TNG 2×11: Contagion

Romulanos e iconianos alimentam paixão arqueológica de Picard

Sinopse

Data estelar: 42609.1

A Enterprise entra na Zona Neutra Romulana em resposta a um pedido de socorro vindo da USS Yamato, que está sendo afetada por uma série de defeitos inexplicáveis. A nave estava naquela região procurando o planeta natal dos iconianos, uma civilização atualmente extinta que possuía tecnologia inimaginável pelos padrões contemporâneos.

Quando o capitão da Yamato tenta explicar sua missão a Picard, a transmissão é cortada e a nave danificada explode repentinamente. Logo em seguida, uma nave romulana se descamufla e ordena que Picard deixe a Zona Neutra. O capitão diz que só irá partir quando concluir sua investigação do que aconteceu com a Yamato.

Picard descobre, a partir dos diários do capitão Donald Varley, que a Yamato chegou de fato a Icônia e que uma sonda misteriosa foi lançada da superfície na direção da nave.

Em curso para Icônia, para investigar o que teria acontecido com a Yamato lá, a Enterprise começa a sofrer os mesmos defeitos que atingiam a outra nave da Federação antes de sua destruição. Geordi informa Picard que a sonda reescreveu os programas do computador da Yamato, levando-a à destruição, e que o computador da Enterprise foi contaminado quando carregou os diários da Yamato, antes da explosão.

Em um esforço para salvar a Enterprise antes que seja tarde demais, Picard e um grupo avançado descem para a superfície de Icônia. Ao mesmo tempo, a nave romulana volta a aparecer, exigindo a retirada imediata da nave. Os romulanos ameaçam disparar torpedos fotônicos, e a Enterprise, com problemas, não consegue erguer seus escudos. Felizmente, os alienígenas também estão com problemas, provavelmente também infectados por uma sonda iconiana. Quando Riker finalmente consegue erguer os escudos, ele ordena que eles permaneçam assim, para repelir qualquer ataque futuro dos romulanos. Com a medida, o grupo avançado fica impedido de retornar à Enterprise.

Em Icônia, o grupo avançado descobre um portal capaz de permitir viagens instantâneas por longas distâncias. Quando a fonte de energia do portal tenta executar o mesmo procedimento que afetou as naves com Data, é preciso levá-lo imediatamente de volta. Worf o transporta para a Enterprise pelo portal, mas parece que o androide está “morto”. Geordi diz que não pode fazer nada por ele, quando subitamente Data se recupera, graças a seus sistemas de diagnóstico e solução de problemas automáticos. Graças à experiência de Data, Geordi descobre que para salvar a Enterprise é preciso fazer um “reset” em todos os sistemas. O procedimento é bem-sucedido.

Enquanto isso, Picard está providenciando para que a tecnologia iconiana seja destruída e não caia nas mãos dos romulanos. Ele consegue iniciar uma falha nos sistemas que causa uma explosão, e foge na última hora pelo portal, indo parar na nave romulana. Os romulanos dizem que Picard morrerá com eles, por conta do mecanismo de autodestruição que se ativou sozinho e que eles não conseguem desativar. Antes que Picard possa responder, ele é transportado a bordo da Enterprise.

Em um gesto de boa-fé, antes de abandonar a região, o capitão da Enterprise fornece aos romulanos a informação de como corrigir seus sistemas e tornar sua nave novamente operacional. Com isso, ambos partem para seus respectivos lados além da Zona Neutra.

Comentários

Uma história bem trabalhada e um conjunto interessante de variáveis (que inclui, entre outras coisas, os queridos romulanos) tornam “Contagion” um interessante episódio desta segunda temporada. O episódio ainda é predominantemente orientado a enredo, mas já oferece insights interessantes para alguns dos personagens.

O principal beneficiado é Picard. Descobrimos, por exemplo, sua paixão confessa pela arqueologia. Esse elemento não só casa muito bem com o que já sabíamos da personalidade do capitão, como irá propiciar várias situações interessantes para o personagem no futuro.

Aqui, por exemplo, dá ao capitão a chance de assumir a ação da história, conduzindo o grupo avançado. Embora Picard e Riker sejam uma dupla imbatível quando o primeiro está na ponte e o segundo no grupo avançado, uma mudança de ares às vezes cai bem, e certamente traz uma perspectiva diferenciada para o capitão.

Além de um fim em si mesmo, o interesse arqueológico de Picard serve para nos introduzir aos iconianos, o principal elemento em torno do qual o episódio gira. Embora seja apenas um mecanismo para impulsionar a história, temos a chance de aprender bastante sobre eles, adicionando texturas interessantes ao episódio. Aliás, o estudo dos iconianos é muito mais intrigante e atraente do que os efeitos que os alienígenas há tempos mortos proporcionam para conduzir a história, com o já totalmente clichê esquema “falhas maciças de sistema ameaçam a Enterprise”. Ele só não é pior do que das outras vezes porque nesta ao menos vimos outra nave exatamente igual à Enterprise, a Yamato, sofrer os terríveis efeitos da sondagem iconiana.

Os romulanos também aparecem de forma periférica à batida premissa, mas adicionam bastante à tensão e às próprias motivações que geram o drama do episódio. Não faz sentido arriscar a violação da Zona Neutra por uma mera expedição arqueológica, mas isso muda totalmente se estiver em jogo a posse de tecnologia poderosíssima que seria capaz de dar uma vantagem ao Império Romulano.

Algumas sequências, como Picard se materializando e desmaterializando da nave romulana são memoráveis. Outras, como o outro grande clichê do episódio, “a morte de Data”, são literalmente de matar. Toda vez que o androide é tratado como um humano me incomoda. A única forma em que posso conceber a morte de Data é a pulverização do androide ou a “perda total” de seus sistemas. Os danos não pareciam tão graves assim, e o fato de Geordi fechar os olhos dele parece ainda mais patético e condescendente com essa “humanização” do androide. Antes de declarar a morte de Data, não seria bom abrir a cabeça dele e mexer em alguns circuitos?

Riker, na cadeira de capitão, tem a chance de brilhar um pouco mais do que de costume. Worf, para compensar, apesar de estar no grupo avançado, apenas demonstra o mesmo intelecto limitado de costume. O personagem ainda terá muito a progredir, ainda nesta temporada, mas aqui permanece o mesmo paspalho dos primeiros episódios.

Tecnicamente, o episódio é muito bom. Os efeitos especiais que envolvem as sondas iconianas e a nave romulana são bons destaques. Já a cenografia da instalação iconiana é pobre demais para demonstrar o quão impressionantes deviam ser aqueles alienígenas –quase tão pobre quanto a pintura que representou uma tomada distante da instalação.

No final das contas, “Contagion” é um episódio que vale a pena ver e rever. A combinação dos vários elementos é feita de forma bem-sucedida, apesar dos clichês e da improbabilidade de trabalhar bem tantas coisas de uma vez só. Um ponto a mais para a turma da Nova Geração.

Avaliação

Citações

“Fate… protects fools, little children, and ships named Enterprise.”
(Destino… protege tolos, criancinhas e naves chamadas Enterprise.)
Riker

“The victors invariably write the history to their own advantage.”
(Os vencedores invariavelmente escrevem a história em seu favor.)
Picard

“Well, Number One. I can see why you want to keep the away-missions to yourself. That’s where the excitement is. So what’s been happening here? Same old routine, I suppose.”
(Bem, imediato. Posso ver por que você quer manter as missões avançadas para você. É onde está a empolgação. Então, o que tem acontecido por aqui? A mesma rotina de sempre, suponho.)
Picard

Trivia

  • A história deste episódio foi concebida por Beth Woods, fã de Jornada e técnica em informática. Beth trabalhava nos computadores dos escritórios dos produtores da Nova Geração.
  • Neste episódio tomamos conhecimento pela primeira vez de que Picard tem um enorme interesse por arqueologia. Esse interesse seria explorada nos episódios “Captain’s Holiday”, “Qpid”, “The Chase”“Gambit” e “Bloodlines”.
  • Carolyn Seymour, que aqui interpreta a subcomandante Taris, voltará como uma alienígena em “First Contact”, episódio do quarto ano, e como uma romulana em “Face of the Enemy”, episódio do sexto ano da série.
  • Pela primeira vez na história da franquia de Jornada, uma nave romulana tem um nome: Haakona.
  • E pela primeira vez ouvimos Picard pedir seu chá oralmente ao replicador de alimentos. “Chá, Earl Grey, quente”.

Ficha Técnica

Escrito por Steve Gerber e Beth Woods
Dirigido por Joseph L. Scanlan

Exibido em 27 de fevereiro de 1989

Título em português: “Contágio”

Elenco

Patrick Stewart como Jean-Luc Picard
Jonathan Frakes como William Thomas Riker
Brent Spiner como Data
LeVar Burton como Geordi La Forge
Michael Dorn como Worf
Marina Sirtis como Deanna Troi
Wil Wheaton como Wesley Crusher

Elenco convidado

Diana Muldaur como Katherine “Kate” Pulaski
Thalmus Rasulala como capitão Donald Varley
Carolyn Seymour como subcomandante Taris

Enquete

Edição de Maria Lucia Rácz
Revisão de Susana Alexandria

Episódio anterior | Próximo episódio

Be the first to comment on "TNG 2×11: Contagion"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*