Easter eggs e referências de ‘Forget Me Not”

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO CONTÉM SPOILERS!

O 4º episódio da 3ª temporada de Star Trek: Discovery, “Forget Me Not”, contém muitos easter eggs e referências das demais séries e filmes de Star Trek. Veja a seguir os que encontramos.

Os robôs DOT estão de volta! Dois episódios seguidos! Esses bots de manutenção vêm de “Such Sweet Sorrow”, mas também do episódio “Ephraim and Dot” dos Short Treks, conforme explicado aqui.

O almirante da Frota Estelar cuja mensagem Burnham interceptou se chama Senna Tal. No episódio 3, soubemos que Adira carregava o simbionte de Senna Tal dentro dela, o que significa que o simbionte em si se chama Tal e o almirante da Frota Estelar masculino era Senna. Esta é a mesma diferença entre Jadzia Dax e Curzon Dax.

O dr. Culber usa um scanner médico que gira para verificar vários membros da tripulação, incluindo Adira. Este é o mesmo tipo de scanner que Bones usou na Série Clássica. De acordo com Jadzia, no episódio “Trials and Tribble-ations” de Deep Space Nine, ela conheceu Leonard “Bones” McCoy quando o simbionte Dax foi juntado como Emony Dax. Emony Dax apareceu nos episódios “Facets” e “The Nagus” de Deep Space Nine,

Emony Dax

Como a Comandante Nhan, a Doutora Pollard (Raven Dauda) usa uma versão “skant” do uniforme, um vestido de manga curta ou comprida, que pode ser usado com ou sem calças, e inclui botas pretas na altura dos joelhos, ou mais curtas. Essa versão dos uniformes já foi usada em vários episódios, inclusive por homens.

Uma das memórias de Adira é uma receita para um hasperat bajoriano . Esta é uma comida bajoriana picante apresentada ao longo de Deep Space Nine, mas mencionada pela primeira vez por Ro Laren, no episódio “Preemptive Strike” de A Nova Geração. Esse hasperat foi visto em vários episódios de Deep Space Nine, como por exemplo em “Sacrifice of Angels” e é parecido com um burrito.

Dr. Culber diz que não há precedentes” para um humano ter um simbionte trill em seu corpo, mas como citado aqui, nos easter eggs do episódio anterior de Discovery, ”People Of Earth”, no episódio “The Host” de A Nova Geração, Will Riker recebeu o simbionte do embaixador Odan. Na verdade, Culber está certo ao dizer isso. A Dra. Crusher ajudou a colocar o simbionte Odan em Will Riker em 2367. Os registros médicos do Dr. Culber vêm do ano 2257, e os dados da Esfera são consideravelmente mais antigos. Assim, embora Star Trek: Discovery agora ocorra em 3188 ou 3189, a informação que Culber tem é de 2257. Com isso em mente, teria sido realmente estranho se Culber soubesse sobre Riker.

O mundo natal dos trills foi visitado no episódio “Equilibrium” de Deep Space Nine, pois Jadzia teve que retornar ao planeta Trill. As cavernas que Burnham e Adira visitaram, com simbiontes flutuando nas piscinas leitosas são semelhantes às desse episódio.

Conversando com Tilly sobre o drive de esporos, Stamets menciona que ele não foi capaz de encontrar uma interface para fazer o drive funcionar antes de descobrir o tardigrado na Glenn. Isso faz referência aos episódios “Context is For Kings” e “The Butcher’s Knife Cares Not For the Lamb’s Cry” da primeira temporada de Discovery. Nesses episódios, a tripulação encontrou um tardigrado mutante gigante apelidado de Ripper, na nave-irmã USS Glenn.

Tilly quer usar uma interface de matéria escura para fazer o drive de esporos funcionar. No episódio “New Eden” de Discovery, Tilly também queria tentar usar um pouco de matéria escura para fazer uma nova interface para o drive de esporos.

Stamets menciona que a rede micelial é um “domínio subespacial”, o que significa que ela inerentemente não faz parte do “espaço normal”. Enquanto os domínios subespaciais são uma invenção de ficção científica, a matéria escura está mais perto de ser real. O que Stamets está dizendo é:”A matéria escura existe no espaço real, e todas as coisas da unidade de esporos acontecem em espaço não real.”

Quando Culber sugere que Burnham vá com Adira para a superfície de Trill, ele diz que Adira viu tudo o que ela tinha ser tirado dela, e que Burnham devia entender.  Ela responde que acha que ele também deve entender. O comentário de Culber, de que Burnan entende isso, provavelmente faz referência à ideia de que Burnham foi julgada e enviada para a prisão da Federação, no episódio “Battle at the Binary Stars”, da 1ª temporada de Discovery. A réplica de Burnham, “você também”, faz referência ao fato de que na 2ª temporada, Culber voltou dos mortos e teve um corpo totalmente novo, reconstruído pela rede micelial.

Por que Burnham e Adira não se teletransportam até a superfície de Trill? No episódio “The Host” de A Nova Geração, foi dito que um trill não deveria usar o transporte porque poderia danificar o simbionte. Mas em Deep Space Nine, Jadzia Dax usava o teletransporte para cima e para baixo o tempo todo. Também vimos Adira ser teletransportada a bordo da Discovery no episódio anterior “People Of Earth”.

Os guardiões de Trill dizem que em “2.000 anos não há uma única instância registrada de uma união” entre um humano e um simbionte. Conforme já mencionado em A Nova Geração, Riker se juntou ao simbionte Odan em “The Host”. Parece que o governo Trill não queria que ninguém soubesse disso, portanto não era uma coisa a ser divulgada. Nesta cena, também é mencionado que “a separação forçada poderia matar o hospedeiro”. Essa ideia foi estabelecida em Deep Space Nine inúmeras vezes.

Os guardiões de Trill mencionam que eles não fazem parte da Federação, o que parece semelhante ao status da Terra no episódio 3, “People of Earth”. Há apenas uma diferença: embora tenhamos visto vários trills servindo na Frota Estelar ao longo dos anos, nunca foi explicitamente declarado no cânone que o planeta Trill fazia parte da Federação.

Nem todos os trills podem ser hospedeiros. Em Deep Space Nine foi dito que era muito difícil para o trill humanoide ser adequado para se unir a simbiontes. No entanto, no episódio “Equilibrium” de Deep Space Nine, aprendemos que isso era um mito, e que na verdade havia muitos anfitriões viáveis. Um dos guardiões diz que Adira pode ser o futuro porque “Não temos mais hospedeiros viáveis o suficiente”. Se esta é a verdade, então algo mudou radicalmente na biologia dos trills.

Adira percebe que Burnham elimina os guardiões muito rapidamente com seu faser. Burnham diz que eles vão ficar bem. Isso significa que o faser dela estava em atordoar, e sabemos disso porque tinha uma luz azul acesa e não uma luz vermelha.

Quando o computador da Discovery começa a ficar um pouco pessoal com Saru, sua voz muda e vemos brevemente um gráfico dos dados da Esfera. Durante esta cena, os dados da esfera que habitam os sistemas de computador da Discovery desde a temporada passada, assumem temporariamente a interface normal do computador, falando e rindo na voz de Zora (Annabelle Wallis), a inteligência artificial que era a única ocupante da Discovery no episódio “Calypso” de Short Treks. Na vida real, Annabelle Wallis namora Chris Pine, o capitão Kirk dos filmes da linha Kelvin, desde 2018.

O guardião Xi (Andres Apergis), que leva Adira e Burnham para as cavernas sagradas de Mak’ala, onde os simbiontes livres vivem em piscinas leitosas e eletrocondutoras. Essas cavernas foram mostradas em “Rejoined” de Deep Space Nine, quando Jadzia Dax faz uma visita a Trill.

O neurotransmissor trill isoboromina, que gerencia a conexão entre simbionte e hospedeiro, foi mencionada durante a visita às Cavernas de Mak’ala. No episódio “Equilibrium’ de Deep Space Nine, os níveis de isoboramina de Jadzia Dax ficaram perigosamente baixos quando um bloqueador de memória química estava se esgotando no simbionte Dax.

A insígnia trill, vista no orb Mynh´Ta pode ser encontrada nos episódios “Rejoined” e “Prodigal Daughter”.

Em “Rejoined“, na insígnia vista de frente, a parte arredondada fica para a direita, enquanto em “Prodigal Daughter”, ela fica para a esquerda. Neste episódio, a insígnia aparece tanto com a parte arredondada para a direita, quando o orb está fechado, como para a esquerda, quando o orb está aberto.

O gabinete do capitão Saru possui uma série de vasos de plantas, incluindo as distintas flores vermelhas de Kaminar vistas em “The Sound of Thunder” e enfeitam a mesa da refeição,

Durante a refeição, Saru menciona a colheita de kelp em Kaminar. Essa colheita foi vista no episódio “The Brightest Star” dos Short Treks, quando Saru e sua irmã Sirana são vistos colhendo o kelp dentro da água.

Haiku é uma forma curta de poesia japonesa geralmente caracterizada por três aspectos: A essência do haiku é o “corte”. Além das 17 sílabas, distribuídas em três versos (5-7-5), o haiku não tem rima nem título. No haiku de Tilly, ela diz que uma vez vomitou em um embaixador telarita no Dia de Ação de Graças. Os telaritas já foram vistos no primeiro episódio da 3ª temporada de Discovery, “That Hope Is You, Part 1”. Veja aqui.

No flashback, Adira pergunta a Gray (Ian Alexander) quais partes de sua personalidade estão vindo dele e quais partes estão vindo dos anfitriões anteriores do simbionte Tal. Quando Ezri Dax recebeu pela primeira vez o simbionte Dax, ela tinha perguntas semelhantes sobre como ela realmente era. Na verdade, em algum nível, a história de origem de Adira é semelhante a Ezri: Ambas se juntaram a um trill por causa de uma emergência.

Adira e Gray estavam em uma nave geracional quando Gray foi morto e Adira recebeu o simbionte. Como citado aqui, no episódio “E²” de Star Trek: Enterprise, a tripulação da NX-01 encontra uma versão alternativa da nave, tripulada por seus descendentes.

Os instrumentos de corda exóticos vistos na nave geracional são (da esquerda para a direita):

  • um sarangi. o principal instrumento de cordas friccionadas da Índia, Nepal e Paquistão.
  • um esraj, também chamado de harpa indiana, um instrumento de cordas encontrado nas regiões norte, central, e leste da Índia.
  • um saltério (dulcimer) apalachiano, ambém conhecido como saltério das Montanhas Apalaches. um instrumento de cordas com trastes, da família da cítara, utilizado na música folclórica americana.

Não fui capaz de identificar o instrumento mais à direita, parecido com alaúde, tocado com um arco. Se alguém souber, escreva nos comentários.

Gray toca violoncelo. Este instrumento apareceu em vários episódios de A Nova Geração. Por exemplo, um violoncelo fazia parte do quarteto de cordas alucinado por um tripulante da USS Enterprise-D quando o Viajante trouxe a nave e a tripulação para o fim do universo, no episódio ”Where No Man Has Gone Before”. No episódio “The Ensigns of Command”, Miles O´Brien toca violoncelo, como parte de um quarteto de cordas.

Adira jogava xadrez imaginário com Gray, conforme representado na colcha que Adira fez para Gray. No episódio “Observer Effect” de Star Trek: Enterprise, o alferes Travis Mayweather e o tenente Malcolm Reed jogaram xadrez a bordo da nave estelar Enterprise, enquanto eram habitados por observadores organianos. No episódio “Veritas” de Star Trek: Lower Decks, Q coloca a tripulação da ponte em um tabuleiro de xadrez, jogando contra cartas de baralho.

Como Adira e Gray, já vimos vários casos de trills encontrando amores passados, como o reencontro de Jadzia com Lenara Kahn em “Rejoined”, e a paixão ligeiramente grosseira de Curzon com a então protegida Jadzia, revelado em “Facets” de Deep Space Nine.

A linguagem trill escrita, baseada em linhas parecidas com minhocas e pontos dentro de triângulos, vista na barra da toalha que Adira Tal e Burnham recebem ao emergir da água, tinha sido vista três vezes antes, em “Equilibium”, “Rejoined” e “Prodigal Daughter” de Deep Space Nine.

Tal já teve seis hospedeiros anteriores antes de Adira – Kasha, Jovar, Madela, Cara, Senna e Gray. Três dos antigos hospedeiros de Tal serviram na Frota Estelar. Um dos hospedeiros usa um uniforme da época de Star Trek: Picard; o almirante Senna Tal (Kenneth Welsh) usa um uniforme cinza e um outro hospedeiro usa um uniforme azul claro, com uma listra dourada da divisão de operações, provavelmente de alguma época no meio destas, com a insígnia moderna do século 32, e os pins de comandante.

Depois da refeição não tão boa da tripulação, a segunda tentativa de Saru para aliviar o estresse em toda a nave é uma exibição de um filme de Buster Keaton, completa com o recipiente de pipoca com o logotipo da Frota Estelar na mão de Georgiou, também vistos pela última vez nas mãos de Craft, no episódio “Calypso” de Short Treks. Em Star Trek: Enterprise, Trip Tucker programou noites semanais de filmes a bordo da nave. Nos episódios “Cold Front” e “The Catwalk” foi citado que a Enterprise tinha um banco de dados de 50.000 filmes. No episódio “Repression’ de Star Trek: Voyager, Tom Paris também começou as noites de cinema a bordo da Voyager, usando o holodeck do navio.

Enquanto os trills anteriores, como Jadzia e Ezri Dax, muitas vezes se referiam a memórias específicas do passado, ou herdam algumas peculiaridades de personalidade desses antigos hospedeiros. Discovery optou por apresentar as memórias de Gray na forma de uma entidade independente e aparentemente autoconsciente, enquanto ainda é uma parte integrada da personalidade de Adira Tal. Como será que os demais personagens vão perceber ou interagir com ele? Como um indivíduo independente, ou ele estará apenas por perto, como uma espécie de fantasma da Força (misturando franquias espaciais só um pouquinho) pelo resto do tempo de Adira Tal na Discovery.

Estes foram os easter eggs e referências que encontramos em “Forget Me Not”. Se você encontrou mais algum, escreva nos comentários.

Be the first to comment on "Easter eggs e referências de ‘Forget Me Not”"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*