Goldsman fala sobre Strange New Worlds e Picard

O escritor, produtor e diretor Akiva Goldsman está atualmente dirigindo o piloto de Strange New Worlds e também está no meio da produção da segunda temporada de Picard.

Numa entrevista ao site The Hollywood Reporter, o produtor comentou como tem sido trabalhar para estas duas séries em produção.

Strange New Worlds

Goldsman faz um comparativo desta nova série com as demais, em termos de narrativa.

É diferente dos outros programas pois é realmente episódico. Se você pensar na série original, foi um tom mais liberal – não quero dizer em termos de política – mas poderia ser mais fluido. Você via, às vezes, Robert Bloch escrever um episódio de terror (Catspaw, Wolf in the Fold) ou Harlan Ellison fazer “City on the Edge of Forever”, que é uma ficção científica hard. Em seguida, havia episódios cômicos, como “Shore Leave” ou “The Trouble With Tribbles”. Então, (co-showrunner) Henry Alonso Myers e eu estamos tentando servir a isso. Todos nós ficamos muito enamorados, inclusive eu, com a narrativa serializada. E estou falando com você de trás do palco onde estamos filmando Picard, que é profundamente serializado. Mas Strange New Worlds é uma aventura da semana, mas com arcos de personagens serializados.

O produtor deu uma atualizada sobre dirigir o piloto de uma série tão esperada pelos fãs.

Foi super divertido e já terminei quase tudo. Houve certas cenas que não pudemos filmar em Toronto, por causa da quarentena – em termos de limites no número de extras [em uma cena] – que irei voltar e terminar em breve, espero. Mas há algo extraordinário sobre um grupo de pessoas se reunindo para fazer algo novo; você está cercado de pessoas que ficariam perfeitamente felizes de estarem no palco de uma convenção de Star Trek, que é um pouco diferente de uma série típica.

Goldsman revelou que vai haver alguma mudança nos designs de uniforme e cenário em relação ao que foi visto na segunda temporada de Discovery para se alinhar mais com a série original.

Sim. É uma linha tênue porque, obviamente, queremos manter a continuidade com a narrativa e o estilo, mas também queremos que Strange New Worlds seja um programa diferente. Não é Discovery. Existem mais alguns retornos (para a série original) e os uniformes foram ligeiramente ajustados, os cenários são ligeiramente diferentes. Lembre-se de que a Enterprise existia como um pequeno pedaço da série Discovery, mas agora é seu próprio objeto. Quando você fecha os olhos e pensa nos cenários e situações principais que você via na série original, é isso que estamos procurando fazer.

O produtor contou que embarcou na produção de Jornada visando Strange New Worlds.

Há poucas coisas pelas quais vou assumir o crédito no universo de Star Trek, mas esta é na verdade uma delas. Quando o produtor executivo Alex Kurtzman me ligou sobre entrar para a equipe de Discovery – eu tinha inveja de qualquer envolvimento em Star Trek porque eu amo muito esta franquia – minha primeira convenção de Star Trek foi em 1975. Eu não tinha ideia de qual era o plano de Kurtzman. Então, entrei online e comecei a ler (sobre a segunda temporada) que era claramente sobre o capitão Pike e a Número Um. É isso que eu pensei que iria entrar. Assim que eu cheguei lá, vi que tinha menos a ver com o capitão Pike e a Número Um. Então, comecei a agitar por eles, porque as linhas de tempo se sobrepunham, com a Discovery e a Enterprise estando lá fora juntas. Quando a Enterprise apareceu no final da primeira temporada, e uma vez que Anson [Mount] e Rebecca [Romijn] e Ethan [Peck] começaram a viver esses personagens na segunda temporada, isso meio que se tornou uma inevitabilidade maravilhosa.

Star Trek: Picard

Com relação à segunda temporada de Picard, Goldsman falou sobre uma das coisas que aprenderam em relação à primeira temporada.

Descobrir o final mais cedo. Se você vai fazer uma série serializada, você tem toda a história antes de começar a filmar. É mais como um filme nesse sentido – é melhor você saber o final do seu terceiro ato antes de começar a filmar sua primeira cena.

Indagado a respeito de que algumas pessoas acharam a primeira temporada de Picard excessivamente complicada, ele disse:

Certamente, existem diferentes níveis de complicação ao longo das temporadas de Discovery –  e sou apenas um amigo do tribunal (não faz parte, mas tem interesse no assunto) neste momento de Discovery. Após a primeira temporada, comecei a tentar escavar essa ideia em Picard. Mas não, acho que nossa narrativa é complicada. Se for frustrante, vai ser apenas nossa própria culpa por não fazê-la bem o suficiente. A grande vantagem da complicação do enredo e da excelência do personagem é que eles não devem ser mutuamente exclusivos. Até mesmo um enredo realmente complicado deveria se tornar invisível, esse é o tipo de trabalho. Chinatown é o exemplo em que todos nós nos apoiamos indefinidamente em nossa imaginação – o enredo de Chinatow é realmente complexo e complicado, mas no final das contas, você apenas lembra que é sobre água. Existe esse elegante ato de desaparecimento para que os personagens possam brilhar. … No início, escolhemos ser agnósticos quando se tratava do conhecimento Trek pelo público. Queremos dar as boas-vindas a alguém que conhece Trek e torná-lo ainda melhor por causa das coisas que temos, mas não queremos alienar quem não conhece. Se você conhece A Nova GeraçãoPicard é mais divertido, mas você não precisa ter assistido A Nova Geração para assistir Picard – mas quando chegarmos ao episódio seis, é melhor você ter assistido aos episódios um a cinco ou seus olhos vão estranhar. Isso não é verdade com Strange New Worlds, onde você pode entrar, assistir a um, sair e assistir a outro mais tarde.

Outro ponto importante abordado na entrevista foi o retorno de John de Lancie como Q. Goldsman explica como foi trazer este personagem de volta a Star Trek, mas numa tonalidade diferente como é a da série Picard.

Você fez a pergunta certa e a resposta é: “Da mesma forma que tentamos fazer com o próprio Picard”. O co-showrunner Terry Matalas e eu não fingimos que os anos intersticiais não aconteceram. Não, obviamente, o tempo cronológico é menos relevante para Q. O tempo entre as séries provavelmente não é nem um piscar de olhos no tempo de Q – se você tiver o tempo de Q. Mas definitivamente escolhemos seguir o exemplo quando se tratava dele. Então, à medida que tentamos evoluir os outros personagens, o mesmo se aplica a Q. Esta é uma série de uma época diferente com atores de uma idade diferente. Agora estamos falando sobre os problemas que surgem no último estágio de sua vida. Queríamos um Q que pudesse jogar naquela arena com Picard.

Existem muitas pessoas que pensam em Q como um deus trapaceiro, certo? E ele é. Mas ele também é um relacionamento profundamente significativo na vida de Picard. Há muita discussão na segunda temporada de Picard sobre a natureza da conexão. Q é uma espécie de grande pára-raios para isso porque, de certa forma, ele é um dos mais profundos de Picard – não da mesma forma que Riker ou Beverly Crusher eram – mas em seu próprio relacionamento profundo e único.

A primeira temporada da série terminou com uma grande surpresa sobre Picard – que ele está em um corpo androide. O produtor diz se o novo corpo de Jean-Luc o afetará na segunda temporada. Ele se tornará eterno?

Não é verdade. Nós basicamente tentamos resolver isso no final do episódio 10. Ele não é o Super Picard. Nós redefinimos esse problema congênito com o qual ele vivia desde A Nova Geração e demos a ele a oportunidade de renascer, mas não é nada mais do que um registro, de como ele deveria estar, onde está agora.

Por fim, o The Hollywood Reporter tentou levantar alguma informação de Goldsman sobre o spinoff da Seção 31.

Não sei. Eu acredito que sim. Alex tem um plano. Você sabe, Picard não deveria ser uma série. Foi apenas uma cena única em um Short Trek. Ele nem mesmo seria interpretado por Patrick Stewart. Eles teriam um jovem Picard no final de um curta que estávamos inventando. Então Alex disse, “E se fosse Patrick Stewart? … E se não fosse uma cena?” Alex tem um plano e é muito legal. 

A ViacomCBS definitivamente resolveu investir pesado na franquia. Com o evento “First Contact Day”, tivemos o anúncio de séries em andamento e outras que virão para diferentes audiências. Foi perguntado se acredita que a franquia atingiu o seu máximo ou pode ir mais além.

Não posso falar pela CBS. Veja, todos nós fazemos a mesma coisa, que é olhar para o exemplo que realmente funciona – tipo, você não pode ter programas suficientes da Marvel. Estou esperando Falcão e o Soldado Invernal amanhã, e assisti ao trailer de Loki 19.000 vezes. Então, com isso como exemplo, você nunca terá programas de Star Trek suficientes – mas todos nós vimos o outro lado onde não funciona. Star Trek tem aquele espaço no coração para algumas pessoas, especialmente agora, depois que o mundo foi revelado como sendo pior do que pensávamos, acredito piamente em finais felizes conquistados a duras penas. Não significa que não seja difícil chegar lá, mas vou simplesmente escolher acreditar que pode haver bons resultados.

Be the first to comment on "Goldsman fala sobre Strange New Worlds e Picard"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*