Entrevista com Connor Trinneer

O site TrekCore teve a oportunidade de conversar com o ator Connor Trinneer, conhecido pelos fãs como comandante Trip Tucker da série Enterprise, quando de sua presença na convenção Destination Star Trek London, onde falou sobre sua passagem por Jornada e os trabalho atuais.

Voltando a 2001, como foi a sensação de fazer um teste para uma série de Jornada?

Connor Trinneer: Bem, infelizmente, não fez muita diferença se era uma série de Jornada. Na época, eu não sabia o que eu estava começando, eu não era um fã de sci-fi, e não era um fã da franquia. Na época, eu apenas achei que eu estava entrando em uma grande série. Não havia nenhum piloto, estávamos indo direto para a série assim, no momento, sinceramente eu não sabia o que eu estava me metendo. Risos

Como foi que você descobriu sobre o papel? Foram os produtores que o encontraram?

Connor Trinneer: Não, não – foi muito mais simples do que isso. Eu simplesmente fiz o teste para o papel. Ninguém estava olhando para mim. Eu só entrei na sala e aconteceu que eles gostaram do que eu fiz, e depois de vários testes acabei ficando. Não houve pressão ou qualquer coisa assim. Foi sorte.

Houve muita concorrência para o papel?

Connor Trinneer: Ah, sim. Tanto quanto eu tenho dito, a emissora tinha uma pessoa que eles estavam realmente interessados Para qualquer parte regular da série, não vai ser um par de centenas – algumas centenas de pessoas de leitura para o papel.

Então foi pura sorte que você entrou?

Connor Trinneer: Foi sorte que eu tive, mas eu tenho estado em torno deste negócio há tempo suficiente para saber que eles costumam acertar no elenco. Havia algo sobre o que eu fiz, o que eu estava fazendo, que eles achavam que era tipo da alma perfeita para o personagem. Isso é uma das coisas estranhas sobre este negócio – eu acho que eu era perfeito para algo ou brilhante para alguma coisa ou tive um teste incrível, mas no final das contas, eles poderiam ter estado à procura de algo mais. Você meio que tem que ir em frente e fazer o que você faz e então espera que eles gostem do que você faz. Até o momento em que cheguei para o teste da emissora, eu ainda tinha que ir buscá-lo

O que te atraiu para o papel de Trip, ou você estava apenas grato por estar em um emprego estável?

Connor Trinneer: Bem, eu não tinha certeza do que esse personagem ia ser, tudo o que eu tinha eram sete páginas de um teste. O que eu descobri sobre Trip aconteceu no trabalho.

Então não havia realmente muito de um personagem concretizado antes da série começar a gravar?

Connor Trinneer: Ah, não, não, não. Pelo que me lembro era assim a definição: “Ele é um menino bom e do velho sul. Quando ele vai para o espaço ele é um peixe fora d’água”. Nós não estávamos autorizados a ler o roteiro do piloto, não fomos autorizados a ler qualquer coisa. Foi apenas aquelas poucas páginas que tive.

Foram essas poucas páginas que informaram o estilo com que você faria o papel, ou foi-lhe dado mais direção a partir dos produtores?

Connor Trinneer: Não, isso veio de mim. Ele deveria ser do sul, e foi só isso. E você sabe que como ator, você é uma espécie de filtro que, através de sua imaginação e sua arte apresenta um personagem tridimensional que está fluindo através de você, e é esse tipo de coisa que faz todo o papel diferente se ele é interpretado por várias pessoas. Sim, é uma espécie de alquimia que você faz ao pegar as informações, filtra-as através de si mesmo, e no final, você só tem que dizer a verdade. E como a verdade que vem de você, como as pessoas respondem a você fica que fora de suas mãos.

Enterprise fez seu 10 º aniversário no ano passado – o tempo mudou sua opinião sobre a série?

Connor Trinneer: A minha opinião não mudou muito. Mudou a opinião de outras pessoas, eu acho. Creio que as outras pessoas são mais receptivas para a série. Eu ouvi mais pessoas dizerem nos últimos anos o quanto elas gostavam da série. Mesmo os fãs que – naquela época – nem mesmo assistiram, tem se surpreendido com o quanto eles gostaram da série. As pessoas que revisitaram a série, tenho a impressão de que gostam mais agora do que quando assistiam.

A série sofreu uma grande sacudida na terceira temporada, e depois mais uma na quarta. Quando você teve a sensação de que a série estava no seu melhor momento?

Connor Trinneer: A terceira temporada foi meio difícil em termos da história que estávamos tentando contar. Eu gosto muito da quarta temporada, eu gosto das duas primeiras temporadas. Eu até gosto da terceira temporada, mas você tem que lembrar que onze de setembro aconteceu muito rápido, e eu acho que influenciou – se não tudo – então muito do que fizemos depois. Eles deram uma forçada nessa história para a terceira temporada. Você sabe, como você pode dizer que seus episódios favoritos não são os únicos que você estava? Quero dizer qualquer ator diria isso, é difícil dizer quais … Tenho episódios que estão perto de meu coração em cada temporada. Eu tive sorte de ter um monte de histórias em meu caminho. Mais uma vez, eu não assisti a série como um fã – eu assisti com uma espécie de lente diferente.

Você já disse no passado que o cancelamento de Enterprise foi resultado da Paramount. Você acha que sua série tivesse aparecido 10 anos antes (da estreia) você teria feito a 5 ª temporada e além?

Connor Trinneer: Eu não sei. Eu já disse um monte de coisas diferentes porque a série foi cancelado. Eu acho que um dos motivos pode ter sido a de que a franquia estava com um número X de anos seguidos e que era hora para uma pausa. Eu sei que havia um monte de coisas acontecendo na emissora (UPN), que não existe mais. Eu não tenho idéia porque a série foi cancelada. Eu vou te dizer uma coisa que eu sei – é que não basta as pessoas assistirem. Se ela tem grandes classificações de audiência, ninguém vai cancelar sua série. Então, nós tivemos os mesmos votos, se não muito semelhante ao das outras duas antes, e só aconteceu para acertar o ralo. Mas, realmente, porque foi cancelada é uma questão para o andar de cima, do alto escalão e dos produtores. Nós fomos os últimos a descobrir que ela havia sido cancelada, e isso é porque nós éramos os atores da série. Você sabe, nós não escrevemos, não produzimos, nós não estávamos lá nas reuniões do conselho.

Muitos atores de diferentes séries de Jornada tem ficado atrás das câmeras dirigindo seus próprios seriados. Você já foi tentado a experimentar isso e você teve a oportunidade?

Connor Trinneer: Vários de nós realmente queríamos. Mas isso desceu do escritório da Paramount em que eles não iriam permitir isso em nossa série. Eu não sei porque, eu acho que sou um dos que lamenta que muitos de nós não tenham sido capazes de obter essa experiência com a ferramenta para dirigir. Eu gostaria de ter sido capaz de fazer isso. É muito mais difícil começar a dirigir fora de uma série em que você está. É um luxo ter essa oportunidade de aprender e de ter pessoas ajudá-lo ao longo do caminho em que você está trabalhando. Isso só não aconteceu para nós.

Leve-nos um pouco nos bastidores de Enterprise. Você ainda sai com o elenco hoje, e qual era a dinâmica no set?

Connor Trinneer: Sim, eu estou aqui no aeroporto com Dominic Keating (tenente Reed), nós estamos voando juntos. Eu vejo muito Dominic como um amigo meu. Vai ser bom ver Scott [Bakula] e Anthony [Montgomery] em Londres. Uma das coisas sobre estas convenções, que é bom para os atores, é que você começa a conhecer os atores das outras séries, você começa a ver uns aos outros agora e depois. Você começa a se reconectar e jantar, qualquer que seja. É uma pequena reunião agradável de certa forma. Da minha parte, que eu saiba sobre o nosso elenco, todos nós nos dávamos bem. Algumas pessoas ligadas melhor com outras, assim como a vida. Sim, nós nos dávamos muito bem!

O que você sente sobre essas convenções? Algumas pessoas ridicularizam, outras são loucas por elas. O que passa pela sua cabeça quando você está andando no palco na frente de milhares de fãs? Deve ser bastante surreal.

Connor Trinneer: Sim, eu acho se alguém que disser que centenas, se não milhares de pessoas gritando seu nome não é uma grande coisa é um mentiroso! Elas são ótimas, eu não sei de um ator que estive lá que não se considera muito feliz por ter essa longevidade em termos do que acontece nessas convenções. Eles apenas continuam indo e indo.

O que você pensa sobre o seu tempo em Stargate Atlantis, e como é que diferem de Enterprise atuando através de próteses?

Connor Trinneer: Os papéis eram apenas como a noite e o dia, não há comparação entre os dois. Eles não poderiam ter sido mais opostos. A experiência de trabalho com esse tipo de papel foi ótimo, porque eu tive que usar a minha imaginação de uma maneira muito diferente do que eu estava fazendo por um bom tempo em Enterprise. Mas de novo você toma apenas as informações que você tem, filtra-a através do personagem que você deveria estar interpertando e depois espera que ele funcione!

Finalmente Connor, diga nos – você se sentiu desconfortável atuando através das cenas em que aparece semi nu com Jolene Blalock na câmara em Enterprise?

Connor Trinneer: Não, ninguém sentiu. Fomos cobertos neste gel que, depois de cada tomada, tivemos que passar esta toalha seca e esfrega-la nos nossos corpos, assim até o final da noite, estávamos vermelhos igual beterraba. Não há nada de orgânico sobre a experiência de fotografar com cinco ou seis ângulos diferentes quando a cena era para ser sexy ou o que seja. Ela não foi grande coisa também! Eu sou um ator, eu só estou fazendo meu trabalho.

12 Comments on "Entrevista com Connor Trinneer"

  1. Um bom ator que levou bem o personagem.
    aliás acho que Enterprise teve um dos melhores elencos da franquia.

  2. Sandro, concordo plenamente contigo! O elenco de Enterprise era espontâneo, com uma química incrível. Foi por isso mesmo que essa é a minha série preferida, porque é a que mais se aproxima da nossa realidade, com personagens bem “humanos”, digamos assim. Não há toda a rigidez e idealização, que são características marcantes da TNG, por exemplo.

  3. Ele foi um dos melhores do elenco, fez um trabalho incrível no episódio em que um clone do Trip precisa morrer para que o original sobreviva.

  4. A melhor cena desse cara é quando ele e Tpol estão cientes da morte da “filha” deles. O cara é muito bom. Sim, o elenco todo era fantástico e a química entre eles era espetacular.

  5. Acho esse ator muito sobestimado. Gostaria muito de vê-lo num longa-metragem fazendo um grande papel: ele merece! 🙂

  6. Subestimado, perdão!

  7. ENTERPRISE foi um excelente seriado, gosto dos 4 anos. Pena não terminado prematuramente.

  8. Pena mesmo VERDE. De todas as séries, foi a única que assisti do começo ao fim no periodo em que estava passando na TV…..bom, na verdade eu baixava os episodios; mas não foi como com as outras séries, que já haviam terminado e eu conseguia assistir aos episodios no finado canal USA. Enterprise dava bem para 7 temporadas, se seguissem o ritmo da quarta.

  9. Concordo, David. A quarta temporada foi a melhor, pois estava focada em explicar a origem de muitas coisas de Jornada…

  10. Waldomiro Vitorino | 2 de novembro de 2012 at 10:50 am |

    Olá pessoal, criei um podcast inteiramente dedicado ao universo de Star Trek.

    O 1º episódio de “SEÇÃO 31 – Star Trek Podcast” está online pessoal. Gostaria muito que ouvissem.

    Baixem, ouçam e comentem.

    Valeu!

    http://secao31.blogspot.com.br/

  11. Waldomiro Vitorino: valeu!!! baixando e ouvindo….

  12. Sim, o cara é bom, ele aguenta um papel na telona…

Leave a comment

Your email address will not be published.


*