LDS 1×04: Moist Vessel

Capitão Freeman com um microfone na Cerritos

Tenente Mariner e os rebocadores da nave geracional perdida

Sinopse

Data estelar: 57538.9.

A capitão Freeman, ao lado do capitão Durango da USS Merced, tem reunião com sua equipe principal para passar os parâmetros de sua missão mais recente: realocar em segurança uma nave geracional encontrada à deriva, contendo vasto material de terraformação. Durango, um telarita, faz comentários adicionais, e a alferes Mariner, bancando a ordenança para a reunião, não consegue esconder o tédio atrás de seus bocejos, o que claramente irrita ambos os capitães.

Mariner entediada com Freeman e Durango

Depois de dar uma comida de rabo em Mariner no seu gabinete, Freeman desabafa com Ransom sobre como as atitudes desaforadas da alferes a tiram do sério. Ambos cozinham um plano de passar para Mariner as piores tarefas da nave, na esperança de provocar nela o desejo de se trasferir da Cerritos. Os alferes recebem suas tarefas, e Boimler demonstra espanto com a relação que Mariner recebeu, um conjunto particularmente ruim. Já ele está contente com a oportunidade de fazer limpeza na sala de conferências e ter a chance de fuçar no replicador dos oficiais mais graduados.

Tendi comenta com Rutherford como está animada com a chance de acompanhar um tripulante da Cerritos “ascender”, em um ritual espiritual peculiar, ao se tornar um com o cosmos e todo esse jazz. No que a órion chega ao alojamento do tenente realizando sua ascensão, ela está empolgada demais para simplesmente parar quieta, acaba derrubando um gongo e cai deslizando em cima da mandala de areia que o cara levou dois anos para preparar para a cerimônia, o que totalmente joga água no chopp da tal ascensão. Tendi não sabe onde enfiar a cara de vergonha, enquanto os demais acompanhando olham horrorizados.

Tendi acaba com a mandala de O'Connor

Entrementes, Mariner encara suas tarefas, com ela removendo contêineres de dejetos do holodeck e fazendo lubrificação do turboelevador da nave. No que limpava resíduos dos filtros de carbono, ela cria uma competição com os outros alferes em que eles disputam para ver quem termina primeiro. Depois de saber por Ransom que Mariner está conseguindo tirar alguma diversão até das piores situações, Freeman chama-a para uma reunião, onde pretende jogar no colo da filha algo que, acredita, vai ser pior ainda: uma promoção a tenente.

Enquanto Rutherford cuida da calibração do raio trator da Cerritos para rebocar a nave geracional, Tendi vai se desculpar com o tenente O’Connor e indica que quer ajudá-lo a ascender de qualquer jeito, mas o cara está invocado demais para dar a ela a chance de fazer isso. Rutherford comenta com ela que talvez seja melhor esquecer o incidente, mas Tendi se mostra obcecada em ajudar na ascensão, colando no sujeito e fazendo de tudo para tentar fazê-lo mudar de ideia.

Mariner recebe novo uniforme pela sua promoção

Mariner começa a afundar no que considera toda a chatice de ser uma oficial mais graduada — ter de comparecer a reuniões intermináveis sobre temas entediantes, auditar o trabalho de auditoria e participar de eventos recreativos da equipe principal, como o show de jazz da mãe e os jogos de pôquer dos oficiais. Ela desabafa com Boimler em seus novos aposentos, sendo que até isso ela não curte, por estar sozinha demais. Boimler mal consegue controlar o recalque por Mariner ter sido promovida, e começa a especular todas as conclusões erradas sobre qual teria sido o motivo da promoção.

Na Merced, Durango acompanha os procedimentos de bancarem o guincho para a nave. O capitão ordena que a Merced se aproxime mais da nave geracional, apesar das objeções que o pessoal na Cerritos demonstra. A manobra intensifica demais a força gerada pelo raio trator, que rompe o casco da nave alienígena, e uma gosma adere à Merced, iniciando uma terraformação descontrolada que afeta a integridade estrutural da nave. A Cerritos manobra, mas também é atingida pela gosma, com vários setores da nave tendo que ser evacuados por conta do brotamento de ecossistemas alienígenas.

Boimler admira o quarto privativo de Mariner

Na engenharia, a tensão da zona formada faz com que Tendi e O’Connor comecem a brigar no meio de corais. Na bronca, Tendi confessa que se importa mais com as pessoas gostarem dela do que com a ascensão em si, enquanto ele confessa que nunca teve realmente intenção de ascender, sempre foi um lance que cultivou para bancar o esotérico e tirar popularidade disso. Para escaparem da engenharia inundada, Tendi se vale das propriedades naturais de uma das plantas ali e explode uma antepara, o que os joga em um dos corredores, onde uma rocha cai em cima de O’Connor. Após se salvarem, emocionados por aquilo que passaram juntos, ambos se beijam, o que leva O’Connor a iniciar sua ascensão, apesar de ele começar a demonstrar receio pelo resultado final, enquanto Tendi se espanta com o processo de willdeckerização do tenente.

Enquanto cavam um caminho para o sistema de controle ambiental, Freeman e Mariner vão tagarelando alfinetadas mútuas devido às suas atitudes uma com a outra. Já acessando os sistemas, Mariner avalia a situação e sugere uma tecnoblabada com a qual Freeman concorda, para surpresa da capitão, que também consegue arrancar de Mariner uma admissão de que a alferes de fato leu as diretrizes de Freeman sobre a missão. O processo ativado leva boa parte do material alienígena invasivo na nave a se dissolver, e elas também providenciam teleporte da tripulação da muito mais danificada Merced para a nave geracional. O sucesso leva ambas a se abraçarem animadas, embora rapidamente se separem constrangidas, incapazes de dar o braço a torcer de maneira aberta.

Tendi implora para ajudar O'Connor

Após deixar a nave geracional em uma estação federada e efetuar reparos, a Cerritos recebe a visita do almirante Vassery para condecorar as federadas que salvaram o dia. Mariner se dá conta que isso pode significar ela se encontrar ainda mais enrolada com as partes indesejáveis de um posto mais alto e deliberadamente alopra o almirante para criar uma situação que a leve a ser rebaixada de novo, o que a leva de volta a seu adorado lugar entre os colegas dos deques inferiores.

Comentários

“Moist Vessel” é um episódio que procura tirar seu humor de situações tipicamente high concept, e com alta seriedade, que poderiam render tramas bem dramáticas em séries mais convencionais da franquia. Aqui, nos serviram para colocar três de seu elenco em conflitos e dilemas consideravelmente pessoais, expandindo aquilo que sabemos sobre eles.

Cerritos e Merced proximas da nave generacional

Uma coisa que fica clara com a execução deste episódio é que o formato tende a ricochetear dentro do confinamento de uma série convencional de Jornada, algo que será sempre a “Bênção & Maldição” da série. Ela não pode se intimidar demais e abrir mão de seu potencial cômico, ao passo que extrapolar significaria se tornar muito irreconhecível enquanto Star Trek. É uma linha tênue na qual caminhar, e a série está claramente se encontrando para melhor seguir isso. Devemos estar dispostos a recebê-la pelo que ela é ou corremos o risco de compará-la de forma inadequada, a partir de parâmetros com os quais ela nunca se comprometeu em primeiro lugar. Seria como querer julgar uma picape somente pela incapacidade dela de se comportar como um sedã esportivo.

Muito se comentou que a série parece ilustrar os escalões mais altos da Frota como um bando de manés, mas isso não condiz com o que vimos nos episódios. Essa noção é muito mais um reflexo da percepção pessoal de Mariner do que a realidade. Por exemplo, não houve no episódio nenhuma demonstração de incompetência por parte da equipe principal da nave. Houve indícios de que podem ser implicantes e chatos, mas todos fizeram suas tarefas de maneira bem profissional, tendo até mesmo percebido rapidamente o erro de Durango — esse sim o único que fez uma asneira séria por mero ego, tornando-se o catalizador da confusão toda. Na realidade, as ações de Ransom na ponte é que podem ter salvo a Cerritos de também dar PT e ganharam tempo para Freeman e Mariner acessarem os sistemas ambientais.

Mariner jogando poker com oficiais

A trama principal foi, é claro, o conflito familiar que surgiu no meio da missão de reboque da nave geracional. Essa situação entre as duas é algo que a série quer usar em seu favor nos episódios, e nesta ocasião tivemos Freeman providenciando um “chute para cima” na carreira de Mariner para colocá-la em uma posição onde ela se veria forçada a deixar a nave. A capitão parecia considerar um plano com vários desfechos favoráveis para si: ou Mariner deixaria a nave por vontade própria, ou então talvez tivesse que começar a entrar mesmo na linha, se desejasse continuar servindo na Cerritos. Mas o conflito levantou questões, claro.

O que quer, afinal, Carol Freeman? Por um lado, a capitão parece incomodada com a mera presença da filha na sua nave, enquanto, por outro lado, ela quer bancar a mãe-helicóptero, ao considerar que Mariner deliberadamente sabota a própria carreira, o que lhe daria o direito de criticar tudo o que a moça faz e interferir no que achar necessário. Esse é um dos pontos de conflito com Mariner, que parece acreditar que seu comportamento é apenas uma reação defensiva ao evidente maternalismo da capitão, quando obviamente é mais amplo do que isso — ela se recusa a aceitar que a mãe pode estar certa em considerar muitas de suas atitudes inadequadas, realizadas de maneira completamente gratuita ou apenas para irritar.

Freeman e Mariner observam poço de turboelevador

O que quer, afinal, Beckett Mariner? Ter sido promovida e rebaixada várias vezes seria algo que em uma Marinha regular já a teria colocado para fora da instituição, mas sabemos que Jornada sempre operou a Frota de maneira confusa e irregular com esses aspectos antes. Ela pode estar muito satisfeita na posição em que se encontra, onde explora o cosmos, mas não sai da zona de conforto que aprecia. Novamente, isso não é algo inédito na Frota, claro — Riker se encontrava em uma versão alta do mesmo estado de espírito durante A Nova Geração. Ao mesmo tempo, ela não parece querer estar em outro posto que não seja ali na Cerritos, apesar da relação conturbada com a mãe. Parte disso pode estar relacionada ao pai dela, claro, um elemento que até o momento sabemos que existe, mas ainda pouco sobre como influencia a dinâmica familiar.

Na trama B do episódio, já era tempo de termos Tendi no protagonismo de uma trama, embora não necessariamente a melhor que se poderia ter de saída para ela. O ângulo de Tendi ser toda Pollyanna convida uma das facetas negativas da personagem: o velho e bom “se preocupa demais com o que os outros pensam dela”, com a órion se tornando obcecada em desfazer a má impressão inicial que O’Connor teve dela, não necessariamente para endireitar as coisas, mas sim mais para fazê-la se sentir melhor consigo mesma. O evento serviu, é claro, de lição para a moça, ainda que no final ela siga preocupada com sua reputação, intensamente questionando Rutherford a respeito disso. O que a texto não deixou completamente claro foi se O’Connor a convidou contando que ela iria meter os pés pelas mãos, dando a ele aquela desculpa necessária para escapar da própria cascata que havia criado, ou se foi algo do qual ele apenas se aproveitou no momento.

Cerritos e Merced danificadas pela terraformação

A ascensão realmente acontecer não é algo fora da curva para Jornada. Afinal de contas, outros plano dimensionais e todo esse papo é rotina naquele universo, e, ainda que boa parte da população federada deva ser ateia, agnóstica ou humanista secular, outra parte pode manter suas crenças espirituais, e é interessante considerar que muito disso ocorre em um contexto onde tais crenças são exercidas conhecendo-se a existência real de seres e fenômenos em que essas crenças se baseiam. Por exemplo, para a Federação, os habitantes do buraco de minhoca bajoriano são apenas alienígenas, enquanto para os bajorianos são profetas. São maneiras distintas de encarar aqueles seres, mas uma coisa com que ambos os grupos concordam é que tais seres realmente existem — isso é uma certeza para todos. O que muda é apenas a maneira com que cada grupo encara aqueles seres e fenômenos.

A ironia da vez aqui em relação a isso foi que tivemos um personagem que não realmente acreditava nos processos espirituais que estava realizando todo esse tempo. Mas, considerando como é plausível internamente em Jornada a existência de elementos transdimensionais, a coisa se mostrou real e O’Connor acabou ganhando mais do que havia barganhado. No final, foi divertido ver a reação dele e de Tendi a todo o processo envolvido em se transformar em um Will Decker da vida.

Tripulação da Merced teleportada para a nave generacional

O enrosco da semana com a nave geracional foi bem ilustrado, rico em detalhes e com escala que seria difícil ser reproduzida da mesma forma em um episódio convencional, embora tenha sido usado apenas de pano de fundo para as situações onde vimos os personagens. Nesse aspecto, temos uma dose de outra questão que Lower Decks sempre terá de equilibrar: como fazer situações em que podem ocorrer exageros possíveis por ser um desenho animado se encaixarem no nível de “plausibilidade interna” de uma série de Star Trek? O evento de terraformação descontrolada das naves foi um conceito interessante, mas, como retratado, talvez tivesse sido demais para as naves aguentarem, e com número significativo de baixas. No entanto, a Cerritos é rapidamente recuperada ao seu estado original, o que contrasta de maneira estranha com os danos vistos em tela. Ao menos eles colocaram uma fala de diálogo atestando que a Cerritos estava sendo menos afetada pelo fenômeno, e parece que a trama considerou a Merced como um PT completo mesmo.

O que nos leva a lembrar que este episódio ilustrou uma das velhas tropes de Jornada, o famoso “Botão Reset”, do qual Voyager tanto fez uso. Aqui foi aplicado duas vezes, tanto para trazer a nave ao seu normal, como para restabelecer o status quo de um dos personagens principais. Em relação à nave, pelo menos é natural aceitarmos que, ao contrário da Voyager, a Cerritos tem toda a cadeia logística federada a seu dispor para justificar a rápida recuperação, apesar dos graves danos. Já em relação a Mariner, estava claro que ela não iria ser mantida como tenente após o final do episódio, então eles recorreram a um método pé-na-porta para mandá-la de volta aos deques inferiores, com a moça deliberadamente provocando um rebaixamento para poder retornar a sua zona de conforto. Foi praticamente evidente que isso ocorreria no instante seguinte a termos visto a promoção, então sem surpresas.

Tendi observa O'Connor ascender

Sobre itens diversos, as citações de Rutherford ao Q e ao Viajante não soaram fora de lugar. O Viajante é mirim o bastante para não existir realmente necessidade de segredo de estado sobre ele, ao passo que em relação ao Contínuo Q isso é mais debatível. Como visto em “Death Wish”, de Voyager, B’Elanna Torres não fazia a menor ideia do que se tratava o conceito quando aquele Q se apresentou, ao passo que Janeway ficou imediatamente preocupada ao saber da presença de um desses seres. Isso poderia sugerir apenas que Torres nunca esbarrou com informação a respeito ou então um certo nível de acesso seria necessário para saber a respeito dos Q. Seja como for, entre 2371 e 2380, a informação sobre eles pode ter se tornado pública, em alguma variação de Lei de Liberdade de Informação que a Federação tenha.

No frigir dos ovos, um episódio que embora não tenha desenvolvido seus elementos de sci-fi a todo o potencial que poderiam ter, ao menos nos entregou bons momentos de vários de seus personagens e estendeu seu desenvolvimento.

Avaliação

Citações

“No! It’s more like studying so much for a test that you literally become the test.”
(Não! É mais como estudar tanto para um exame que você literalmente se torna o exame.)
Tendi para Rutherford, sobre ascensões

“But-but I go above and beyond, and you don’t even try. Why would they…?”
“I don’t get it, either, man. Bad is good. I don’t know.”
(Mas-mas eu vou além do cumprimento de dever, e você sequer tenta. Porque eles…?
Eu não entendo também, cara. Ruim é bom. Eu sei lá.)
Boimler e Mariner, sobre esta ser promovida antes dele

“Oh, I’ll report to bridge duty, and they’ll get exactly what they deserve!”
“What?”
“Uh… oh, nothing. That was a holodeck. Uh, Moriarty.”
(Oh, eu vou comparecer para turno na ponte, e eles vão ter exatamente aquilo que eles merecem!
O quê?
Uh, oh, nada não. Isso foi o holodeck. Uh, Moriarty.)
Boimler, reagindo a tripulane ouvir pela combadge ele falando para si mesmo.

“We’re both jerks! We wanted to be liked, and lied about it. I think that means we’re best friends! I’m about to die with my best friend!”
(Nós somos ambos idiotas! Nós queremos ser populares, e mentimos a respeito. Eu acho que isso significa que somos melhores amigos! Eu estou prestes a morrer com meu melhor amigo!)
Tendi para O’Connor, sobre as ações deles

“You read my mission brief, didn’t you?”
“No. I… no. Well, I mean, maybe a litte, but just ironically, just so I could make fun of it.”
(Você leu os meus parâmetros da missão, não leu?
Não. Eu… não. Bem, quero dizer, talvez um pouco, mas só irônicamente, para que eu pudesse tirar sarro.)
Freeman e Mariner, sobre o preparo desta a respeito da missão

Trivia

  • O episódio é o primeiro da série a fazer uso na trama principal do teaser pré-abertura, contendo cenas relevantes ao restante do segmento, em vez de uma miniaventura independente.
  • Freeman promoveu Mariner direto para tenente, pulando o posto de tenente júnior, que era, por exemplo, a graduação de O’Connor.
  • A USS Merced também era uma nave da classe California, batizada com o nome de uma cidadezinha no Vale de São Joaquim. A faixa azul no casco indica sua especialidade em missões científicas.
  • O fato de Mariner ser promovida e transferida para Operações foi um elemento cuidadosamente mantido fora do material promocional da série. Mesmo uma imagem do episódio divulgada dias antes com ela de uniforme novo tinha as insignias de posto ocultadas pela posição do rosto dela.
  • O episódio marca a primeira aparição na série de um telarita, uma das espécies fundadoras da Federação.

Ficha Técnica

Escrito por Ann Kim
Dirigido por Barry J. Kelly

Exibido em 27/08/2020

Elenco

Tawny Newsome como Beckett Mariner
Jack Quaid como Brad Boimler
Noël Wells como D’Vana Tendi
Eugene Cordero como Sam Rutherford
Dawnn Lewis como Carol Freeman
Jerry O’Connell como Jack Ransom
Fred Tatasciore como Shaxs
Gillian Vigman como T’Ana

Elenco convidado

Haley Joel Osment como tenente O’Connor
Jessica McKenna como alferes Barnes
Paul Scheer como tenente-comandante Andy Billups
Vanessa Marshall como oficial de ciências da Merced

TB ao Vivo

Enquete

Episódio anterior | Próximo episódio

Be the first to comment on "LDS 1×04: Moist Vessel"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*