TOS 1×11: The Menagerie, Part I

Economia pauta ‘episódio dentro do episódio’ com ótimo resultado

Sinopse

Data estelar: 3012.4.

A USS Enterprise chega à Base Estelar 11, atendendo a um suposto chamado de Christopher Pike, ex-capitão da nave e de quem James Kirk recebera o comando. Entretanto, ao chegar ao local, Kirk descobre pelo comodoro José Mendez que não houve chamado algum e que Pike se encontra inválido devido a um acidente (e confinado a uma cadeira de rodas de suporte de vida, podendo apenas dizer “sim” ou “não” por meio de uma luz no painel frontal), sem condições de ter enviado a suposta comunicação.

Spock, que mais tarde descobre-se ter sido o “autor” da mensagem misteriosa, falsifica outro comunicado e o envia à Enterprise, que está em órbita. A mensagem inclui um novo curso a ser automaticamente seguido pela nave e ordens do Comando da Frota Estelar para que a tripulação mantenha segredo sobre tais acontecimentos. Kirk e Mendez conversam sobre Talos IV, um planeta proibido para todas as naves da Frota Estelar (a ponto de a violação de tal diretriz ser a única infração a ser punida com a morte nas leis da Federação). Enquanto isso, Spock assume o comando da nave (como parte das tais “ordens”), traz Pike a bordo e, após trazer também McCoy (que é convencido de toda essa encenação por uma mensagem falsificada – por Spock – de Kirk), parte com a nave (para Talos IV), deixando Kirk para trás.

Kirk, em uma nave auxiliar e acompanhado pelo comodoro Mendez, parte atrás da Enterprise, enquanto Spock ignora todas as tentativas de comunicação do seu capitão, mantendo-se no curso original até que a nave perseguidora fica sem combustível. Spock é obrigado então a retroceder (não restava muito ar para Kirk), confessando a McCoy não ter recebido ordens da Frota para assumir o comando, e é confinado aos seus aposentos. Quando Kirk e Mendez chegam a bordo, descobrem que os sistemas da nave estão travados e que ela segue em direção a Talos IV, sem que possam fazer algo a respeito.

Spock se recusa a destravar os sistemas, e Mendez e Kirk iniciam uma audiência, mas a pedido do próprio Spock uma corte marcial é iniciada. Nela, a nave começa a receber transmissões (depois descobertas) provenientes de Talos IV, mostrando uma das missões da Enterprise sob comando de Pike. Missão da época em que Spock ainda servia ao seu antigo capitão, em uma visita a esse planeta proibido…

Comentários

“The Menagerie” é um episodio surgido da necessidade. A produção estava correndo sério risco de não entregar a tempo à NBC um episódio por semana, com sucessivos atrasos, estouros orçamentários e uma estafa cada vez maior. Ao mesmo tempo, havia um episódio inteiro, de altíssima qualidade, do qual Gene Roddenberry muito se orgulhava, mas com um problema quase irreconciliável para sua veiculação: ele retratava uma tripulação totalmente diferente da que ficou conhecida na Série Clássica, com um visual também bastante dissimilar.

A resposta ao dilema veio com a ideia de envolver o primeiro piloto recusado em uma outra camada de história, filmando o mínimo possível e reciclando tanto quanto se pudesse. Com isso, seria viável ganhar uma semana de respiro (ter dois segmentos para entregar à rede de televisão, filmando apenas mais um), economizar um bom dinheiro e reaproveitar a história “perdida”.

O caminho natural para viabilizar essa ponte entre o velho e o novo era o único personagem a figurar nas duas aventuras. A utilização de Spock como meio de ligação entre o “tempo” de Pike e o de Kirk era a escolha óbvia e poderia ter sido feita de forma frívola, com alguma lembrança do passado ou algo mais trivial. Mas não foi o que aconteceu aqui, e “The Menagerie” se tornou uma peça muito importante para a construção do personagem. Afinal, estamos falando de circunstâncias em que a fria lógica vulcana, combinada à compaixão humana – a essência do conflito interno de Spock entre razão e emoção e sua capacidade de fazer a síntese de ambas –, leva um oficial, por lealdade a seu antigo comandante, a promover um motim.

Nesse ponto, os diálogos de Kirk com o comodoro Mendez e, logo depois, de McCoy com Kirk sobre o caráter do primeiro oficial da Enterprise, sempre reafirmando sua honestidade e lealdade, têm a clara intenção de agir como elemento catalisador do que virá no decorrer do episódio, deixando claro para todos que aquela forma de agir era totalmente inesperada para Spock e aumentando mais ainda a curiosidade: por que ele teria feito isso?

Essa história, escrita como um chamado “envelope”, envolve a trama anterior, e acabamos com a seguinte situação: descobrir o que aconteceu a Pike em “The Cage” equivale a compreender por que Spock fez o que fez em “The Menagerie”. É genial.

A primeira parte tem mais das cenas do envelope, escritas por Roddenberry e dirigidas a toque de caixa por Marc Daniels, que recebe o crédito de diretor nesta metade inicial (embora conteúdo dirigido por ele apareça nas duas partes). Robert Butler ficaria com os créditos da segunda parte, por seu trabalho de direção em “The Cage” (também presente em ambos os segmentos, mas predominante na parte final). E, óbvio, Jeffrey Hunter não voltaria para viver o Pike inválido nas cenas do “envelope”, sendo substituído por Sean Kenney, um ator muito mais jovem, mas com os mesmos olhos azuis, sob pesada maquiagem. Apesar do trabalho exaustivo e das limitações severas, o rapaz vai muito bem, com o pouco que lhe é dado.

Parte do sucesso obtido com este episódio consistiu em fazer com que as sequências da antiga missão, exibidas em flashback, em vez de quebrar o ritmo, o incrementassem. Nesse sentido, foi inteligente concentrar o conteúdo da história com Kirk na primeira parte, estabelecendo esta primeira etapa como um suspense/mistério, até que ambas as tramas do passado e do presente se alinham e se entrelaçam (o passado de Talos é revelado, a caminho de Talos).

E vale enfatizar que, na época em que este episódio foi produzido e exibido, ninguém, salvo alguns entusiastas de convenções de ficção científica, havia visto “The Cage”. Milhões de espectadores estavam ansiosos para descobrir não só o desfecho da aventura para Kirk e Spock, mas também para Pike.

As respostas viriam todas na segunda parte…

Avaliação

Citações

“Blast medicine anyway! We’ve learned to tie into every organ in the human body but one. The brain! The brain is what life is all about.”
(“Droga de medicina! Aprendemos a mexer em todos os órgãos do corpo humano menos um. O cérebro! O cérebro é o que define o que é a vida.”)
Leonard McCoy

“A Vulcan can no sooner be disloyal than he can exist without breathing.” 
(“Um vulcano não pode ser desleal tanto quanto não pode existir sem respirar.”)
James Kirk

Trivia

  • A área de terapia intensiva que abriga Pike na Base Estelar 11 tem uma das raras portas com dobradiças convencionais no futuro de Star Trek.
  • A sala de computadores da Base Estelar 11 é o mesmo cenário da engenharia da Enterprise, com alguns elementos redecorados para diferenciá-la.
  • A atriz Julie Parrish interpreta a ordenança Piper, num papel curto, mas destinado a estabelecer que a fama do capitão Kirk galanteador o precede pela galáxia.
  • A cadeira de rodas do capitão Pike se tornaria um ícone da cultura pop, aparecendo depois em séries de animação como Futurama e South Park.
  • As cenas externas da nave auxiliar originalmente eram reciclagens das feitas para “The Galileo Seven” (filmado antes, mas exibido depois). Na remasterização, a nave ganhou nome: Picasso.
  • As imagens que aparecem na tela da sala de conferências não são efeito visual de pós-produção; um retroprojetor as exibia durante as filmagens.
  • A produção teve de correr para conseguir autorização de todos os atores que figuraram em “The Cage” para que aparecessem neste episódio duplo.

Ficha Técnica

Escrito por Gene Roddenberry
Dirigido por Marc Daniels

Exibido em 17 de novembro de 1966

Títulos em português: “As Selvagens, Parte I” (AIC-SP), “A Coleção, Parte I” (VTI-Rio)

Elenco

William Shatner como James T. Kirk
Leonard Nimoy 
como Spock
DeForest Kelley 
como Leonard H. McCoy
James Doohan como Montgomery Scott
Nichelle Nichols como Uhura

Elenco convidado

Sean Kenney como capitão Pike ferido
Malachi Throne como comodoro Mendez
Hagan Beggs como tenente Hansen
Julie Parrish como ordenança Piper
Jeffrey Hunter como capitão Pike
Susan Oliver como Vina
M. Leigh Hudec como Número Um
Peter Duryea como tenente Tyler
John Hoyt como Phillip Boyce
Meg Wyllie como líder talosiano
Adam Roarke como Garrison

Revisitando

Enquete

Edição e revisão de SALVADOR NOGUEIRA

Episódio anterior | Próximo episódio

Be the first to comment on "TOS 1×11: The Menagerie, Part I"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*