lá. Ele provocou esse salto! Porque? Será que ele já esteve lá neste universo? Porque ele voltou ao universo espelho?

  9. As cenas de “amor” klingon e o primeiro beijo gay masculino (smj) em Star Trek são os destaques deste episódio…. Beyond teve entre Sulu e seu companheiro que no final foi cortado……. CBS dando olé na Paramount

  10. O que esperar para a segunda parte da 1ª Temporada? Onde eles foram parar? Universo do Espelho? Ou algum local distante no Universo tradicional? Janeiro vai ser uma espera razoável. Até lá, vamos de Euro/American Truck Simulator nas horas vagas para despistar a ansiedade.

    https://farm5.staticflickr.com/4330/36228237675_ef1381510c_b.jpg

  11. Será que estão no universo espelho???

  12. Bem, supondo que seja verdade, já que o Takei nega os fatos, tenho para mim que a acusação é grave! O modelo tomou um boa noite Cinderela e acordou com o Takei encima dele. Porém já faz quase 40 anos e isso só veio a tona agora. O ex-modelo só tem a palavra dele. E o Takei nega os fatos. A dúvida favorece o acusado e não a suposta vítima. E se o modelo não conseguir provar a sua história, poderá responder por danos morais.

  13. Eu nem reparei no beijo gay direito, tava tão hipnotizado pelo desfecho da trama, já sabia que o último salto ia dar merda, já tava sofrendo por antecipação! hehehe

  14. Eu suponho que sim! Mas não há nada concreto, apenas indicações disso.

  15. Eu acredito que os flashs das cenas de “amor/pesadelo” entre o Tyler e a T’rell, bem como, a ida dele ao cárcere dela apenas para lhe perguntar “o que você fez comigo” somada a reposta dela de que “não lhe farei mal algum”, demonstrando ainda uma certa ternura na viz, põe mais lenha na teoria que o Tyler é o Voq!

  16. Só sei que Stamets “bugou” de vez e o motor de esporos “deu ruim”.

  17. Só achei estranho que não houve nenhuma intervenção dos phavianos neste episódio. Achei que eles interveriam no conflito de alguma forma. Nem que fosse apenas pelo diálogo. Mas não fizeram nada. Eles reuniram os klingons e os humanos lá e deixaram o pau comer. Maneira estranha de patrocinar a paz.

  18. Grande episódio 4/4!

  19. Alessandro Ferreira | 13 de novembro de 2017 at 11:19 am |

    Se bem que talvez eles só pudessem “interferir” caso as equipes descessem ao planeta.

  20. João Luiz Silva Cruz | 13 de novembro de 2017 at 12:04 pm |

    Na verdade não dá para saber, pois o salto que está selecionado é OVERPRIDE-LORCA-B, e não o UNKNOW. Obviamente os produtores estão brincando com a gente deixando essa impressão, ainda mais com a cara que o Lorca faz e frase “Lets go home”. Só vendo o restante da série mesmo.

  21. João Luiz Silva Cruz | 13 de novembro de 2017 at 12:09 pm |

    Exato, acho estranho depois de 40 anos ter esse tipo de acusação, e o histórico do Takei é totalmente averso a esse tipo de coisa. O cara que prove.

  22. João Luiz Silva Cruz | 13 de novembro de 2017 at 12:11 pm |

    Resta saber se ele fisicamente é o Voq, ou foi implantado de alguma forma as memórias do Voq no Tyler eu tô em dúvida com relação a isso.

  23. João Luiz Silva Cruz | 13 de novembro de 2017 at 12:12 pm |

    Fora do planeta eles não tem autonomia, e de certa forma com a destruição do Líder Klingon a guerra ficou mais próxima do fim, então eles de certa forma conseguiram harmonizar o ambiente.

  24. João Luiz Silva Cruz | 13 de novembro de 2017 at 12:14 pm |

    Episódio muito bom, mais um clássico com certeza.
    Nota 4/4 com gosto de “quero mais”.

  25. Depois do pior episódio até agora (que nem foi tão ruim assim) tivemos o melhor episódio de Discovery! Episódio incrível! #Partiu Mirror Universe!

  26. O Takei é muito reservado e sério, sempre foi.

  27. O outro nem foi tão ruim assim! rsrs

  28. Gostaria de saber se alguém já assistiu os flash backs da tortura dele no encontro com a L’Rell em câmera lenta ou pausando imagem por imagem. Fiquei com a sensação de que a parte da “tortura” era na verdade ele sendo transformado em humano. Talvez alguma das cenas tenha sido feita com maquiagem de Klingon. Obviamente, por esperar ver isso, eu posso ter imaginado…

  29. Gente, que séries podemos ver enquanto Star Trek Discovery não volta?

    Para tentar minimizar os efeitos colaterais da abstinência? Bom, estou vendo duas séries muito boas disponíveis na Netflix, vou indicar as duas:

    Uma se chama MindHunter (uma série policial/criminal muito boa por sinal) e a outra se chama Salvation (com uma leve pegada se ficção científica, sobre uma equipe de cientistas que tenta salvar a Terra da destruição certa que será causa por asteroide. Tem um empresário que é um misto de “Elon Musk/Tony Stark” e até um motor EmDrive que é aparentemente funcional”) Recomendo as duas!!!

  30. O Takei é muito reservado e sério, sempre foi.

  31. Eu vou rever StarTrek legendado em inglês pra ir treinando, depois Klingon e depois dublado só vendo os cenários. ahahahhaa
    Encerraram muito bem a metade da temporada. Estão de parabéns.

  32. Eu fiz isso. Os últimos flashs de memória, quando o Tyler vai até a prisão, dão a entender isso mesmo.

  33. Tava revendo episódios aleatórios de Voyager na Netflix e descobri que não lembro quase nada dos episódios. Nem lembrava que a Belana e o Chakotay eram Maquis antes de se unirem à tripulação. Partiu rever Voyager.

  34. Eu tenho a impressão que ele meio que implantaram a consciência do Voq nele, e o corpo do Voq está numa especia e de criogenia, algo do tipo.

  35. Estava bem claro que o último salto não funcionaria.

  36. Se a Netlix colocasse TOS no seu cardápio de séries eu ia assistir TOS, certamente, mas num tem :'(

  37. Claudio Arrochela | 13 de novembro de 2017 at 12:56 pm |

    Caros, O melhor episodio ate aqui, sera que teremos uma volta a la voyager? O Lorca deliberadamente mudou o curso, so que nao esperava ir aonde foi…Acredito que a Michael finalmente sera reconhecida pelo almirantado (um possivel perdao)…, Tyle e voq,sao um, pode ser que nao fisicamente mas quem sabe um implante mental…

  38. Na verdade em hollywood sempre rolou esse tipo de suspeita. O que só aumenta a hipocrisia deles, quando vazou o famigerado áudio do Trump falando de como era fácil ser rico e pegar mulher. Mas enfim, talvez o pessoal nunca teve coragem de denunciar pq sabe que seria boicotado, ou perderia o que tinha conquistado, e depois de muitos anos também ficaria difícil de provar algo. Agora que muitos começaram a fazer criaram coragem para denunciar também.

  39. Era uma premissa ótima, eles eram maquis então não se sujeitariam às regras da federação. Mas lá no quinto episódio da primeira temporada, já estão todos uniformizados e obedecendo a capitã. Aff….

  40. Galera, uma teoria: como o Tyler e a Burnham resgataram a almirante, era possível que ela retirasse o comando da Discovery do Lorca. Vocês não acham que é possível ele ter “sequestrado” a Discovery estilo o “sequestro” da Enterprise em A Procura de Spock? Já que oficialmente ele não poderia ficar na nave, partiu explorar o Universo em uma nave roubada.

  41. Sim, mas já faz tanto tempo, tipo quase 40 anos. Supondo que seja verdade, é meio inútil denunciar isso agora sem provas do acontecido. No entanto, sem provas, não somos obrigados a acreditar na palavra de um em detrimento da imagem e da honra de outro. O ex-modelo ao denunciar um suposto assédio do Takei, deve no minimo procurar provar o que diz. Sem isso eu fico com a inocência do Takei que nega os fatos.

  42. O episódio que eles lembram disso é um da sexta temporada com participação do Reginald Barclay e da Conselheira Troi. No holodeck nem o Chacotay nem a Belana estão de uniforme. O Cjackotay eu lembrei na hora, mas a Belana foi meio que um choque. Ela é super oficial modelo nas últimas três temporadas. Tem um episódio anterior que o motor de dobra fica desalinhado em 0.0003% e ela fala que isso não pode acontecer na engenharia dela. É esquisita a transformação dela quando pensamos na premissa da personagem.

  43. Ela foi concebia para ser meio klingon, meio humana. Ela tinha um personalidade mais rebelde e tinha um temperamento difícil. Mas os personagens de Voy nunca foram trabalhos de maneira coerente com usas premissas e se tornaram seres bidimensionais e sem muita profundidade. Nossa, queria ver a cara do Kol e do T’kuvma ao ver um híbrido entre as espécies. hehehe

  44. Falando em Discovery… não duvido nada a Belana ser filha da L’Rell

    ashduhasudhasuhduasashud

  45. Não tem? Creio que tem sim.

  46. Leandro Henrique Pereira Neto | 13 de novembro de 2017 at 1:21 pm |

    Senão me engano o Leandro do Trek brasilis sempre fala de toda a história dos maquis é muito superficial. Torres era uma cadente brilhante na academia, Chakotay era um ex oficial da frota, eles depois de um tempo asumirem novamente o comportamento dos oficiais é bem normal, pois suas divergências não eram contra os valores da federação e da frota.

  47. Acho que os “caras” não são do tipo “gente, trouxe vocês aqui para o e entendimento mútuo, a paz é o melhor caminho…”, e sim do tipo “deixa eu colocar estes dois malas esquentadinhos na mesma sala, no fim só vai sair um vivo e então meu problema estará resolvido”. Abraços 🖖

  48. Alessandro Ferreira | 13 de novembro de 2017 at 1:30 pm |

    Eu estou revendo Enterprise. Essa série tinha um enorme potencial. Estou prestes a rever o Arco Xindi. Fico imaginando como seria uma quinta…sexta e sétima temporada.
    Todos que se esforçaram nela mereciam essa chance… bem que a CBS poderia trabalhar em parceria com a Netflix. Muitos querem olhar a frente… eu particularmente gosto de explorar o século 22 e 23, já vimos muito do séc 24 nas séries TNG DS9 e VOY
    Alguém indica algum canal com fan filmes legendados pra ver??

  49. É o Voq mesmo. Certeza, e achei bem bacana como foi conduzido o surto dele.

  50. Não. As coordenadas foram extrapoladas conforme a nave saltava em todos os episódios. Ele anda fazendo este mapeamento a tempos, no mínimo a cena apareceu em 3 episódios. Neste último, pela quantidade de saltos, serviu para fechar a pesquisa. É unknow para o computador, não para ele.

  51. André Pinheiro | 13 de novembro de 2017 at 1:44 pm |

    Tem sim, assisti a pouquissimo tempo

  52. João Luiz Silva Cruz | 13 de novembro de 2017 at 1:48 pm |

    Vou tentar rever e terminar Earth Final Conflict( Terra o Conflito Final), que também é do Gene.

  53. Estou começando a assistir a primeira temporada de Outlander e a palavra é inebriado. Abraços.

  54. Uebaaaaa!

  55. Caraca!!!! Acabei de assistir no intervalo do almoço. Meu coração ficou acelerado o tempo todo e ainda está!!! O melhor episódio de todos!!! Como aguentar até janeiro???

  56. Eles são seres de energia. Eles poderiam brotar na ponte das naves! Tipo, seres de energia podem fazer coisas malucas, como surgir do nada que tá valendo! hehehe

  57. O jogo Star Trek: Elite Force começa com a Voyager presa num “cemitério de naves”; o local onde a Discovery aparece no final do episódio é bem parecido com este cemitério.

  58. Mauricio Silva de Moura | 13 de novembro de 2017 at 3:09 pm |

    Maravilhoso episódio. E quão lindo é o ser humano Michael que se desvela a cada episódio. A série pegou velocidade. Já começa a ter seu lugar no espaço imortal de Star Trek.

  59. Off topic, mas me diz o que tem de tão interessante nesse jogo que eu vi que tem uma turma grande jogando.

  60. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk mas quanto tempo é a longevidade klingon? tipo, ele teria que ser neta ou bisneta da L’rell 😛

  61. Star Trek: Discovery’: Fotos dos flashbacks do Tyler e possíveis significados:

    https://heavy.com/entertainment/2017/11/star-trek-discovery-photos-ash-tyler-flashbacks-screenshots-explained/

  62. João Luiz Silva Cruz | 13 de novembro de 2017 at 4:29 pm |

    Patrulheiro do Canon Mode ON:
    Teve um erro de continuidade na luta entre a Michael e ao Kol, alguém mais reparou?

  63. Não sei ao certo aonde teve esse erro. Mas uma dúvida que tive foi como eles se teletransportaram para dentro da nave sarcófago com os escudos levantados (de ambas as naves)?

  64. Quando eles estão invisíveis ainda estão sem escudos. Talvez um transporte no meio tempo em que estão se tornando visíveis e levantando escudos.

    Eu tive a impressão que Kol derrubou a espada de Michael e na cena seguinte ela estava com ela na mão de novo.

  65. É um jogo de simulação, você dirigi um caminhão como empregado e vai ganhando dinheiro fazendo entregas. Com o tempo e dinheiro acumulado você compra o seu próprio caminhão e vai montando a sua empresa adquirindo outros caminhões e contratando motoristas. O objetivo final é conquistar todas as garagens e preencher com motoristas e caminhões todas as vagas. Porém, dentro do jogo há outros diferenciais como o transporte de cargas especiais, modelos variados de caminhões, eventos rodoviários (acidentes, defeitos mecânicos no tráfego…) e por ai vai. Comecei a jogar por causa do meu primo, fui visitar uns parentes na época e o vi jogando, achei interessante e acabei gostando também, suporta voltante como G27 ou G29. American Truck Simulator conta com quatro caminhões da Paccar e o Euro Truck Simulator2 conta 14 caminhões (Volvo, Iveco, Mercedes, Renault, Scania, MAN, DAF) todos licenciados pelas montadoras, fora outros que podem ser acrescidos com mods. É um jogo pra quem curte simulação.

  66. Erro de continuidade ? Vamos deixar de ser tão críticos, acredito que até agora foi o melhor episódios dentre outros muito bons.

  67. Eu estou vendo Voyager novamente.

  68. João Luiz Silva Cruz | 13 de novembro de 2017 at 7:12 pm |

    É coisa boba, só escrevi para encher o saco mesmo, em uma cena a Michael derruba a Mek’leth e depois na sequencia ela “acha” uma outra Mek’leth do nada para continuar a luta.

  69. Vai que a Belana é o Voq. Rs.

  70. Deve ter faltado energia. Rs.

  71. O cara é o próprio Voq. Aquelas serrinhas estavam limando as rugas Klingons dele.

  72. A Michael arrancando a insígnia da Georgiou do peito do Kol, falando algo do tipo “isso não te pertence”, e voando para ser transportada a seguir foi de gritar.

  73. Primeiro vou rever este episódio umas 10 vezes.

  74. “Não se preocupe, eu nunca deixarei eles te machucarem”. Pra quem ainda tem dúvidas, no meu entender essa foi a entrega completa de que o Tyler é o Voq.

  75. Eles conseguiram. Queria saber os nomes de todas as mentes criativas da série, os responsáveis por cada detalhe, produção, escritores, roteiristas, etc., e em conjunto a este elenco maravilhoso, por eles aplaudir de pé, por muito tempo. Vi o episódio pela segunda vez e novamente me emocionei. Conseguiram. Trazer Star Trek de volta à TV e com tamanha qualidade. Incrível e indescritível qualidade. Sem palavras. Em janeiro o mundo estará aguardando ansioso. Eu estou como o Voq/Tyler diante da L’rell, da TV, o que você fez comigo?! Volta logo! Vida longa e próspera a Star Trek!

  76. Cara o que foi aquela cena final da Michael com o Tyler? E o cara é também um ótimo ator. Conseguiram fazer a gente torcer por um Klingon, através do Voq/Tyler. Quando isso for confirmado gerará um conflito interno, um sentimento na audiência sem precedentes.

  77. Vi novamente e percebi o que você enfatizou. Pode ser explicado tendo o Kol retirado outra arma da própria armadura.

  78. Huahuahuahua

  79. Faz tempo que eu não comento aqui, mas tenho lido os comentários e votado de vez em quando.

    Eu adoro a série é tipo vício já, então não sei o que vou fazer enquanto janeiro não chega, ainda bem que essa é uma época do ano em que estamos muito ocupados.

    E pensar que antes da estreia, tudo o que irritava um monte era a história sobre Burnham ser irmã do Spock. E, ainda tem gente fazendo mágica prá explicar como a série é ruim, eu vi uma crítica assim acho que no Gizmodo hj.

    Eu acho que a explicação sobre Ash Tyler, qualquer que seja será tipo morte, para os fãs, Burnham, L’Rell e Tyler. Eu acho que vou ter que me preparar pra chorar muito.

  80. Renan Cariolando Feitosa | 13 de novembro de 2017 at 9:05 pm |

    Ficou claro pra mim que a transformação do voq em tyler foi completa até em um nivel mental… Ele crer que é humano… E o lorca não errou nas coordenadas, o stamets que já tava meio bixado mesmo

  81. David Gaertner Curitiba | 13 de novembro de 2017 at 9:34 pm |

    Kkkkk

  82. David Gaertner Curitiba | 13 de novembro de 2017 at 9:38 pm |

    Quando as naves estão camufladas elas não têm um breve período de falha nos escudos, por causa da bonina de não-sei-o-quê, como o Worf falou quando a Enterprise D destruiu a BoP das irmãs Lursa e Bethor? Aquela nave tinha 70 anos, correto? Então não da para seguir está linha de raciocínio? Só estou fosforilando…

  83. David Gaertner Curitiba | 13 de novembro de 2017 at 9:39 pm |

    Fechou com dignidade essa metade de temporada! Que serie!!!!! Demora muito para janeiro?

  84. David Gaertner Curitiba | 13 de novembro de 2017 at 9:45 pm |

    Idem

  85. Mal posso esperar pela live do Trekbrasilis amanhã!!! Tenho para mim todos estão sorrindo de orelha a orelha!

  86. David Gaertner Curitiba | 13 de novembro de 2017 at 9:49 pm |

    Essa abstinência vai ser braba. Só com muito Rivotril. Mas tb tô seguindo mindhunter. Realmente muito boa. Li que vai lançar uma série chamada Dark, definida como Stranger Thinhs misturada com Mind Hunters. E agora tb na espera pelo seriado de Senhor dos Anéis que a Amazon já confirmou. Pelo jeito deve rolar histórias do Silamrilion. E mais um serviço de streaming para o cartão.kkk

  87. Já pensou se eles foram parar no futuro e aquelas naves foram destruídas pelos… Borgs? Discovery lutando para não ser assimilada? Sinistro.

  88. A Discovery foi parar onde? em um universo paralelo?, No universo do espelho? em Wolf359? Quadrante Delta?, ou voltou no tempo? Só em 2018 para sabermos.

  89. João Luiz Silva Cruz | 13 de novembro de 2017 at 10:22 pm |

    O cara é bom mesmo, por isso tô torcendo para ele fisicamente não ser um Klingon.

  90. João Luiz Silva Cruz | 13 de novembro de 2017 at 10:24 pm |

    Aparentemente universo espelho, foi parar no meio de destroços de naves Klingon, lembrando que no MU o império da terra sub-julga o quadrante alfa.

  91. leonardo da costa ferreira | 13 de novembro de 2017 at 10:51 pm |

    Eu sempre me impressiono com a capacidade do capitão Lorca de fazer aflorar o melhor de seus comandados. É um personagem riquíssimo. Aliás a tríade Lorca, Burnan e Tayler. Eles podem ser os novos Kirk, Spok e Macoy.

  92. Não errou, simplesmente digitou uma coordenada desconhecida. Pause e veja. Ele deve ter digitado uma coordenada do MU, a ‘casa’ dele.

  93. Com certeza foi.

  94. Tem uma mini chamada River que não tem nada a ver com Jornada, mas é fantástica. recomendo.

  95. Leandro Henrique Pereira Neto | 13 de novembro de 2017 at 11:42 pm |

    Nota 4 , excelente episódio. Respondeu algumas perguntas, fechou alguns pontos, fez a trama da guerra avançar e ao mesmo tempo deixou muitas coisas em aberto.
    O Lorca arrebentando como um grande capitão da frota, mas ao mesmo tempo mantendo seu lado sinistro, misterioso, quais suas reais intenções ?
    Onde eles foram parar ?
    Tyler é o Voq com certeza, mas ainda é o Voq ? Até que ponto acabou virando outro ser ?
    Para completar o Almirante Vulcano mantém a tradição de Almirantes meia boca de ST.
    Capitães forever …

  96. Espaço para o drama, para a ação, para o suspense e para vários atores brilharem.
    Tudo isso em um episódios bem produzido, dirigido e editado. O melhor até agora.
    Não sei o que pensar do Lorca. Louco? Herói? Nobre? Conspirador? inspirador? A Guinan? O Kirk saído do nexus? O Rei Pingo?
    A Burnan pode ser o personagem principal da série, estava ótima no episódio, mas o Lorca periga roubar o protagonismo.

  97. Não suporto a atuação desse ator que faz o almirante vulcano, ele tem um ar de quem está rindo de tudo (por pior que seja sua fala) e um olhar arregalado desnecessário. Acho péssima sua atuação. Espero que morra antes de janeiro chegar! (rsrsrsrs).

  98. Muito bom episódio, compensando as falhas do episódio anterior. Bem ao estilo TOS, com drama, ação e mistério. A cena de batalha, assim como a luta de Burnham com Kol foram bem feitas. As relações L´Rell/Tyler e Burnham/Tyler podem crescer mais. Lorca excelente, assim como Stemets.
    Só achei que ficou sem fechamento o arco Pahvo que começou com expectativa e foi deixado de lado.
    Pra onde eles foram? Alguém ainda tem dúvidas? No cavanhaque.
    Neste hiato faremos um review geral pra você. Aguarde.

  99. Guilherme C. Grunewald | 14 de novembro de 2017 at 4:13 am |

    Estou vendo de ST a TOS e Enterprise, de diferente estou vendo Mr. Robot e na fila tenho a segunda temporada de The Expanse

  100. Pois é, mas acho que será. Aí o interessante da história, até porque a mudança física deve ser definitiva (abrir mão de tudo, lembra?), e aí ao se perceber novamente como Voq, mas fisicamente humano, ele inclusive terá conflitos sobre seus relacionamentos com L’rell e Michael, aliás já os está tendo. Qapla’

  101. Ou então será demitido depois de tanto dar ordens que o Lorca não cumpre.

  102. Alessandro Ferreira | 14 de novembro de 2017 at 7:42 am |

    Gastar energia tá caro…. olha a bandeira vermelha 2 ae kkkkkk

  103. Claudio Arrochela | 14 de novembro de 2017 at 8:11 am |

    Caros pra mim so faltou uma coisa no episodio, Lorca e Stamets meio que fazem as pazes, mas achei que depois de tudo iriam chamar a Michael (afinal ela derrotou os Klingons, salvou a Almirante e etc…sem contar os ultimos meses…) e lhe dar de volta o direito a ser da frota, a usar o delta no uniforme e ate mesmo um posto….

  104. As glorias foram todos para o Lorca.
    A Michael está condenada, e assim permanecerá.
    Só quem poderá interceder por ela é a Almirante.
    Vamos ver como será a volta do universo espelho.

  105. Leandro Henrique Pereira Neto | 14 de novembro de 2017 at 8:38 am |

    Kkkkkk se ele desse ordens melhores talvez ajudasse. Primeiro o cara não ia salvar um importante embaixador Vulcano, depois ia deixar um planeta inocente indefeso.
    Não mandou procurar a Almirante …
    Assim fica difícil , se fosse o Kirk como capitão todas as comunicações com eles teriam problemas de sinal , tipo estou num túnel não estou ouvindo nada …

  106. João Luiz Silva Cruz | 14 de novembro de 2017 at 8:44 am |

    Para mim o melhor capitão de toda a franquia foi o Sisko, por diversos motivos.
    Tá perigando o Mr Sisko perder o posto para o Lorca…que capitão amigos…

  107. Melhor final de Mid Season que vi em anos.
    Fechou muito bem o arco da Nave Klingon Sarcófago.
    Alem disso, esse Ep vai entrar para história de Star Trek, por mostrar o primeiro beijo homossexual masculino em 50 anos de franquia.
    Os produtores estão de parabéns.
    O episodio nos manteve vidrados na tela do inicio ao fim.
    Todos estavam ótimos em tela.
    Cap. Lorca mandou bem em sua missão maluca e justificada.
    O sacrifício de Stamets é completamente compreensivo, inclusive no seu ultimo salto ( A Discovery saltou mais nesse ultimo EP, do que a Galáctica em todo seriado BsG )
    As atitude da Michael foram completamente relevantes e justificadas, adorei todas elas.
    E a ida dela para o universo espelho vai ser demais.
    Será que a Discovery será tudo aquilo que a Voyager não foi? ( pq, vamos combinar, Voy foi legal, mas poderia ter sido bem melhor, poderia ter sido quase uma BsG )
    Nave da federação perdida, em espaço desconhecido e hostil, tendo que lutar para sobreviver e para voltar para casa.
    Estou mega ansioso para Janeiro/18.
    A próxima temporada promete.

  108. O que Janeiro nos aguarda…… S01E10 – Preview
    https://www.youtube.com/watch?v=_186nL8jaBI

  109. Antes de serem Maquis, eles eram oficiais da frota ( ótimos oficiais inclusive ), fizeram academia da frota e seguiam os princípios da frota.
    A luta dos maquis não era contra a frota, nunca foi. A luta deles era contra os Romulanos.
    Os maquis seguirem as ordens da Janaway, tenho como primeiro oficial o Chakotay, faz todo o sentido.
    Agora, concordo que o seriado deveria ter mais tensões entre ex maquis e federados, e mais brigas/revoluções dentro da Voyager.( coisa que só acontece rapidamente no final da segunda ou terceira temporada )
    No meu ponto de vista, Voyager deveria ter sido como BsG, ou seja, a cada novo episodio uma merda nova acontecendo dentro da nave.
    Enfim…… vamos ver se Discovery vai seguir uma narrativa dramática que Voyager não seguiu.

  110. Lembrando que a B´Elanna foi uma das alunas mais brilhantes da academia da frota. ( isso é lembrando no final de sexta temporada no Ep duplo Equinox )
    A busca pela perfeição sempre foi uma marca dela.
    Alem disso, ela não tinha muito oque fazer vivendo o tempo todo dentro de uma nave.

  111. Tá desprezando o Trek Brasilis, sua desprezível? 😀

  112. Cara, mas ela saiu da Frota para se juntar a luta dos Maquis. Minha sensação é que o perfil dela na primeira temporada não era de uma pessoa que busca fazer o melhor possível, mas o melhor em qualquer situação. Por exemplo, se o motor de dobra ficar desalinhado, mas, a Voyager manter dobra 9,9 durante 3 meses direto, pelo perfil montado, acho que ela deveria ligar. Em outros palavras, um bom resultado é mais importante do que o método utilizado para alcançá-lo.

    Mas, enfim! Desenvolveram a personagem para ser perfeita em Voyager e eu vou ter que viver com isso.

  113. Não necessariamente… se a L’Rell for um pouco mais nova que o Spock, e a longevidade Klingon for, mais ou menos, igual a dos Vulcanos… acho que dá. Acho que vou fazer uma fanfic: L’Rell deserta, vai morar na Terra, e se apaixona pelo Sr. Torres hudhsaudhasuhdaus

  114. Cara, a minha “crítica” (que não era nem o objetivo do comentário) é mais sobre a perfeição da Bellana. Na minha cabeça, uma pessoa que decide ir para um grupo rebelde igual os Maquis, não é uma pessoa que se contenta em fazer somente o melhor possível. Então, dealinhar o motor de dobra para, por exemplo, ir mais rápido, não seria um problema para ela.
    Ainda assim, entendi sua consideração. Nessa situação de “sou maqui mas preciso da Frota” ela acabou por se “submeter” aos regulamentos que ela já conhecia.

  115. Eu duvido que vai ser isso, mas pense nisso: o próximo episódio foi dirigido pelo Jonathan Frakes. Eles poderiam ter usado isso para que ele pudesse entrar no estúdio e gravar umas cenas sem ser notado. A Discovery pode ter ido parar no futuro e, casualmente, trombado com a USS Titan (se não for isso, faço uma fanfic hahahaha)

  116. Você pensou quase igual eu. Para mim, como o próximo episódio é dirigido pelo Jonathan Frakes, imaginei que eles iam trombar com a USS Titan. Olha, acho que dá para juntarmos as duas histórias…

  117. Morte parece que será uma tônica na série, tirando a protagonista, pra mim, todos são passíveis de morrerem. Eu disse todos, até os que caíram no agrado do público.

  118. As vezes ele parece bem emotivo para um Vulcano. Tanto é que Lorca chama ele de almirante em pânico. Também não podemos condená-lo sem sabermos se não está sendo orientado pra isso.

  119. Alias, o trio B´Elanna, Sete de Nove e Jenaway, são a versão feminina do trio McCoy, Spock e Kirk.

  120. De fato! E a Kes é a versão feminina/alienígena do Wesley
    rsrsrsrs

  121. O problema é que os klingons ficaram muito feios com essa repaginação, quem vai se sentir atraído por uma klingon cheia de escamas e brotuejas por todo o corpo, careca e com dentes pontiagudos, com o rosto meio desfigurado? Bom, tem maluco para tudo nesse quadrante Alfa. Vai ver rola um fetiche por forma por formas de vida alienígenas no futuro.

  122. O problema é que os klingons ficaram muito feios com essa nova repaginação. Quem vai se sentir atraído por uma klingon cheia de escamas e brotuejas pelo corpo todo, careca, com dentes pontiagudos e com meio rosto desfigurado por um feiser? Vai ver que lá no futuro alguns terráqueos desenvolveram um certo fetiche por formas de vida alienígenas, sem falar que a L’Rell curte um lance meio sado-masô. (O Tyler que o diga.) Bom, tem maluco para tudo nesse quadrante Alfa.

  123. Eles podiam dar mais pistas para nós!!!

  124. Episódio muito bom, só não entendi uma coisa: como foi que a Michael o e Tyler se teleportaram para dentro da nave Klingon?

  125. Mariana Gamberger | 14 de novembro de 2017 at 12:54 pm |

    Assim que ela saiu da camuflagem, e antes de levantar os escudos. Eles comentam isso no episódio.

  126. realmente agora que vi

  127. Jotape Ferreira | 14 de novembro de 2017 at 1:04 pm |

    Valeu, Mariana. Passou batido a info…

  128. Gente que tal? Star Trek Continues, tem vários episódios, um excelente fã filme. (Na verdade eu confesso que só vi o episódio do retorno do Deus Apolo, mas adorei)

    http://www.startrekcontinues.com/episodes.html

  129. Excelente episodio. Adorei tudo ! Onde esta a Live de voces , poderiam me informar por favor. Obrigada

  130. Excelente!!! Episódio maravilhoso!

  131. Quando vai ser a Live do Trek Brasilis , por favor, obrigada!

  132. O episódio foi muito massa.. porém…….e o povo do tal planeta? Ficou totalmente fora do contexto….chamaram os Klingons … e aí?

  133. Jotape Ferreira | 14 de novembro de 2017 at 1:12 pm |

    A Live do Ep 09 ainda não foi feita, mas de qualquer forma taí o link do YT do TB:

    https://www.youtube.com/trekbrasilis

  134. Normalmente é sempre às terças, às 21h00

  135. E no próximo episódio…

  136. Obrigada amigo!

  137. Tem sim e é a versão remasterizada. Vale a pena rever.

  138. Jotape Ferreira | 14 de novembro de 2017 at 1:30 pm |

    Uma coisa que reparei é que o tradutor universal da Michael Burnham “deixa” até as expressões dos Klingons bem mais naturais! Espero que a partir de agora role uma “tradução incidental” nos futuros episódios.

  139. Tbm achei muito estranho isso.

  140. João Luiz Silva Cruz | 14 de novembro de 2017 at 2:34 pm |

    Já está sendo o que Voyager não foi…

  141. João Luiz Silva Cruz | 14 de novembro de 2017 at 2:36 pm |

    Ficou muito melhor os Klingons falando em inglês.

  142. Vulcano emotivo pode ser um Romulano infiltrado…. rsrsrsrs…..

  143. João Luiz Silva Cruz | 14 de novembro de 2017 at 3:34 pm |

    Na verdade ficou dentro do contexto, eles parecem não ter poder fora do planeta, visto que precisaram construir a torre de cristal para ter uma comunicação externa.
    Basicamente os seres iriam conseguir (e conseguiram) atingir o objetivo que era harmonizar o ambiente, veja bem se Kol destruísse a Discovery a guerra penderia para os Klingons, se a Discovery destruísse a Sarcófago a Federação sairia na frente e de qualquer forma a guerra acabaria. O que não ficou claro é porque somente a Sarcófago especificamente que atendeu o chamado, mas aí já é coisa de roteiro

  144. João Luiz Silva Cruz | 14 de novembro de 2017 at 3:39 pm |

    Sim, é algo irrelevante.

  145. Jotape Ferreira | 14 de novembro de 2017 at 4:14 pm |

    The Orville!

  146. Francisco Paulo Fiorentino | 14 de novembro de 2017 at 4:54 pm |

    Eu achei este o melhor episódio de todos, até agora. Com certeza este episódio já entrou para a lista dos melhores da história de Jornada. A Burnham desafiando Kol, a luta foi épica. A destruição da nave sarcófago, e a porte de Kol também foi espetacular. O beijo apaixonado entre o Stamets e Colber é histórico. A relação entre L’Rell e Tyler (com direito a flashbacks das torturas e dos dois transando) foi muito bem explorada e sensacional. O Stamets finalmente sucumbe ao motor de esporos e a Discovery acaba indo parar sabe-se lá aonde (seria o universo do Espelho?) nos faz pensar em milhões de possibilidades.

  147. Vários aspectos me chamaram a atenção:
    1- Erro de continuidade na cena em que entram no morgue da nave sarcófago. O phaser da Michel estava vermelho num take e outro azul.
    2- poderiam ter transportado um torpedo e explodido a nave sarcófago inabilitando-a completamente e roubado o segredo da camuflagem. Se puderam transportar pessoas, por quê não um dispositivo explosivo em áreas críticas?
    3- um transportador que é usado várias vezes em Tyler e não analisa sua genética, deixando de mitigar a dúvida quanto à sua natureza. O médico não o examina depois de 7 meses preso?
    4- Phaser tonteando klingons numa guerra, ora, será tão benevolente a frota? Não poderia disparar para matar?
    5- Por que os violões precisam fazer discurso e adiar a execução de alguem? Seria tão ingênuo o universo?
    Tirando isso, gostei.

  148. Rá, essa do teletransporte foi uma conveniência de roteiro!

  149. Leandro Henrique Pereira Neto | 14 de novembro de 2017 at 5:53 pm |

    Não concordo do item 2. Para roubar o segredo da camuflagem era necessário executar todos os saltos, fazer o grupo avançado levar um torpedo pesado poderia atrapalhar a missão principal de instalar os equipamentos, além de facilitar a detecção da invasão.
    Além disto depois que tivesse a frequência eles poderiam como fizeram destruir facilmente a nave que estava sem escudos.

  150. Eles destroem simplesmente a nave e aí pra saber como funciona a camuflagem? Aliás reparem que eles falam ‘tela de invisibilidade’ e não camuflagem. E aproveitando: essa história de Ash ser Voq tá começando a ter mais furos que queijo suíço? O dispositivo identifica ele como humano porque ele deve ser humano. Se for diferente essa mudança que fizeram nele foi muito bem feita: engana sensores, transporte e até o corpo médico da nave. Haters gonna hate.

  151. João Luiz Silva Cruz | 14 de novembro de 2017 at 11:00 pm |

    Será bem intenso mesmo, aguardemos…

  152. João Luiz Silva Cruz | 14 de novembro de 2017 at 11:02 pm |

    Poxa será? Tomara que não, Discovery para mim tem seu maior forte nos personagens…

  153. A nao ser que esse lorca seja do universo espelho e o original esteja morto

  154. Acho que todos vão morrer

  155. Talvez ainda sejam jovens
    Pode ser que demore um pouco para eles chegarem no nivel dos organianos ou dos metrons

  156. João Luiz Silva Cruz | 14 de novembro de 2017 at 11:19 pm |

    The Parrot Analytics data is for the week ended Nov. 6, and here is its list of the top 10 shows in the country, regardless of platform:

    1. Stranger Things 2
    2. The Walking Dead
    3. Game of Thrones
    4. Star Trek: Discovery
    5. Preacher
    6. Mindhunter
    7. The Big Bang Theory
    8. The Ellen DeGeneres Show
    9. Rick and Morty
    10. The Orville

    Somente no US.

    Globalmente Discovery tá números impressionantes de audiência.

  157. Bom, só em nosso universo, existem mais galáxias que grãos de areia de todas as praias da Terra. E ainda acham que estamos sozinhos aqui… Imagine num multiverso. Isso não quer dizer que acredito em OVNI aqui nos visitando, as distâncias são enormes.
    Mas, as possibilidades de roteiro nesta premissa sao virtualmente infinitas.

  158. Concordo, e ainda acrescento. Foi um erro abismal levar estar trek ao cinema.
    A natureza reflexiva de star Trek, os breaks para anúncios, seus cortes etc fazem da franquia uma mídia para inhome.
    Todos os filmes de Star Trek fragmentaram os fans de uma certa maneira.
    Até o mais cultuado Ira de Khan teve seus tropecinhos com o canon.
    A paramount deveria largar o osso pois complica a franquia, além de trata-lá com desdém.

  159. Que porcaria de medicina da frota, ne?
    O cara passa 7 meses em cana e não o examinam por completo, nem o teletransporte consegue verificar a inconsistência de sua natureza.

  160. Ricardo Carvalho | 15 de novembro de 2017 at 9:56 am |

    River é belíssima.

  161. Em BSG, no primeiro episódio regular da 1 temporada, 33, eles saltam mais de 237 vezes pra fugir dos Cylons..a cada 33 minutos, mas o feito da Discovery foi valoroso.

  162. João Luiz Silva Cruz | 15 de novembro de 2017 at 10:33 am |

    Eu não acredito nessa teoria 😀

  163. Já pensou se isso for verdade e o Lorca do espelho passe a ser personagem regular até o fim da série? Seria algo inédito e interessantíssimo.

  164. Acho que se ainda existe alguma intenção de unir Discovery ao futuro do canone, principalmente da TNG em diante, desaparecer com esse motor é essencial pra franquia… as naves da Federação não saltam… isso não poderia ter ficado na moita por tanto tempo… acho que a serie Voyager nem faria sentido se esse motor existisse em segredo na Federação… enfim especulações…

    Caraca, só agora me ocorreu que essa relação fisica do Stamis com o motor de esporos ja tinha em Stargate, onde alguns humanos tem os genes compatíveis pra operar o maquinário dos antigos… bom, Stargate chupinhou tanta coisa de Jornada que chegou nossa vez…rs

    Excelente episódio.

  165. Renan Cariolando Feitosa | 15 de novembro de 2017 at 12:36 pm |

    Falando fora do assunto, alguém ai assistiu o fechamento do star trek continues? Os caras fecharam com perfeição o arco TOS e abriram a transição para os tempos de TMP, sem falar da referência a Enterprise, kelvin timeline, e a própria discovery, o porque do Spock voltar para vulcano, porque a frota foi reformulada, porque o magro saiu da frota, porque o kirk aceitou a promoção a almirante.. Enfim gostei, parece até produção oficial da época..

  166. onde acha o episódio para assistir?

  167. No YouTube e Vimeo tem a série completa. Dentro de alguns dias, eles incluem opção para legendas em pt-BR, mas todos os anteriores já tem. Continues chega a ser assustador de como é idêntica em produção a TOS, realmente é como se tivesse sido produzida junto com TOS mas com outros atores, apenas.

  168. Estive muito ocupada ultimamente e vida pessoal tomando conta. Mas estive sempre ligada no TB. 😆

  169. Não é fácil ser fã de Game of Thrones e agora tenho mais essa prá chorar. Eu estava otimista sobre a série, mas confesso que não estava esperando atores e personagens tão carismáticos. Se você se lembra nas minhas últimas participações aqui eu estava com dificuldades para lidar com a tripulação e atores de Voyager, mas consegui ir até o final da série.

  170. A propósito meu pesadelo é ver Burnham tendo que matar Tyler. Mas, depois que eu assisti After Trek eu fiquei um pouquinho mais tranquila, ao menos Sonequa não pareceu dar nenhuma pista que indicasse nessa direção, mas…

  171. isso não é jornada nas estrelas. Me desculpem a todos. vou continuar assistir as séries anteriores. não vale a pena nem discutir mais……………acabaram com Jornada nas Estrelas

  172. Renan Cariolando Feitosa | 15 de novembro de 2017 at 6:40 pm |

    YouTube, pesquisa por star trek continues

  173. Verdade, é assustador de tão fiel! Até o efeito em “desenho” dos fasers foi mantido. Tem personagens (fora do grupo principal) que são tão bem caracterizados e com atores tão parecidos com os originais, que parece que usaram alguma máquina do tempo para trazê-los até os dias de hoje.
    Um primor! Parabéns aos produtores!

  174. André, não seja rampinza (ops!), digo, ranzinza! 😉

    Brincadeiras a parte, aproveite essas novas produções, abra a mente, pois é o que “temos pra hoje”, e querendo ou não, estão mantendo Jornada viva!

    Lembre-se das “Infinitas Diversidades em Infinitas Combinações”!

  175. A questão da Defiant já foi explicado na Série Enterprise. Ela foi parar no Universo Espelho, anos atrás. A Hoshi Sato Mirror a utilizou para subir ao trono.

    Se a Discovery estiver no Universo do Espelho, poderá esbarrar com uma Defiant de mais de 100 anos de idade.

  176. Minha hipótese e que a Discovery está presa no universo espelho e todos vão morrer
    Fazendo com essa tecnologia no universo normal seja proibida dado que a Discovery desapareceu

  177. E bem legal esse continues

  178. Tyler pode estar com a mente de Voq e continua humano, já vimos isso em TOS , ultimo episodio…

  179. 2- ….isso poderia fazer Kol destruir a nave pra esconder seus segredos e fugir
    3-….pra mim Tyler é humano e tem a mente de Voq implantada e esperando L’Rell ativar , já vimos isso em TOS , ultimo episodio, the ultimate intruder….por isso o teletrans não identifica nada errado no humano tyler e o medico não percebe Voq

  180. gostou de Voyager…do final tb ……

  181. Foi o melhor episódio, dou nota 10, hehehe, atendeu minha espectativa que algo melhor que os anteriores aconteceria e foi bem isso….a nave agora está perdida num universo espelho e Stamets está incapacitado, a série agora deve seguir mostrando as aventuras da USS DISCovery, a guerra klingon fica pra trás, um dia retomam isso quando a série for acabar, daqui 10 temporadas …espero, hehehehe….quando a nave conseguir voltar ao universo prime e acabará destruída no retorno e ninguém jamais saberá que existiu e nem o esporo drive pois voltarão tempos antes dos eventos já vistos até aqui na série numa viagem temporal, mas desintegrarão por algum motivo. A linha prime não sofrerá danos, não haverá registros da ncc 1031.
    Veremos a tripulação explorando novos mundos……
    Pra mim Lorca, no final, inseriu coordenadas que descobriu em seus estudos no mapa holografico de saltos e assim fugiu da punição que certamente a almirante Katryn iria lhe impor , tirando-lhe a nave por motivos psiquiátricos.
    Stamets ficará um bom tempo sem condições de ativar o esporo drive.

    Quanto ao segredo da camuflagem klingon , acho que foi enviado pra Frota pois tivemos varias cenas entre a promessa de Lorca de enviar em 11hs pra Frota e o último salto, deu tempo da Burnham se recuperar e visitar Tyler e dormir no sofá, acho que antes do salto Lorca conseguiu enviar os dados da camuflagem e a Frota vai se dar bem com isso e sem a NCC 1031.
    Mas , no final da temp10 , a nave volta no tempo e cai no esquecimento e nunca foi vista , a guerra contra os klingons será ganha de outra forma . O Cânon estará seguro de novo , hahahahaha

    Continuo achando que Tyler recebeu a mente de Voq , implantada pela L’Rell durante a sua tortura e seguindo uma tecnica da Casa de Mokay, na qual o Tyler continua humano mas carrega em seu subconsciente a mente de Voq , que será ativada em algum momento pela L’Rell . Esse tipo de ideia de transferencia de mente já vimos em TOS no seu último episódio , Ultimate Intruder .

    Vai ser difícil aguentar até janeiro de 2018!!
    Mas , em 25.11.17, teremos mais uma Convenção em São Paulo , a Contekkers 2017 , do fã clube StarTrekkers e nela contaremos com a presença do Salvador Nogueira e da Natália Portinari ( jornalista que visitou os estúdios de gravação de ST DIS no Canadá , a convite da Netflix ) , que nos ajudarão a debater ST DIS e as teorias para o futuro da série , não percam !!!!

  182. Negativo. Não explicou COMO foi parar no universo espelho. Só mostrou ela lá.
    Vc está se confundindo no paradoxo do avô.

  183. João Luiz Silva Cruz | 16 de novembro de 2017 at 10:50 am |

    Não vi nenhuma transgressão do cânone até agora, muito pelo contrário ocorreram adições e muito respeito. Não sei o porquê o pessoal fica grilado com isso.

  184. Leandro Henrique Pereira Neto | 16 de novembro de 2017 at 11:57 am |

    No caso do motor de esporos já tem uns 10 motivos pelo qual ele é inviável em larga escala. Assim ele virar uma tecnologia esquecida é o natural.

    Outra reclamação que vejo é sobre o “Holodeck” de treinamento, mas também não acho que afeta o cânone pois para mim não era holodeck como o que vemos no século 24, e sim hologramas de treinamento.

    As comunicações via holograma acho que é o que mas mostra algo fora do cânone, pois as naves do século 23 não usavam esta tecnologia. Mas na verdade é um tecnologia viável para o século 23, de modo que também não me incomoda, mas na minha opinião é a única coisa claramente fora do cânone.

    A parte visual como um todo eu não considero cânone, pois se fossemos levar isto em consideração todas as mudanças que tiveram entre TOS e os filmes de TOS não teriam explicação.

    O comportamento dos Klingons e da federação para mim batem muito o que vimos de relacionamento entre Klingons e federação em TOS e nos filmes de TOS.

    Já ouvi gente criticar por exemplo que não foi mostrado a federação tentar fazer a paz com os Klingons (antes da tentativa do Sarek), que a federação deveria se esforçar mais em tentar terminar a guerra de forma diplomática, etc.

    Mas gente a federação e a frota do século 23 não tem os mesmos valores e jeito de pensar do século 24.

    É cânone que a relação da federação e klingons no século 23 é claramente de hostilidades de lado a lado, os dois lados não se gostam e não querem acordos, vimos isto em vários episódios de TOS e em todos os filmes que os Klingons aparecem.

    Antes do tratado de Organia as duas frotas estavam a beira de guerra total novamente, aliás o Kirk ficou p. da vida com a interferência do Organianos.

    O tratado de paz de jornada VI foi algo histórico que até o último momento foi sabotado por gente da federação, dos klingons , etc.

    Assim para mim o clima de guerra e destruição total entre federação e klingons é muito natural para o século 23.

    Acho estranho que muita gente faz criticas que para mim não faz sentido e me parecem que estas pessoas não assistiram TOS e os filmes TOS, ou esquecem que TOS é século 23 e as outras séries são no século 24.

    Medir uma série do século 23 pela régua do século 24 não tem sentido.

  185. Leandro Henrique Pereira Neto | 16 de novembro de 2017 at 12:02 pm |

    Acho natural não gostar de uma série, assim como eu não gosto de ENT, e assim como eu acho que TNG é uma série de envelheceu muito mal, tirando os grandes episódios que ela tem, o resto dos episódios são para lá de chato hoje em dia.

    O que não entendo é falar que não é jornadas nas estrelas sem explicar os motivos.

    Alias quem defini o que é ou não Jornadas nas estrelas são os donos da marca, nos podemos somente gostar ou não gostar.

  186. Leandro Henrique Pereira Neto | 16 de novembro de 2017 at 12:05 pm |

    Tenho a mesma teoria sobre o Tyler, é algo que deve ser explicado melhor até o final da temporada.

  187. Vinicius Lourenço de Sousa | 16 de novembro de 2017 at 12:24 pm |

    Existem muitas coisas fora do cânone, sendo que são os detalhes e que pra quem viu todas as séries e filmes vão pegar.

    1 – Sobre a comunicação de holograma concordo que está fora do cânone;

    2 – A parte visual eu considero cânone sim. As discrepâncias que aconteceram no passado concordo que foram erros e alguns eles tentaram explicar (Visual Klingon, por exempo) em Enterprise e DS9. Agora mostrar uma nave Klingon classe D7 com um visual completamente diferente do que apareceu em todas as séries/filmes fica feio. Poderiam dizer que era outra classe.

    3 – Essa guerra está fora do cânone, pois em TOS a federação e império klingon nunca entraram em guerra. Quando eles iam entrar os organianos impediram. O que aconteceu foi uma “guerra fria” ao estilo USA x USRR.

    4 – A série colocou que não viam klingons a quase 1 século. Errado. Em ST-VI que se passa em 2293, Spock deixa claro que as hostilidades entre federação e império klingon já duram 80 anos, ou seja, começou por volta de 2213. 46 anos antes de DSC.

    5 – O uniforme é outra coisa fora do cânone. Em The Cage (que se passa em 2254) os uniformes já são coloridos.

    6 – O símbolo da frota nos uniformes também está fora do cânone. Em TOS apenas a Enterprise tinha esse símbolo. Na verdade cada nave tinha seu símbolo. Depois que a Enterprise retornou da missão de cinco anos é que deixaram como padrão esse símbolo.

    Tudo isso impede a série de ser boa? Na minha opinião não, mas ela seria muito melhor se respeitasse esses detalhes.

    Pra mim ainda acho que tudo é uma linha temporal diferente e como o FSPOK disse, vai ter viagem no tempo e ajustar tudo isso.

  188. Vinicius Lourenço de Sousa | 16 de novembro de 2017 at 12:30 pm |

    Na verdade a explicação está nos capítulos de TOS e Enterprise. A teia dos tolianos abriu uma fenda dimensional e jogou a Defiant no Mirror Universe.

  189. Leandro Henrique Pereira Neto | 16 de novembro de 2017 at 12:41 pm |

    3- Em qual episódio fala que eles nunca estiverem em guerra ?

    Pelo contrário tem episódios como os dos pingos que falam de batalhas entre os dois lados. No filme primeiro contrato o Picard, se não me engano, fala que o primeiro contrato equivocado entre federação e Klingons levou a uma guerra.

    5- Em The Cage os uniformes são aqueles azuis claros, lembre-se que The Cage foi o piloto original de ST que foi recusado.

    6- Verdade mas isto foi um erro geral de ST, os produtores resolveram transformar o simbolo da enterprise no simbolo da federação e “esquecer” o que tinha em TOS. No caso não é um falha de DIS, o cânone foi alterado retroativamente pelos produtores, e como sabemos quem decide o que é cânone ou não são eles os donos do produto.

  190. Em Enterprise, a causa foi dita. Os Tholianos (do Universo Espelho) detonaram um experimento em uma estrela que rompeu o espaço-tempo.

    A ruptura atravessou até a época de TOS. Os Tholianos (do Universo Espelho) enviaram um sinal de socorro que foi capturado pela Defiant. Ela passou a ruptura e depois daí, segue-se os eventos vistos em TOS.

  191. Vinicius Lourenço de Sousa | 16 de novembro de 2017 at 12:57 pm |

    A fala do Picard não foi em filme e sim em um capítulo da série e foi erro de tradução. Eu tenho a série e vi várias vezes e ele não diz que levou a uma guerra.

    Em TOS eles tiveram foi confrontos, mas quando digo que não houve guerra, quero dizer uma guerra tão devastadora como acontece em DSC com mais de 10.000 mortos. Em TOS mesmo com os confrontos a federação continuava sua expansão e exploração. Em DSC não existe isso.

    The Cage pode ter sido recusado, mas é cânone por conta do capítulo duplo The Menagerie.

    Concordo que os donos do produto decidem colocar o que querem, mas isso não significa que o que eles colocam está certo ou até mesmo errado.

    E os donos do produto tem um site oficial onde eles colocam tudo que aconteceu de forma “oficial” e a DSC não bate com muita coisa do “oficial” que os próprios donos do produto dizem que é oficial (loucura de hollywood).

    Dá para ver a série e curtí-la? Sim, dá. Mas daqui a alguns anos não teremos mais Star Trek como fonte de filosofia, evolução humana, aprendizado histórico e tudo mais que já foi mostrado. O que teremos é um MIX de ST (naves e federação) com SW (guerra e efeitos fantásticos).

  192. Assisti já… e acheio episódio final dez!! Quase chorei…..rsrsrsr (mentira… chorei sim….)

  193. Tô achando que a L´Rell modificou aquele Klingon albino e o transformou no Tyler. Do mesmo jeito que os Klingons modificaram aquele cara no episódio dos pingos em TOS. Nos quadrinhos, eles contam a história e ficou bem parecida com isso.

  194. Nessa faixa…

  195. Leandro Henrique Pereira Neto | 16 de novembro de 2017 at 1:25 pm |

    “First Contact” (A Nova Geração, 4×15)
    A Enterprise se prepara para fazer o primeiro contato com uma civilização prestes a desenvolver tecnologia de dobra, e Picard diz que “um contato desastroso com o Império Klingon levou a décadas de guerra”. Mas não foi o contato que vimos em “Broken Bow”, o piloto de Enterprise.

    “The Trouble With Tribbles” (Jornada nas Estrelas, 2×13)
    A Enterprise é chamada por uma emergência na estação K-7, localizada próxima ao planeta de Sherman, em disputa entre os klingons e a Federação em 2268, e a Donatu V, onde uma batalha sem vencedor claro foi travada entre as duas partes 23 anos antes, em 2245

    Estas informações são do próprio site Trek Brasilis.

    The cage é cânone e os uniformes são azuis cinza ou cinza azulados, mas não são coloridos como TOS, assista de novo.

    Para mim a guerra é totalmente cânone.

  196. João Luiz Silva Cruz | 16 de novembro de 2017 at 1:33 pm |

    1 – Não foi dito na série que não existia holograma antes do sec 24, comunicadores holográficos foram descritos na novelização do MP (livro escrito pelo próprio Roddenberry) portanto não dá para falar que está fora do cânone, pode-se até considerar uma adição e um representação do que temos no presente (Sim hologramas são realidade no Sec 21).
    2 – Se você considera a parte visual então tudo pós TOS não é cânone. A questão visual já foi extremamente debatida aqui.
    3 – Essa fala do Picard não me recordo, porém mesmo que ele não tenha explicitamente falado isso não quer dizer que não tenha tido uma guerra, dentro do seu próprio raciocínio pode ser considerada uma adição.
    4 – A capitã Georgiu disse que “quase” não se viu Klingons durante 100 anos, visto também que o ataque que mataram os pais da Michael foi feito pelos Klingons.
    5 – Outra vez questão visual, em DS9/TNG temos ao menos 3 uniformes diferentes sendo utilizados.
    6 – Então TOS também transgride o Canon, visto que já foram vistos tripulantes fora da Enterprise usando o símbolo do Delta, o símbolo do Delta é a imagem de Star Trek perante ao mundo, jamais eles iriam deixar de utilizar o Delta somente por uma convenção simplista dessa.

  197. Vinicius Lourenço de Sousa | 16 de novembro de 2017 at 3:12 pm |

    Sobre o capítulo de TNG verei de novo, mas pelo que lembro a menção sobre a guerra é na versão dublada. Mas posso estar errado.

    Sobre The Cage a cor do uniforme do capitão Pike é amarelo como do Kirk em TOS no segundo piloto. No google existem até imagens mostrando isso. Existe uma versão com um colorido “tratado” onde o amarelo fica mais forte.

    O cinza azulado ou azuis cinza são tipos os “macacões” que eles usam para desembarque em Talos IV.

    A guerra se tornou cânone por simplesmente estar na série.
    Mas para mim DSC é uma realidade alternativa.

    Sobre Enterprise (Broken Bow), não esqueça que ela se passa em outra timeline. A série Enterprise é da timeline que foi criada no filme First Contact quando os Borgs voltam no tempo para destruir a Phoenix. Isso fica claro no capítulo da segunda temporada (Regeneration) quando Archer diz para T’Pol que Zephram Cochrane disse que foi ajudado por gente do futuro contra seres cibernéticos do futuro, mas que ninguém acreditou nele por estar sempre alcoolizado.

  198. Sim, esta é a teoria mais forte para o sumiço do Voq (o tal Klingon Albino), está sendo amplamente discutida entre os fãs, e há vários indícios nesta direção.

  199. Ah não gostei tanto assim de Voyager, se eu fizer uma lista com certeza vai estar em último lugar. Mas, a série tem alguns episódios interessantes, principalmente os episódios com os Borgs.

  200. Eu também acho que pelo que vimos dele sofrendo pela tortura e o abuso sexual de L’Rell, pode ser que é o Tyler com a mente de Voq a beira de vir a tona. Embora o Voq também tinha meio que uma aversão pela L’Rell, ela tava mais afim dele do que ele afim dela. Abusar do Voq em pele de Tyler é mais fácil prá aquela Klingon sinistra.

  201. Leandro Henrique Pereira Neto | 16 de novembro de 2017 at 5:48 pm |

    Antes de responder fui rever The Cage e First Contact. Sobre The Cage tem razão os uniformes são coloridos e me confundi com os uniformes do grupo avançado, principalmente porque assisti The Cage a primeira vez em preto em branco numa fita VHS.

    Sobre First Contact exatamente por volta de 32 minutos do episódio o Picard está conversando com o Chanceler e ele fala exatamente frase ” décadas de guerra “, isto em Inglês, na legenda do netflix ficou “uma longa guerra”. De qualquer forma a palavra War em inglês é bem clara.

    Ou seja a guerra Klingon / Federação já era cânone antes de DIS.

  202. Vinicius Lourenço de Sousa | 16 de novembro de 2017 at 5:55 pm |

    Show.

  203. Renan Cariolando Feitosa | 16 de novembro de 2017 at 8:25 pm |

    Perfeita colocação

  204. Renan Cariolando Feitosa | 16 de novembro de 2017 at 8:33 pm |

    Exatamente, a questão do delta virar oficial da frota é coisa do st continues, apesar que vimos a progressão natural da frota, que na primeira temporada nem existia, era união terrestre, algo assim, a primeira nave klingon a aparecer no show era um losango brilhante e colorido, a distância, a segunda vez que aparece, vemos a d7 que conhecemos, então tos em si se desrespeita canonicamente…
    Reclamar do spore drive todo mundo reclama, e do time warp? Ninguém nem menciono depois do piloto… Nem por isso tem mimi..

  205. João Luiz Silva Cruz | 16 de novembro de 2017 at 9:25 pm |

    Não vamos nem entrar no assunto da transdobra mencionada nos filmes… 😀
    Eu particularmente acho o esquema de do spore drive muito fiel a premissa de Star Trek, somente lembrando que o conceito de Warp na década de 60 era pura especulação também e só foi começar a ser estudado seriamente como teoria depois. Quem sabe o mesmo não acontece com a rede micelial quântica do spore drive 😀

  206. João Luiz Silva Cruz | 16 de novembro de 2017 at 9:32 pm |

    Particularmente não gosto de fã fic, por diversos motivos, mas quem fez esse está de parabéns, até porque deve ser um esforço enorme para produzir algo do nível sem $.

  207. João Luiz Silva Cruz | 16 de novembro de 2017 at 9:33 pm |

    Eu já acho que os atores são a alma dos personagens, estranhei demais esse fã fic, apesar de reconhecer que a qualidade é ótima.

  208. sem contar que a Atriz Rekha Sharma, que interpretou a comandante Landry, tambem participou de um episodio do star trek continues…

  209. Ô Cidadão! Por onde na “Deep-Web” que você andou lendo essas coisas??? :O !!!! Cê virou “Mâe Diná”??? Cê tá mais pra um “Oráculo” do que um Vulcano…. kkkkkkkkkk 😀 https://uploads.disquscdn.com/images/b2a59270c9ee43365bb7ff3b6f50f07b765d5f0d73d7ebe60cd6b6cd02e76eb9.jpg

  210. Antonio de Pádua | 17 de novembro de 2017 at 7:02 pm |

    Na minha opinião Stamets atingiu o mesmo estado físico que o tripulante Gary Mitchell atingiu no episódio de TOS “Onde nenhum homem jamais esteve”. Neste episódio a Enterprise atinge o que eles interpretaram como uma “barreira”, mas creio que na realidade foi um bolsão de massa negativa como Stamets descreveu a Lorca. Ainda lembrando, Lorca mencionou “o Sr. não é só um cientista, mas um explorador, e quer ir aonde ninguém jamais esteve”. Uma clara alusão a este episódio

  211. boa observação

  212. João Luiz Silva Cruz | 17 de novembro de 2017 at 9:08 pm |

    Boa teoria!

  213. assisti hoje. sensasional o episódio. valeu pelas dicas pessoal!

  214. Renato Naville Watanabe | 19 de novembro de 2017 at 4:29 pm |

    Concordo. No episódio de TOS é mencionado que a barreira tem densidade negativa, o que resultaria em massa negativa.

  215. Luiz Henrique Mendes | 19 de novembro de 2017 at 6:24 pm |

    Episódio simplesmente espetacular. Fechou com chave de ouro essa parte da temporada.

  216. Antonio de Pádua | 19 de novembro de 2017 at 7:27 pm |

    Sim, Spock menciona tudo isso ao analisar os seus sensores

  217. Cadê a resenha do Salvador?

  218. Luiz Castanheira | 20 de novembro de 2017 at 7:36 pm |

    Preservadores e a Grande Barreira estão “no ar” desde o ep3 …

  219. Seria legal saber da repercussão internacional deste episódio que já é um clássico.

  220. João Luiz Silva Cruz | 21 de novembro de 2017 at 4:28 pm |

    Vai ter live hoje?

  221. Ricardo Pinheiro | 23 de novembro de 2017 at 8:03 pm |

    É simples, Sandra.

    A maioria que reclama de Discovery está adorando The Orville. Dado q The Orville (c/ seus méritos e problemas) é uma série que se alinha mais com a Federação idealizada do século XXIV, concluímos que todos esses são viúvas do Picard.

    q. e. d.

    😀

  222. Ricardo Pinheiro | 23 de novembro de 2017 at 8:26 pm |

    Guinan, Rei Pingo ou o Kirk saído do Nexus me rendeu umas risadas aqui, ótimo! Gostei!

  223. Eu diria óbvio.

  224. Quanto ao cânone visual que tanto reclamam:

    Eu era chato a este respeito, mas com o tempo, as alterações que fizeram nas remasterizações de TOS e etc, eu relaxei.
    Na minha cabeça, a obra é literária e interpretativa.
    Eu me chateio muito mais com as explícitas formas de investir no novo, mas para garantir a audiência antiga, usa-se subterfúgios de roteiro e atores da safra antiga.
    O exemplo que mais me incomoda foi o Spock Prime e toda aquela baboseira de universo paralelo.
    Poderiam ter contado uma história original com os atores novos, um autêntico reboot.
    Evitaria muita encrenca.
    Quiseram ir em frente, mas tiveram medo e fizeram uma gambiarra danada.
    Dou mais 4 anos e ninguém se lembrará do JJ Trek.

  225. Eu não entendo como ainda tem gente que assiste TWD, a franquia virou um HQ televisivo, uma reprodução redundante de um gibi.

  226. João Luiz Silva Cruz | 25 de novembro de 2017 at 10:13 pm |

    Eu parei com TWD na sexta temporada, apesar de achar que ficou mais do mesmo ainda dá para assistir.

  227. Eu já não lembro do JJ Trek.

  228. João Luiz Silva Cruz | 26 de novembro de 2017 at 3:51 pm |

    JJ Trek é bang-bang no espaço. Pura e simplesmente “Money Grab”.

    A única questão visual de DSC que me incomoda são as naves Klingon, eles poderia ter feito algo mais próximo das naves que já conhecemos (BoP e D7 Cruisers) porque já são icônicos e não interfeririam no apelo visual. Com as naves da federação já vemos o padrão foi mantido, poderiam ter feito o mesmo com os Klingons. Na minha opinião faltou até inteligência da produção, porque com isso eles poderiam aproximar mais a série dos fãs que estão criticando esse tipo de situação.

  229. João Luiz Silva Cruz | 26 de novembro de 2017 at 3:54 pm |

    TB poderia criar um tópico único sobre os 9 episódios, mais como uma síntese. Para darmos também a nossa visão geral do que foi esse mid-season até agora, tipo questões como: Quem se destacou, quem mandou mal, qual o melhor personagem, pontos positivos e negativos, etc…

  230. Não sei se já foi comentado anteriormente mas para aqueles como eu que estava cético sobre Discovery assistir os nove episódios de uma vez ajuda muito a renovar a fé sobre a serie.

  231. Eu invejo vc!

  232. Eu lhe entendo, mas pense como se fosse um livro que foi novelizado.
    Eu parei de sofrer assim.
    Considere que muito da reclamação é de colecionador de memorabilia que se sentiu traído e obsoleto com uma nova estética.
    Outros, porém, são mais autênticos na demanda.
    No entanto, imagine quantas versões tivemos de clássicos ( bons até) como: Frankstein, Drácula, Moby Dick etc.
    O foco dos fãs deve ficar nas personagens e na narrativa.
    Grande abraço.

  233. Quando houve uma convergência para HQ, desisti.
    Não há razão para perder meu tempo em algo que já li.
    Fear TWD parece-me mais promissor, atualmente.

  234. Rs. Também esqueci de Star Trek V e Nêmesis.

  235. Eu relaxei a cabeça assim tb. Esses klingons são visualmente horríveis. Mas se focar só na interpretação melhora. Eu gosto de chamar esse universo de Prime Universe 2.0 Visual Update kkk

  236. Já esqueci também do Star Trek V e do Nemesis. Rs.

  237. Cadê a resenha do Salvador que num sai?

  238. Quanto ao último ponto, imagino que a Defiant já não mais estivesse lá, uma vez que foi capturada pela tripulação da NX-01 no episódio espelho de Enterprise.

  239. Ainda falta um elemento em Discovery para deixar os verdadeiros Trekers realmente fascinados pela nova serie não consegui até agora identificar o que pode ser , não gostei também da nova configuração do Trek Brasilis , a versão anterior era muito mais simples e pratica.

  240. Roberto J. Nogueira | 7 de janeiro de 2018 at 12:27 pm |

    Eu também acho que o Tyler é o Klingon Voq, e que o Lorca sabe disso desde que o encontrou na prisão, apenas o usou para poder fugir, e esta o mantendo por perto para usa-lo futuramente em algum momento estratégico. Vamos lembrar que o Lorca já mostrou que tem um lado “sombrio” e misterioso.

  241. Salvador Nogueira | 7 de janeiro de 2018 at 4:45 pm |

    Demorou, mas saiu! 😀

  242. Já estava imaginando mesmo que a resenha sairia na véspera do episódio 10! rsrs

  243. Ainda bem que escolheram o nº 133 ao invés de 525.600! E olha que eu achei o nº 133 grande demais. Se a ideia era homenagear o nº 33, fizessem só 33 saltos, dava na mesma. Se bem que o nº 33 já foi muito bem explorado na série Dark da Netflix. 😛

  244. Leandro Henrique Pereira Neto | 8 de janeiro de 2018 at 11:33 am |

    Nestes recesso de fim de ano , fiz uma maratona de 2 dias de discovery. Eu que já era fã de discovery fiquei mais maravilhado. Os 6 primeiros episódios juntos são uma obra-prima, interligados e ao mesmo tempo são completos individualmente.
    Continuo achando os episódios 7 e 8 os mais fracos.
    O episódio 9 “dono deste tópico” é fora de série, uns dos melhores de toda a franquia.

  245. Mauricio Silva de Moura | 10 de janeiro de 2018 at 12:41 am |

    Me agrada muito a crescente de Michael na serie.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*