JG Hertzler reflete sobre seus papéis em Star Trek

Quando Hertzler entrou para Jornada, este envolvido em um personagem muito importante para a série Deep Space Nine, o general Klingon Martok. Além disso, interpretou alienígenas diferentes dos guerreiros de Khaless e é um dos cinco únicos atores a interpretar sete ou mais personagens diferentes na franquia.

O primeiro envolvimento de Hertzler em Star Trek foi na série Deep Space Nine no episódio piloto da série “Emissary” como o capitão Vulcano da nave USS Saratoga, em que Sisko era o segundo no comando.

Em Deep Space Nine, Hertzler retorna para interpretar Martok na estréia da temporada 4 ” The Way of the Warrior”, e foi considerado seu personagem mais importante da franquia.

Hertzler também interpretou a versão Martok dos Profetas e dos Fundadores, além de fazer aparições sem maquiagem como Roy Ritterhouse no belíssimo “Far Beyond the Stars“, e um convidado na Holosuite em “What You Leave Behind“.

Na pele de outros alienígenas, Hertzler fez Laas no episódio “Chimera” de Deep Space Nine. Já na série Voyager interpretou um caçador Hirogen em “Tsunkatse” e em Enterprise voltou a interpretar Klingons como Kolos em “Judgment” e um comandante de nave em Borderland“.

Hertzler trabalhou nos video games Star Trek: Armada Star Trek: Armada II como a voz de Martok, escreveu romances como The Left Hand of Destiny e desempenhou o papel de Koval na produção independente Star Trek: Of Gods and Men.

Atualmente, Hertzler mora em Nova York, e é participante ativo em várias convenções Trek.

Em entrevista ao site oficial, Hertzler falou um pouco do seu trabalho na franquia.

Você fez sua primeira aparição em DS9 como o capitão Vulcano em “Emissary”.  O que você lembra da experiência?

Bem, foi muito emocionante porque acho que tive uma pequena cena com Patrick Stewart. Eu passei vários verões trabalhando com Patrick, porque ele dirigia uma oficina de Shakespeare no lote da Paramount aos sábados. Mas fazendo essa primeira série, foi incrível para mim. Isso foi Star Trek. O fato de eu ter vindo trabalhar em uma série de Star Trek e atravessar os arcos da Paramount Pictures para chegar lá. Não me ocorreu que, como ator, isso aconteceria. Eu sou um ator de colarinho azul, e isso foi apenas uma experiência notável. Fazendo parte da grande fábrica de sonhos chamada Hollywood, nunca pensei em ir até lá. Eu ia fazer teatro em Washington, DC, e o mundo me levou a um lugar diferente.

Como Martok veio junto?

Eu fiz o teste para Jornada. Eu acho que cerca de 14 vezes. Eu imaginava que entraria, colocaria meu cartão e as pessoas diriam: “Bom te ver de novo. O que você está lendo desta vez?”. Eu diria:“ Oh, um Cardassiano”, ou o que quer que fosse. Eu finalmente disse ao meu agente: “Não me mande mais para Star Trek. Eles viram tudo o que eu poderia fazer e eu não consegui um papel. Não desperdice seu tempo nem o meu”. Logo depois disso, eu fiz um teste para outra coisa. Eu estava sentado do lado de fora, irritado com alguma coisa, e o diretor de elenco Ron Surma veio e disse: “Oh, John, você pode ser bom para isso. Dê uma olhada, depois entre e leia”. Era o General Martok. Eu fiz o teste e disse para mim mesmo: “Eu não vou ser o seu Klingon de sempre. Não vou ser ofensivo, dominador, autocontrolado, arrogante, grosseiro. Eu vou ser Patrick Stewart como um klingon”.

Então eu fiz um teste tranquilo e cerebral e quando terminei, eles disseram: “Você sabe o que é um klingon?” Eu disse: “Oh, você quer que seja alto, agressivo, abrasivo, desagradável, grosseiro …” Eles disseram “Sim”, então eu fiz com isso em mente, e eu joguei uma cadeira contra a parede. Eles tinham uma velha parede de gesso e era uma cadeira de metal, e uma das pernas ficou presa na parede um pouco antes de cair. E eu peguei na unha quando joguei. Eu arranquei metade da minha unha. Você deve entender, eu joguei linebacker (posição de defesa no futebol americano) na faculdade, e para jogar futebol, especialmente linebacker, é preciso uma raiva mal controlada. Então o linebacker brotou em mim e lá estava eu, com uma cadeira na parede e sangue pingando do meu polegar, e eu briguei e rugi. Eles disseram: “Bem, obrigado”. E eles pareciam um pouco preocupados. Eu ouvi um dia ou dois depois que eu consegui o papel.

Em que momento você disse que Martok seria um personagem recorrente?

 Foi apenas uma parte de um ou dois episódios. O General Martok apareceu e então foi Ira Steven Behr ou Robert Hewitt Wolfe ou Ron Moore – não me lembro – quem disse que era a intenção original de ter Gowron em “Way of the Warrior” e “Apocalypse Rising” como substituito do Dominion, um clone, ao invés da figura de Martok, mas eles sentiram que era muito fácil. Então eles fizeram Martok o clone e me explodiram. Em algum lugar ao longo da linha, eles disseram: ” Worf tem um amigo”, significando Martok, e esse relacionamento potencial os atraiu.

Eu tinha os dois olhos como um clone, mas como o verdadeiro Martok, eu era um klingon de um olho só. Ira disse: “Não se preocupe com esse olho. Nós lhe daremos um olho artificial para que você tenha os dois olhos novamente”. Eu disse:“ Não, não, não. Não faça isso, Ira. Primeiro de tudo, eu não acho que um Klingon se importaria com quantos olhos ele tem, contanto que ele tenha um. Em segundo lugar, eu só acho que é mais interessante se eu possa ser um klingon de um olho só”. Eu poderia estar subconscientemente pensando em Christopher Plummer como Chang.

De seus muitos episódios como Martok, qual um ou quais se destacam como as melhores horas do personagem?

Um deles foi “Soldiers of the Empire”, dirigido por LeVar Burton. O outro foi “Once More to the Breach”, dirigido por Allan Kroeker. Acho que “Once More to the Breach” foi o meu favorito porque eu estava lidando com John Colicos como Kor, o que foi uma honra. E eu pude escrever um pouquinho nisso. Perguntei a Ron se poderia acrescentar uma linha a um longo discurso que fiz no final do episódio. Eu acrescentei: “Infelizmente, meu pai não viveu para ver este dia”. Isso, para mim, completou a escolha do personagem de nunca perdoar, de levar seu ódio a Kor e seu ressentimento ao túmulo. Foi importante para mim não perdoar Kor em nome do meu pai.

Eles disseram: “As pessoas gostam de Martok. Eles querem torcer por ele”. Eu respondi:“ Você sabe, isso realmente não importa”. Como personagem, como ator, é muito mais emocionante interpretar esse “fracasso humano”de nunca perdoar do que perdoar. Você pode ser um anjo melhor para perdoar, mas não existem muitos anjos na natureza klingon.

Você interpretou personagens diferentes em “Chimera” e “Far Beyond the Stars”…

Eu não sei porque eles me contrataram para fazer “Chimera”, para ser honesto. Eu fiz o meu melhor para disfarçar a minha voz, mas as pessoas ainda reconheciam. Na verdade, algumas pessoas diziam: “Oh, você era Laas? Eu não tinha ideia”. Isso é recompensador para um ator ouvir. Eu estava basicamente tentando fazer Shatner, mas em um tom mais alto.

Eu adorava esse pedaço porque eu trabalhava com Rene Auberjonois o tempo todo, e eu nunca tinha conseguido fazer muito com ele antes, a não ser ‘entoar’ um ao outro como nossos personagens rabugentos. A coisa de que me lembro sobre “Far Beyond the Stars”, além da tremenda história, é que eu desenho e pinto. Eu desenhei todos que estavam sentados ao redor da mesa. Eu esbocei todos os jogadores em sua aparência de 1950. Eu mudei esses esboços para o departamento de adereços no final das filmagens. Isso foi uma idiotice minha. Eu não tinha ideia sobre o mundo da convenção naquele momento, mas teria sido bom tê-los para mostrá-los às pessoas. Enfim, achei que esse episódio foi um dos quais você poderia ter construído uma série inteira.

O que vem à mente sobre suas participações como convidado em Voyager e Enterprise?

Eu nunca teria pensado que o Hirogen em Voyager levaria mais maquiagem e tempo de aparelho do que um Klingon, mas demorou mais. Isso foi surpreendente. Eu fiz dois papéis em Enterprise. Eu fui basicamente explodido imediatamente em “Borderland”, mas a verdadeira emoção foi que eu usei o traje de Michael Ansara. Meu traje Klingon era o traje de Kang quando Kang, Kor e Koloth entraram em Deep Space Nine. Eu estava procurando por coisas para vestir e eu disse: “Bem, e sobre isso?” Eles disseram: “Isso foi Ansara. Não temos certeza de que vai se encaixar em você”. E isso me encaixou perfeitamente. Eu cresci assistindo Michael Ansara como Cochise em Broken Arrow e ele foi um dos meus heróis pessoais. Usar seus togs Klingon foi fabuloso.

Be the first to comment on "JG Hertzler reflete sobre seus papéis em Star Trek"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*