Connor Trinneer fala sobre série Enterprise

A série Enterprise já acabou faz algum tempo, mas para o ator Connor Trinneer a experiência permanecerá com ele para sempre. Foi, observa o ator, o tipo de oportunidade que cada profissional neste setor espera ter pelo menos uma vez em sua carreira. O site StarTrek.com encontrou com Trinneer para uma entrevista exclusiva, onde ele relatou seus tempos como o comandante Charles “Trip” Tucker. 

O que você sente falta em Enterprise: o trabalho, o personagem, o público, o salário fixo, ou tudo isso?

“Tudo isso, definitivamente. Neste ponto em minha carreira, tem sido a experiência mais gratificante para mim, isso e Stargate. É engraçado que os dois são sci-fi shows. Mas eu amava os dois personagens, e eles foram tão drasticamente diferentes um do outro, como foram as duas séries. Se eu sinto falta de Enterprise? Você realmente não quer perder as coisas. Mas você realmente não quer voltar. Você quer olhar para a frente para o próximo. Mas foi uma experiência extremamente gratificante que todos nós gostaríamos que tivesse durado mais tempo. Isso não aconteceu. É a vida. Somos atores. Supera-se isso. Segue-se em frente. Mas é bom saber que eu estava envolvido em algo que deu muita satisfação – e continua a dar muita satisfação – para as pessoas. Como um contador de histórias, esse é o tipo de coisa que você está lá para fazer. Se conseguir isso, então é ainda melhor.”

Vamos ignorar a morte de seu personagem, por um momento, e assumir que não teria acontecido se Enterprise fosse renovada para uma quinta temporada. Que história de Trip teria começado e o que ainda saberíamos mais sobre o cara?

“É difícil dizer. Achei que tivemos muito dele porque lhe deram muita corda para se enforcar. Eu acho que eles teriam explorado mais essa relação com T’Pol. Acho que houve muita coisa para colher e acho que você teria visto muito mais do que isso. Provavelmente teria sido mais dessa evolução, dessa relação vulcano-humana e talvez eles tentando ter filhos. Teria sido bastante poderoso para as pessoas. Todos os anos, nós tínhamos esses encontros (em reuniões) no início de cada temporada, e os produtores perguntavam: “O que você gostaria de ver? Onde você vê que o personagem está indo?” Todo ano eu acabava dizendo para Rick (Berman) e Brannon (Braga),” Olha, vocês me jogam tanta coisa que está além da minha própria imaginação. Continuem fazendo isso. Eu realmente não posso dizer, ‘Eu quero ir para esta ou aquela direção”. Eu gosto do que vocês fazem. Eu gosto de onde vocês estão indo com ele. Vamos continuar pressionando pelas bordas”. Eu acho que teria continuado a acontecer assim. Mas qualquer outra coisa, é muito difícil de dizer, porque ele foi em tantas direções diferentes.”

Você não era um fã dos episódios Universo Espelho, certo?

“Um monte de gente gostou daqueles episódios do Universo Espelho, que eu odiava. E você poderia ter visto mais disso, os episódios retrocesso, porque as pessoas gostavam deles. Eu conto uma história sobre isso nas palestras nas convenções. Eu entrei e dei a minha opinião sobre como esse cara poderia ser e o diretor (James Conway) disse: “Eu quero que ele seja um pouco rude”. Eu disse, “Você quer dizer, como um pirata?” E ele disse: “Sim, faça-o como um pirata”. Então, eu fazia aqueles “Arrggghh, arrrgghhh, arrrggghhh”. Eu fiz a cena e ele disse, “Corta. Gravem”. Eu disse: “Não, eu estava brincando”. Ele disse: “Não, isso está ótimo. Isso é o que estamos fazendo”. Então, o tempo todo eu pensava comigo mesmo,” Não era isso que eu quis dizer”. Mas acho que você teria visto mais dessas coisas retrocesso.”

OK, vamos ao fim de viagem e do final da série como um todo. Você estava irritado, frustrado, aceitando o fato de que eles mataram-no e que toda a série parecia estar envolta em um fio de história de A Nova Geração?

“Bem, olhe, a série havia terminado, então na minha opinião, o que tivemos de fazê-lo, nós fizemos. Então, quando eu li o roteiro, basicamente metade disso era sobre a morte de Trip e seu papel na continuidade deste evento, que foi necessário para ocorrer. Eu fiquei totalmente satisfeito com ele. Sei que outras pessoas não ficaram, mas eu estava satisfeito com ele como ator, porque não havia muito a fazer, não muita coisa acontecendo. Eles estavam falando sobre seus sentimentos sobre esse personagem e tudo mais. Eu sei que as pessoas tinham suas opiniões sobre trazer o pessoal de Nova Geração. Droga! Eu amei trabalhar com Jonathan Frakes e desejei que pudesse ter feito mais. Eu adorava o cara. Eu não me importava em relação ao que eles estavam costurando para o personagem. Fiquei muito feliz com a minha participação como um personagem, se isso faz sentido.”

Há algum debate sobre se vocês deram ou não idéias da história para a série e se você estava no caminho para dirigir um episódio. Você pode esclarecer essas duas coisas, por favor?

“Eu ofereci enredos. Minha esposa, que é uma parceira de composição comigo, e um outro amigo meu que é um escritor, armamos algumas idéias que eles não pegaram. E foi por aí que eu estava interessado em dirigir. Eu queria ter essa ferramenta em minha caixa de ferramentas até o final da série. Eu teria gostado de ter dirigido. Mas a situação política no estúdio e na emissora (UPN) era aquela, e havia algumas diretivas enviadas. Não é por acaso que ninguém dirigiu. Há uma razão pela qual ninguém na nossa série teve que dirigir, porque eles não deixaram. Nós queríamos. Vários de nós queriam. Dominic definitivamente queria. Ele passou muito tempo na ilha de edição e seguindo o caminho que você deveria tomar para dirigir, mas eles não estavam querendo fazê-lo. Tivesse a série continuado, provavelmente teria chegado a oportunidade.”

Quem do elenco você ainda está em contato?

“Dominic e eu morávamos bem perto um do outro, mas minha esposa e eu nos mudamos para ficar mais perto da escola do nosso filho. Mas eu estou em contato com Dominic o tempo todo. Eu converso com Linda (Park) de vez em quando. Eu a vejo de vez em quando. Eu vejo John (Billingsley) e (sua esposa) Bonnie. Acho que a última vez que vi Anthony (Montgomery) estava em Las Vegas. A última vez que ouvi de Jolene (Blalock), ela tinha ido ver uma atuação que eu fiz. Eu não a tenho visto algum tempo, então eu realmente não sei o que está acontecendo com ela. Scott (Bakula) tem uma festa de Natal a cada ano, de modo que todos nós estamos juntos, então. Infelizmente, eu perdi este ano, porque estávamos todos doentes. A coisa boa é que talvez não estivéssemos juntos o tempo suficiente para ficarmos irritados com o outro. Então, quando nós vemos uns aos outros, é bom ver todo mundo.”

Existem fãs por aí que amam Enterprise e classificam-na entre as melhores séries de Jornada, e os fãs que a odiaram, culpam-na por “matar” a franquia. Você vê os dois lados e, ao final, você acha que Enterprise recebe uma censura injusta?

“Eu não ouvi ninguém culpar a nossa série por fazer isso para a franquia. Acho que nossa série, em certo sentido, foi queimada. Olha, até onde eu sei, se os nossos índices não fossem iguais a Voyager ou Deep Space Nine, eles não iriam muito longe com ela. Nós estávamos fazendo a mesma coisa, tanto quanto os fãs, as pessoas assistindo a nossa série, todo mundo estava fazendo no que diz respeito ao lado comercial da mesma. Não parece tão diferente para mim. Se você olhar para trás, para a rede e o que foi ao ar na rede, nós éramos apenas o elefante andando pela sala. Nós não éramos aquilo que essa rede estava procurando fazer no momento. Voyager era a pedra angular para eles. Assim foi a nossa série, para a rede, em certo sentido, provavelmente em uma questão de fazer dinheiro. Mas em termos de audiência que eles estavam tentando cativar, certamente não era um público de ficção científica. Você sabe o que eu quero dizer. E isso não ajudou. Quando você tem séries nas emissoras, você quer que as pessoas fiquem lá, porque elas vêem publicidade, série após série. Você tinha que ver a nossa série. Isso não quer dizer que outros programas não têm de fazer com que isso acontecesse também, mas no momento, na rede em que estávamos, era o objetivo. Se você estivesse procurando por jovens adolescentes fazendo o que querem, então, nós exibíamos a nossa série, você iria mudar de canal. Mas se você estivesse procurando por nós, você iria vê-la.”

“Responsável por qualquer morte da franquia? Acho que foi um disparate. Quando você olha para trás, todas as séries levam alguns anos para encontrarem seu rumo. E eu acho, que nós tínhamos encontrado nosso rumo. Existe algum argumento em que você só pode ir bem tantas vezes? Absolutamente. É também um argumento que eu concordo. Quantos anos em seguida você pode mantê-la? Aconteceu de sermos a série que, por qualquer razão, eles disseram, “Pare”. Era cara. Eram todos caros. Mas em termos de o que fizemos e o que nós realizamos, eu acho que todos os envolvidos com ela, inclusive eu, não sentimos nada mais que o orgulho pelo que fizemos e vamos tirar o chapéu sobre isso.”

O que você está trabalhando atualmente?

“Nestes dias eu sou apenas uma espécie fora da floresta me recuperando de uma cirurgia no joelho e formação de coágulos sanguíneos, como resultado disso. O último trabalho que fiz foi há alguns meses atrás, quando eu fiz um episódio de um programa Lifetime chamado The Protector. Eu empurrei minha cirurgia para algumas semanas a frente, porque no final da primavera e início do verão (americano) é uma espécie de tempo morto aqui em Hollywood. Então eu fiz minha cirurgia e, que me manteve fora da ação até agora, basicamente.”

No geral, você tem estado satisfeito com as oportunidades que estão disponíveis para você desde que terminou Enterprise?

“Qualquer ator desempregado quer trabalhar. Assim, a qualquer hora que você não está trabalhando, você quer estar fazendo alguma coisa. Acho que todo mundo que esteve em uma série como uma série regular adoraria dar um passo atrás para esse cenário, e eu não sou diferente. Eu adoraria que isso acontecesse. Não tem (trabalho) neste momento, mas nem por isso eu estou desanimado. E eu tive algum trabalho agradável de fazer. Stargate Atlantis (no qual ele interpretou o personagem recorrente Michael) se estendeu por quatro anos. Eu fiz mais de 15 episódios. Que era uma parte grande. Depois disso, ele foi esporádico. Se eu gostaria de trabalhar mais? Sim. Se eu não quisesse trabalhar mais, eu estaria aposentado. Mas eu acho que o meu trabalho mais satisfatório desde Enterprise foi no palco. Eu fiz uma brincadeira aqui no Geffen em LA chamado de Equivocation, e que ganhou Production of the Year at the Ovation Awards.”

Você fez um episódio de The Mentalist, onde se reuniu com John Billingsley. Você gostou disso?

“Isso foi divertido. Era seu episódio e ele foi ótimo nele. Foi incrível trabalhar com John de novo. Engraçado o suficiente, eu acho que eu trabalhei mais com John em um episódio do que eu trabalhei com ele em (todos) Enterprise.

Trinneer esteve, neste fim de semana, em Las Vegas na convenção oficial da Creation, dividindo o palco com Dominic Keating.

6 Comments on "Connor Trinneer fala sobre série Enterprise"

  1. Muito bom ator, fez alguns do episódios mais emocionantes da série, mas, a morte do personagem fou uma viagem, se já tinham matado a série, porque matar o Trip? Essa não engulo até hoje, tanto que nunca mais assisti o último episódio.

  2. Realmente, muito bom ator. Acho que ele fez a linha “a lá” Scotty: pau pra toda obra e cabeça quente.

    Mas, sim, houveram cenas emocionantes com ele, como por exemplo, quando a “filha” dele e da T´Pol morreu.

  3. Muito bom mesmo. E também a entrevista dele muito sincera.

    Realmente, ENT poderia ter ficado se a CBS não tivesse insistido em usar VOY como pedra angular. Na minha opinião, tudo o que falam mal das outra séries e filmes é só em poucos momentos. Mas VOY era sempre o problema.

  4. Será que VOY era a pedra no sapato, e não a pedra angular?…

  5. Realmente o último episódio é dispensável, mas a série foi ótima e, na minha opinião, foi a que teve eum entrosamento mais rápido (depois de TOS, é claro). Pena que foi queimada e não foi possível nem uma transposição para o cinema. Realmente um desperdício.

  6. De tanto ler os comentários positivos em relação a série
    Enteprise, adquiri a quarta temporada.
    Os primeiros episódios são muito bons e o Bakula é um capitão com bastante carisma.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*