Trek Brasilis entrevista Richard Arnold

Ele já foi consultor de Star Trek e assistente pessoal de Gene Roddenberry, e está vindo para o Brasil em agosto, ao lado de René Auberjonois, o Odo, participar da convenção internacional da NovaFrota BR em São Paulo, no Teatro Elis Regina do Anhembi.

Richard Arnold conheceu Roddenberry na primeira convenção de Star Trek da história, em 1972, na cidade de Nova York. Pouco depois, mudou-se para Los Angeles e se tornou um guia de visitantes nos estúdios da Paramount. Lá, graças ao seu grande conhecimento de Star Trek, impressionou Gene, que o convidou a auxiliá-lo em uma série de tarefas a respeito da franquia.

Após a estreia do filme Jornada nas Estrelas IV: A Volta para Casa, Arnold ficou conhecido como o “arquivista de Jornada”. Sempre ao lado de Gene, se tornou um de seus principais assessores e amigo pessoal. Richard trabalhou ao lado do criador de Jornada em A Nova Geração, como consultor de pesquisas.

Por muitos anos escreveu para a revista Star Trek Communicator, do antigo e agora extinto fã-clube oficial de Star Trek, onde respondia perguntas dos leitores a respeito dos filmes e séries. Nas telonas, Arnold foi um dos extras na famosa cena de toda a tripulação da USS Enterprise reunida no começo de Jornada nas Estrelas: O Filme, para tomar parte da ameaça de V’Ger. Além disso, atuou como um figurante romulano a bordo da Narada, no filme Star Trek de 2009.

Por aqui, Richard Arnold é mais conhecido por suas participações em algumas convenções da Frota Estelar Brasil. O ex-consultor de Roddenberry esteve em nosso país em algumas ocasiões, quando acompanhou os atores Walter Koenig e Leonard Nimoy nestes eventos em São Paulo, além de ter vindo em outra oportunidade com David Prowse, ator que fez Darth Vader na trilogia original de Star Wars.

No dia 18 de agosto próximo, Arnold estará de volta, desta vez ao lado de René Auberjonois, o Odo de Deep Space Nine, para a convenção Starcon – 25 anos de DS9, organizada pela NovaFrotaBR. E o Trek Brasilis conversou com ele, que aos 64 anos, tem muita história para contar aos trekkers, o que faz rotineiramente em convenções realizadas em diversos países.

Trek Brasilis – Após longos anos, você volta ao Brasil para participar de uma convenção de Jornada nas Estrelas. Quais suas lembranças dos antigos eventos em que esteve por aqui?

Richard Arnold – Lembro que as coisas funcionam diferente no seu país, fiquei impressionado quando faltavam minutos para o início do evento mas as coisas ainda não estavam totalmente prontas. E todo mundo parecia estar de bem com isso, é o modo brasileiro de fazer as coisas, e ao final tudo dá certo. Eu e David Prowse estávamos preocupados, mas o resto do pessoal não parecia estar. E nessas viagens constatei que os fãs do Brasil eram muito parecidos com os fãs de todo o mundo, mas talvez mais entusiasmados (acho que foi a primeira vez num evento de grande porte para muitos deles). Quando meu trabalho na convenção acabava, eu ficava torcendo para que pudesse retornar ao Brasil novamente, o que, felizmente, aconteceu.

TB – Vamos falar sobre o estado atual da franquia. Star Trek tem pais separados, está dividida entre a Paramount (para o cinema) e a CBS (para televisão). Isso atrapalha o planejamento em geral para a marca, e o surgimento de novos fãs?

Arnold – Eu acho que os filmes de JJ Abrams trouxeram um monte de novos fãs para o mercado (observo que por aqui cerca da metade dos trekkers em convenções são fãs mais novos), e felizmente não há uma divisão de “fãs antigos/novos fãs”, pois tanto os que conheceram Star Trek com as séries clássicas ou que conheceram com os filmes de cinema atuais se dão muito bem. Agora, quanto a Star Trek: Discovery, tenho minhas próprias opiniões, claro, mas acho que vou esperar até estar no Brasil para falar sobre isso.

TB – Aquela pergunta que todo fã se faz: Gene Roddenberry teria gostado de Discovery? E você, Richard Arnold, o que achou da presença da USS Enterprise e do capitão Pike tão cedo na série?

Arnold – Mais uma vez, vou adiar qualquer comentário sobre Discovery até que eu esteja aí com vocês em agosto. Desculpe-me por isso!

TB – Star Trek lançou nos anos 90 a ideia de um universo compartilhado de séries na televisão. Isso tem sido copiado desde então por outras. Há espaço atualmente para mais de uma série de Jornada ao mesmo tempo na TV?

Arnold – Deep Space Nine e A Nova Geração foram ao ar simultaneamente por um tempo, e os fãs assistiram as duas, então sim, há espaço para mais de uma série na TV de cada vez. No entanto, os custos de produção de Star Trek aumentaram consideravelmente ao longo dos anos, assim como o custo de fazer os filmes, então a relutância dos estúdios em fazer muito disso de uma só vez é compreensível.

TB – Você foi um dos mais próximos de Gene durante a produção de A Nova Geração. Após sua morte, em 1991, o que mudou na franquia na época, na frente e atrás das câmeras?

Arnold – Uau, essa é uma verdadeira pergunta que pode abrir uma “caixa de vermes”! As mudanças mais óbvias foram que coisas que Gene nunca teria aprovado apareceram de repente em todos os lugares, nos livros, em mercadorias, e infelizmente no programa de TV. E houve problemas com os filmes também. Para mim, a principal diferença era o quanto de dinheiro que poderia ser feito se tornou muito mais importante do que o que era certo para Star Trek.

TB – O que você diz de seu trabalho em A Nova Geração?

Arnold – Aqueles anos (o verão de 1986 até a morte de Gene em outubro de 1991) foram os mais felizes da minha vida! Não só por trabalhar na nova série, mas por poder passar muito tempo com Gene.

TB – Como você recebeu a notícia de que o Brasil voltará a ter grandes convenções de Jornada, com convidados internacionais? Para você, o que os fãs brasileiros têm de diferente, se é que têm alguma coisa?

Arnold – Eu fiquei muito animado em voltar a falar com o Luiz (Navarro, presidente da NovaFrota BR e ex-presidente da Frota Estelar Brasil) e estou ansioso para voltar aí. E eu sei que René está ansioso por isso também, já que ele nunca fez uma convenção no Brasil. Quanto aos fãs, como eu disse, são muito entusiasmados, e quero muito encontrá-los novamente e ouvir suas perguntas. Sei que todos vão adorar conhecer o René. Ele, assim como eu, quer conhecer mais do Brasil e desfrutar de uma excelente churrascaria… ou até duas!

SERVIÇO: Richard Arnold e René Auberjonois estarão em São Paulo no dia 18 de agosto, um sábado, para participar da convenção Starcon – 25 anos de Deep Space Nine. Saiba mais sobre esse evento todo especial e como adquirir seu ingresso aqui.

Be the first to comment on "Trek Brasilis entrevista Richard Arnold"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*