Braga fala sobre Hive e o filme Star Trek

O site CBR postou uma nova entrevista com o ex-produtor de Jornada, Brannon Braga, que agora escreve uma história em quadrinhos intitulada Hive. Uma mini-série para a IDW, baseada em A Nova Geração. Ele comentou a respeito desse trabalho e do universo de J. J. Abrams, Star Trek.

“Star Trek: The Next Generation: Hive” é uma minissérie da IDW Publishing. A série dividida em quatro partes centra-se na raça alienígena popular conhecido como Borgs com a primeira edição sendo lançada no mercado americano dia 19 de setembro. Braga se junta aos roteiristas Terry Matalas e Travis Fickett bem como o artista Joe Corroney.

“O livro começa 500 anos no futuro, quando os Borgs assimilaram tudo e todos. E não há nada na galáxia que não seja Borg”, explicou Braga para CBR News. “E Locutus, que agora é uma espécie de rei Borg, tem um despertar. Uma parte de Picard vive dentro dele. Os Borgs estão passando por um pouco de uma crise existencial, no qual uma vez que já assimilaram tudo, ainda não alcançaram a perfeição que procuram. Locutus decide destruir os Borgs, mas para isso vai ter que utilizar-se, de algo há 500 anos atrás, quando esta assimilação Borg começou. E isso leva-nos a chamada atual, onde o capitão Picard está no comando. Então, é uma aventura que se passa em dois períodos de tempo diferentes.”

Brannon, como é que este projeto surgiu? 

Brannon Braga: Eu tenho vergonha de dizer que eu não me lembro se a IDW se aproximou de mim, eu acho que eles fizeram isso. Eu não sei como diabos isso aconteceu. Eu tenho certeza que eles se aproximaram de mim para fazer um livro, e isso só aconteceu porque eu estava ansioso para voltar para o universo de Jornada. Tem sido um longo tempo. E eu tive uma idéia para uma história. Eu fiz um monte de histórias sobre Borgs em “Voyager”, mas realmente, os Borgs pertencem a Nova Geração. E parecia que havia um capítulo final a ser contado. Sem restrições de orçamento. Eu apenas pensei que seria uma ótima maneira de fazer a história. Isto foi há mais de dois anos atrás. Fiquei afastado por causa de Terra Nova. Levou um longo tempo para isso, mas eu estou escrevendo a edição final agora.

Será que você trabalhar dentro de qualquer continuidade existente a partir de histórias em quadrinhos ou romances?

Braga: Uma das primeiras perguntas que eu fiz a IDW foi: “Em que universo eu estou?” Com a adição do universo de Abrams, há várias opções sobre a mesa. Foi-me dito que eles estavam seguindo os programas de TV / filmes, de modo que este gibi pega cerca de três anos depois de “Nemesis”.

Existem outros astros convidados notáveis de Jornada que aparecem nesta mini-série?

Braga: Seven of Nine é um personagem de crossover, só. Aprendemos que ela voluntariamente voltou a ser assimilada, porque ela não se encaixava com a humanidade mais. E ela tem um retorno. Acho que a maior surpresa é que retorna Data de uma forma muito inesperada.

Existe um aspecto viagem no tempo para a história?

Braga: Sim, há um aspecto de viagem no tempo. Não é sobre a viagem no tempo em si. Mas, sim, os dois períodos de tempo que vamos encontrar. Aprendemos que a matriz positrônica de Data foi armazenada na mente da colmeia. Locutus reconstruiu-o como meio Data, meio Borg. Na verdade, ele envia Data de volta no tempo. O que eu gosto sobre isso, também, é que tem um tema bem suculento, “existe a tal coisa do genocídio justificável, mesmo quando é seu inimigo?” Picard tem que enfrentar isso. Fiquei muito feliz com a maneira como isso se saiu.

Como foi para você voltar a esses personagens e este universo depois de tanto tempo afastado?

Braga: Foi incrível. Estive longe de Picard e sua turma desde meados dos anos 90. Tem sido um longo tempo. Ele veio muito naturalmente. Eu realmente senti falta desses caras. Escrevendo para um livro em quadrinhos é diferente de escrever para um programa de TV. É muito mais visual. Não há um monte de bate-papo inútil acontecendo. Isso foi definitivamente diferente. Mas foi ótimo.

O que você acha que é o apelo duradouro dos Borgs?

Braga: Eu só posso dizer o que me atrai, que, antes de tudo, eles são organismos cibernéticos bacanas. Eles realmente foram os primeiros vilões realmente interessantes em A Nova Geração. O conceito por trás deles é fantástico: uma mente colmeia. É tão contraditório com tantos ideais americanos de individualidade e assim por diante. Eles são os comunistas finais. Eu não tinha visto nada na televisão como os Borgs. E eles evoluíram. Eu acho que o que realmente fez as pessoas ficarem animado de vez foi Picard ser assimilado, e tomar uma dimensão pessoal. E então a Rainha foi introduzida em “Primeiro Contato”. E então o Borg ganhou vida própria. Como os Klingons fizeram há muito tempo, eles se tornaram parte do tecido de Jornada. Eles são o tipo de vilão que você pode manter elaborando. Sua filosofia de perfeição, estabelecida no filme “Primeiro Contato”, era novo na época. Caso contrário, eles seriam apenas zumbis. E ficariam meio chatos depois de um tempo.

Seven of Nine interagindo com os personagens de A Nova Geração não era algo que você gostaria de ter feito em Voyager?

Braga: Não, não é nada que eu já pensava antes, provavelmente porque eu sabia que era impossível. Foi um tanto controverso, colocar personagens de A Nova Geração em Enterprise no episódio final, que muita gente realmente odiou, mas eu nunca tinha contemplado um crossover. O crossover só foi emocionante há pouco tempo, quando estávamos indo colocar o capitão Kirk em Enterprise, e até mesmo nos reunimos com William Shatner, mas isso nunca aconteceu. Tivemos uma história inventada sobre o porquê de Kirk estar lá e como chegou lá. Eu não me lembro. Acho que Shatner ficou inclinado a aceitar. ìa ser realmente muito legal um episódio de duas partes. Eu não sei exatamente o que aconteceu. Poderia ter sido que nós não conseguimos fazer um acordo com Shatner, ou algo assim.

Você estaria interessado em escrever mais comics sobre Jornada no futuro?

Braga: Sim. IDW já mencionou que eles gostariam de fazê-lo novamente. Foi um processo muito divertido para todos os envolvidos, se o comic for bem recebido, vou fazer de novo com certeza.

Você já considerou extensões em quadrinhos de outras séries de TV que você esteve envolvido, como “Terra Nova” ou “FlashForward?”

Braga: Sim, definitivamente. Eu acho que “Terra Nova” se presta bem, e nós descobrimos uma segunda temporada que nunca fizemos. Então, isso é uma possibilidade. IDW teria que trabalhar em algo com a Fox, mas isso foi algo em que tivemos uma discussão muito, muito preliminar. Eu acho que algo como “FlashForward”, nem tanto. Não é tão visual. Eu adoraria fazer um comic de Voyager ou Enterprise ou algo assim. Coisas que não foram feitas ainda no universo de Jornada. Eu adoraria fazer um especial, um Voyager graphic novel.

Você tem um estoque de idéias para trabalhar com essas séries?

Braga: Ah, sim, eu ainda tenho idéias. Bem, eu praticamente usei todas elas que eu poderia usar. Mas você pode fazer mais coisas, porque não existem restrições orçamentais, você começa a pensar em contar histórias de uma maneira diferente. Além disso, você pode fazer movimentos mais decisivos dramaticamente quando você não tem que voltar para a televisão na próxima semana. Fazer movimentos mais ousados, como a ressurreição de Data. Isso teria sido um movimento na série onde teria havido muita discussão. Brent Spiner não iria quer fazê-lo. Em uma história em quadrinhos, não apenas você pode usar todos os personagens, mas eles não têm idade.

Houve rumores iniciais de uma potencial nova série de Jornada na TV. É algo que você gostaria, potencialmente, estar envolvido, ou querer ser envolvido?

Braga: Eu sinto falta de Jornada terrivelmente. Assim, a cada dia que passa, eu sinto falta desse universo e eu perco o tipo de história que poderia fazer em uma série como essa. Então, eu não descartaria a possibilidade. Eu realmente não acho que eu iria ser abordado, necessariamente. Não tenho nenhuma idéia do que as pessoas que controlam a franquia estão pensando. Eu suspeito que provavelmente vão deixar os filmes funcionarem por um tempo, e não diluir isso.

Você é um fã de J.J. Abrams?

Braga: Sim, certamente. Eu não vou mentir para você – Eu gostaria de ter tido algo aproximado do seu orçamento. Eu tive inveja desse orçamento. Efeitos especiais à parte, ele lançou isso com perfeição. O trabalho foi em cima do personagem – foi realmente um filme sobre Spock, e eu creio que ele apresentou Spock em grande forma. E houve esses enfeites maravilhosos, como a escola Vulcana. Escola das crianças de Vulcano foi um conceito muito fresco e visualmente muito legal. Eu simplesmente amei a idéia de uma luta no horário de recreio com vulcanos. Ele teve muitas coisas assim.

Você pode falar sobre “Malice”, a nova série que você está desenvolvendo para o FX?

Braga: É um thriller sobrenatural do tipo que reinventa os julgamentos das bruxas de Salem. Tem lugar no século 17. Trata-se de uma célula adormecida dentro das bruxas de Salem tentando derrubar a América antes de nascer. É realmente muito legal. Estamos escrevendo o piloto agora, e tem sido muito divertido. Nós ainda estamos trabalhando no roteiro.

No que mais você está trabalhando?

Braga: Eu estou trabalhando em um reboot de Carl Sagan, “Cosmos”, com Seth MacFarlane e Ann Druyan para a FOX. São 13 episódios. Estamos na fase da escrita, ou devo dizer a fase da reescrita. É realmente uma espécie de sonho. Eu nunca tinha feito algo de não-ficção para a televisão. Tem sido realmente um desafio, mas também uma espécie de sonho. Tanto Seth quanto eu são grandes fãs do original, de modo que trabalhar com Ann Druyan, esposa de Carl, é incrível. O plano é colocar isso em algum lugar no início ou em meados de 2014. Um longo caminho. Mas é um projeto incrível, com um monte de efeitos visuais, por isso vai levar tempo.

Fonte: TrekWeb

7 Comments on "Braga fala sobre Hive e o filme Star Trek"

  1. TINHA que ser algo sobre “tempo”… Braga não consegue fugir disso… patético!

  2. “…a matriz positrônica de Data foi armazenada na mente da colmeia. Locutus reconstruiu-o como meio Data, meio Borg. Na verdade, ele envia Data de volta no tempo”.

    Prefiro a ressureição de Data no corpo de B-4, conforme foi mostrado na HQ “Countdown”, que se passa na realidade original e é o prelúdio para o filme de J.J. Abrams. Podiam ter colocado Lore ressurgndo como Borg, e não Data! O que acham disto?

  3. Gostei da premissa dessa mini série. Não tenho contato com as atuiais hq’s de Jornada, mas essa me pareceu bem interessante. Espero que a Devir publique por aqui, se eles ainda forem os detentores dos direitos das hqs de Jornada.

  4. Ótima idéia, mas isso aqui acabou com tudo: “Locutus reconstruiu-o como meio Data, meio Borg. Na verdade, ele envia Data de volta no tempo.”

    Grana: “Poderia ter sido que nós não conseguimos fazer um acordo com Shatner, ou algo assim.”

  5. Uou…. Cosmos é legal. Tenho série completa, original, em DVD. Atualizá-la é interessante, mas um desafio enorme.

  6. Esse cara adora viagem no tempo. É impressionante hahahahahaha!!!

  7. Pelo amor de Deus, viagem no tempo de novo?

Leave a comment

Your email address will not be published.


*