Walter Koenig fala sobre Star Trek e projetos futuros

Walter Koenig, nosso eterno Pavel Chekov, foi uma das atrações da C2E2 (Chicago Comic & Entertainment Expo), evento que acontece anualmente em Chicago e teve sua edição de 2020 neste fim de semana.

Koenig conversou com o site Comicbook antes de se apresentar no palco e falou sobre seu retorno às convenções, Star Trek e os projetos futuros.

A imagem pode conter: 1 pessoa, no palco e área internaVocê está indo para o C2E2. Quando você vai às convenções como esta, o que você mais espera?

Koenig: “Sair do avião (risos). Não gosto mais de voar. Não tem nada a ver com medo, mas com tédio e fadiga. Isso apenas me desgasta, mas falando sério, quando estou em uma convenção, geralmente me divirto bastante. Eu gosto dos fãs. Eu encontro pessoas, atores que nunca conheci e que tive curiosidade de conhecer ao longo dos anos. Eu gosto de interagir com os fãs. Eu sinto que esse é o meu trabalho. Não se trata apenas de assinar autógrafos e passar para a próxima pessoa. Estar envolvido em uma pequena conversa, verificando de onde eles são. Essas são as coisas pelas quais fico ansioso”.

Como membro do elenco original de Star Trek, você faz parte do circuito de convenções desde o início. Como isso mudou com o passar dos anos?

Koenig: “Bem, a maior mudança, e será evidente nas grandes convenções como a de Chicago, é que se tornou um amplo espectro de interesse que atrai os fãs. Não é simplesmente Star Trek ou Star Wars. Existem tantos artistas em convenções agora. Existem pessoas de todas as faixas diferentes que estão vendendo seus produtos. Eu nem estou familiarizado com o que eles estão vendendo (risos). É um mundo diferente.

Isso se expandiu muito desde que comecei a fazer convenções e Star Trek era praticamente a única razão pela qual as pessoas estavam chegando. Agora já faz 20 anos que Star Trek era a única mercadoria viável que não fosse o cinema.  Mas agora é um mundo diferente, pessoas diferentes. Eles ainda estão vestindo roupas, mas essas são roupas que eu não reconheço (risos). O fandom certamente mudou ao longo de todos esses anos”.

Resultado de imagem para walter koenig c2e2Com todas as mudanças em Star Trek ao longo dos anos, e agora que estamos na terceira geração de séries e fãs, você notou alguma mudança na forma como os fãs se relacionam com a franquia ao longo dos anos?

Koenig: “Bem, na verdade, meu sentimento é que os fãs de longa data, que foram apresentados a Star Trek por seus pais e que realmente se uniram aos mais velhos durante todo este tempo – então, estamos falando de um programa (a série original) que esteve no ar há 60 anos, estamos falando de pessoas que estão na casa dos trinta, quarenta agora – elas ainda são muito agradáveis, muito calorosas, muito generosas. Na verdade, o que mais gosto de ouvir é que eles foram apresentados a Star Trek por sua família e era um elemento de ligação ente eles. Que eles assistiam juntos em casa. Essa é a mensagem de Star Trek, reunindo pessoas e sendo capaz de se comunicar e ter um ponto em comum. E então, eu ouço isso com frequência. Não é como se fosse de vez em quando. Então, sinto que, a esse respeito, ainda posso reunir ou extrair alguma relevância para o público de hoje. Então é esse sentimento de vínculo que eu sinto mais forte, o vínculo, o vínculo familiar, que sinto ser o elemento mais forte, a conexão mais forte que tenho com eles, o fandom de hoje”.

Resultado de imagem para walter koenig babylon 5Além de Star Trek, você também trabalhou em Babylon 5. Como sua experiência com esse programa se compara a Star Trek, como ator, e até onde você se relaciona com os fãs?

Koenig: “Babylon 5 definitivamente me afetou. Primeiro de tudo, as pessoas ainda aparecem e falam sobre isso. Na minha mesa, tenho algumas fotos que são de Bab 5 e muitas pessoas disseram que realmente gostaram muito do meu personagem. A modéstia me impede de enfatizar com mais detalhes como eles se sentem. Mas senti que em Star Trek eu era mais uma novidade. Em Babylon 5, eu me senti mais como um personagem real. E isso me faz sentir que as pessoas gostaram do meu trabalho. Isso meio que reforça meu próprio senso de si. Porque eu posso encontrar um milhão de razões para ignorar minha popularidade ou manter minha popularidade em Star Trek em um nível muito modesto”.

Resultado de imagem para walter koenig c2e2Fora do cânon oficial de Star Trek, você também apareceu em vários fanfilmes de Star Trek, como Star Trek: Renegades. Como foi essa experiência? Como isso se compara às suas experiências de trabalho em Hollywood?

Koenig: “Isso foi muito legal. Eu estive em uma pesquisa ao longo da vida, e percebi que Chekov se transformou em um ser vivo, que respira e não apenas um personagem de um programa de tv. Ele era, em todos os sentidos da palavra, um personagem de apoio, existia mais para ajudar a desenvolver o enredo, Não tinha espaço para saber quem era ele ou o que ele sentia. E eu fiz o primeiro FanFilme porque eles tiveram uma ideia, que encaixava na minha, de expor um pouco mais de quem era Chekov.

Há momentos em que sinto certa relutância em falar sobre isso, porque quero entender que não era uma questão de viver no passado ou tentar reavivar o sentimento de popularidade que eu tinha como ator interpretando esse personagem. Eu não estava olhando para satisfazer alguma necessidade do ego, mas para ajudar a desenvolver mais esse personagem, para torná-lo um personagem mais vivo. Em “To Serve All My Days” [episódio da série de fãs Star Trek: New Voyages], ele passa por todos esses momentos de raiva, negação, compromisso, aceitação quando você sabe que vai morrer. E então, eu pensei que seria um desafio e uma chance de investir no personagem com um pouco mais de humanidade e fazer com que ele fosse menos um dispositivo e mais uma pessoa.

E no que diz respeito aos outros, eu não sei. Minha carreira não tem sido das melhores nas últimas duas décadas. E eu sou ator e quero trabalhar, e isso me deu a oportunidade de interpretar um personagem 20 e 30 anos depois, sem cabelos e, com efeito, quase outra pessoa, ao contrário do personagem jovem que eu interpretei quando comecei, portanto, era apenas uma oportunidade de ficar na frente da câmera e fazer algum trabalho. Mas, de qualquer forma, não me arrependi de nada. Eu me diverti”.

Você acha que ainda estaria interessado em reprisar o papel de Chekov em algo oficial, caso a oportunidade surgisse?

Koenig: “Bem, acho que não quero fazer mais curtas independentes interpretando Chekov. Eu não acho que gostaria de interpretar Chekov na nova série de Patrick Stewart ( Star Trek:Picard ). Veja bem, ninguém me chamou, então é uma questão acadêmica que não vou fazer (risos).

Mas não, de fato, pela primeira vez em mais de 20 anos, estou com um novo agente. Não era como se eu tivesse me oferecido a vários projetos e fui recusado. Eu nunca tive a chance. Nas últimas duas décadas, não tive muita chance de trabalhar na indústria. Eu, nos últimos seis meses, assinei com um novo agente. Agentes muito jovens e agressivos que confiam na minha capacidade. Eles conhecem meu trabalho e vamos ver o que acontece. Estou ansioso pela oportunidade de fazer um teste e ver aonde isso me leva”.

Walter Koenig mora atualmente em Chicago e está com 83 anos.

Be the first to comment on "Walter Koenig fala sobre Star Trek e projetos futuros"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*