Entrevista com Dominic Keating

O Star Trek.com traz mais uma entrevista exclusiva, dessa vez com o ator  britânico Dominic Keating, que interpretou o tenente Malcolm Reed da série Enterprise. Ele fala um pouco sobre sua carreira, seu tempo em Jornada, o final da série  “These Are the Voyages…”, sobre o teste para o filme de J. J. Abram, Star Trek e o que está fazendo agora.

Vamos começar com Enterprise. Quanta satisfação a experiência lhe proporcionou? Você sentiu que tinha bagagem suficiente para fazer o Reed?

“Fiquei muito satisfeito. E fiquei muito feliz com a carga de trabalho que me foi dada, os arcos de história que eu tive e o desenvolvimento-geral de Malcolm. Eu tive dias de trabalho pesado para me fazer sentir como se estivesse ganhando o pão de cada dia. Mas eu muitas vezes tinha cinco dias de final de semana, e você não pode reclamar, companheiro. Eu muitas vezes folgava na tarde da quarta-feira e não voltava até a manhã da terça-feira (da outra semana), e os cheques ainda vinham. Eu sei que Connor (Trinneer) e Jolene (Blalock) e Scott (Bakula), em particular, é claro, tiveram horários de trabalho pesado. Eles faziam regularmente 16 horas por dia, cinco dias por semana, toda semana, e que pode ser muito maçante. Mas tudo depende da qualidade das coisas que você está dizendo, e todos eles tinham grandes histórias e alguns episódios por fazer. Além disso, para mim, felizmente eu era suficientemente maduro e sábio – mesmo quando tinha um dia chato com duas linhas na ponte que levaria 12, 13, 14 horas para filmar. ”

Então, eu fiquei muito feliz. Em tudo, tinha apenas o suficiente para fazer, com toda a franqueza. Houve algumas passagens em algum lugar onde eu sentia vontade de falar algo do tipo, “Vamos lá, me dê algo para fazer além deste material um pouco superficial.” Mas de um modo geral, eu tive algumas grandes histórias B. E, inadvertidamente e sem querer, me tornei o homem de ação na série, acho eu, correndo para salvar Trip e  as asneiras do capitão. Isso foi muito divertido, além do traje espacial. Deus abençoe esse fato. Mas acredite em mim, eu teria feito alegremente sete anos sem piscar, companheiro. Há um certo arrependimento de que não tive a chance, mas eu não me torturei com isso. É uma pena, porque estávamos bem e havia uma grande química lá com o nosso elenco e foi muito legal.”

Qual é sua opinião sobre o final polêmico da série?

“Eu adorei. Já disse isso nas convenções, muitas vezes, não tive problema nenhum com isso. Foi um grande prazer trabalhar com Marina (Sirtis), que iria tornar-se uma amiga ao longo dos anos no circuito das convenções. Eles estavam filmando Nemesis ao nosso lado, durante a nossa primeira temporada. E eu amava Jonathan (Frakes). Eu tive uma cena com ele na cozinha, quando ele estava fazendo o cozinheiro, o chef, e que foi um dos dias mais engraçados que eu já tive na filmagem em toda a série. Ele é um homem engraçado. Nós rimos. Não há nada como dois atores quando estão apenas dando gargalhadas entre as tomadas. Ele é muito inteligente.”

Então você não está entre a maioria que acredita que o final foi um episódio de A Nova Geração e que deu pouca atenção a Enterprise?

“Não, não, não. Eu realmente não penso assim. Eu não acho que significou isso. Eu achei que o dispositivo que eles usaram, a fim de incluí-los foi um pouco estranho. O motivo foi um pouco espúrio, eles querendo voltar para os arquivos e verificar … O que foi mesmo? Eu não consigo nem lembrar. E uma vez que você supere isso, fica tudo bem. E créditos a (produtores executivos) Brannon (Braga) e Rick (Berman), eles estavam terminando 17 anos do comando sobre as séries. Não foram só nossos quatro anos. Eles haviam feito muito mais coisas antes de nós. Então, eu achei que foi justo o bastante. Eu não tive qualquer tipo de problemas com isso. Gostei muito de trabalhar com Marina e Jonathan, e há alguma idéia de uma herança lá, do início ao fim.”

Quem de Enterprise você ainda convive?

“Eu vejo Connor. Eu vejo John Billingsley. Vejo Scott (Bakula) todo ano em sua festa de Natal, que é sempre encantador. Eu não vi nenhuma das meninas, na verdade, desde que encerramos. Talvez em algumas convenções logo após o cancelamento, mas faz um longo tempo agora. Mas eu ainda vejo os rapazes muito, e continuamos em contato, e eu os vejo em convenções também. Anthony (Montgomery) foi embora. Ele foi para Atlanta. Ele está fazendo um show lá e ele se casou e teve um filho. Connor e eu não nos vemos, tanto socialmente como costumávamos. Ele tem um filho e se mudou para o Vale. As coisas mudam.”

Você chegou perto de conseguir um papel em Star Trek (2009)?

“(Risos). Eu não acho que eles sabiam quem eu era, para ser honesto. Voltei duas vezes. Foi para fazer o padastro agressivo de Kirk, que se tornou uma voz em off no filme. Cortaram, no final, mas havia algumas cenas no rancho, quando ele foi bater no garoto e Jim decidiu fugir. E havia uma grande cena quando ele está se escondendo do pai. Eu não acho que eles conheciam o meu trabalho. Tenho a sensação de que eles poderiam ter feito o planejamento, uma vez que havia algum interesse e perceberam que eu estive em uma série de Jornada. E acabou muito rapidamente.”

Como tem sido sua vida pós-Jornada?

“Muito boa. Não há queixas, realmente. Trata-se de seis anos? Acho que estamos no sétimo ano da série ter terminado. Não é incrível? Estivemos fora do ar por mais alguns anos do que estávamos no ar. Eu ainda sinto saudades desse trabalho, eu vou te dizer que sinto muita saudade. Eu adoraria ter feito os sete anos. Mas eu olho para trás agora com gratidão enorme e só sei o quanto fui afortunado por ter tido essa experiência. Essa é a maneira como eu olho para ela agora, e todo o resto é lucro, com toda a franqueza. Eu não tenho certeza se eu teria – qual é a palavra? – afeto para viver em Los Angeles e por ter feito a escolha, querer ser ator, se eu não tivesse conseguido esses quatro anos em Jornada. Eu acho que foi o coroamento de tudo que eu fiz. Eu fiz alguns bons trabalhos em Londres e houve uma sitcom que eu fiz. Tem sido uma jornada, mas eu me sinto muito, muito agradecido pelo que a série fez, em alguns aspectos, que culminaram em trabalho de prestígio, sem dúvida.”

Quais são seus projetos fora de Jornada, que você se sente mais orgulhoso? 

” Eu esqueço metade das coisas que fiz. Apenas fiz uma temporada em Sons of Anarchy, que foi muito divertido. Eu era um Hell’s Angel, que tinha um monte de cenas de testosterona-abastecida. Tudo isso foi muito divertido e eu tive umas duas ou três semanas nisso. Fiz CSI: NY cerca de um ano atrás e tive um papel muito bom. Eu interpretei este traficante de drogas, que matou duas de suas garotas de trabalho. E eu fiz ele como americano. Eu fui lá, enganei-os, e comecei o trabalho. Foi um grande golpe para mim ir lá, na frente de outros atores americanos e levar debaixo do nariz deles. Eu fiz Heroes, os primeiros seis ou sete episódios da segunda temporada. Infelizmente, foi a época que estava uma porcaria. Tentando pensar em mais nada … Eu fiz um filme que vai sair apenas em festivais, chamado Certifiably Jonathan, sobre Jonathan Winters. Eu fiz isso há alguns anos atrás. Acho que eu ainda estava fazendo Jornada. E, sim, há rumores de estar no filme Hobbit. Eu não sei como esse boato começou, mas eu sei que eu fiz dois testes para eles. Mas eu não estou no filme, infelizmente. Alguém acabou de sair (da produção), então talvez eles me chamem. Isso não seria bom? E o que mais? Eu acho que é isso. Estou sempre fazendo testes. Eu quase pegando uma série regular chamada Hell on Wheels. Isso foi cerca de quatro ou cinco meses atrás. Estou filmando agora e acho que eles estão esperando para saber se serão contratados. Era um piloto muito forte e a AMC está fazendo um bom trabalho agora.”

10 Comments on "Entrevista com Dominic Keating"

  1. Dominic Keating trabalhou direitinho, como todos em ENT. Só faltou dar mais espaço pra ele e pra Anthony Montgomery. Linda Park teve um pouco mais de destaque. Mas não tem jeito, o trio da Vez era Bakula/Jolene/Connor. John Billingsley é um cara inteligente e soube imprimir isto em seu personagem, fez muito bem. Minha conclusão é esta: todos muitos bons, a diferença é o destaque que a produção dá a cada personagem.

  2. Antonio de Pádua | 9 de maio de 2011 at 11:51 am |

    Na minha opinião o Malcolm Reed e o Trip foram os personagens de Enterprise que mais se aproximaram do espírito de jornada. Eles poderiam fazer parte da equipe de Kirk ou Picard tanquilamente. Ao contrario, T`Pol e Hoshi a meu ver destovam e pareciam não se encaixar.

  3. Eu achei legal ele não ter nada contra a Nova Geração ter sido cenário para fim de Enterprise. Aliás, pra mim, ele pareceu ter gostado disso. Eu também achei legal, como uma homenagem. Acho que isso foi bacana, o que eu não gostei desse novo filme, foi “COLOCA O NIMOY”, e “COLOCA O Shatner”, tá certo que uma homenagem é legal, mas ficar se apegando ao passado é ruim pra um filme novo e também, na minha opinião, desvaloriza os outros, mas no caso de colocar a Nova Geração, eu acho que ficou bem bacana, principalmente, porque a história parece “fluir normalmente”, sem querer mostrar alguém em especial de TNG.

  4. GILSON P. DE FARIAS | 9 de maio de 2011 at 7:53 pm |

    ok!!!

  5. Essa estória dele com ST09 chega a ser embaraçosa, mas explica bem a coisa deles trabalharem o roteiro até a edição final do filme, e olha que os roteiristas estavam em greve na época!

    Vamos ver o que vai acontecer na sequel!

    Ah, e aguardem a opinião do Pado sobre isso! hahahahah!!!

  6. GILSON P. DE FARIAS | 9 de maio de 2011 at 8:44 pm |

    Trekker, me respondi uma coisa? Como você consigou colocar sua foto nesse blog?

  7. Modo Dado Dalabella on: “Você traiu o movimento ENT veio!”

  8. E uma perguntinha, tiraram a cena dele por que simplesmente por que os editores acharam melhor sem ela, ou por que perceberam que tinham colocado um ator conhecido da franquia?

  9. Pado eu acho que retirar essa cena foi coisa do JJ,”eu acho”!

    Aliás eram duas editoras eu me lembro dos comentários do JJ no DVD, elogiando o trabalho delas, inclusive comentando que a fala do Pike na famosa cena do bar com o Kirk quando ele fala sobre o pai dele ter comandado por 12 minutos e ter salvo ele, a mãe dele e bla, bla, bla … foi editado dessa forma por sugestão de uma delas.

    Eu acho que foi coisa do JJ e ele colocou apenas a voz do Greg Grunberg gritando com o Kirk no conversível, mas sei lá talvez o Ralph possa esclarecer melhor isso.

    Eu acho que essa cena deveria ter sido incluída, afinal eles estavam apresentando os personagens no início da vida, e mostraram o Spock naquele momento em que ele perde o controle com os colegas da escola e foi uma cena importante porque explica os motivos dele desistir da academia Vulcana e depois desistir do comando da Enterprise.

    Enquanto isso o Kirk foi mostrado quase como um rebelde sem causa e arrogante, porque a gente apenas imaginou que ele tinha problemas com o padrasto e tinha uma mãe distante quando criança.

  10. Antonio
    Respeito sua opinião, mas acho a T´Pol o melhor personagem vulcano após o Spock. Ela não é atriz (é modelo) mas esteve no centro de todo o seriado.

    Rodrigo
    O problema do capítulo final não foi ser apresentado pelo Riker ou como episódio do TNG, afinal é tudo ST, mas sim o roteiro ruim e a morte besta do Trip. O Frakes parecia um balão amarado no uniforme, de tão gordo. O Doohan pelo menos assumiu que estava gordo e aumentou o uniforme em ST III.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*