Lindelof: “Jornada precisava de um reboot”

damon-lindelof.jpgEmbora Abrams e os roteiristas Orci e Kurtzman definam essa nova produção de Jornada nas Estrelas como aquela que irá “revigorar” ou a “revitalizar” a franquia, o co-produtor Damon Lindelof (que é trekker, diga-se de passagem) foi claro ao dizer que a franquia precisava de um reboot como Batman. Ele também falou mais uma vez a respeito da ausência de William Shatner.

Para quem ainda tenha dúvidas a palavra inglesa reboot é um termo muito usado na informática, para processar o reinício do computador, apagando tudo o que já foi feito antes. Esse termo tornou-se corriqueiro no jargão hollywoodiano, referente a antigas franquias e significando “um novo começo”.

Veja abaixo o que disse Lindelof sobre o assunto ao site Sci Fi Scanner.

Você disse que o episódio da série Lost onde o personagem Desmond viaja no tempo é uma homenagem a Jornada. Você abordou o novo filme como um fã?

Lindelof: “Eu tive uma verdadeira reverência pelo material da franquia, e o mais importante, para o quanto especial esse mundo é e quanto tempo ele tem perseverado. Assisti a vários episódios da (série) original e muitos de A Nova Geração (na qual é fã). Na primeira série de encontros que tivemos foi para discutir – Qual é o “Estado de União de Jornada” (alegoria a situação do país apresentada pelo governo ao Congresso) e se isso levou para um lugar onde as pessoas se ressentirão com o nosso envolvimento, porque estamos vindo de fora – Eu acho que é como aconteceu com Batman, a franquia do homem morcego chegou ao ponto onde havia mais pressão a respeito do mamilo na roupa do Batman do que sobre os personagens e a franquia precisava de um reboot”.

O Sr. Shatner tem mostrado o seu descontentamento por não ter um lugar no filme. Qual foi a sua reação?

Lindelof: “Shatner criou Kirk, então entendo e simpatizo com o seu sentimento sobre o que seu papel ou a falta de um papel foi para o nosso filme. Já foi dito que Kirk morreu, ele caiu de um precipício. Isso tornou incrivelmente desafiante para nós, contar a história que queríamos contar e descobrir um caminho para William Shatner, que agora está vários anos mais velho para o filme, do que Kirk estava quando morreu. Esse é um filme ambiciosamente inacreditável sobre uma escala técnica. Eu posso dizer com segurança que alcançamos o que planejávamos alcançar”, finalizou.

Fonte: Trek Movie

19 Comments on "Lindelof: “Jornada precisava de um reboot”"

  1. Acho que agora ficou claro que se trata mesmo de um reboot em vez de um prequel. A presença do Leonard Nimoy como Spock serve para religar com a antiga franquia, mas é o Spock da nova sequência e não da antiga.
    Isto abre novos caminhos e pode ser interessante.
    Como já foi dito, ST como nós conhecemos terminou com o catastrófico Nêmesis, que, não sendo ele mesmo um recomeço, está ocasionando um novo.

  2. É a primeira vez que confirmam o reboot.
    Vai saber, deu certo em Galactica…mas eu ST fico bem receoso.

  3. Ele disse: “a franquia precisava de um reboot..”

    Então já sabemos que não precisa mais porque já foi feito! Então agora oficialmente este filme é um reboot e não um refit!

    É isto!

  4. Se eles fizerem com Jornada o que foi feito com o Batman, então não é reboot.

  5. É se for um REREBOOT?
    Prequel, sequel, kal-el, jor-el, coquel, papel…

    Não importa, a Paramount ainda vê valor na marca STAR TREK e não se desnimou com os últimos movies de ST-TNG.

    Gosto de pensar que este novo Star Trek-2009 está sendo que, um pouco de “pedido de desculpas” pelo uso repetitivo da filosofia de economia que testemunhamos desde “A Ira de Khan” até “Nemesis”.

    Espero por um filme esmerado, com efeitos que façam páreo aos de MATRIX e Senhor dos Anéis!

    Star Trek tem que sair pra competir!

    Dobra máxima nisso, Scott!

  6. Competir para ganhar uma vaga na Libertadores, mas para o título….

  7. E a Federação nem está na América do Sul…

  8. Se o filme for bom, pode ser qualquer coisa.

  9. Se é reboot ou não, o que me importa é que o filme seja bem feito, com tudo que um filme de Jornada merece e precisa para fazer sucesso e consequentemente bilheteria.

    Senão um abraço.

  10. Nesta competição Jornada esta para o Manchester City, ja tem o Robinho/JJ…

  11. Gostei dessa…

  12. Pedala J. J. !!!!

  13. Luís Henrique Campos Braune | 5 de setembro de 2008 at 10:18 am |

    Bem… é reboot sim, mas mostrando como “os caras” começaram. Temos a péssima mania de querer rotular as coisas e pensar que só existe um rótulo possível. Uma pessoa tem vária facetas, de forma que este filme irá contar como tudo começou, mas rebootando ao mesmo tempo (2 facetas).

    Outra sobre o Batman: o Batman Begins e este último lançado são um rebbot sim. Pode não ser rebbot do personagem , da sua essência, mas um rebbot cinematográfico, ou seja, serve “apenas” pra recomeçar as coisas na telona. Eu A-D-O-R-E-I Batman Begins!! O cara estava o morcegão de verdade, verdadeiro cavaleiro das trevas, que causa terror aos inimigos. Mal, muito mal!!

  14. Vamos ver se daqui pra frente eles param de tratar jornada como algo de qunta categoria, com orçamentos ridículos…

  15. O Batman Begins foi o que eu mais gostei de toda a série cinematográfica e fiquei surpreso quando descobri que o Christian Bale é o menino do filme Império do Sol, um dos filmes que eu mais gosto.
    Agora, ter um bom orçamento é maravilhoso, mas é preciso que quem faça tenha bom gosto e seja competente.
    eu assisti a muitos filmes B de ficçao que marcaram por suas idéias criativas, enquanto existem filmes caríssims, que nao valem a película em que foram filmados.

  16. Existem duas maneiras para fazer uma boa bilheteria em Hollywood:

    – Engana-se o publico, com trailers que mostram as melhores cenas, e apela-se para os efeitos especiais e trilha sonora maneira

    – Faz um bom filme, com bons atores e bom roteiro.

    Acho que o Begins e o Dark Knight mostraram como um bom filme pode gerar boa bilheteira (parece óbvio, mas muitos fecham os olhos. Vejam o filme do Quarteto Fantástico, um lixo completo).

    É claro que eu quero zilhões de efeitos especiais em jornada, uma enterprise linda, batalhas especiais arrebatadoras (como a Ira de Khan por exemplo), mas para mim o filme terá que mostrar um bom roteiro, direção e interpretações. Se tirar todos os efeitos de Ira de Khan, não é uma história clássica de marinheiros e piratas? E a discussão sobre o envelhecimento e morte (e o no-win cenário???). Isto que faz o filme bom, e é isso que eu quero em Jornada!!!!

    o Abrams já mostrou que é um cara que valoriza os personagens, então nao espero um filme desmiolado…. Como já falei, tenho muito medo em relação aos roteiristas, mais do que os novos atores (que aparentemente são talentosos). Transformers para mim foi tudo o que eu nao quero ver em Jornada nas Estrelas em termos de roteiro… medo, muito medo. A situação se agrava ao pensar que o Abrams não pode mexer no roteiro, pois estavam em greve….. Só o futuro irá mostrar.

  17. cesar antonio r martins | 6 de setembro de 2008 at 9:46 am |

    No post 11, Cesar afirma que “Nesta competição Jornada está para o Manchester City, já tem o Robinho/JJ etc”.

    Por Khaless, nãããããão. O Manchester City nããããooo. Este é um time de média qualidade in UK.

    O time a referir, no comparativo do tópico, é o Manchester United, atual campeão da Europe Champions League.

    A-koo-che-moya, Gene.

  18. Luís Henrique Campos Braune | 6 de setembro de 2008 at 9:46 am |

    Bah tchê! O post 17 dá medo! Tomara que não se concretize…

  19. Aí meu xará, eu quis dizer o Manchester city na questão que Jornada ainda é uma incógnita, uma promessa. É claro que sempre vamos querer o melhor pra Star Trek.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*