Designer de Picard compara Star Trek: Legacy com Fase II da série original

O designer de produção de Star Trek: Picard, Dave Blass, conversou com Warp Factor Trek sobre seu trabalho na série e inevitavelmente, o assunto Star Trek: Legacy surgiu no decorrer da discussão.

Dave Blass tem boas lembranças de seu conhecimento inicial em Star Trek.

Minhas primeiras experiências com Star Trek remontam à série original. Eu nasci em 1968, então assisti em reprises, o que foi ótimo porque não era uma daquelas coisas em que você tinha que esperar uma semana inteira antes de começar. Eu meio que cresci com a série original e depois com a série animada. Então, eu fui um grande fã, tinha os bonecos de ação originais da Mego e tudo mais dessa natureza. Essa foi minha introdução à ficção científica também.

Blass comenta sobre a reação ao saber que Picard continuaria com a história de um dos ícones de A Nova Geração.

Eu era como qualquer fã. Fiquei animado com a continuação da história e esperava que fosse feito por pessoas que adorassem a série. Achei que a 1ª temporada teve um ótimo arco de história. Michael Chabon (roteirista) fez um belo trabalho ao abordar os demônios internos que assombram Picard, e toda a situação com os Romulanos foi muito bem feita. Então, acho que foi uma coisa bem feita.

Após a produção da primeira temporada, Dave Blass foi convidado a substituir Todd Cherniawsky, que havia sido o Designer de Produção da 1ª temporada.

Todd tinha saído para fazer vários outras séries, uma das quais era Obi-Wan. Para mim, entrar em Picard foi principalmente pegar o conceito original de Star Trek e trazê-lo para um mundo moderno. Na primeira temporada, eles não tinham nenhuma nave da Federação, não até o final. Mas tive a ideia de dizer: ‘Ok, vamos dar uma olhada no que foi feito no passado, usar isso como um guia e tentar atualizá-lo em vez de alterá-lo completamente.

Para a segunda temporada, Blass se inspirou em épocas anteriores específicas de Star Trek.

No meio das filmagens da segunda temporada, tivemos uma exibição do filme First Contact e o trabalho maravilhoso que Jonathan Frakes fez nisso. Então, acho que First Contact estava no topo da nossa lista novamente por causa da ligação com o elenco, do fato de Jonathan ter dirigido e da Rainha Borg. Então, provavelmente assistimos isso dez vezes enquanto estávamos filmando, e, então, a segunda temporada foi muito para mim sobre Voyage Home porque é uma viagem no tempo. Mas também assistimos muito Voyager e Deep Space Nine, o episódio “Past Tense” e os episódios em que a Voyager volta aos dias atuais. É divertido porque vimos muitos desses episódios, mas não voltamos e os revisitamos, então, foi divertido fazer isso. O cenário contemporâneo da segunda temporada também foi influenciado pela adaptação de The City on the Edge of Forever”(Cidade à Beira da Eternidade). Tiramos um monte de coisas daí.

Imediatamente após a filmagem da 2ª temporada, chegou a hora de produzir a 3ª temporada.

 Filmamos as temporadas 2 e 3 consecutivas e isso foi um desafio porque, especialmente no início da 3ª temporada, não houve muito tempo para se preparar em design e foco. Esse era o plano inicial, fazê-los consecutivamente. Então, tivemos temporadas consecutivas em cima de uma pandemia, e isso foi um desafio.

À medida que avançamos para a terceira temporada, o programa se tornou mais centralizado na nave estelar, então, era menos sobre explorar locais e mais sobre a construção de cenários de naves estelares.

Dave Blass observa que Star Trek: Picard se destaca como uma entrada única na franquia.

Acho ótimo, porque é um projeto legado que traz o passado adiante e, no que diz respeito as novas séries, é realmente o único que está diretamente ligado a um dos shows anteriores. Onde Strange New Worlds e Discovery estão realmente ligados à série original, é algo próprio. Eles não estão diretamente ligados a Enterprise, mas estão de várias maneiras.

O designer se sente extremamente orgulhoso de ter trabalhado em Star Trek: Picard.

Meu aspecto favorito de trabalhar em Star Trek é finalmente conseguir projetar Star Trek depois de tantos anos querendo fazê-lo, realmente me jogando nisso e fazendo o que eu achei que eram os designs certos, e, então, ver os fãs reagirem a isso, tanto bons quanto ruins. É ótimo ver tantas pessoas apaixonadas, seja pelos divertidos debates sobre carpetes ou, você sabe, isso ou aquilo. Eu amo que os fãs sejam apaixonados por isso. Eu amo que eles amem as coisas que fizemos. Adoro que eles odeiem as coisas que fizemos, porque se o que você fez foi tão sem sentido que ninguém se importa, isso é a pior coisa do mundo. Mas acho que se você está tentando ir além e fazer algo diferente e importante, você nunca vai agradar a todos. Se as pessoas não odeiam suas coisas, você não está se esforçando o suficiente. Então, eu acho que isso é ótimo, ter fãs. Tenho centenas de e-mails de fãs que disseram que a terceira temporada de Picard os fez chorar e os reconectou com seus pais. Esses tipos de coisas não têm preço.

Star Trek: Legacy

Tem havido muita discussão no fandom sobre a série proposta pelo produtor Matalas, Star Trek: Legacy. Blass acha que ainda tem possibilidade de ser feito.

Citando a Paramount, Star Trek: Legacy não é algo que existe, então, não está em desenvolvimento e não está de forma alguma avançando. Até que isso mude, é apenas uma ideia legal. É como a Phase II da Série Clássica. Na verdade, isso recebeu luz verde e estava avançando, mas Legacy é apenas uma boa ideia. É ótimo que os fãs gostem e queiram, e talvez isso aconteça em algum momento. Mas agora, não é nem remotamente uma coisa que exista. Isso não acontecerá a menos que algo enorme aconteça. A Paramount está em plena produção da Seção 31 e da Academia da Frota Estelar.

Star Trek: Phase II foi uma tentativa de ressuscitar a franquia depois que a Série Clássica foi cancelada no fim da 3ª temporada. Embora nunca tenha sido realizada, serviu como ponto de partida para a produção do primeiro filme da franquia Star Trek: The Motion Picture.

Para Blass, mesmo que seja anunciado um dia, o projeto levará muito mais tempo até que esteja pronto para as filmagens, exigindo a construção de cenários e a escrita de roteiros. Mas o artista permanece esperançoso de que a série proposta receba o sinal verde:

Levaria um ano até começarmos a filmar. Tudo leva tempo e muito dinheiro. Mas acho que todos adorariam ver isso acontecer.

Para o designer é importante que Star Trek continue a expandir suas fronteiras.

Eu amo todos os programas de Star Trek. Não acho que haja necessariamente uma série ‘ruim’ de Star Trek. Então, eu realmente amo todas elas e acho que cada uma é única à sua maneira. Existem criadores por aí tentando evoluir o mundo de Star Trek em diferentes direções e os fãs precisam apenas estar abertos a novas ideias. Temos que ser tolerantes. Eu acho que isso é realmente importante. Não estou mais no universo Star Trek. Assim como no verso de JJ, eles vão com diferentes equipes de pessoas para fazer os novos shows. Desejo-lhes tudo de melhor.

Além de Blass, quem torce também pelo spin-off de Picard é a atriz Michelle Hurd. A intérprete de Raffi Musiker nas três temporadas de Picard, acredita que há sempre a chance de Star Trek: Legacy sair das ideias, e ela está pronta para embarcar na Enterprise-G. Em entrevista recente a  TV Insider disse:

Eu amo Raffi. Ela é minha personagem favorita. Temos mãos, dedos, tudo está cruzado para Star Trek: Legacy acontecer. Eu sei que agora eles estão trabalhando na Seção 31 de Michelle Yeoh. E, então, eles vão fazer Academia da Frota Estelar. Isso vai ser uma série. E, então, se os fãs ainda quiserem, eles começarão a trabalhar em Star Trek: Legacy.

No ano passado, uma petição pedindo Legacy obteve quase 64.000 assinaturas, mais do que o dobro da petição assinada pedindo um spin-off de Discovery com o Capitão Pike. Um ano após o lançamento da petição, Star Trek: Strange New Worlds foi anunciada. Os fãs também fizeram campanha para o retorno de Star Trek: Prodigy, depois que o Paramount+ removeu a série animada de sua programação, passando agora a ser exibida pela Netflix.

No entanto, a Paramount Global enfrenta cortes de custos em 2024, incluindo uma nova rodada de demissões. Os gastos com streaming foram reduzidos. No momento, o Paramount+ está em produção de uma terceira temporada de Strange New Worlds e do filme da Section 31, que está programado para começar a ser rodado no final deste mês. Além disso, temos uma nova série em pré-produção, Starfleet Academy, com filmagens previstas para começarem este ano. A quinta temporada da animação Star Trek: Lower Decks também está em andamento, com previsão de chegada ainda este ano. Sem contar com Star Trek: Discovery que lançará este ano sua última temporada. Portanto, teremos de esperar um pouco mais para que o estúdio sinalize para um novo projeto.

Fonte: Screenrant e TrekMovie

Acompanhe o Trek Brasilis nas redes sociais para ficar por dentro de todas as novidades de Star Trek:
YouTube | Telegram | Facebook | Instagram | Twitter