Easter eggs e referências de “Far From Home”

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO CONTÉM SPOILERS!

No 2º episódio da 3ª temporada de Star Trek: Discovery“Far From Home”, encontramos muitos easter eggs e referências das outras séries e filmes de Star Trek. A seguir, vejam as que encontramos.

Quando vemos o que está acontecendo com a tripulação do outro lado do buraco de minhoca, passamos brevemente pelo efeito “borrado” no rosto de todos, que também vimos na temporada passada em “Such Sweet Sorrow, Part 2”. Este efeito visual é igual ao de Jornada nas Estrelas: O Filme, quando a Enterprise entra brevemente em um buraco de minhoca, causado por um desequilíbrio nos motores de dobra. Em outras referências relacionadas a buracos de minhoca, os créditos de abertura de Discovery agora terminam com um diagrama de uma Ponte Einstein-Rosen. Na ciência real, a Ponte Einstein-Rosen é o conceito teórico de que seria possível viajar no espaço e no tempo através de um buraco de minhoca.

Também o logotipo na abertura do episódio agora reflete o logo modificado de forma completa. No primeiro episódio, “The Hope Is You, Part 1”, havia um logotipo parcialmente modificado.

Poucas naves estelares da Federação caíram em terra, mas, quando a Discovery cai no planeta gelado, lembramos de dois dos mais famosos acidentes de nave estelares na história de Star Trek. Em Jornada nas Estrelas: Generations, a seção disco da Enterprise-D cai no planeta Veridian III. Em Star Trek: Sem Fronteiras, o disco da Enterprise sofreu o mesmo destino. Em Lower Decks, a Cerritos cai em um planeta no episódio 9, “Crisis Point”. Em todos esses casos, as naves que caíram não voaram intactas após o acidente. A única nave de Star Trek que consistentemente decola e aterrissa em planetas, além de naves auxiliares e naves menores, é a USS Voyager. No episódio “Timeless”, de Star Trek: Voyager, a Voyager também caiu em um planeta de gelo.

A Discovery usa feixes de grávitons para amortecer o pouso forçado. Essa tecnologia foi mencionada ao longo de Star Trek, mais notavelmente no episódio “Scorpion, Part 2”, de Voyager.

Reno diz que o planeta onde a Discovery caiu não é Terralísio, um mundo no quadrante Beta, localizado a 51 mil anos-luz da Terra, visitado pela Discovery no episódio “New Eden”. O planeta era habitado por humanos transplantados lá pela viajante do tempo, Gabrielle Burnham, que eles reverenciavam como o Anjo Vermelho.

Já a USS Hiawatha (NCC-815), mencionada aqui pela engenheira Jett Reno (Tig Notaro), foi uma fragata médica, operada pela Frota Estelar, cujos destroços foram encontrados pela Discovery no episódio “Brother”, quando a resgataram.

Na ponte da Discovery há um osnullus vermelho, e um osnullus azul pode ser visto em uma cama biológica na enfermaria. Os osnullus, espécie que servia na Frota Estelar, foram vistos pela primeira vez no episódio “The Butcher’s Knife Cares Not for the Lamb’s Cry”, de Star Trek: Discovery. Eles têm grandes cabeças não humanoides sem boca, com corpos humanoides. A cor da pele de um indivíduo pode variar, incluindo rosa-laranja e azul-roxo, conforme visto nos episódios “Point of Light” e “The Red Angel”, de Discovery. No 1º episódio da 3ª temporada de Discovery, “That Hope Is You, Part 1”, membros dessa espécie figuram na força de segurança órion-andoriana em Hima.

Bryce disse que um transtator na nave precisa de uma reconstrução completa. O transtator foi mencionado no episódio “A Piece of the Action”, da Série Clássica, como sendo uma parte essencial de todos os equipamentos da Frota Estelar.

Tilly cita que a nave não tem rubíndio suficiente para consertar o transtator. Rubíndio (rubindium) é um elemento encontrado na forma cristalina, usado em transponders subcutâneos; também pode ser usado para emitir um poderoso raio laser. No episódio “Patterns of Force”, da Série Clássica, quando o capitão Kirk e Spock foram presos em Ekos, Spock usou cristais de rubíndio, dos transponders implantados em seus braços, para improvisar uma tocha de corte a laser bruta, improvisada e primitiva para escapar.

Quando Georgiou aparece, é mencionado que ela ainda tem “pedaços de Leland” em suas botas. Georgiou diz que alguém precisa “limpar o cubo de esporos” Isso faz referência ao final de “Such Sweet Sorrow, Part 2″, em que Georgiou matou Leland. Aparentemente, ela também pisou em seus restos mortais depois que ele morreu.

A bonita mesa no gabinete do capitão Pike não sobreviveu. Ela está quebrada na sala onde Saru, Tilly, Georgiou e Nhan conferenciam.

Antes de sair da nave, Saru diz que a dra. Pollard dará a Tilly e a si mesmo um “tratamento para que possamos respirar naturalmente”. No episódio “Amok Time”, da Série Clássica, McCoy deu a Kirk uma injeção de tri-ox, para ajudá-lo a respirar mais facilmente na atmosfera do planeta Vulcano.

A pessoa que está limpando o cubo de esporos, chamado de hazmat (hazardous matter – matéria perigosa) por Reno, revela que seu nome é Gene, provavelmente uma homenagem à Gene Roddenberry, criador de Star Trek.

Reno e Stamets determinam que o maior problema com a nave está nos tubos Jefferies. Os tubos Jefferies são as partes de uma nave estelar onde se pode acessar todos os sistemas de trabalho interno. Os tubos derivam seu nome de Matt Jefferies, o artista conceitual que projetou a USS Enterprise original na década de 1960. Todas as versões de Star Trek tinham tubos Jefferies.

Saru e Tilly usan roupas diferentes para fazer o primeiro contato com as pessoas que vivem na Colônia. Burnham e Saru usaram roupas semelhantes ao fazer contato com o povo de Kaminar no episódio “The Sound of Thunder”, de Discovery.  Kirk e McCoy também usam vestes semelhantes no início do filme Além da Escuridão: Star Trek.

A comandante Nhan cita que ficou na Discovery em homenagem a Airiam. A tenente-comandante Airiam era uma ciborgue humana, oficial de ciência da Frota Estelar, servindo a bordo da USS Discovery como oficial de operações de acionamento de esporos. Aparece nos episódios “Context Is for Kings” e “The Butcher’s Knife Cares Not for the Lamb’s Cry”. No episódio “Project Daedalus”, ela foi infectada pelo controle, tentou roubar os dados da Esfera do computador da Discovery e foi ejetada ao espaço por Nhan. Seu corpo foi recuperado e seu funeral ocorreu no episódio “The Red Angel”.

No que pode ser uma divertida metavisualização da série da Seção 31, atualmente em desenvolvimento, Georgiou menciona que a Seção 31 teria implorado para que ela assumisse mais cedo ou mais tarde, mas como “a burocracia é onde a diversão vai para morrer”, ela prefere saltar de universo a universo. Tendo agora feito parte de três “universos” distintos em Discovery – o século 32, o século 23 e o universo espelho -, quem sabe onde ela pode acabar quando a série da Seção 31 finalmente começar?

No bar, semelhantes aos bares do Velho Oeste americano, os personagens são coridanitas. Os coridanitas são uma espécie humanoide do planeta Coridan, no quadrante Alfa. Foram citados inicialmente em “Journey to Babel”, da Série Clássica. Também foram vistos em “Shadows of P’Jem” e “Demons”, de Star Trek: Enterprise, e mencionados de novo em “Magic to Make the Sanest Man Go Mad”, de Discovery. Coridan era um planeta conhecido por ser rico em dilítio, por isso é interessante vê-los representados depois da Queima.

Tilly cita o regulamento da Frota Estelar 256.15, dizendo que “não estamos pirando agora por sermos mantidos com feisers apontados para nós por um bando de estranhos” e que este regulamento determina que “os oficiais devem mostrar comportamento adequado a um oficial o tempo todo”. Este regulamento não vem do cânone de Star Trek na tela, mas sim, de um dos romances, Vulcan’s Forge, escrito por Josepha Sherman e Susan Shwartz e publicado em 1997.

Reno diz que Stamets foi empalado por um “fragmento de sete polegadas de liga de durânio”. Durânio (duranium) é usado para construir a maioria das naves estelares ao longo do cânone de Star Trek. A primeira referência ao durânio vem do episódio “The Menagerie”, da Série Clássica, onde Kirk fala sobre o tipo de material de que as naves auxiliares eram feitas.

Quando Stamets está nos tubos Jefferies, ele é seguido por um dos robôs flutuantes inventados por Reno. Essas criações de robôs improvisados, que Reno apelidou de “as crianças”, foram vistas pela primeira vez em “Brother”.

Zareh (Jake Weber) é um portador, alguém que leva e traz mercadorias, o mesmo trabalho de Book e Cosmo, que aparecem no 1º episódio da 3ª temporada “That Hope Is You, Part 1”. Claramente, alguns portadores são mais legais que outros.

Zareh sabe que todos na tripulação da Discovery são viajantes do tempo, por causa de certas ondas gravitacionais. No famoso episódio “The City on the Edge of Forever”, da Série Clássica, Spock e Kirk foram basicamente levados ao Guardião da Eternidade por causa de estranhas ondas gravitacionais, que mais tarde revelaram emanar de um portal do tempo.

Zareh zomba de Saru por não saber falar uma linguagem que ele chama de pidgin. Na vida real, pidgin é um meio de comunicação gramaticalmente simplificado que se desenvolve entre dois ou mais grupos que não têm uma língua em comum. Ele usa o termo “V’draysh” para se referir a Saru, chamando-o de “capitão V’draysh”. No episódio “Calypso”, de Short Treks, o personagem chamado Craft (Astuto), um humano soldado do planeta Alcor IV, diz ter lutado por dez anos contra os V’draysh. Ele menciona que os V’draysh eram obcecados por “coisas antigas”. O escritor de “Calypso”, Michael Chabon, confirmou mais tarde, no Instagram, que “V’draysh” era uma síncope da palavra “Federação”. É a primeira vez que ouvimos o termo desde “Calypso”.

Zareh diz a seus companheiros para “entrar em contato com o Mercado Telarita” (Tellarite Exchange), e então menciona que ele planeja dar algumas das outras tecnologias de Tilly e Saru para os órions. Isso parece implicar que existem diferentes facções, com diferentes interesses mercantes, como a que Burnham e Book visitaram no episódio anterior de Discovery. Os telaritas e órions são explicados aqui.

Na luta do bar, Saru ataca Zareh com espinhos de sua nuca. Os espinhos do pescoço de Saru foram vistos pela primeira vez em “The Sound of Thunder”. É um traço evolutivo que substituiu seus gânglios do medo, depois que ele passou pelo vahar’ai.

No final do episódio, quando a USS Discovery é resgatada por um misterioso raio trator, visualmente, a série ecoa uma cena da estreia de Discovery. Durante “Battle at the Binary Stars”, a USS Shenzhou, estava à deriva e prestes a ser destruída, quando, no último segundo, um raio trator agarra a nave. Esta foi a USS Europa, uma nave da Frota Estelar que veio para o resgate. Burnham também foi resgatada da nave auxiliar prisional por um raio trator da Discovery, no episódio “Context Is For Kings”, o primeiro episódio em que ela embarca na USS Discovery.

Este é o primeiro episódio em que o nome de Rachael Ancheril (comandante Nhan) aparece na sequência de abertura, depois de ser adicionada ao elenco regular.

E, por último, dei risadas ao perceber que este episódio tem o mesmo nome do último filme do Homem-Aranha, Longe de Casa

Esses são os easter eggs e as referências que encontramos. Se você encontrar mais alguns, coloque nos comentários.

Be the first to comment on "Easter eggs e referências de “Far From Home”"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*