Antes do aguardado próximo episódio de Star Trek Discovery e seu enigmático título “The Butcher’s Knife Cares Not For The Lamb’s Cry” (A faca do açougueiro não se importa com o choro do cordeiro) trazemos para você o que rolou sobre a série no ComicCon New York, com a presença de parte do elenco, além de outras informações.

Discovery em game.

Esta semana a série Discovery fez uma nova estreia em outra plataforma.

O jogo para celular e PC Star Trek: Timelines introduziu Discovery na sua grade e lançou um mega-evento “Discovery: A New Anomaly” de um mês. Aqui está a sinopse da história

A USS Shenzhou chegou hoje com um estrondo: a nave parece estar envolvida em uma nova forma de anomalia temporal que pode viajar com ela. À medida que a Shenzhou se move através do Quadrante Alfa, ela deixa uma trilha de partículas chronitons e pessoas deslocadas por trás disso, trazendo caos fresco para a galáxia, onde você trabalhou muito duro para manter-se intacta. Pior ainda, a Shenzhou não responde a saudações da Frota Estelar ou de qualquer outra pessoa. Estamos preocupados com o fato de algo terrível acontecer com a Shenzhou e sua equipe. Cabe a você perseguir o Shenzhou, determinar o destino de sua equipe e parar a nova onda de destruição na linha do tempo.

Veja um breve preview do jogo. Mais detalhes acesse o site  arcgames.com.

“After Trek” revela a importância da criatura Tardígrafo Tardígrado.

O programa After Trek da Netflix, que aborda o episódio da semana, falou sobre o terceiro episódio “Context Is for Kings”, e teve como convidados no estúdio o produtor Aaron Harberts e a atriz Mary Wiseman (Cadet Sylvia Tilly). Houve algumas revelações sobre a série e a mais interessante foi a respeito da criatura que estava na USS Glenn.

Há muito mistério relacionado à criatura. Harberts revelou que será um elemento importante e desenhou alguns paralelos interessantes com o animal microscópico chamado tardígrafo tardígrado, dizendo:

Não apresentamos nada para simplesmente não apresentar resultado. Esta criatura é vital para a nossa série. Essa criatura é vital para a jornada de Burnham. E o público deveria olhar para este “monstro” como uma espécie de metáfora para [Michael] Burnham. E no próximo episódio Burnham vai enfrentar o que isso significa. Ela é um monstro ou ela não é?

Falando sobre a inclusão de Amanda, a mãe de Spock, na história de Burnham, Harberts disse:

“Pensando na Amanda e tentando não só incluir essa filha humana, com a compreensão de que nem sempre a lógica se aplica, mas também… O que ela leria para seu filho? As expectativas para o filho foram bem diferentes. Então, tentando também expandir o mundo de Spock e tentando mostrar a ele que a lógica não dita tudo.

Acho que foi a forma com que essa mãe humana conseguiu sensibilizar seus filhos, já que Michael quer tanto agradar Sarek e provar que ela é a maior esperança para a humanidade por ter sido educada no sistema Vulcano”.

Para Harberts, a história que sua mãe adotiva contava quando criança serviu como um ponto de segurança para ela no momento em que corria pelo tubo jeffreis.

Então, temos os cogumelos na nave e em Alice no País das Maravilhas, coisas que se encaixam e que quase que serviram como talismã, quase que como uma prece para ela se equilibrar”.

Outra discussão no programa girou em torno do misterioso “estudo” de Lorca, que também é chamado de sua “coleção particular”, onde colecionava “coisas” e “pessoas”. Harbert confirmou que Lorca realmente tem um esqueleto de Gorn, frisando que eles estão cientes de que isso é anos antes do episódio da série original “Arena”, mas não necessariamente significa que ele encontrou o Gorn. Tudo faz parte do mistério de Lorca, com Harberts mantendo o mistério: “onde ele conseguiu?”. O produtor também disse que o Pingo de Lorca é “esterilizado e castrado”.

Outros pontos revelados pelo programa.

  • Alferes Tilly recebeu o nome da sobrinha de 2 anos da co-produtora Gretchen J. Berg.
  • A temporada 1 não incluirá visitar o planeta natal de Saru.
  • Harberts descreveu a oficial de segurança Landry (Rekha Sharma) como uma “verdadeira devota” a Lorca, e que “ama Lorca”.
  • O hangar de naves auxiliares é virtual. Os atores ficam numa sala verde. Por incrível que pareça é o set mais caro da série.
  • O nome Stamets foi tirado de Paul Stamets, um micologista americano na vida real, que se inspirou na viagem de seu irmão pela busca dos “cogumelos mágicos”.
  • No refeitório da Discovery há memoriais as naves perdidas em batalha, incluindo a Europa e a Shenzhou

Elenco presente na Comic Con New York.

A convenção New York Comic Con começou na quinta-feira no Javits Center, em Nova York, NY e apresenta, entre outras novidades, um stand exclusivo sobre Discovery, além de um painel que ocorreu neste sábado.

No salão lotado do Madison Square Garden, os atores Sonequa Martin-Green, Jason Isaacs, Doug Jones, Shazad Latif, Mary Wiseman, Anthony Rapp, Mary Chieffo e Wilson Cruz, juntamente com os produtores executivos Alex Kurtzman, Gretchen J. Berg, Aaron Harberts, Heather Kadin e Akiva Goldsman trouxeram mais novidades sobre a série e alguns spoilers. O painel foi moderado pela ex-astronauta da NASA, Dr. Mae Jemison, principal fã de Star Trek, a primeira mulher negra no espaço. Ela é líder da iniciativa Starship de 100 anos promovendo as capacidades de viagens interestelares humanas.

Outro evento em Nova York, o PaleyFest, também teve como tema a série Discovery,  foi realizado no The Paley Center for Media, após o Comicon.

Abaixo um resumo dos pontos mais importantes.

A volta do capitão Georgiou.

A primeira surpresa revelada foi o anúncio da volta de Michelle Yeoh, no papel do capitão Georgiou. O anúncio foi feito pela própria Michelle, que surgiu repentinamente no palco. Numa brincadeira aos presentes, ela apareceu escondida debaixo de uma máscara e fingiu ser uma fã fazendo a pergunta: “O capitão Georgiou está voltando?”Então revelou sua identidade e foi recebida por aplausos pelo público.

“Não vou deixá-los me matarem, ok?”, disse Yeoh acrescentando brincando.

“A viagem mais incrível foi com a Sonequa. Então, eu estou lhe dizendo, capitão Lorca, se você não cuidar da minha garotinha, eu irei chutar sua bunda. E você sabe que posso fazer isso “.

“Eu diria que gostaria de ver você tentar”, respondeu Isaacs, “mas eu realmente não gostaria de ver você tentar”.

A produtora executiva e co-showrunner Gretchen J. Berg confirmou que Michelle Yeoh estará de volta a Discovery, assegurando que: “Você vai ver mais desta mulher nesta série”.

Uma série sombria, mas diferente de Deep Space Nine.

Outro ponto discutido foi sobre o tom da série. A anfitriã Mae Jemison levantou o questionamento: “Este Star Trek é um pouco mais sombrio. Isso é justo? ”

O produtor executivo Akiva Goldsman esclareceu:

A verdade é que o que estávamos falando esta noite quando falamos sobre Star Trek são os personagens, que é realmente relativamente diferente do que você faria nos Treks anteriores. Até certo ponto, seria diferente de Deep Space Nine.

Discovery é uma narrativa totalmente serializada. Nessa narrativa, podemos contar histórias de personagens sobre o enredo. O que não sugere que não tenhamos uma trama. Se Jim Kirk tivesse que lidar com a morte de Edith Keeler em “Cidade À Beira da Eternidade” como se fosse a vida real, seria preciso uma série inteira ou uma temporada. Em Discovery podemos esticar essas emoções por uma temporada.

Nossa história é a origem do sentimento que é a série original. É por isso que estamos 10 anos antes da Série Clássica. Mas não começamos lá. Chegaremos lá. A nome da série é Discovery não por acidente. É a história de como essas pessoas descobrem quem são. Na narrativa longa, você recebe o presente de começar de alguma parte. Nós somos camadas, complexas, escuras e leves, porque o melhor de Star Trek é sempre tudo isso”.

Entendendo os Klingons.

Um tema que não poderia deixar de ser discutido é a respeito dos Klingons.

O co-criador Alex Kurtzman falou sobre por que eles decidiram fazer a primeira temporada sobre a guerra Klingon.

Quando concebemos a idéia de ter sido a primeira temporada sobre a guerra com os Klingons, era extremamente importante para todos nós garantir que representássemos os dois lados da guerra de forma compreensível e confiável. E enquanto os Klingons receberam um tratamento específico em várias iterações no passado, precisávamos saber o que era para eles passarem por isso também. E para humanizá-los por falta de uma palavra melhor.

Kurtzman continuou:

A verdade é que queríamos mudar a perspectiva de todos sobre o que os Klingons são. Porque eles são tão tradicionalmente relegados para serem apenas os maus. E isso significou fazer mudanças visuais também, enquanto espero manter o espírito original dos Klingons originais.

Você verá muitos Klingons diferentes. Todos foram construídos em torno da premissa central do que são Klingons. É importante para nós humanizá-los, dar uma história à sua experiência. Dar uma compreensão à sua cultura, dar uma compreensão do por que eles querem o que querem. Se não fizéssemos isso e os fizéssemos um cara ruim unidimensional, não sería Star Trek.

Mary Chieffo, que interpreta Klingon L’Rell, observou quanto trabalho é realizado nas cenas dos Klingon.

“É preciso de muita gente para falar Klingon”, disse ela. Em cada episódio, eles trabalham com linguistas Klingon e passam tempo extra em ensaios para garantir que as traduções estejam corretas. “Comparo muito isso com Shakespeare”, disse Chieffo. “Uma vez que você sabe do que está falando, você realmente pode se conectar com a pessoa que está olhando para você”.

A saga de Burnham.

O painel também abordou o arco da personagem Burnham e como ela está no caminho da redenção. Para dar-lhe esse arco, os escritores sentiram que era crucial começar Burnham com uma incrível desvantagem emocional. Após a Batalha das Estrelas Binárias, ela tem que aceitar a ideia de que suas ações resultaram na morte “não só de seu capitão, mas também de sua mãe substituta, sua melhor amiga”, explicou Alex Kurtzman.

Isso lhe dá um longo caminho a percorrer. Isso lhe dá uma história de redenção. A ideia de iniciá-la em seu ponto baixo, sentimos que era essencial dar-lhe esse caminho.

Kurtzman também notou a importância de Georgiou na vida de Burnham: “Georgiou representa a humanidade de Burnham”. Georgiou é a primeira pessoa na vida de Burnham a dizer-lhe que ela não precisa reprimir suas emoções ou sua humanidade.

Sua infância em Vulcano deu forma a Burnham. Cresceu em um mundo onde encarar a humanidade absoluta foi muito difícil para ela. “Nós entenderemos que ao longo da temporada ela tem tido uma vida difícil”, disse Kurtzman. Burnham nunca teve uma casa real. Ao longo desta temporada, ela estará procurando por uma.

Quando perguntado por um fã se houve algum romance com Michael, Sonequa respondeu: “Tudo o que vou dizer … estamos cobrindo tudo. Com todos. Vê o que estou dizendo?

A ciência em Discovery.

Os membros do painel concordaram que a ciência é fundamental para a história de Star Trek. Como Mae Jemison disse: “Um dos personagens de Star Trek é a ciência”. E é evidente que os escritores se preocupam não apenas com a obtenção da ciência, mas sobre integrá-la na história.

“A ciência é tão importante para Star Trek que, antes de começarmos, tivemos esse incrível painel de reflexão com 10 cientistas que representam todos os diferentes tipos de ciência”, explica a produtora executiva Heather Kadin. “Lembro-me da  coisa maravilhosa para mim que foi ao perguntar para os cientistas: “Você pode se transportar de um lugar para outro?… Uma pessoa disse que você poderia e uma outra disse que não poderia “.

O produtor executivo Aaron Harberts também concordou que a ciência é parte integrante da história de Discovery. “Estamos contando uma história de auto descoberta, de olhar para dentro”, disse ele. Quando se tratava da ciência dos transportadores, os cientistas do painel ficaram divididos. Os físicos concordaram que era teoricamente possível, mas os cientistas se opuseram, dizendo: “você não pode remontar a alma humana”. Harberts diz que Star Trek quer explorar essas questões. O que significa ser humano? Qual é a alma humana?

Harberts também falou especificamente sobre os motores movidos a cogumelos da nave:

“É sobre a função da biologia em vez de apenas a função da física. Nosso mecanismo é orgânico “, disse ele. “Estamos no contexto da guerra. É a vida. É a morte. Há algo de interessante sobre a ciência em que estamos focando agora, sendo um pouco mais nascido nas ciências da vida “.

Mais alguns outros pontos interessantes do painel:

  • A primeira aparição de Wilson Cruz como Dr. Culber será no episódio 4 (neste domingo).
  • Cruz referiu-se ao tenente Stamets (Anthony Rapp) como seu “boo espacial”
  • Harberts observou que a diversidade vai além do elenco para uma sala de escritores de homens e mulheres de 50/50 e também muitas mulheres na produção.
  • Shazad Latif descreveu a introdução de seu personagem em uma cela de prisão “Você me conhece com Rainn Wilson (Harry Mudd) … Estou passando por algumas coisas horríveis lá”.
  • Os mirtilos de Saru no episódio 3 eram referência a BryanFuller, que os carregava e compartilhava nos bastidores.
  • A ponte da USS Discovery foi originalmente concebida tendo duas histórias.
  • Originalmente, o monstro tardígrafo foi criado como membro da equipe Discovery. Eles até criaram uma prótese.

O video mostra o que foi visto no stand de Star Trek na convenção.

Alguns SPOILERS sobre o episódio 4.

Os produtores deram algumas dicas de como se passará o episódio número 4, “The Butcher’s Knife Cares Not for the Lamb’s Cry”. Embora ela ainda não tenha posto, Michael Burnham mais uma vez consegue usar um uniforme da Frota Estelar.

Computador: Burnham, Michael. Atribuição temporária à divisão de ciências. USS Discovery. Classificação: nenhuma. A síntese uniforme está completa.

No episódio veremos Michael Burnham usar um espelho holográfico e também recebe a última mensagem do capitão Georgiou como sua última vontde. Na ponte, Lorca repreende a equipe depois de uma simulação falha, lembrando-lhes que na fronteira eles só têm uma chance de entender. As habilidades de Burnham são usadas pelo capitão Lorca e ele a atribui para “armar” o monstro que ele e Landry trouxeram no final do episódio 3.

Inicialmente, Burnham não gosta da idéia de manter esta criatura perigosa a bordo. Mas, Lorca é claro, “essa coisa matou uma dúzia de Klingons no Glenn, e não há nenhum arranhão nele de seus batleths. Se quisermos ganhar essa coisa, se tivermos a chance de salvar a Federação e todos nela, precisaremos das melhores armas disponíveis”.

No trailer do episódio 4 podemos ver a classe da USS Discovery, Crossfiled.

Por enquanto é isso. Aguarde o episódio para comentarmos mais tarde.

Fonte: TrekMovie