Easter eggs e referências de “Die Trying”

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO CONTÉM SPOILERS!

O 5º episódio da 3ª temporada de Star Trek: Discovery, denominado “Die Trying”, contém muitos easter eggs e referências dos demais seriados e filmes de Star Trek. Estes são os que encontramos.

Saru observa que a nave está a caminho da sede da Federação e da Frota Estelar, e então aponta que estas são entidades separadas, que agora permanecem juntas. Embora às vezes usado de forma intercambiável, essa distinção é relevante. A Frota Estelar na verdade antecede a Federação e é uma organização exploratória, análoga com o que poderia acontecer se a NASA e a Marinha fossem combinadas no espaço. A Federação Unida de Planetas, por outro lado, é o governo. A Frota Estelar e a Federação não são a mesma coisa, mas agora ocupam o mesmo lugar no espaço.

Bandeiras da Frota Estelar e da Federação Unidas de Planetas

A tenente Nilsson cita que existem naves de fibras de liga de neutronium. No episódio “Relics” de A Nova Geração, a USS Enterprise-D encontrou a única esfera Dyson conhecida. A estrutura da esfera era composta de uma mistura de carbono e neutronium e era imune aos feisers.

Joann Owosekun menciona uma nova Constitution, provavelmente a USS Constitution. A nave mais famosa da classe Constitution foi a Enterprise NCC1701 da Série Clássica. Owo ficou animada ao ver uma nave estelar que pode abrigar uma tripulação de 1.000 ou 2.000 pessoas. Em seu próprio tempo, a Enterprise do capitão Pike carregava 203; na época de A Nova Geração, a Enterprise-D carregava 1.014 pessoas a bordo.

USS Constitution

Tilly menciona uma floresta tropical voadora, que é uma homenagem, entre outras, à nossa Floresta Amazônica

A tripulação vê e fala sobre a USS Voyager NCC-74656-J. Owo e Tilly confirmam que o “J” constitui 11ª geração de evolução. Não está claro se isso significa que esta é literalmente a mesma Voyager do século 24, ou se o “J” significa que este é a 11º nave a carregar o nome Voyager. A primeira Voyager, do seriado Star Trek: Voyager, estava sob o comando da capitã Kathryn Janeway.

A Discovery passa também pela nave USS Nog NCC-325070. Claramente, ela foi nomeada em homenagem ao ferengi Nog de Deep Space Nine, interpretado por Aron Eisenberg, Nog foi o primeiro ferengi na Frota Estelar. Este é um belo tributo ao ator Aron Eisenberg que faleceu no ano passado. O site Trekcore afirmou que confirmou com a equipe da CBS que a USS Nog é classificada como uma nave estelar da classe Eisenberg.

Aron Eisenberg e Nog

A Discovery também passa pela USS Armstrong.

Ao chegar ao centro de comando da Frota Estelar, Saru, Burnham e Adira Tal podem ver o mapa galáctico holográfico flutuando no centro. Esse mapa inclui muitos locais do quadrante Delta, estabelecidos pela Voyager. Alguns dos nomes são espelhados, o que torna difícil ler todos eles. O site Trekcore cita os seguintes, e o episódio de Voyager onde apareceram, mas não consegui visualizar todos:

  • O mundo natal dos Ankari (“Equinox Part 1”) e (“Equinox Part 2”);
  • Ocampa (“Caretker”);
  • Um fórum do clã Kazon, talvez o planeta Sobras de “Alliances”;
  • Talax, o mundo natal de Neelix;
  • O mundo natal Devore (“Counterpoint”);
  • O planeta demônio Sangue de Prata do episódio “Demon”, um planetoide como classe Demon, muito tóxico e volátil até mesmo para entrar em uma órbita padrão;
  • Novos locais como o Posto Avançado do Espaço Profundo da Federação #36 e #72.

Os locais do Quadrante Alfa e Beta no mapa, com o nome dos episódios e seriados onde foram vistos ou citados são:

  • O sistema Valt, “The Perfect Mate” de A Nova Geração;
  • Cardassia Prime, o mundo natal dos cardassianos, principalmente de Deep Space Nine;
  • Zetar, “The Lights of Zetar” da Série Clássica;
  • Terra;
  • Argus, “Obsession” da Série Clássica;
  • Tellar, “Babel One”, “Bounty”, “Demons” e “Zero Hour” de Star Trek: Enterprise, fundadores de Federação;
  • Delta, Jornada nas Estrelas: O Filme, Jornada nas Estrelas IV: A Volta para Casa;
  • Cor Caroli , “Allegiance” de A Nova Geração;
  • Thalos, “Heart of Glory” e “The Dauphin” de A Nova Geração, “The Magnificent Ferengi” de Deep Space Nine.

O mapa holográfico também lista o primeiro — e o quarto! — planeta-natal da raça de Odo, indicando que os Fundadores do Quadrante Gama ainda gostam de se mover de vez em quando para sua proteção.

O cenário da ponte da USS Shenzhou, da primeira temporada de Discovery, foi transformada, na segunda temporada, no centro de comando da nave da seção 31 e agora, na terceira temporada, é o local do comando da Frota Estelar do século 32.

Quando Saru, Burnham e Adira Tal conversam como almirante Charles Vance, um tripulante informa que a USS Cuyahoga detectou naves Orion e Andorian, da Cadeia Esmeralda, no sistema Sigma Draconis. Sigma Draconis é uma área do espaço famosa pelo episódio “Spock´s Brain”, da Série Clássica. Sean Cochran, que escreveu o roteiro e a história de “Die Trying”, junto com James Duff , nasceu na cidade de Shaker Heights, do Condado de Cuyahoga em Ohio. Ele escreveu também, com Michael Chabon, o Short Trek “Calypso”.

Sean Cochran

O Almirante Charles Vance e o resto da Frota Estelar do século 32 parecem usar o sistema codificado por cores da era de A Nova Geração. Oficiais de comando ainda parecem ostentar vermelho, enquanto listras de ouro e azul são visíveis em outros uniformes. Os da área médica usam o uniforme com faixa branca.

Saru está entusiasmado ao saber que Kaminar se tornou um planeta da Federação algum tempo depois que a Discovery saltou para o futuro. Como nunca ouvimos falar de kelpiens no século 23 ou 24, parece provável que eles se juntaram à Federação em algum momento depois disso. No episódio “The Brightest Star” dos Short Treks, soubemos que a Georgiou resgatou Saru de Kaminar, mas que Saru não poderia voltar lá por causa de problemas com a primeira diretiva. Na 2ª temporada de Discovery, a nave retornou a Kaminar em “The Sound of Thunder”, mas Kaminar definitivamente não entrou na Federação naquele momento.

Os refugiados kili são acometidos por uma doença causada por príons. Príon é um agente infeccioso composto por proteínas com forma modificada. Não contém ácidos nucleicos (DNA e/ou RNA), ao contrário dos demais agentes infecciosos conhecidos (vírus, bactérias, fungos e parasitas).  O termo prion (partículas infecciosas proteicas) foi cunhado em 1982 por Stanley B. Prusiner, através de um amálgama entre as palavras proteinaceous (proteica) e infection (infecção). Os príons infecciosos modificam as proteínas correspondentes no cérebro, causando lesões espongiformes. Os príons são responsáveis pelas encefalopatias espongiformes transmissíveis em uma variedade de mamíferos, incluindo os humanos. Um exemplo de doença causada por príon é a encefalopatia espongiforme bovina (BSE) ou doença da vaca louca que originou, por transmissão aos humanos através da carne bovina infectada, a doença de Creutzfeldt-Jakob variante (vCJD).

 

Enquanto o almirante conversa com Saru e Burnham, um holograma médico examina os dois. Esse holograma deve ser uma evolução do Doutor, de Star Trek: Voyager. ELI, o holograma médico, é interpretado por Brendan Beiser, que os fãs de Arquivo X podem lembrar como o agente Pendrell.

O holograma diz que Saru deve ser um dos últimos que mostra evidências bioquímicas do vahar’ai. Esta condição foi mostrada no episódio “An Obol for Charon” de Discovery, onde ela indica os últimos e agonizantes momentos na vida de um Kelpien. Neste episódio Saru descobre que seus gânglios do medo caem sozinhos e ele se recupera.

ELI também informa que Michael poderia ser propensa a exageros emocionais devido ao seu sistema límbico sobrecarregado. Seria isso uma explicação para todo o choro da Michael?

Pela primeira vez, o tamanho da Federação foi firmemente estabelecido, não apenas agora, mas também, antes do tempo atual. Vance diz a Saru e Burnham que há 38 mundos membros na Federação agora, mas que por causa da falha nas comunicações, é possível que sejam mais. Vance também diz que este número é abaixo de 350, que a Federação tinha no seu auge.  Sabíamos que havia muitos planetas na Federação em A Nova Geração, mas realmente não tínhamos ideia exatamente quantos.

O almirante Vance detalha que tanto o Comando da Frota Estelar quanto o governo civil da Federação residem na mesma base estelar oculta, abordando algumas preocupações dos fãs de que as duas entidades estavam sendo retratadas como uma organização única nesta temporada.

Vance diz que os registros mostram que Discovery foi destruída em 2258. Saru informa que os arquivos teriam sido apagados pela Frota Estelar por razões de segurança. Foi Spock foi quem sugeriu apagar tudo sobre o drive de esporos, no episódio “Such Sweet Sorrow, Part 2”.

A lição rápida de história do almirante Vance menciona que a Federação passou a maior parte do século 30 lutando “uma guerra para manter os acordos temporais”, que ele diz ser um “tratado interestelar que proíbe a viagem no tempo”. Isso faz referência à série Star Trek: Enterprise, e basicamente estabelece que as guerras temporais citadas por Book em “That Hope Is You Part 1” são as mesmas guerras temporais que Daniels mostrou ao capitão Archer.

O almirante Vance diz também que as necessidades da Frota Estelar superam as necessidades de tripulação, uma modificação na frase dita por Spock, no filme Jornada nas Estrelas II: A Ira de Khan: “as necessidades de muitos superam as necessidades de poucos, ou de um”.

Como a tripulação está sendo interrogada pela nova Frota Estelar, vários personagens, incluindo Culber, Reno e Tilly descrevem acontecimentos de episódios de temporadas anteriores.

Culber foi morto no episódio da 1ª temporada “Despite Yourself”, quando a Discovery saltou para o universo espelho. Ele foi então trazido de volta à vida no episódio da 2ª temporada “Saints of Imperfection”. Ele estava de péssimo humor sobre ser trazido de volta à vida e é por isso que ele brinca aqui que estava emocionalmente morto. O fato de que ele e seu assassino são amigos agora, faz referência a um confronto que teve com Ash Tyler em “If Memory Serves”.

Jett Reno afirma que choveram oficiais da Frota Estelar. Isso faz referência ao episódio de estreia da 2ª temporada, “Brother”, na qual Burnham e Pike resgataram Reno da USS Hiawatha, que havia colidido com um asteroide.

Tilly explica que teve seu cabelo alisado e se tornou uma capitão Terráquea/Dominatrix. Tilly está falando sobre os episódios em que ela teve que se passar pela capitão da ISS Discovery, sua contraparte do universo espelho, Killy. Isso começou no episódio “Despite Yourself” e passou por “What’s Past Is Prologue”.

Durante o interrogatório de Georgiou, um homem misterioso de óculos se senta e lhe faz todo tipo de perguntas. Este personagem, chamado Kovich, é interpretado pelo lendário diretor de cinema David Cronenberg. Entre outros filmes, os fãs de ficção científica provavelmente conhecem Cronenberg melhor por dirigir A Mosca e Scanners, conforme noticiado aqui.

Kovich observa que o presente é o segundo universo e a terceira linha do tempo de Georgiou. Isso significa que Georgiou existiu na versão do universo prime de 2257-2258, na versão do universo espelho de 2257 e agora, na versão do universo prime de 3188.

O banco de dados de Kovich (David Cronenberg) inclui uma varredura da ISS Charon, a nave terráquea da imperadora Georgiou, vista nos episódios “The Wolf Inside”, “Vaulting Ambition” e “What’s Past Is Prologue”, da primeira temporada de Star Trek: Discovery.

Kovich também menciona que 5 de abril é o seu aniversário. No universo Prime, 5 de abril de 2063 é o dia do primeiro contato, como visto no filme Jornada nas Estrelas: Primeiro Contato. No universo espelho, é o dia em que os humanos mataram os vulcanos que pousaram na Terra. Este evento é retratado nas cenas de abertura dos episódios de Star Trek: Enterprise “In a Mirror, Darkly Part 1 e Part 2”. Até hoje, esses são os únicos episódios de Star Trek que acontecem inteiramente no universo espelho. Veja parte do episódio aqui:

Quando Georgiou e Kovich falam sobre o Império Terráqueo contra a Federação, ele  aponta que a Federação perdura, ao contrário do Império Terráqueo, que caiu séculos atrás. O colapso do Império Terráqueo faz referência aos episódios de Deep Space Nine, que ocorrem no universo espelho, começando com “Crossover”. Nesse episódio, soubemos que depois que Kirk pediu ao Spock do espelho para tornar o Império mais agradável, no episódio “Mirror, Mirror”, da Série Clássica, o que o Spock do espelho fez, suas ações eventualmente levaram à queda do Império Terráqueo. Até onde sabemos, no cânone, o crossover mais recente para o universo espelho teria acontecido durante Deep Space Nine, e é por isso que Cronenberg diz que não houve uma travessia entre as duas realidades em 500 anos.

Saru e Burnham informam que havia uma nave da Federação, carregada de sementes de plantas de todos os planetas visitados, a USS Tikhov. A ideia de uma nave lotada de sementes é baseada na realidade atual. O Silo Global de Sementes de Svalbard é um gigantesco banco de sementes, construído em 2008, na Noruega. O armazenamento de sementes no cofre é gratuito para os usuários finais; a Noruega e o Crop Trust pagam os custos operacionais. O financiamento primário vem de organizações como a Fundação Bill & Melinda Gates e de vários governos em todo o mundo.  A ideia é que se houver uma crise global, essas sementes sobreviverão à devastação.

O número de registro da USS Tikhov é NCC-1067-M, indicando que não é uma nave de 1.000 anos, mas provavelmente uma que foi atualizada e substituída ao longo dos séculos. A nave foi provavelmente nomeada em homenagem ao soviético Gavriil Adrianovich Tikhov, um astrônomo que foi um pioneiro na astrobiologia e é considerado o pai da astrobotânica.

Nhan vem de uma raça de alienígenas chamada Barzan. No episódio “The Price”, de A Nova Geração, os barzan eram uma espécie humanoide inteligente nativa do planeta Barzan II e eram governados pela República Planetária Barzaniana, liderada por Bhavani. No episódio, tentavam vender direitos para um buraco de minhoca em seu espaço. Naquela época, os Barzan não eram membros da Federação. Seu planeta também era muito dependente de outros planetas para assistência, e é por isso que Nhan diz que seu povo é conhecido pela pobreza.

Embora Burnham seja a personagem principal da série, ela não tinha sido vista no comando da USS Discovery. Além de sua breve tentativa de motim na USS Shenzhou, e seu comando da ISS Shenzhou, este episódio é o único tempo real em que ela esteve no comando legítimo de uma nave estelar durante toda a série.

Ao chegar às proximidades da nave Tikhov, encontram uma tempestade de íons. No episódio “Mirror, Mirror” da Série Clássica, a tempestade de íons foi a razão pela qual Kirk, Uhura, Scotty e McCoy acidentalmente se transportaram para a ISS Enterprise Terráquea.

Na nave, o barzan Dr. Attis compartilha seu nome com Attis, o deus das mitologias frígia e grega, deus da vegetação, que em sua auto-mutilação, morte e ressurreição, representa os frutos da terra, que morrem no inverno para reviver novamente na primavera.

As câmaras de criostase de salvamento, onde a família de Attis foi colocada, são semelhantes às do episódio “The Neutral Zone” de A Nova Geração.

O acidente de transporte causado por uma explosão solar deixa Attis fora de fase. No episódio “Much Ado About Boimler” um acidente de transporte também deixa Boimler fora de fase.

Nhan diz a Burnham que ela nunca esquecerá o que Burnham disse no funeral de Airam. Isso faz referência ao episódio da 2ª temporada de Discovery “The Red Angel”, que começou com toda a equipe honrando o sacrifício de Airam no episódio anterior, “Project Daedalus”.

Vance diz a Burnham e Saru que a Frota Estelar não tem mais missões de cinco anos. Isso, é claro, faz referência à Série Clássica, na qual a Enterprise estava em uma missão de exploração de 5 anos. Saru e Burnham estão super familiarizados com esta política, principalmente porque Pike estava em uma missão de cinco anos na Enterprise antes de se tornar capitão temporário da Discovery. Saru diz a Vance que ele sente que a tripulação da Discovery vem de um tempo reverenciado, o que parece implicar que Saru tem lido um monte de história enquanto Burnham estava nesta missão. Nesse sentido, Saru está ciente de que a Frota Estelar contemporânea deve ser uma grande fã das façanhas da Frota Estelar do século 23.

Saru cita Giotto para o almirante Vance. Giotto di Bondoni  foi um pintor e arquiteto italiano que viveu de 1267 a 1337 e foi o pioneiro na introdução do espaço tridimensional na pintura europeia.  Devido ao alto grau de inovação de seu trabalho, Giotto é considerado o precursor da pintura renascentista.

Giotto e seu quadro O Beijo de Judas

Estes foram os easter eggs e referências que encontramos em “Die Trying”. Se você encontrou mais algum, escreva nos comentários.

Be the first to comment on "Easter eggs e referências de “Die Trying”"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*