Queda da USS Enterprise-D ocorreria em episódio de A Nova Geração

Um dos pontos altos do filme Star Trek Generations foi quando a seção do disco da nave USS Enterprise-D cai no planeta Veridian III, mas esse momento quase aconteceu em um episódio de A Nova Geração.

O filme Generations é a primeira aventura de A Nova Geração na tela grande, e um dos momentos de forte emoção é quando a USS Enterprise-D é danificada pelos Klingons, sendo obrigada a separar sua seção do disco, que cai em Veridian III.

No livro The Fifty-Year Mission: The Next 25 Years, de Mark A. Altman e Edward Gross, o co-escritor e showrunner de A Nova Geração, Ronald D. Moore, falou sobre o plano original de derrubar a Enterprise-D na série.

A gênese da queda do disco estava em uma história chamada “All Good Things”, que não era o final da série, mas uma história que seria um suspense para a sexta temporada de A Nova Geração. Brannon e eu propusemos uma história em que a Frota Estelar chama de volta para casa a Enterprise e vai dividir a tripulação. A Enterprise vai se tornar a Queen Mary, basicamente, e no caminho para casa, todos os personagens decidem o que farão da vida. Mas no caminho para casa, há uma grande batalha e o disco se separa da seção de batalha, que explode, e o disco cai na superfície do planeta.

Os produtores odiaram essa história por causa do suspense e nós a deixamos de lado, mas quando estávamos fazendo o filme, a queda do disco foi uma das primeiras coisas que Brannon e eu trouxemos para Rick. Caímos na selva e sabemos que Soran irá extinguir aquela estrela muito em breve – e quando isso acontecer, a onda de choque irá destruir o planeta. Então, eles vão evacuar as crianças [na única nave auxiliar sobrevivente] e estão conduzindo as crianças através do casco destruído da Enterprise, quando, de repente, esses raios laser saem da selva e os prendem. Acontece que Lursa e B’Etor sobreviveram com alguns de seus homens. Há um impasse e uma mediação ocorrendo no Bar Panorâmico, que foi completamente destruído. Foi divertido, mas o roteiro tinha 140 páginas e, em algum momento, teve que ser eliminado. David Carson disse: “Corte tudo”, e nós dissemos: “Mas tem nossas coisas favoritas”. Porém, quando analisamos isso com atenção, percebemos que ele estava certo. O primeiro rascunho chegou e eles orçamentaram com um valor ridículo.

Tivemos recriações divertidas da ponte da Enterprise-D nas séries animadas Lower Decks, com o alferes Brad Boimler (Jack Quaid) imaginando no comando da nave, enquanto praticava o discurso de seu capitão.

E em Prodigy, quando Dal R’El (Brett Gray) experimenta o teste do Kobayashi Maru.

Mas foi em Star Trek: Picard que a Enterprise-D ressurgiu das cinzas em alto estilo e teve final digno para a série A Nova Geração. Sua aparição ocorreu na 3ª temporada, quando o Comodoro Geordi La Forge (LeVar Burton) revela que passou os últimos 20 anos reconstruindo sua antiga nave.

Segundo La Forge, ele removeu a seção do disco acidentado da superfície de Verdian III de acordo com a Primeira Diretriz (não influenciar indevidamente culturas primitivas). E para obter a seção de engenharia destruída na explosão, ele adaptou “os motores e naceles da USS Syracuse” (antiga nave classe Galaxy aposentada), dando assim vida a nave icônica do capitão Picard.

Fonte: Screenrant

As sete temporadas de A Nova Geração estão disponíveis na Netflix. O filme Star Trek Generations está passando no Amazon Prime.

Acompanhe o Trek Brasilis nas redes sociais para ficar por dentro de todas as novidades de Star Trek:
YouTube | Telegram | Facebook | Instagram | Twitter