Goldsman fala sobre produção durante pandemia

O planejamento para a segunda temporada de Star Trek: Picard continua, embora a pandemia tenha atrapalhado o cronograma de filmagens. No entanto, para o produtor Akiva Goldsman, Picard pode durar por um bom tempo.

Numa entrevista ao site Collider, Goldsman disse como a pandemia de coronavírus afetou a produção:

“Nós não estamos filmando. Deveríamos começar a filmar em junho, o que garanto que não faremos, a menos que o mundo abra amanhã. Tínhamos pausado a temporada, estávamos no meio da escrita. Começaremos o mais rápido possível, uma vez que o mundo se abrir, você sabe. A preparação terá que retomar, e então começaremos. Sabemos o que vai ser e é legal. E estamos empolgados com isso, e sinto que aprendemos muito desde a primeira temporada.”

Akiva Goldsman admitiu que não tem certeza quando a série terminará, mas revelou que pensou em fazer três ou mais temporadas até uma eventual decisão final de Patrick Stewart:

“Acho que já discutimos isso como uma série de três temporadas, uma de cinco temporadas, uma série de ‘vamos continuar para sempre'”, brincou Goldsman, “Star Trek: Picard, na minha opinião, durará enquanto Patrick Stewart quiser fazer isso… Como eu tenho certeza que você sabe, ele não estava interessado em voltar. E nós fizemos muitas… realmente boas histórias colaborativas revisando e conversando e, eu acho, que ele está particularmente satisfeito de ter voltado. E confiaremos nessa boa vontade até que ele sinta que terminou”.

Goldsman lançou alguma luz sobre a produção da segunda temporada e como o coronavírus foi uma “bênção estranha” para a equipe de roteiristas:

“…É fundamental um presente ser capaz de fazer todos eles [os episódios] se você puder. Como, ao contrário das iterações anteriores da televisão, essa narrativa serializada de dez horas possui configurações e benefícios que exigem uma visão cuidadosa do objeto após a conclusão. É muito engraçado, na primeira temporada de Picard, houve todas essas críticas do começo: ‘Oh, é tão obscuro, é tão obscuro, é tão obscuro’. E eu continuava dizendo: ‘Eles estão revisando o primeiro ato de um filme’. O primeiro ato de um filme é sempre sombrio. Se você parou A Felicidade Não se Compra na ponte, é um filme muito sombrio! Porque, fundamentalmente, em uma narrativa longa, é uma história de redenção, é uma história de cura, tem que ser ruim no começo para que fique boa no final, caso contrário, não há nada para consertar. Agora, estamos neste mundo estranho, onde criamos um objeto narrativo, mas o distribuímos pouco a pouco, o que é fascinante. E pode ser divertido. Mas o que você realmente deseja é poder refinar suas configurações depois de redigir seus recompensas… se, na verdade, você tiver tempo para escrever 10 horas primeiro, isso seria incrível. E talvez nós façamos.

O diretor também fez um comentário pontual a respeito da série animada Lower Decks do escritor de Rick e Morty, Mike McMahan:

“[Lower Decks] literalmente não poderia me parecer mais engraçado… Havia um filme de teste percorrendo o escritório e eu não o vi, e isso é péssimo, mas eu vi imagens e os pitches são engraçados. Como literalmente, o tom é a coisa mais engraçada que você já ouviu. ‘Segundo contato’? Quero dizer, é a melhor coisa do mundo … acho que Mike McMahan é realmente um gênio.

Be the first to comment on "Goldsman fala sobre produção durante pandemia"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*