Easter eggs de “That Hope is You, Part 1”

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO CONTÉM SPOILERS!

No 1º episódio da 3ª temporada de Star Trek: Discovery, “That Hope is You, Part 1” encontramos muitos easter eggs e referências das outras séries e filmes de Star Trek. A seguir, vejam as que encontramos.

A primeira coisa que vemos, antes da nave de Book, que tenta superar Cosmo, é um pedaço da seção disco do que parece uma nave da Frota Estelar, com as sigla USS e NCC.

O computador da nave de Book diz a ele que uma anomalia espaço-tempo foi detectada. Esta anomalia é o buraco de minhoca criado por Burnham e os cristais do tempo do episódio final da 2ª temporada de Discovery, “Such Sweet Sorrow Part 2”.

Quando o computador diz a Burnham que o buraco de minhoca está fechando, ela envia freneticamente um sinal de energia com o traje do anjo vermelho. Este é o último dos sete sinais vermelhos da 2ª temporada de Discovery. Em “Such Sweet Sorrow Part 2”, Spock esperou quatro meses para ver o sinal vermelho, que era uma mensagem de Burnham de que a tripulação tinha atravessado o buraco de minhoca em segurança. Esta cena é uma das cenas finais a bordo da Enterprise, no final da 2ª temporada de Discovery.

Michael Burnham menciona que, em seu kit de sobrevivência, tem um pacote de ração de emergência, um feiser e insígnia delta (delta shield). A insignia delta é o distintivo da Frota Estelar. Os fãs se referem a este símbolo como uma insígnia delta há anos, mas esta é a primeira vez que o nome é pronunciado em tela.

Em sua primeira briga com Book, Michael Burnham luta usando a forma de arte marcial Suus Mahna que aprendeu em Vulcano, retratada no episódio Lethe, da primeira temporada de Discovery. Essa arte foi usada por T’Pol no episódio “The Marauders” de Enterprise. Quando Picard chega em a Coppelius, no episódio “Et in Arcadia Ego, Part I”, pode-se ver uma sintética praticando Suus Mahna.

Book menciona que o buraco de minhoca natural mais próximo está a 100 anos-luz daqui. Isso pode ser uma referência ao buraco de minhoca bajoriano de Star Trek: Deep Space Nine. Afinal, não há muitos buracos de minhoca estáveis. Dito isso, tecnicamente, o buraco de minhoca bajoriano não é natural, já que foi construído pelos profetas, mas do ponto de vista de Book, isso pode não importar.

De acordo com Book, toda a tecnologia de viagem de tempo foi destruída após as guerras temporais, que ocorreram em Star Trek: Enterprise. A Guerra Fria Temporal foi um conflito travado entre várias facções de viajantes do tempo, cada uma de diferentes pontos no tempo, e cada uma tentando manipular a história para seu próprio benefício, violando os acordos temporais. A Enterprise NX-01 teve envolvimento frequente em diferentes aspectos da Guerra Fria Temporal, e de fato, seu capitão, Jonathan Archer, foi responsável por sua descoberta pela Terra, no primeiro episódio da série “Broken Bow”. A guerra temporal que aconteceu no final da 3ª temporada de Star Trek: Enterprise e no início da 4ª temporada nos episódios “Storm Front Parts 1 e 2”. A guerra temporal ocorreu no século 31, cerca de cem anos antes de 3188.

O dilítio é mostrado em vários tons de rosa e vermelho no Mercantile, assim como o mineral apareceu em “Skin of Evil” de A Nova Geração.

Book também deseja um recristalizador de dilítio, inventado, como visto no Short Trek “Runaway”, pela rainha Po de Xahia. Em Jornada nas Estrelas IV: A Volta para Casa, Scotty também recristaliza dilítio para ajudar levar a nave klingon de volta ao século 23.

Além do dilítio, Book também discute cristais benamitas, que são necessários para o drive de deslizamento quântico, visto pela primeira vez no episódio “Hope and Fear” de Voyager.

Book diz que velas solares de táquion são lentas para caramba. Isso faz referência ao episódio “Explorers” de Deep Space Nine, onde Benjamin Sisko está construindo uma antiga nave que funciona com velas solares taquiônicas.

Book completa seu discurso sobre diferentes tipos de propulsão e combustível de Jornada nas Estrelas dizendo “nem me fale de trilítio”. No episódio “Starship Mine”, o trilítio era uma espécie de subproduto de resíduos dos motores de dobra, que poderiam ser roubados e transformados em uma arma. Em Jornada nas Estrelas: Generations, trilítio é descrito como um inibidor nuclear que poderia parar toda a fusão dentro de uma estrela por meio de implosão quântica. O trilítio é ainda mencionado em vários episódios de A Nova Geração, Voyager e Deep Space Nine.

Além do evento que ficou conhecido como “A Queima” (The Burn), um segmento de dois anos-luz de subespaço foi destruído pelo gorns.  Gorn é o alienígena apresentado no episódio da Série Clássica “Arena”, que também aparece no episódio “In a Mirror, Darkly, Part II” de Enterprise e no episódio “The Time Trap” da Série Animada. No episódio “Veritas” de Star Trek: Lower Decks, a nave de Rutherford cai em um planeta onde acontece um casamento gorn. A capitão Freeman, da USS Cerritos, tem um boneco do gorn em sua estante, mostrada no episódio “Much Ado About Boimler” de Lower Decks. O capitão Gabriel Lorca tem o esqueleto de um gorn no laboratório, visto no episódio “Context is for Kings” de Star Trek: Discovery.

A menção do gorn ter destruído parte do subespaço significa que partes da rede de comunicação interestelar foram destruídas. Subespaço é a dimensão por onde as pessoas recebem mensagens mais rápidas que a luz ao redor da galáxia em Star Trek. Se partes do subespaço forem destruídas, isso poderia explicar por que o representante da Federação, Aditya Sahil (Adil Hussian), menciona que os sensores de longo alcance falharam, anos atrás.

Transportadores portáteis já foram vistos antes, por exemplo no episódio “Visionary” de Deep Space Nine, onde eram aparelhos muito grandes ou dispositivos de uso único, como visto em Jornada nas Estrelas: Nêmesis ou no filme do universo Kelvin Além da Escuridão: Star Trek. No episódio “Captain’s Holiday” de A Nova Geração, alienígenas viajantes do tempo do século 27 chamados vorgons, pareciam ter tipos semelhantes de transportadores.

Vorgons

Raças alienígenas familiares são vistas no século 32 e incluem andorianos, telaritas, órions, pelo menos um luriano e um cardassiano.

Os andorianos de pele azul apareceram pela primeira vez no episódio “Journey To Babel” da Série Clássica e são membros fundadores da Federação. Na tripulação da Cerritos tem uma andoriana chamada Jennifer, em quem a Mariner esbarra no 5º episódio de Lower Decks“Cupid´s Errant Arrow”.

Os telaritas são uma espécie humanoide semelhante a porcos, do planeta Tellar I. Em 2161, seu mundo natal tornou-se membro fundador da Federação Unida de Planetas. O capitão Durango, da USS Merced, é um telarita, no episódio “Moist Vessel” de Lower Decks.

Os lurianos, são uma espécie humanoide nativa do planeta Luria.  O mais famoso é Morn, dono de um negócio especializado no transporte de cargas e cliente frequente do bar do Quark em Deep Space Nine. No episódio “Envoys” de Lower Decks um luriano aparece na luta do bar andoriano.

Os órions de pele verde foram mostrados pela primeira vez em “The Cage”. Sua cultura foi explicada no episódio “Bound”, de Star Trek: Enterprise. Apareceram ainda em outros episódios da Série Clássica, da Série Animada e de Enterprise e nos três filmes da linha do tempo kelvin. A personagem Tendi, de Lower Decks, é uma órion. Apareceram em Discovery no episódio final da 1ª temporada e no Short Trek “The Escape Artist”.

Um dos atacantes de Book e Burnham é cardassiano. Os cardassianos foram um dos maiores inimigos da Federação Unida de Planetas e do Império Klingon, quando a União Cardassiana se juntou ao Dominion.

Book diz ao andoriano que há um mercado real para essas coisas, quando ele está tentando vender um tricorder de Burnham. Isso parece uma referência à ideia de que adereços vintage da Série Clássica ou de A Nova Geração valem muito dinheiro. Basicamente, o que Burnham tem são adereços vintage de Star Trek, como os que muitos fãs colecionam.

Enquanto tenta fazê-la falar, Burnham é atingida por algum tipo de narcótico, que a deixa muito feliz. Ela diz que a droga a faz falar e depois diz: “Eu tenho uma amiga de cabelo ruivo, você não pode dar isso a ela”. Isso faz referência a Tilly, mais especificamente, à ideia de que Tilly usou algumas drogas no episódio final da 1ª temporada de Discovery, “Will You Take My Hand?”.

O inimigo de Book, Cosmo Traitt, feito por David Benjamin Tomlinson, que também atua como Linus em Discovery, é um betelgeusiano. Um betelgeusiano, tripulante da divisão de ciências da Frota Estelar, serviu a bordo da USS Enterprise durante o incidente V’ger, em Jornada nas Estrelas: O Filme.

O verme cuspindo Michael Burnham lembra o primeiro episódio de Lower Decks, “Second Contact”, onde Boimler é cuspido pela aranha gigante do planeta.

Michael Burnham cita a Lei de Espécies Ameaçadas, uma lei da Federação que protegia espécies ameaçadas de extinção, que constam de uma lista. Se uma nave da Frota Estelar se deparar com uma espécie em extinção, o protocolo exige o transporte da criatura para uma instalação de refúgio ou um santuário. Um capitão da Frota Estelar que se recuse a fazê-lo corre o risco de uma corte marcial. Foi citada no episódio “Magic to Make the Sanest Man Go Mad” de Discovery, com respeito ao gormagander, que fazia parte da lista.

Gormagander na tela da Discovery

O episódio termina com Burnham e Sahil desfraldando a bandeira da Federação Unida de Planetas. Ela parece ter menos estrelas sobre ela do que a bandeira da era de A Nova Geração, como a do episódio “First Duty”, e de Deep Space Nine, como a do episódio “Homefront”. Sahil diz a Burnham que tem vigiado este posto por 40 anos, o que parece implicar que esta bandeira da Federação tem pelo menos 40 anos, se não mais velha. Não sabemos se a Federação começou a perder membros antes da Queima ou se essa bandeira é posterior.

O Mercantil do planeta Hima foi filmado na Hearn Generation Plant, na área de Toronto, o mesmo local que serviu como a USS Hiawatha no episódio “Brother”, e como a base de Essof IV em “The Red Angel” e “Perpetual Infinity”, de Star Trek: Discovery.

E aí, achou mais algum easter egg ou referência? Escreva nos comentários os que você encontrou!

 

Be the first to comment on "Easter eggs de “That Hope is You, Part 1”"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*