TNG 1×13: Angel One

Manifesto de Star Trek pelo sufrágio universal não consegue superar o óbvio

Sinopse

Data estelar: : 41636.9

Procurando sobreviventes de um cargueiro chamado Odin, desaparecido há sete anos, a Enterprise chega a Angel I, uma sociedade matriarcal em que os homens são considerados uma forma de vida inferior. Riker sente-se deslocado quando Tasha e Troi assumem o contato diplomático, por serem mulheres.

Os sobreviventes, todos homens, são localizados no planeta, mas recusam-se a voltar. Eles se casaram com mulheres de um grupo de renegados do planeta que discordam do papel submisso do homem naquela sociedade.

Os renegados são descobertos e condenados à morte. Para salvá-los, Riker está disposto a violar a Primeira Diretriz e levá-los contra a vontade deles para a Enterprise. Mas a nave está infectada com um vírus alienígena trazido por um mau funcionamento do holodeck, e a doutora Crusher proíbe a volta de qualquer pessoa a bordo.

Para piorar a situação, a Frota Estelar exige a presença da Enterprise nas proximidades da Zona Neutra, pois os romulanos estariam fazendo uma incursão por lá.

No fim das contas, a médica consegue a cura para a tripulação, e um discurso de Riker sobre a diferença entre revolução e evolução convence Beata, a líder de Angel I, a exilar os rebeldes em vez de sentenciá-los à morte.

Comentários

“Angel One” é uma tentativa desajeitada de pregar a igualdade de direitos entre os sexos. Infelizmente, o episódio esbarra nos limites de sua própria premissa e, em essência, cai de cara no chão.

Não porque a causa seja injusta, ou porque o tema não permitisse um bom episódio, mas pelo simples fato de que a produção optou pelo caminho mais fácil. Em vez de criar uma metáfora inteligente, apelou para o óbvio, com uma civilização de mulheres “machonas”.

Nisso, perdeu-se uma excelente possibilidade de explorar reais contrastes entre homens e mulheres – algo visto em sociedades primatas não humanas (note o contraste entre os violentos chimpanzés, patriarcais, e os pacíficos bonobos, matriarcais) e acabaria sendo explorado tematicamente na psicologia em best-sellers como Homens são de Marte, Mulheres são de Vênus (1992), de John Gray.

Embora seja também algo espinhoso de fazer sem correr o risco de novamente cair em estereótipos ou preconceitos, certamente ofereceria oportunidades dramáticas mais interessantes. E ofenderia menos a inteligência do espectador com a apelação ao óbvio.

Além do problema conceitual do episódio, há os problemas de execução. No roteiro, tudo se contorce para satisfazer os rumos da história, trazendo diversos absurdos patéticos.

Nesse saco de gatos estão a contaminação de toda a tripulação da Enterprise por um vírus criado pelo holodeck (!), a atitude totalmente antiética de Riker ao se envolver romanticamente com a líder do planeta, o comportamento imbecilizado de Tasha e Troi com relação ao comandante, a estúpida decisão de Ramsey e seus homens de optar pela morte em lugar de um refúgio seguro na Enterprise. Os exemplos pululam.

Por essas e outras, “Angel One” pode ser facilmente considerado um dos piores episódios da complicada primeira temporada da série.

Avaliação

Citações

“Klingons appreciate strong women.”
(Klingons gostam de mulheres fortes.)
Worf 

“You can’t rescue a man from a place that he calls his home.”
(Você não pode resgatar um homem de um lugar que ele chama de lar.)
Ramsey

“No power in the Universe can hope to stop the force of evolution. Be warned. The execution of Mister Ramsey and his followers may elevate them to the status of martyrs. Martyrs cannot be silenced.” 
(Nenhum poder no universo pode esperar deter a força da evolução. Esteja avisada. A execução do sr. Ramsey e seus seguidores pode elevá-los ao status de mártires. Mártires não podem ser calados.)
Riker

Trivia

  • Neste episódio os romulanos são citados pela primeira vez em A Nova Geração.
  • Herman Zimmerman, designer de produção da série, inteligentemente adaptou e redecorou o cenário do laboratório do dr. Soong, construído para “Datalore”, para servir como um dos ambientes de “Angel One”.
  •  O diretor deste episódio, Michael Rodes (ganhador de quatro prêmios Emmy com a série Insights), foi o primeiro diretor a dar a Wil Wheaton (Wesley Crusher) um papel principal. Aconteceu em 1981, no programa After School Special, da rede de televisão ABC.

Ficha Técnica

Escrito por Patrick Barry
Dirigido por Michael Rhodes

Exibido em 25 de janeiro de 1988

Título em português: “A Ordem Estabelecida”

Elenco

Patrick Stewart como Jean-Luc Picard
Jonathan Frakes como William T. Riker
Brent Spiner como Data
LeVar Burton como Geordi La Forge
Michael Dorn como Worf
Gates McFadden como Beverly Crusher
Marina Sirtis como Deanna Troi
Wil Wheaton como Wesley Crusher
Denise Crosby como Natasha “Tasha” Yar

Elenco convidado

Karen Montgomery como Beata
Sam Hennings como Ramsey
Patricia McPherson como Ariel
Leonard John Crowfoot como Trent

Enquete

Edição de Maria-Lucia Rácz
Revisão de Susana Alexandria

Episódio anterior | Próximo episódio

Be the first to comment on "TNG 1×13: Angel One"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*