Shatner faz uma reflexão sobre a série original

bill“Espaço. A fronteira final. Estas são as viagens da nave estelar Enterprise … “. Quem não se lembra dessa abertura icônica da série Jornada nas Estrelas na voz de William Shatner? Sob o comando do capitão Kirk a série levou a franquia audasiosamente por meio século de existência. No ano do seu cinquentenário, Shatner faz uma reflexão sobre o que representou o seu trabalho na série original e a surpreendente repercussão na cultura pop.

“Eu nunca consegui dizer exatamente certo”, disse Shatner sobre o seu monólogo de abertura.

“Eu não sei porque nunca tocaram as notas certas para mim… Audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve. Eu nunca consegui encontrar o tom certo ao meu ouvido. Ficou bom o suficiente, eu suponho, para o povo ouvir. Eles não seriam tão críticos como eu seria. Mas eu gostaria de poder fazer isso de novo”.

Mesmo após seis séries e 13 filmes, Shatner diz que está “espantado” com a amplitude e profundidade da influência de Jornada, mas ele entende a razão, “Nós lidamos com guerra, raça, decadência ambiental e desigualdade social, questões que permanecem tão desafiadoras hoje”.

“Dizem estar tomando lugar à frente de seu tempo, mas no seu melhor foi lidar com as questões da época”, diz ele.

Shatner assinala que a influência está na nossa cultura: Incentivo a exploração espacial. A ideia de povos, nações e planetas trabalhando juntos. O comunicador, replicou anos mais tarde o telefone flip flop. “Essas são coisas práticas”, diz ele.

Para Shatner há também o desejo da humanidade de saber o que há fora da Terra.

“O que está lá fora? O que é isso? Eles estão vindo para cá? Será que vamos dessa maneira? “, Pergunta ele, fazendo uma pausa para considerar. “Noventa por cento do universo é desconhecido. Desconhecido! E, em seguida, a ficção científica sugere o que poderia ser. Por que não é uma explicação razoável, desde que você não sabe o que é, afinal? Aceitá-la na fé. A magia do universo foi trazida para um monte de olhos e ouvidos de pessoas por causa de Jornada”.

Aos 85 anos, o velho Bill disse que lhe foi oferecido o papel de Kirk por Gene Roddenberry, depois de um piloto inicial não vender e a série ser reformulada. “Eu vi o piloto e achei que foi ótimo”, diz ele, creditando a Roddenberry com “grandes ideias”.

Embora tenha ouvido muitas análises sobre a franquia, Shatner considera Jornada mais uma entidade viva que evolui com cada novo capítulo, incluindo o próximo filme e série de TV do que uma peça de museu.

“Cada vez que alguém escreve sobre Jornada ficcionalmente, torna-se parte da história, um novo aspecto de Jornada”.

Se havia alguma dúvida de que a influência de Jornada vai além do mundo das convenções, Shatner viu a prova disso quando ele estava planejando filmar The Captains, um documentário em 2011 sobre os atores que já comandaram uma nave estelar, incluindo Patrick Stewart, Avery Brooks, Kate Mulgrew, Scott Bakula e Chris Pine.

A necessidade de um avião para acompanhar a produção teria consumido um orçamento alto no filme de Shatner, então ele perguntou a Bombardier, empresa aeroespacial em sua cidade de Montreal, se eles poderiam emprestar um avião.

Então, o executivo Steve Ridolfi o chamou e disse: “Você terá um”, lembra Shatner. “Quando o avião me pegou e me levou para Toronto para pegar a tripulação, ele me encontrou na pista e disse: “A razão que eu estou fazendo isso é porque eu sou um engenheiro aeronáutico por causa de Jornada. Devo-lhe isso. Esta é a minha maneira de pagar”.

Fonte: USA Today

21 Comments on "Shatner faz uma reflexão sobre a série original"

  1. Ontem o Fantástico mostrou uma reportagem onde falavam sobre novas tecnologias e falaram sobre Star Trek, mostraram cena de TOS.

    O mais incrível é que mostraram trechos de entrevistas com os atores de ST Sem Fronteiras que fizeram para a promoção do filme, tipo quase um mês após a estreia? E, Dr. Spock? O repórter também mandou um Dr. Spock? Fala sério?!! 😜🖖

  2. Carlos Pimentel | 26 de setembro de 2016 at 9:15 am |

    Pois é Sandra, não é de se surpreender de uma emissora que ignorou Jornada nas Estrelas a partir da Terra Desconhecida (1991), poderia ter exibido a Nova Geração, deixou para um público restrito essa série e as outras, exibiu uma única vez Primeiro Contato, Insurreição, Star Trek (2009) numa Sessão de Gala de domingo pra segunda sem nenhuma divulgação. Imagine o que nos reserva Além da Escuridão e Sem Fronteiras…

  3. Não nos espera nada. É ótimo isto estar disponível na NETFLIX para quem quiser conhecer. A Globo, que sofra os sinais do tempo, não mudou nada em 50 anos, é um formato que só perde telespectadores.

  4. O negócio da Rede Bobo são as tontices da Marvel e DC Comic. Regado ao belo pão e circo, a população agradece e vibra quando passa algum super-herói soltando raios pelos olhos,para não dizer outro local…… Star Trek é muito cerebral para conhecimento mediano da população brasileira. Afinal, filosofia, ciência e tecnologia (além dos smartphones) cansam o intelecto de quem assiste por aqui.

  5. Maurício Oliveira | 26 de setembro de 2016 at 12:40 pm |

    Qual a previsão das séries na Netflix?

  6. Eles disseram que até o fim do ano todas estariam disponíveis.

  7. David Gaertner Curitiba | 26 de setembro de 2016 at 2:00 pm |

    Pior é aguentar as olhadas tortas quando vc aparece com uma camiseta que tenha algum tema de ST. Mesmo que digam que os filmes da Kelvin Timeline são menos cerebrais, ainda são um tanto inacessíveis para a população mediana.

  8. Fabiano Correia | 26 de setembro de 2016 at 5:06 pm |

    Um universo fantástico pena que o JJ Abrams resolveu voltar pra era do Kirk sendo que ele podia ter introduzido uma NCC 1701-F
    Afinal jornada sempre soube passar adiante o legado

  9. Fabiano Correia | 26 de setembro de 2016 at 5:07 pm |

    Os filmes da Dc vão passar na globo mesmo???

  10. Arrepiei: “A necessidade de um avião para acompanhar a produção teria consumido um orçamento alto no filme de Shatner, então ele perguntou a Bombardier, empresa aeroespacial em sua cidade de Montreal, se eles poderiam emprestar um avião.
    Então, o executivo Steve Ridolfi o chamou e disse: “Você terá um”, lembra Shatner. “Quando o avião me pegou e me levou para Toronto para pegar a tripulação, ele me encontrou na pista e disse: “A razão que eu estou fazendo isso é porque eu sou um engenheiro aeronáutico por causa de Jornada. Devo-lhe isso. Esta é a minha maneira de pagar”.”

  11. GILSON P. DE FARIAS | 26 de setembro de 2016 at 6:50 pm |

    Tudo isso que ele falou! Eu acho, que não têm nada tão forte em cultura ,do que star trek! Estou lendo, o: o guia da saga, é fascinante demais!!!

  12. Quando as séries forem parar no Netflix vou dar adeus a minha vida social kkkkkkkkk

  13. Sim. A Globo adquiriu os direitos da Warner que antes eram do SBT.

  14. Pensei que o documentário seria uma bobagem, igual o Trekkies de Denise Crosby, mas o Sr. Shatner me surpreende com sua visão muito humana, sensível e bem humorada dos capitães de Jornada. Destaque especial a Patrick Stewart. A produção Inclui cenas de uma convenção Trekker, muito interessante! Disponível no Netflix.

  15. Lindo mesmo, Trekker! Também me emocionei!

  16. Acho que eu também, Victor, mesmo tendo tudo em DVD.

  17. A minha crítica em relação aos filmes da Marvel e DC, apreciadas pela Rede Bobo, é muita ação (exagerada em alguns momentos) sem agregar nada. Cai na besteira de assistir aquele Esquadrão Suicida. Dinheiro e tempo jogados fora, afinal fui acompanhar um grupo de amigos. O mais terrível é ver o povo dentro do cinema vibrando por um besteirol daqueles. Não me oponho que Star Trek tenha alguma ação e correria (deve haver, filme muito parado também se torna cansativo), mas o importante é que agrega algo em busca da realização de algum ideal. Interestelar, ao meu ver, é o filme de ficção deste século (por enquanto), pois alem de propiciar uma boa ação, traz uma mensagem sobre a preservação do planeta, aguça a curiosidade sobre a física e astronomia e lança o debate sobre como pensar sobre nós mesmos: como indivíduos ou como espécie.

  18. Concordo também, mas creio que a Enterprise-E ainda teria alguns anos de serviço pela frente. Se eu fosse alguns daqueles CEO (palavra que detesto) da CBS a minha ideia para um novo seriado seria focada para uma tripulação substituta da Nova Geração e não voltar para trás como esta que esta por vi.

  19. “Dr. Spock” é o que mais me irrita quando vejo algum comentário sobre Star Trek na TV.

  20. Captains vale a pena, e tem no Netflix.

  21. Fascinante !!!
    Se depender de cada profissional no mundo que foi influenciado por ST …A Jornada nunca mais acabará!! 🙂

Leave a comment

Your email address will not be published.


*