TNG 1×14: 11001001

Episódio se apoia em conceitos ingênuos, mas mantém espírito humanista de Star Trek

Sinopse

Data estelar: 41365.9

A Enterprise visita a Base Estelar 74 para fazer atualização nos sistemas – tarefa a ser cumprida pelos binários, uma raça tão dependente de computadores que trabalha em pares e se comunica em linguagem de máquina.

Enquanto os binários trabalham, a tripulação ganha folga. Riker vai ao holodeck e cria um típico bar de jazz de Nova Orleans, onde possa tocar trombone. Lá, conhece a mulher holográfica Minuet, por quem se apaixona. Picard também vai ao holodeck e os três se entretêm numa conversa.

Sem o conhecimento deles, os binários simulam uma falha explosiva e a nave é evacuada – com exceção dos dois oficiais no holodeck. Os binários então levam a Enterprise a seu planeta natal.

Ao descobrir o embuste, Riker e Picard acionam a autodestruição, para que a nave não caia em mãos hostis, e se transportam para a ponte, onde descobrem os binários incapacitados – bem como seu planeta.

A dupla descobre que os alienígenas haviam estocado informações nos bancos de memória da Enterprise com o objetivo de reiniciar o computador planetário após a interferência causada por uma supernova. Eles transferem os dados e salvam aquela civilização.

Comentários

“11001001” se sustenta com base em duas premissas: a primeira é a de que seres que dependem 100% de máquinas para sobreviver correm sérios riscos, já que sempre há a chance de um mau funcionamento. A segunda é a de que seres com raciocínio binário são capazes apenas de reações extremas frente a situações: “sim” ou “não”, “1” ou “0”.

A primeira das premissas é interessante e se mantém de acordo com o espírito humanista de Star Trek, adotado principalmente durante a Série Clássica: nenhuma máquina é capaz de superar o ser humano em termos de adaptabilidade, não importando sua velocidade e capacidade de memória superior.

Já a segunda é ingênua e se mostra contraditória ao longo do próprio episódio. Se os binários fossem de fato tão extremistas, a ponto de não conseguirem imaginar meio-termo entre a Federação oferecer ou recusar ajuda a seu planeta, não seriam capazes de elaborar o programa de Minuet – um dos hologramas mais “vivos” já criados, responsável pelo primeiro caso de “paixonite holográfica aguda” de Jornada nas Estrelas.

Apesar disso, ainda assim há grande dose de adrenalina e aventura durante este episódio. Cenas como a que Data ordena a evacuação da nave ou a que Picard e Riker programam a nave para autodestruição e depois se transportam para a ponte conseguem manter o telespectador suficientemente interessado.

Há também um pouco de tempo para desenvolver as inter-relações entre os personagens, algo raro durante a primeira temporada. Crusher demonstra seu apego ao trabalho, Worf e Tasha prosseguem mostrando a intensificação de sua amizade, e Riker mostra que, apesar de sua simpatia e carisma, é na verdade um sujeito solitário.

O episódio contém grandes tomadas de efeitos visuais – nada surpreendente, sabendo que as cenas foram parcialmente recicladas dos longa-metragens de Star Trek. A doca espacial é a mesma vista em Jornada nas Estrelas III – À Procura de Spock.

No fim das contas, embora não seja um dos maiores (e poucos) sucessos da temporada, “11001001” se sustenta como uma aventura divertida.

Avaliação

Citações

“If winning is not important, then, Commander, why keep score?”
(Se vencer não é importante, então, comandante, por que contar os pontos?)
Worf

Trivia

  • “11001001” originalmente viria antes de “The Big Goodbye” e ajudaria a explicar o defeito no holodeck visto naquele episódio.
  • Vemos pela primeira vez na série o ator Jonathan Frakes (Riker) mostrar seu talento no trombone.
  • A trilha do episódio, criada pelo músico Ron Jones, faz excelentes “citações” ao tema de A Nova Geração, composto por Jerry Goldsmith para Jornada nas Estrelas: O Filme.
  • A personagem Minuet apareceria novamente em “Future Imperfect”, do quarto ano.
  • Os quatro binários foram interpretados por mulheres dançarinas, e suas vozes foram tratadas para soarem mais graves.
  • Gene Dynarski, o comandante Quinteros, atuou nos episódios da Série Clássica “Mudd’s Women”, como Ben Childress, e “The Mark of Gideon”, como Krodak.

Ficha Técnica

Escrito por Maurice Hurley & Robert Lewin
Dirigido por Paul Lynch

Exibido em 1º de fevereiro de 1988

Título em português: “11001001”

Elenco

Patrick Stewart como Jean-Luc Picard
Jonathan Frakes como William T. Riker
Brent Spiner como Data
LeVar Burton como Geordi La Forge
Michael Dorn como Worf
Gates McFadden como Beverly Crusher
Marina Sirtis como Deanna Troi
Wil Wheaton como Wesley Crusher
Denise Crosby como Natasha “Tasha” Yar

Elenco convidado

Carolyn McCormick como Minuet
Gene Dynarski como comandante Quinteros
Katy Beyer como Zero Um
Alexandra Johnson como Um Zero
Iva Lane como Zero Zero
Kelli Ann McNally como Um Um
Jack Sheldon como pianista
Abdul Salaam el Razzac como baixista
Ron Brown como baterista

Enquete

Edição de Maria-Lucia Rácz
Revisão de Susana Alexandria

Episódio anterior | Próximo episódio

Be the first to comment on "TNG 1×14: 11001001"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*