Uma entrevista com Linda Park – Parte I

A atriz Linda Park tinha apenas 23 anos, quando interpretou a oficial de comunicações Hoshi Sato na série Enterprise. Agora, aos 32 anos ela já fez vários papéis em séries regulares como Raines, Women’s Murder Club e Crash, bem como em peças de teatro nos palcos de Nova Iorque e Califórnia. O site StarTrek.com teve uma conversa com a atriz que falou de sua carreira em Jornada e sobre o cancelamento da série.

Você sentiu que Enterprise terminou de forma muito abrupta e antes que o personagem tivesse um desenvolvimento mais sério?

“Bem, eu não senti que terminou de forma abrupta, apenas porque, pessoalmente, eu nunca estive em uma série (regular) antes e quatro anos foi um tempo épicamente longo para alguém de 20 e poucos anos. Então, pessoalmente eu não sinto que ela terminou de forma abrupta, eu senti que havia algum movimento circular nas histórias, como se tivessem nos levando para algumas coisas – talvez não terminadas, mas não havia nada que estivesse me inquetando para terminar, se isso faz algum sentido. Eu senti, no tocante ao personagem – e acho que qualquer ator se sentiria assim, especialmente em uma parte do grupo onde dividi-se em tantas histórias, tentando fazer com que todos sejam abordados – que havia muito mais que eu queria explorar em Hoshi. Mas a certa altura percebi que não era o principal impulso da série, e que você tem que entender não só as suas próprias necessidades egoístas, mas também o que as histórias principais são e que você está determinado a acompanhá-las. Pode haver episódios de Hoshi ou episódios de Travis ou episódios de Malcolm, mas os pratos principais são Archer (Scott Bakula), T´Pol (Jolene Blalock) e Trip (Connor Trinneer).”

E se você tivesse a oportunidade de acompanhar um pouco mais Hoshi, o que você gostaria de ter visto?

“O que eu gostaria de ter visto era mais interação pessoal. Muito do que Hoshi fez em suas histórias era muito introvertido, pessoal e isolado. Exceto pelos episódios  do Universo Espelho, suas cenas pessoais eram geralmente isoladas do resto da tripulação. Ela tinha de ter um episódio de onde teria de detonar, esse tipo de episódio de A Bela e a Fera e ela estava longe de todo mundo também.  O episódio “Vanishing Point” foi de certo modo sua própria mente, e mesmo assim ela não poderia realmente interagir com outra pessoa porque estava tornando-se uma não-entidade. Eu tive alguma interação com Phlox, que amei, porque eu adorava atuar com John Billingsley e adorava ficar perto dele. Na verdade, tivemos muitas cenas pessoais, e esse é o meu próprio gosto pessoal. Eu adoro ficção científica, drama e comédia, mas o fio condutor destas séries que eu gosto é que as histórias pessoais são muito ricamente arraigadas em tudo aquilo que está acontecendo. Então eu teria adorado ter mais interação com Connor e Scott, dar mais um colorido na relação patrão-empregado, que fosse conflito ou romântico. Não me refiro ao nível de novela, mas eles estão no espaço e eles vão lutar e ter momentos difíceis.”

Você mencionou os episódios do  Universo Espelho. Como você gostou de ser a agressora e não a Hoshi passiva nesses episódios? E quão importante foi a figura de Hoshi dentro desse universo?

“Eu acho que é bem sabido que esses são os meus episódios favoritos. Quem sabe se não é apenas porque foi um gosto diferente? Talvez se acontecesse o inverso que eu viesse fazendo a Hoshi Espelho, então quando eu fizesse um episódio Espelho interpretando uma Hoshi realmente boa, eu teria dito: – “Esse era o meu favorito”. Nós sempre gostamos daquilo que não conseguimos fazer ou o que não temos, porque é novo. Mas eu realmente gostei de ser a agressora e sendo mais … Eu não quero dizer “forte”, porque Hoshi foi forte a sua própria maneira. Mas a Hoshi Espelho era forte na maneira que Medéia foi forte, da mesma forma que Clitemnestra foi forte, neste mesmo caminho arquetípico de mulher guerreira. É por isso que eu acho que muitos de nós, quando somos jovens, o amor nos torna atores, porque nós começamos a interpretar esta primitiva forma onde apenas as crianças atrevem-se a fazer estas coisas, e quando ficamos mais velhos queremos poder fazer esses tipos de papéis míticos.”

“E, verdade seja dita, eu acho que neste ponto da minha vida, acredito que estava realmente crescendo sem ser uma criança e queria crescer e realmente esticar as pernas como uma mulher, que começou com Hoshi Espelho e continuou com mais dois personagens que desempenhei na TV depois de Enterprise. Eles foram mais agressivos e resistentes. Fiz uma garota policial durona. Eu fiz uma assassina fria como gelo, D.A. E foi ótimo que acontecesse no final da Jornada, quando eu queria ficar mais forte como uma mulher em meus papéis, porque estava me tornando mais forte como mulher, que tive essa oportunidade de fazer isso. Quando comecei Enterprise, estava usando muitas das atitudes de estudante que sai do teatro-escola para o mundo real, que era o que estava acontecendo na minha vida. E no final, eu estava começando a fazer uma mulher mais forte, tornando-me uma mulher mais forte, e querendo fazer mais do que isso.”

Você é uma coreana-americana que interpretou uma personagem japonesa. Harry Kim (Garrett Wang) foi um personagem coreano desempenhado por um chinês-americano. Sulu (John Cho) no novo filme era um personagem japonês interpretado por outro coreano-americano. Por que Jornada mistura e combina as raças asiáticas como estas? Você não tem Sisko (Avery Brooks) e Uhura (Nichelle Nichols / Zoe Saldana), interpretados por atores brancos. É frustrante e desafiador do ponto de vista de um ator ter um elenco que não respeita ou entende a distinção entre as culturas asiáticas e identidades? Não poderia Hoshi Sato ter sido facilmente alterada para Hee Jong Song?

“Eu respondi a essa pergunta quando a série foi exibida pela primeira vez e eu realmente me sinto ofendida, para ser honesto, por essa questão, porque isso é uma situação diferente. Não é o mesmo que dizer que Uhura será tocada por uma caucasiana. Seria mesmo que ter uma personagem irlandesa sendo interpretada por uma pessoa britânica. E, se eu pudesse, Senhor, me colocaria em um filme de adaptação de Henry James. Mas eu não posso porque eu não poderia convencer isso num filme. Ninguém vai acreditar que eu sou inglesa, alemã ou francesa a menos que eu seja mestiça, possivelmente. Mas posso fazer isso com uma japonesa ou chinesa, ou ir mais longe como uma filipins ou tailandesa. Vou fazer tudo o que puder, porque eu sou uma atriz. Espero que as pessoas sejam grandes o suficiente para olharem para o anúncio de atores de elenco onde se diz: – “aberto a todas as etnias”. O meu personagem em Raines, no elenco original era para ser um cara loiro surfista. Eles disseram, “Bem, nós estamos tendo um momento difícil para descobrir isso. Vamos simplesmente abri-lo (para outros tipos)”. Eles fazem isso com os personagens. Então, meu personagem em Raines, eles acabaram mudando o nome para Michelle. Foi Michelle Lance. Não foi Michelle Kim. E Deus abençoe (o criador e produtor executivo), Graham Yost. Ele é uma pessoa incrível e muito talentosa, capaz de ver por uma nova perspectiva.”

Em breve a segunda parte.

10 Comments on "Uma entrevista com Linda Park – Parte I"

  1. Não vejo qual o problema em se interpretar japones ou chines, sendo coreano e vietnamita. Já vi até o John Waine interpretando Gengis Khan. Já vi o Werner Klemperer interpretar ingles anti-nazista e etc…
    Bom ator faz o que pode.

  2. É VERDade Verde. Não tem essa de quem você interpreta. Bom, Enterprise, foi algo que nasceu sem raízes, na minha opinião. Deu certo, mas depois não deu mais. E quando ficar “ofendida”, não entendo porque. É um personagem interpretado! Tipo, tem ator que faz chines, ingles, coreano, japones, gay, tanto faz, é um personagem, não é o ator. E Jornada é isso! Sem preconceitos, principalmente em TOS, onde foi a “era anti social”.

  3. Ela estava deliciosa no episódio do espelho.

  4. ainda não assisti enterprise com afinco, apesar de simpatizar muito com a série… alguém poderia me explicar a relação que a personagem dela tem com o brasil?

  5. Carlos, não posso afirmar com total certeza, mas, no primeiro episódio da série, Archer vai até o Brasil para falar com ela convidando para que assuma as comunicações da Enterprise, apesar da resistência inicial ela se convence quando ele cita a possibilidade de ser a primeira humana a se comunicar com outras raças alienígenas, é nesse momento que dá a impressão de que o personagem é brasileiro.
    Ralph, por favor me corrija se estiver errado.

  6. Na verdade, ela é japonesa, mas ela estava dando uma aula de sons de passarinhos (eu acho) em uma faculdade na Amazônia.

  7. No primeiro episódio, Archer vai atrás de uma oficial de comunicações que na opinião dele tem uma tremenda capacidade de interpretar línguas aliens, mas que está licenciada da Frota. Essa é Hoshi. Ele menciona o nome Brasil e ela aparece dando aula num cenário que lembra a floresta amazônica, ensinando Vulcano aos brasileiros. Ela não é brasileira, estava lá dando aula. A cena é meio surreal. Ela só aceita porque a língua Klingon gravada por Archer a impressionou e ele disse que ela poderia ser a primeira terráquea a ter a chance de conhecer várias línguas nunca antes ouvidas na Terra.

  8. É um bom personagem, muito similar a algumas pessoas mais interiorisadas. E a atriz também é muito boa e racional, na sua primeira resposta ela diz que o fim de ENT não era o que queria mas que não era algo tão difícil como os produtores acharam. Também foi bem racional quanto a questão étnica levantada a quanto de seus personagens e outros de cunho asiático.

    Porém uma coisa ela provavelmente quiz fugir de dizer; os americanos se consideram como única raça digna de ser “catalogada” a fundo, o resto (como eles adoram dizer) é tudo jogado em subgrupos como asiáticos, latinos, árabes, negros, selvagens e por aí vai.

  9. Na questão raça eu acho que ela tem razão, infelizmente alguns americanos ainda tem esse problema, basta notar que pra alguns nós brasileiros falamos espanhol, mas quando se trata da lingua anglo-saxã, se o filme for na Australia, na Escócia, é usado até o sotaque local.

    Adoro Enterprise e a Hoshi como todo elenco é maravilhosa.

    Só tinha visto a 3.temp. de Enterprise no AXN e comprei recentemente a 1 temporada e fiquei mais apaixonado por este universo de Jornada. Tudo ali é incrivel, a Enterprise é linda, a T´Pol na cadeira de comando é um sonho de Vulcana, a postura deslumbrada do Archer com a exploração é contagiante, os perigos enfrentados, a história sendo escrita a cada ano-luz, a relação com os Vulcanos é magnifica… em resumo, é o inicio da estrada de Jornada nas Estrelas, estou doido pra ver a 4 temporada.

  10. Alguém lembra do filme “O Rei e Eu” – Yurl Brinner – não sei como se escrve isso – se não me engano ele intrepretrou um Siames

Leave a comment

Your email address will not be published.


*