Moore diz que For All Mankind se conecta à Star Trek

“For All Mankind” é uma série de TV criada por Ronald D. Moore, que já foi produtor de Star Trek. A história se passa num universo alternativo, onde imagina-se o que teria acontecido ao mundo se a União Soviética tivesse vencido a corrida espacial ao pousar um homem na Lua.

Ron Moore começou sua carreira de roteirista e produtor em Hollywood exatamente na franquia Star Trek, lá pelos anos 80, com trabalhos nas séries A Nova Geração, Deep Space Nine e Voyager. Ele também co-escreveu dois filmes de Jornada: Generations e Primeiro Contato. Fora da franquia, ganhou um Emmy e um Peabody Award por seu trabalho em Battlestar Galactica.

Sua mais recente série For All Mankind passa no serviço de streaming Apple TV+ e está começando sua segunda temporada, onde situa-se agora na década de oitenta.

Numa entrevista exclusiva ao site TrekMovie, Moore falou sobre como sua série está imbuída do DNA de Star Trek e teceu comentários a respeito do estado atual de Jornada nas Estrelas. A entrevista foi dividida em duas partes. Trazemos para você o que de mais importante foi dito por ele neste bate papo.

Uma estrada para Star Trek

Sobre For All Mankind, o produtor enfatiza que embora a história comece no mesmo período da antiga corrida espacial dos anos 60, há uma guinada na geopolítica, bem como a entrada dos militares nos programas espaciais. No entanto, a diferença é que apesar do aspecto sombrio pairando no ar, a série ainda tem um ponto de vista muito otimista sobre o lugar das viagens espaciais em nossas vidas e como isso pode tornar a vida melhor para todos na Terra. “Isso ainda é um princípio central do programa”, diz Moore.

Moore diz que a série está construindo o caminho para Star Trek em relação a trazer mais pessoas de cor e mulheres para o programa espacial.

Esse foi um dos conceitos centrais do programa. Senti que estou fazendo uma história alternativa do programa espacial que era maior e melhor. E porque é melhor? É melhor não apenas porque recebemos muitas novas tecnologias legais e novas espaçonaves e bases lunares que nunca vimos. É também porque estamos criando um mundo melhor. Para trazê-lo de volta para Star Trek, é a estrada para Star Trek. Então, qual é o caminho para Star Trek? Significa tornar-se pessoas melhores, ter uma sociedade melhor. E como o programa espacial pode nos ajudar a nos tornarmos uma sociedade melhor? Bem, e se colocarmos as mulheres no espaço antes do que aconteceu (em nosso mundo)? Por que isso aconteceria? Bem, os soviéticos colocaram uma mulher no espaço 20 anos antes da NASA. Então, talvez no contexto de nossa realidade alternativa, os soviéticos continuam a subir as apostas e colocam uma mulher na Lua.

Claro que estamos falando sobre o início dos anos 70, quando já havia muitas mudanças sociais no ar. O Movimento de Libertação das Mulheres, os movimentos afro-americanos pelos direitos civis. Mas, na série, com a mudança na corrida espacial (o avanço soviético), a NASA liderou e mostrou à América diferentes tipos de heróis, e a sociedade também começou a se mover dessa maneira, tornando a NASA ainda mais diversificada. E isso aconteceria em um ritmo mais rápido (que o atual).

O produtor acredita que seu trabalho em Star Trek o preparou para escrever uma história alternativa em For All Mankind.

Sim, acho que Star Trek basicamente me ensinou tudo sobre escrever para a televisão de várias maneiras. E fizemos muitos episódios de viagem no tempo. Conversamos internamente sobre muita história, muitas ideias de história alternativa. E não era apenas tipo “Yesterday’s Enterprise”, havia vários outros rascunhos na sala de roteiristas e séries que nunca fizemos, ou pelo menos conceitos sobre isso ou uma realidade alternativa eram certas coisas que aconteceram e não aconteceram. Então, eu estive envolvido em uma espécie de conversa sobre esses tipos de conceitos como um exercício teórico por muito tempo. Então, abordar este projeto pareceu muito familiar. E foi divertido porque eu tinha feito todo o trabalho de base em Star Trek e também foi algo de que gostei. Gosto de história e sempre adorei o tipo de pergunta “E se?” no jogo da história. E se isso acontecer? E se o Almirante Nagumo fizer uma escolha diferente na Batalha de Midway? Como isso afetaria o resto da Segunda Guerra Mundial e assim por diante? Então, meio que joguei contra meus pontos fortes.

Comentários sobre Star Trek

Em outra parte da entrevista, Ron Moore falou sobre o que pensa a respeito das novas séries em andamento, incluindo a futura Seção 31. Moore confessa que só assistiu uma.

Eu vi o começo de Picard e então simplesmente não voltei mais para ele. E também há uma parte de mim que não assiste, lê ou consome tanta ficção científica como costumava quando estava trabalhando com ficção científica. Costumo ser do tipo, ‘Ok, chega de ficção científica no meu tempo livre’. Tenho tendência a gravitar para outras coisas.

Em relação a série Seção 31, que encontra-se em pré-produção, Moore lembra que foi Deep Space Nine que deu início a misteriosa organização.

Eu ouvi sobre isso. Lembro-me de ter lido isso em algum lugar. Não sabia se era uma coisa real ou apenas um boato. Certamente, é um terreno fértil para contar histórias. E é um ótimo conceito. Foi Ira Behr [o showrunner de Deep Space Nine] que teve a ideia original de fazer a Seção 31. Está apenas esperando ser contado por alguém.

Ao comentar sobre os filmes Star Trek, lhe foi perguntado o que faria se lhe fosse dado um bom orçamento para produzir um filme da franquia:

Essa é uma pergunta interessante. Não tenho certeza porque Star Trek é, de certa forma, um ajuste desconfortável para a tela grande que eu meio que comecei a sentir, embora eu tenha feito dois filmes. Achei Primeiro Contato um filme muito bom, Generations nem tanto. E A Ira de Khan é um filme excelente. Já Jornada nas Estrelas IV: A Volta para Casa funciona muito bem e assim por diante. Não é que não sejam bons filmes, mas parece que os filmes têm que ser um espetáculo. Os filmes têm que ser gigantescos, ação-aventura, muitos tiros, muitas coisas em jogo – exceto Jornada IV. E isso não é realmente Star Trek para mim.

Para mim, Star Trek é uma peça de moralidade. É um programa sobre dilemas éticos. É um programa de ficção científica sobre “E se?” E é uma peça de personagem. As melhores partes de Star Trek não se prestam necessariamente à tela grande. Por exemplo, você não poderia fazer “Data’s Day” como um filme, certo? Foi um dos meus episódios favoritos. “The Conscience of the King” da série original é um dos meus episódios favoritos. Isso não é um filme. Então, a versão do filme sempre tem que ser exagerada e superamortecida e elas são grandes montanhas-russas gigantes. E não sei se o aspecto da montanha-russa é o que mais me atrai em Star Trek.

Então, se me perguntassem o que fazer com os filmes, eu não sei. Eu gostaria de reiniciar e começar de novo e fazer algo muito diferente. E experimente um sabor diferente de Star Trek para as telonas. E não apenas fazer ‘Quem será o “Khan” nesta versão? Qual é a grande arma gigante que vai ameaçar o universo? Ou qualquer coisa assim. Acho que você teria que encontrar um ângulo de ficção científica que o tornasse mais sobre: ​​quais são as raízes de Star Trek? Por que as pessoas começaram a se apaixonar por ela em primeiro lugar? E isso é uma tarefa difícil.

Ainda a respeito dos filmes, Moore opina sobre a questão de se fazer um filme Star Trek de ação visando audiência ou um filme de ficção científica sólido com menor bilheteria.

Bem, é difícil porque o negócio do cinema é muito diferente da economia da televisão. A indústria do cinema se apoiou neste canto, onde praticamente só fazem os gigantescos sucessos de bilheteria épicos em escala da Marvel ou fazem pequenas peças de arte para o Oscar. E para as coisas intermediárias, eles têm uma enorme dificuldade em fazer marketing, promover e ganhar dinheiro com isso. E essa é uma caixa estranha de sua própria fabricação. Então, eu não sei como resolver isso. Como um contador de histórias, eu sei que nem sempre é satisfatório apenas jogar mais dinheiro nisso e apenas fazer outra sequência de efeitos visuais. Que há algo mais acontecendo em termos de ficção científica e em termos de personagens é simplesmente mais interessante e mais satisfatório de várias maneiras.

Ron Moore acabou de assinar um novo contrato com a Disney e vai trabalhar em uma nova série “Swiss Family Robinson” para a Disney+. A segunda temporada de For All Mankind, de 10 episódios, estreou nesta sexta, exclusivamente na Apple TV + .

 

Be the first to comment on "Moore diz que For All Mankind se conecta à Star Trek"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*