ENT 1×13: Sleeping Dogs

Enterprise Sleeping Dogs

Episódio traz ação, suspense, efeitos especiais e klingons da velha safra

Sinopse

Data estelar: Desconhecida

Hoshi Sato está treinando tiro ao alvo com uma pistola de fase na sala de armas, instruída por Malcolm Reed, quando a Enterprise sai de dobra para estudar um planeta gigante gasoso classe 9, diferente de todos que existem no Sistema Solar. Ao enviar uma sonda na atmosfera, T’Pol detecta a presença de uma nave perdendo altitude rapidamente.

Archer decide tentar ajudar, enviando um grupo em uma cápsula auxiliar, na tentativa de restaurar os sistemas da nave e recuperar altitude antes que seu casco seja esmagado pela densa atmosfera. T’Pol, Reed e Hoshi são designados para a missão. Eles encontram uma porta de atracação e entram a nave. O veículo parece abandonado, mas T’Pol detecta sinais de vida.

T'Pol, Reed e Hoshi no shuttlepod

Por algumas inscrições em uma das portas, Hoshi determina que se trata de uma nave klingon. Eles chegam à ponte, onde há vários guerreiros klingons inconscientes. T’Pol insiste para que o grupo abandone a nave o mais depressa possível –para ela, salvar esses klingons equivaleria a evitar que eles pudessem ter uma morte honrosa em seus postos. Reed não concorda e quer tentar ajudá-los.

No fim das contas, eles não têm muita opção, depois de perderem contato com a Enterprise e de serem atacados pelo que parece ser a única sobrevivente consciente da nave. Ela derruba Reed e consegue fugir na cápsula auxiliar, deixando os três tripulantes da Enterprise abandonados junto com a nave que está se despedaçando. Sem alternativa, eles precisam salvar a nave klingon para salvar a si mesmos.

Klingons em Sleeping Dogs

Enquanto isso, Bu’kaH, a sobrevivente Klingon, parte para o espaço com a cápsula auxiliar, enviando uma mensagem de socorro a naves do Império, acusando a Enterprise de ter atacado sua nave. Antes que ela fuja, Archer ordena que a cápsula auxiliar seja recuperada com os cabos retráteis da Enterprise. Bu’kaH é colocada sob custódia, mas se recusa a acreditar em Archer quando ele diz que não teve nada a ver com a doença que derrubou os klingons, e que sua tripulação só estava lá para ajudar.

Archer quer levar uma nova cápsula auxliar até a pequena nave de escolta klingon, para resgatar seus tripulantes, mas, com a crescente queda de altitude, a atmosfera não é mais segura para os frágeis cascos das cápsulas auxiliares. O capitão decide então levar a Enterprise inteira lá para baixo.

Bu'kah em Enterprise

Com esse movimento, eles conseguem retomar contato com o grupo de descida, mas a nave já está tão baixa que a Enterprise não consegue alcançá-la com segurança. Archer então instrui seus tripulantes a tentarem consertar a nave klingon, enquanto eles tentam desenvolver um plano reserva, e ordena que a Enterprise volte a uma região segura.

Depois de fracassadas todas as tentativas de reparar o motor de impulso klingon, Reed, Hoshi e T’Pol só conseguem adiar um pouco a destruição da nave, disparando todos os torpedos logo abaixo dela — a cada explosão, a onda de choque levava a nave um pouco mais para cima na atmosfera. Mas a medida era puramente paliativa.

T'Pol, Reed e Hoshi consertando nave klingon

Na Enterprise, Archer passa a estudar tudo que pode sobre os klingons, na tentativa de convencer Bu’kaH a passar as instruções necessárias para o conserto da nave klingon, mas ele só consegue algum resultado depois que Phlox desenvolve uma cura para a infecção que assola os alienígenas – levada a bordo na cerveja xarantina que eles trouxeram após saquear um posto dessa raça.

Enquanto isso, Tucker trabalhou numa forma de reforçar o casco da cápsula auxiliar, reforçando sua estrutura com duratânio. Com as modificações, Archer conduz Bu’kaH de volta à sua nave. Chegando lá, os quatro oficiais da Frota e a klingon corrigem os problemas da nave e a levam para fora da atmosfera do planeta.

Nave klingon Enterprise

Reforços klingons já estão a 16 minutos do local, quando os quatro tripulantes da Enterprise retornam a seus postos a bordo, enquanto Bu’kaH devolve a consciência a seus colegas de tripulação.

Mesmo depois de ter ajudado a nave de patrulha klingon Somraw (classe Raptor), os guerreiros insistem em pedir a rendição da Enterprise, levando em conta o fato de que eles obtiveram informações confidenciais sobre sua tecnologia e seus sistemas de armamentos. Archer lembra ao capitão klingon que sua nave não terá chance contra a Enterprise, após tantos danos causados pela atmosfera do planeta e sem torpedos ou escudos. Apesar de seu desgosto, o klingon é obrigado a aceitar o fato, o que dá a chance da Enterprise partir antes que a frota klingon chegue ao local.

Comentários

Depois de tantos anos de Star Trek, era difícil acreditar que alguém ainda conseguiria produzir um episódio transformando os klingons em inimigos assustadores e poderosos. “Sleeping Dogs” conseguiu recapturar esse senso, criado principalmente durante a Série Clássica, muito mais do que “Broken Bow” ou “Unexpected”.

Trata-se, acima de tudo, de uma grande aventura. A distribuição dos elementos de ação está muito bem feita, mesclando espetaculares sequências de efeitos especiais (que vão desde a Enterprise agarrando uma cápsula auxiliar na marra e o casco da nave klingon sendo esmagado pela atmosfera do gigante gasoso até uns targs gerados por computador), suspense e tensão.

Title card Enterprise Sleeping Dogs

Os klingons, à exceção de Bu’kaH, passam praticamente o tempo todo desacordados, mas são uma ameaça constante. O momento em que Hoshi revela que a nave é klingon e ela, T’Pol e Reed sacam ao mesmo tempo suas pistolas de fase sabe traduzir muito bem a sensação de estar dentro daquela nave. Quando Reed e T’Pol precisam tirar um klingon inconsciente que está debruçado sobre um painel, a expectativa da audiência o tempo todo é de que ele levante e comece a distribuir socos e pontapés. Isso não acontece, o que contribui ainda mais para o clima de emoção do episódio e ainda mantém a aura dos klingons como perigosíssimos adversários.

E é um alívio descobrir, ao final do episódio, que Archer finalmente aprendeu a lidar com os klingons. Num estilo que cairia muito bem a James T. Kirk, ele lembra ao comandante da nave de patrulha que ele não tem chance contra a Enterprise e que seria melhor ele dar no pé enquanto tem chance. Finalmente Archer descobriu como se deve tratar os klingons no século 22 — e, ao que parece, os produtores também.

Archer, T'Pol e Bu'kah

Apesar desse alto teor de ação, que não se engane quem pensa que não há espaço para o desenvolvimento dos personagens. Hoshi Sato volta a ter bom uso aqui, depois de vários episódios em que serviu de enfeite à ponte da Enterprise. Ela retoma sua evolução de onde parou em “Fight or Flight”, mostrando que a oficial de comunicações já está muito mais amadurecida e pronta para enfrentar os perigos da exploração espacial.

Mais que isso, começa a se formar um elo entre ela e T’Pol. Quase em extremos opostos — uma totalmente racional e outra mal podendo conter suas emoções –, as duas se completam muito bem. Foi de bom tom a cena em que T’Pol ajuda Hoshi e se concentrar e afastar a perturbação trazida por suas emoções. É o início do que promete ser um interessante relacionamento. E, pelo tom em que o episódio termina, com T’Pol contando até uma mentirinha para continuar com seus colegas na câmara de descontaminação, parece que o intercâmbio das relações entre vulcanos e humanos está só começando na Enterprise.

T'Pol, Reed e Hoshi na sala de descontaminação

Aliás, T’Pol ganha um grande presente nesse episódio. Começamos a ter os primeiros vislumbres dos efeitos que o trabalho com os humanos está tendo na vulcana. Ao ser obrigada a tratar os humanos como iguais, ela está adquirindo um respeito por eles que tanto falta a seus iguais. Jolene Blalock faz um trabalho excepcional aqui, mostrando essas pequenas nuances e alterações na atitude da personagem. Muito mais agradável e sutil do que a torta do fim de “Breaking the Ice”.

Para não dizer que o episódio não rende críticas, toda a história do resfriado de Reed soa falsa e forçada. E o mais curioso é que ela só serve para piadinhas, mas não tem importância alguma para o enredo. Totalmente dispensável.

Nx-01

A direção de Les Landau é firme como de costume, e ele achou mais uns ângulos novos na ponte da Enterprise que ajudaram a dar o tom de novidade ao episódio. Entretanto, o maior destaque da produção fica mesmo por conta dos efeitos especiais, que conseguiram mostrar as naves de forma mais realista do que nunca, num ambiente dificílimo de recriar. Até aqui, a NX-01 nunca esteve mais bonita.

Fechando a conta, esse não é um episódio que vá fazer história em Jornada nas Estrelas. Mas é entretenimento garantido para quem está procurando um pouco de ação, aventura e para quem quer matar a saudade dos inimigos que aprendemos a amar odiar durante a Série Clássica.

Avaliação

Citações

“Siren calls. That’s how we called it when I was a kid. My dad would put it through the speakers whenever we flew by a gas giant. It gave me nightmares sometimes.”
“Other than keeping ensign Mayweather up at night, I’m not sure what we will expect to accomplish here. There are four gas giants in your own solar system.”
“None of them were class 9. I think this one is worth a closer look.”
(“Cantos de sereia. É como nós chamávamos quando eu era garoto. Meu pai colocava nos alto-falantes sempre que voávamos por um gigante gasoso. Me deu pesadelos algumas vezes.”)
(“Além de deixar o alferes Mayweather acordado à noite, não estou certa do que esperamos conseguir aqui. Há quatro gigantes gasosos em seu próprio sistema solar.”)
(“Nenhum deles era classe 9. Acho que esse merece uma olhada de perto.”)
Mayweather, T’Pol e Archer

It took a while, but I think I finally got my ‘spaceness’.”
“I never doubted you would find it.”
(“Levou um pouco, mas acho que finalmente consegui me ‘espacializar’.”)
(“Eu nunca duvidei que conseguiria.”)
Hoshi e Archer

“I requested you for your skills as a translator, but if you are uncomfortable…”
“I’m perfectly comfortable. I used to find the suits a little claustrophobic, but I’m getting used to them. I’ll see you on the shuttlepod.”
(“Requisitei você por suas habilidades como tradutora, mas se estiver desconfortável…”)
(“Estou perfeitamente confortável. Costumava achar os trajes um pouco claustrofóbicos, mas estou me acostumando. Vejo vocês na cápsula auxiliar.”)
T’Pol e Hoshi

“You sound… uncomfortable, sub-commander.”
“I’m merely stating facts.”
(“Você parece… desconfortável, subcomandante.”)
(“Estou meramente citando os fatos.”)
Hoshi e T’Pol

“Remind me to stop trying to help people.”
(“Lembre-me de parar de tentar ajudar os outros.”)
Archer

“I kept the seat warm for you.”
(“Eu deixei a poltrona quente para você.”)
Tucker para Archer

“You wouldn’t last ten seconds in a battle with us. You’ve got multiple hull breaches, your shields are down and from what I’m told you’re fresh out of torpedoes. If I were you, I’d take one little honor I had left and go home. Fire one shot and I’ll blast you right back to where we found you.”
(“Vocês não durariam dez segundos numa batalha conosco. Você tem múltiplas fraturas no casco, seus escudos estão baixados e pelo que me disseram vocês estão zerados de torpedos. Se eu fosse você, pegaria o restinho de honra que eu ainda tinha e iria para casa. Dispare um tiro e eu vou atirar vocês de volta para onde os encontramos.”)
Archer

Trivia

  • É a terceira aparição dos klingons em Enterprise. A primeira aconteceu em “Broken Bow” (que representa o primeiro contato dos humanos com essa espécie) e a segunda em “Unexpected”.
  • Descobrimos aqui que os torpedos fotônicos já eram tecnologia klingon muito antes de serem desenvolvidos por humanos. Provavelmente a inspiração inicial veio da olhadela que Reed deu nos sistemas de armamentos klingons durante esse episódio. Vivendo e aprendendo.
  • Vaughn Armstrong faz uma ponta neste episódio como o capitão da nave klingon. Embora ele seja mais conhecido em Enterprise como o almirante Forrest, Armstrong é o detentor do maior recorde de personagens de diferentes espécies alienígenas, tendo participado de A Nova Geração, Deep Space Nine e Voyager. Aliás, toda essa carreira extraterrestre começou com o klingon Korris, do episódio “Heart of Glory”, do primeiro ano de A Nova Geração.
  • Esse episódio fica listado como o 13º da cronologia e da ordem de exibição, mas foi o 14º produzido durante a série.

Ficha Técnica

Escrito por Fred Dekker
Dirigido por Les Landau

Exibido em 30 de janeiro de 2002

Títulos em português: “Cães Adormecidos”

Elenco

Scott Bakula como Jonathan Archer
Jolene Blalock como T’Pol
John Billingsley como Phlox
Anthony Montgomery como Travis Mayweather
Connor Trinneer como Charlie ‘Trip’ Tucker III
Dominic Keating como Malcolm Reed
Linda Park como Hoshi Sato

Elenco convidado

Michelle C. Bonilla como Bu’Kah
Vaughn Armstrong como capitão klingon

Enquete

Edição de Mariana Gamberger
Revisão de Susana Alexandria

Episódio anterior | Próximo episódio

Be the first to comment on "ENT 1×13: Sleeping Dogs"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*