VOY 2×10: Cold Fire

Janeway e Tuvok

Enredo força a barra para manter a premissa da série e traz reforço para Kes

Sinopse

Data estelar: 49164.8

Enquanto trabalham na Enfermaria, Kes e o Doutor percebem mudanças nos restos mortais do Guardião, a entidade alienígena responsável pelo aprisionamento da Voyager no quadrante Delta. Os restos aparentam estar ressonando em resposta a uma fonte de energia exterior, uma outra forma de vida. Janeway cogita a possibilidade de a companheira do Guardião (citada no piloto da série) estar na região e de como encontrá-la poderia significar a passagem sem escalas para o espaço da Federação.

Como precaução, no entanto, Tuvok desenvolve uma toxina capaz de debilitá-la, no caso de ameaça. Seguindo uma trilha de energia, a tripulação chega a uma estação de 300 anos habitada por ocampas, a raça de Kes. Tanis, o líder desses ocampas, abre fogo contra a Voyager e diz que a nave não é bem-vinda.

Kes concorda em ser a mediadora entre a tripulação e seu povo, e quando Tanis vem a bordo ela lhe assegura que a Voyager vem em paz. Em encontro particular, Tanis diz a Kes que Suspiria, a “Guardião” fêmea, está nas proximidades. Ela vem cuidando desse grupo de ocampas há 300 anos, ensinando-lhes a desenvolver suas habilidades mentais. Ele mostra a Kes um pouco dessas habilidades ao manipular o crescimento das plantas no hangar de hidropônicas. Mais tarde, Tanis contacta Suspiria, que diz não se importar com o potencial de Kes, apenas quer a nave.

Tanis e Kes

Enquanto Tanis guia a Voyager para o ponto de encontro com Suspiria, também tutela Kes em suas habilidades telepáticas. Entretanto, as lições praticamente acabam em desastre, quando ela tenta ferver água com a força do pensamento e quase mata Tuvok no processo. Felizmente, o tenente se recupera. Kes então percebe que seus poderes, ainda sem disciplina, podem causar mais mal do que bem.

Tanis insiste que Kes deixe a Voyager e vá viver com os outros ocampas na estação, sob a proteção de sua “Guardiã”. Suspiria vem a bordo e diz a Janeway que destruirá a nave em retaliação à participação da tripulação na morte de seu companheiro. Mas Kes descobre as verdadeiras intenções em questão e usa seus novos dons para incapacitar Tanis e, consequentemente, Suspiria. Janeway então dispara a toxina e Tuvok ativa um campo de força. Para provar sua boa fé, a capitã liberta a entidade e diz que não deseja ferir ninguém; quer apenas voltar para casa. Suspiria deixa a Voyager, levando consigo Tanis, e Kes permanece com seus amigos.

Comentários

Basta dizer que “Cold Fire” é um dos vários episódios em que a capitã desperdiça uma boa chance de voltar para casa em uma fração de segundos. A justificativa para isso, como sempre, deve ser a necessidade de manter a nave perdida a 75 anos de casa.

Na iminência de finalmente encontrar a entidade sobre a qual o Guardião falou no piloto, a tripulação nem ao menos ficou entusiasmada. Todo o roteiro foi centrado em Kes, o que por um lado foi bom, pois desenvolveu bem a personagem. Porém, a própria premissa do seriado foi esquecida. Os outros personagens foram pouco utilizados e a participação de alguns foi de certo modo decepcionante.

O grande exemplo dessa vez foi a capitã. Ao incapacitar Suspiria e mantê-la atrás de um campo de força, Janeway poderia muito bem estabelecer um diálogo com ela, provando através do banco de dados da nave que a Voyager não teve participação na morte do Guardião. Pelo contrário, apenas concedeu seu pedido de destruir a estação para proteger os ocampas da ameaça kazon, e esse ato de compaixão privou sua tripulação de voltar para o Quadrante Alfa. Será que se essa conversa tivesse ocorrido ela ainda estaria guiando a nave pelo Quadrante Delta?

Isso não aconteceu; contudo, o que impediu a Voyager de voltar à estação de Tanis e tentar novo contato? Janeway optou por continuar no curso original, deixando o ocorrido para trás. Novamente, a explicação está em manter a premissa.

Ao se observar o lado positivo da história, a figura de destaque é mesmo Kes. Antes de “Cold Fire”, o único roteiro a ela dedicado foi “Elogium”, que não havia acrescentado nada à personagem. Aqui, pela primeira vez suas habilidades são verdadeiramente estimuladas. A atuação de Jennifer Lien foi muito boa e mostrou todo o potencial da atriz e seu papel.

Avaliação

Citações

“Where Voyager appears, people fear destruction.”
(Por onde a Voyager passa, pessoas temem a destruição.)
Tanis

“The oldest ocampa only lived to be nine.”
(O Ocampa mais velho só viveu até os nove anos.)
Kes

“May I say something now?”
(Posso falar agora?)
Neelix

“Vulcans make the worst patients.”
(Os vulcanos são os piores pacientes.)
Doutor

Trivia

  • Gary Graham, que interpreta Tanis em “Cold Fire”, já é veterano em ficção científica. O ator esteve no elenco fixo de “Alien Nation”.
  • Além de episódios de Voyager, o diretor Cliff Bole também dirigiu episódios das séries “O Homem de Seis Milhões de Dólares”, “O Homem-Aranha”, “Carro Comando”, “V”, “MacGiver”, A Nova Geração, Deep Space Nine, “Baywatch”, “Arquivo-X” e “Millennium”.

Ficha Técnica

Escrito por Anthony Williams
Dirigido por Cliff Bole

Exibido em 13 de novembro de 1995

Título em português: “Fogo Frio”

Elenco

Kate Mulgrew como Kathryn Janeway
Robert Beltran como Chakotay
Roxann Biggs-Dawson como B’Elanna Torres
Robert Duncan McNeill como Tom Paris
Jennifer Lien como Kes
Ethan Phillips como Neelix
Robert Picardo como Doutor
Tim Russ como Tuvok
Garret Wang como Harry Kim

Elenco convidado

Gary Graham como Tania
Lindsay Ridgeway como Suspiria
Norman Large como ocampa

Enquete

Edição de Stéphanie Cristina
Revisão de Susana Alexandria

Episódio anterior | Próximo episódio

Be the first to comment on "VOY 2×10: Cold Fire"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*