Tim Russ reflete sobre seu tempo em Voyager

O ator Tim Russ foi uma das estrelas de Star Trek: Voyager que participou, no dia 25 de junho, do painel virtual GalaxyCon Live, juntamente com Robert Picardo e Garret Wang. Russ conversou com o site TrekMovie, antes do painel, para falar do seu tempo na franquia, sua carreira pós-franquia e como estão seus projetos atuais.

Para comemorar o 25º aniversário da série Voyager, um evento foi programado para reunir o elenco no Star Trek Las Vegas,  em agosto, mas devido a pandemia foi transferido para dezembro.

O legado de Voyager

Aos 64 anos, Tim Russ teve um momento para refletir a respeito de sua parte na franquia.

Fazer parte da franquia, é estar a bordo do trem que parece não ter fim, disse Russ.

“Qualquer coisa que eu faça agora ou em qualquer lugar que eu vá, a maioria das pessoas por aí me relaciona com Voyager. Eu vou estar ligado a isso. Isso nunca vai desaparecer. Do ponto de vista da carreira, o legado tem sido bastante positivo. Eu pude fazer muito mais coisas e esticar minhas asas de forma criativa por causa das oportunidades que surgiram como resultado de estar naquele programa. Eu acho que isso foi uma grande vantagem para mim”.

Uma coisa que tem sido consistente para o ator é seu envolvimento nas convenções, devido ao entusiasmo dos fãs e isso continua fazendo parte de sua vida.

Russ conta que houve uma pausa de trabalho, depois que saiu da série. Mas ele considera que esse tempo foi positivo, pois pode fazer alguns trabalhos por trás dos bastidores, como ser diretor de uma empresa de produção. Algumas vezes teve participação especial em séries de TV como iCarly.

Trabalho em The Orville

Russ sente-se agradecido por Jornada ter projetado sua carreira para o mundo. E por ter esse legado em seu curriculum, ele conseguiu pegar alguns projetos e trabalhar na frente e atrás das câmeras. Uma dessas oportunidades foi na série The Orville, cuja produção também é fã de Jornada.

“No que diz respeito a Orville, Seth MacFarlane é um grande fã. E houve outros atores de Voyager que estiveram no programa. Eles amam a série e foi muito divertido trabalhar nela”, disse Russ sobre sua participação na série de MacFarlane.

“Foi muito legal, porque eles são muito meticulosos e são muito detalhados para acertar tudo e a escrita é muito firme. Fiquei muito feliz por ter o diálogo escrito da maneira que foi. O humor era levemente entrelaçado nas linhas aqui e ali. É muito, muito legal e muito comovente no episódio em que trabalhei”.

Russ esteve no episódio 11 da 2ª temporada “Lasting Impressions”.

A Time Capsule Is Recovered and Lt. Malloy Experiences Life in ...

“Foi legal estar de volta a um conjunto de naves espaciais realmente elaboradas. Eles fizeram um trabalho maravilhoso naquele set. É incrível. Muito, muito grande, muito detalhado e muito realista. E eu adorei interpretar esse tipo de personagem lá também. É bem no meu beco, tanto quanto ser um personagem de base histórica. Eu cavei, foi uma explosão. Um ótimo elenco para se trabalhar também”.

A dinâmica do vulcano Tuvok

O ator comentou como foi desenvolver um personagem com características já conhecidas na franquia. Começar com um personagem regular, foi uma vantagem para Russ trabalhar em cima do elemento vulcano. Inicialmente, tudo o que ele tinha que fazer era dar uma forma ao personagem com base no que já estava definido em Jornada.

“Entre os personagens de Vulcano, eu pude imaginar: ‘Bem, é assim que as pessoas vão começar a andar e conversar’ até que eles possam escrever histórias para mim, para me dar mais um pano de fundo e outras coisas”, disse o ator. No entanto, Tuvok tem uma vida diferente de Spock.

“A estrutura era diferente do caráter original de Spock em termos de sua vida e em termos de ser casado e ter filhos. Então, sua mentalidade seria diferente dessa maneira. Eu pude usar o personagem dele e outros personagens vulcanos que foram retratados como um amálgama para Tuvok”.

[image: Tuvok and his wife T'Pel touch fingers really intensely, which is basically Vulcan hugging. Image from Trekcore.]

Apesar de achar que Tuvok tenha sido subutilizado algumas vezes, Russ cita a entrada de Jeri Ryan (na quarta temporada como Sete de Nove) como um dos motivos para mudança na dinâmica de quantas histórias seriam distribuídas a todos do elenco, já que passou a ter nove no elenco regular.

“Com a chegada tardia do personagem de Jeri Ryan, eles tiveram que estabelecê-la e obter a estória de fundo da personagem até ganhar velocidade, para que ela estivesse junto com o resto de nós. E eles se concentraram nela para fazer isso. E isso levaria a reduzir algumas estórias de todo mundo para concluir esse processo. Essa foi uma decisão que eles tomaram. Nós não concordamos com o elenco regular o tempo todo. Acontece, é assim que funciona. Eu não tenho nenhum problema. Eu consegui pelo menos três, quatro ou cinco histórias que me deixaram muito feliz”.

Episódio “Year of Hell” como arco de uma temporada

Num podcast, o ex-roteirista Bryan Fuller falou sobre a ideia de fazer do episódio “Year of Hell” um arco de temporada completa. Russ revelou que não sabia que havia essa possibilidade de levar os personagens em uma situação crítica de sobrevivência.

“Eu não sabia que “Year of Hell” tornou-se um arco de dois episódios em vez de um arco inteiro da temporada. Eu não tinha ideia de que esse era o plano. Você sabe, a única vez em que tive comunicação com os roteiristas geralmente era quando tinha a ver com meu personagem, especificamente para um episódio ou cena, ou o que quer que fosse”, disse Russ.

Na opinião de Russ, o arco só seria do seu conhecimento se envolvesse seu personagem.

“Na verdade não sabia, a menos que envolvesse meu personagem especificamente. Se não envolvesse especificamente meu personagem, então eu estava apenas na estória como um ator de apoio. Se estou apenas contribuindo para o grupo, ou apoiando a estória de alguém nesse episódio, não sentirei tanto o impacto disso. E as estórias que me deram não eram tão loucas e radicais. Elas eram bem focadas e bem fundamentadas. E algumas delas foram muito legais”.

Numa entrevista recente, os atores Garrett Wang e Robbie McNeill também comentaram sobre o elenco ter pouca afinidade com a produção.

Experiência como diretor

No episódio “Living Witness” (23º da quarta temporada), Russ esteve pela primeira vez atrás das câmeras. O ator comentou esta experiência de direção.

“Você tem um controle limitado sobre o que você poderia fazer como diretor em um episódio de Star Trek. Eu sabia o que os produtores executivos queriam e o que não queriam. Então, existem lugares em que eu não poderia ir tão longe quanto filmar aquele episódio, embora não houvesse realmente um grande convite para eu ir a lugares que eram incomuns em termos do que eu poderia me dar bem e do que não poderia.

O episódio que eu dirigi foi um destaque, porque eu estava atrás da câmera e na frente dela. Nesse episódio, os outros atores tiveram que interpretar as versões sombrias de si mesmos, o que não tínhamos feito até aquele momento. Lembro-me do primeiro dia de filmagem, quando eles tiveram que aparecer na câmera como suas versões más. E eles apenas explicaram. Não precisava pensar ou fazer nada. Eles acabaram de trazê-lo, e tudo que eu precisava fazer era filmar”.

Voyager no Universo Espelho

A série nunca teve um episódio do chamado Universo Espelho, apenas “Living Witness” permitiu que os atores interpretassem suas versões más de si mesmos, mas em outra situação. Do elenco regular, somente Tim Russ teve a oportunidade de interpretar o Mirror Tuvok no episódio “Through the Looking Glass” de Deep Space Nine. Perguntado se “Living Witness” teve inspiração no Universo Espelho, respondeu:

“Não, eu não sei como eles conseguiram isso. Eu acho que eles estavam tentando fazer algo parecido, mas não queriam fazer a mesma coisa porque haviam feito isso em DS9, duas ou mais”.

“Sim, eu sei. Eu estava naquele episódio (de Deep Space Nine). E eles não queriam fazer algo que fosse exatamente o mesmo. Adorei o formato. Eu amo o tema da história alternativa nessa coisa. A história é um hobby meu. Você não escolhe essas estórias, eles dão a estória que você vai filmar e eu tive muita sorte de ter um episódio como esse. E é um ponto muito importante sobre o legado das culturas e como elas interagem e se tratam”.

Rom (mirror) | Memory Beta, non-canon Star Trek Wiki | Fandom

“Quero dizer, meu Deus, estamos passando por essas coisas agora, quase. As pessoas estão olhando para a história e a história afeta os resultados dos tempos atuais. E foi exatamente o que esse episódio fez. É exatamente a mesma coisa. Você sabe, a interpretação do que aconteceu antes afeta a maneira como as duas culturas interagem e se relacionam nos dias atuais. E então, quando essas notícias são falsificadas, como você as divulga? E que tipo de reação as pessoas terão? E eles teceram essa estória de maneira tão elegante. E, é claro, Bob Picardo como personagem central interpretou maravilhosamente e levou adiante. Então foi espetacular”.

A diversidade em Star Trek

Muito foi dito sobre a importância da diversidade em Star Trek. Russ discute o significado de ser um ator negro e um vulcano na série.

“Para mim, isso não foi levado em consideração, porque todos já eram de Nichelle Nichols a Avery Brooks. E então, uma capitã na nossa série, e o segundo em comando foi um americano indígena. No final de contas, sou apenas parte dessa mistura, quando chegamos a mim. Foi assim que [Gene] Roddenberry fez as coisas desde o começo. Foi assim que Star Trek fez as coisas desde o início, de maneira geral. Claro, é no futuro. É ficção científica. Seria uma composição óbvia de várias etnias envolvidas em qualquer enredo no futuro, desde que ainda sejam humanos correndo por aí, isso faria total sentido.

Mesmo se alguém me perguntar: “Bem, como poderia haver um vulcano preto?” Bem, eles têm dois sóis. Então, eu imaginaria que seria duas vezes mais quente do que no planeta Terra. [risos] E veja a diversidade de seres humanos que baseamos na evolução deste planeta. Todos parecemos iguais? Não. Para usar uma frase que eu costumava usar com o personagem, logicamente, faria sentido que houvesse vulcanos de pele escura”.

O feedback dos fãs

Apesar de fazer parte da mistura, Russ achou importante que seu personagem servisse de exemplo para alguns fãs, a ponto de considerarem significativo para suas vidas.

“Sim, é muito importante. Como personagem modelo, é absolutamente importante. E eu recebi feedback das pessoas sobre elas serem inspiradas por eu estar na série e inspiradas por meu personagem ser um oficial na ponte e ser afro-americano e também por estar em uma posição de status. E também, como modelo positivo, tive um feedback positivo sobre isso com frequência.

Do meu ponto de vista, eu gosto de poder fazer isso. Quando eu comecei a trabalhar como ator naquela época, eu estava interpretando papéis que eram exatamente o oposto. Muitos bandidos de rua e traficantes de drogas e coisas assim. Ser capaz de ir desses tipos de papéis até trabalhar como oficial na ponte da nave estelar de uma série de ficção científica, sim, é algo que eu posso olhar com algum orgulho em saber que está retratando um positivo modelo. E também, aquele que é mais ou menos zen e está no controle das coisas e não sai do controle. Quero dizer, o cara é um personagem muito centrado”.

Um podcast sobre tópicos sociopolíticos e/ou científicos

Ao ser perguntado sobre o podcast de Garrett e McNeill focado nos episódios de Voyager, Russ disse que, na verdade, não assistiu a todos os episódios da série. Embora possua coleções em DVD e tenha que assistir alguns antes de ir às convenções, ele não se interessa muito por isso. Se pudesse, ele criaria um podcast sobre outros temas.

“Geralmente, o que eu preferiria, se fosse fazer um podcast, preferiria lidar com tópicos sociopolíticos e / ou científicos em geral. Sou astrônomo amador, então gosto de ciência. Prefiro estar falando sobre ciência, história ou tópicos sociopolíticos. É aí que meus interesses se encontram. E poderia ser da cultura pop, em alguns casos, não me importo de falar sobre isso também. Mas coisas sérias é o que eu normalmente gostaria de me cercar em termos de assuntos de tópicos, em vez de necessariamente Voyager”.

Dos seus trabalhos mais recentes, Russ menciona a direção de um longa-metragem que foi lançado no final de 2019 chamado Junkie. Outro trabalho foi como ator num projeto de ficção científica, intitulado 5th Passenger, que também está em streaming pela Amazon.

Atualmente, Russ trabalha em alguns projetos como co-roteirista, como uma ficção científica contemporânea, intitulada Proxima 7.

Sua banda musical, “Tim Russ Crew”, está sem shows presenciais devido a pandemia, mas pretendem fazer apresentações em Live, na casa do ator.

Be the first to comment on "Tim Russ reflete sobre seu tempo em Voyager"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*