VOY 1×11: Heroes and Demons

Doutor e Freya

Doutor ganha grande chance de salvar o dia em aventura Viking

Sinopse

Data estelar: 48693.2

A Voyager altera o curso para estudar uma protoestrela e Janeway e Torres tentam transportar amostras de seu material fotônico a bordo. Quando chamam Harry para ajudá-las a estudar o material, descobrem que ele desapareceu da nave.

Chakotay e Tuvok vão para o último local onde Harry foi visto, o holodeck, e tentam descobrir o que aconteceu com ele, interagindo com os personagens de seu programa: a história de Beowulf.

Os dois também somem quando Grendel, um dos personagem, aparece para atormentar um clã Viking. Alguém precisa se arriscar no holodeck para encontrar os colegas. Apenas um dos tripulantes da Voyager é imune à criatura: o Doutor.

Doutor no holodeck

Janeway descobre traços de conversão de matéria no holodeck, o que pode indicar que os membros de sua equipe foram convertidos em energia. O médico holográfico não pode ser afetado, por já ser uma forma de energia. É missão dele resgatar Kim, Tuvok e Chakotay.

Graças à ajuda de Freya, uma guerreira Viking do holoprograma, ele consegue obter dados sobre o Grendel e descobrir que ele na verdade é uma criatura viva, cujo objetivo é recuperar outros membros de sua espécie que foram capturados inadvertidamente pela Voyager durante a coleta de material da protoestrela.

O Doutor consegue devolver uma das criaturas capturadas e estabelece um entendimento com a criatura. Ela, por sua vez, devolve os três tripulantes desaparecidos, que haviam sido raptados e convertidos em energia fotônica.

Comentários

“Heroes and Demons” explora uma praxe muito utilizada no decorrer das sete temporadas de A Nova Geração: o famoso “desbunde holográfico”. A inclusão do holodeck como potencial tema para episódios geralmente produziu bons resultados antes – com segmentos como “The Big Goodbye”, “Elementary, Dear Data” ou “Hollow Pursuits” – e não deixou a desejar em sua primeira utilização em Voyager.

titlecard de Heroes and Demons

Embora não seja uma obra-prima, o episódio ganha pontos em vários quesitos. Primeiro, dá ênfase a um personagem, desenvolvendo-o. O Doutor tem muito a agradecer aos roteiristas: de uma tacada só, o holograma participa de sua primeira missão avançada, tem o seu primeiro encontro de fundo amoroso e até ganha um nome!

Infelizmente, mais uma vez, os produtores optaram pelo famigerado botão “reset”, fazendo com que o médico “desescolhesse” o nome ao final do episódio. Mas ao menos eles encontraram uma boa desculpa: a lembrança da morte da guerreira Viking que se apaixonou por ele.

Como outro ponto forte da história, podemos citar o descarte da velha justificativa “defeito no holodeck”. Embora este parecesse ser o caso à primeira vista, depois descobrimos que é uma forma de vida alienígena a responsável pelos “problemas técnicos” e pelo sumiço de Harry, Chakotay e Tuvok.

Doutor, Janeway e B'Elanna

Por fim, não se pode descartar o aspecto técnico: com bonitos cenários e excelente figurino, “Heroes and Demons” pode figurar entre as mais belas recriações do holodeck, ao lado da Chicago dos anos 40 e a Londres do fim do século 19.

“Beowulf” foi uma escolha muito interessante para trazer novos ares ao holodeck. Seguramente os Vikings, como os primeiros descobridores do Novo Mundo (evidências mostram que os nórdicos estiveram na América muito antes da “descoberta” de Cristóvão Colombo), merecem algum interesse por parte de nossos intrépidos exploradores galácticos.

Graças ao carisma dos Vikings e às suas interações com o Doutor, o episódio permaneceu interessante e não se arrastou por um momento sequer, apesar da meta simplista dada ao holograma médico e do raso “holoenredo”.

Doutor e Freya

O holodeck e suas criações, os hologramas, voltariam a trazer bons frutos no futuro, e se tornariam uma peça crucial na última temporada de Voyager. Infelizmente, apesar de interessante, o recurso seria um pouco desgastado.

Pequeno destaque, quase em forma de nota de rodapé, vai para Chakotay que, nas poucas falas que teve, conseguiu mais uma vez demonstrar seus dotes de antropólogo, comentando com Tuvok a fascinação dos humanos por monstros em sua literatura.

Avaliação

Citações

“I might point out, there are no demons in Vulcan literature.”
“That might account for it’s popularity.”
(Devo apontar que não há demônios na literatura Vulcana.)
(Deve ser por isso que ela é tão popular.)
Tuvok e Chakotay

Trivia

  • O Doutor chega a escolher um nome para si antes de ir ao holodeck, dr. Schweitzer, mas o abandona ao final do episódio, por trazer lembranças sobre a morte de Freya.
  • Sobre o episódio, Robert Picardo (Doutor), diz: “Eu fiquei extremamente orgulhoso por ‘Heroes and Demons’. Meu personagem foi forçado a fazer parte de uma situação na qual ele teria que ser o herói e salvar o dia. Além disso, tem um toque de romance, algo que normalmente não vemos com frequência em nosso show. Gostei também da presença de uma bela guerreira loira de 1,80m que contracena com meu personagem.”

Ficha Técnica

Escrito por Naren Shankar
Dirigido por Les Landau

Exibido em 24 de abril de 1995

Título em português: “Heróis e Demônios”

Elenco

Kate Mulgrew como Kathryn Janeway
Robert Beltran como Chakotay
Roxann Biggs-Dawson como B’Elanna Torres
Robert Duncan McNeill como Tom Paris
Jennifer Lien como Kes
Ethan Phillips como Neelix
Robert Picardo como Doutor
Tim Russ como Tuvok
Garret Wang como Harry Kim

Elenco convidado

Marjorie Monaghan como Freya
Christopher Neame como Unferth
Michael Keenan como Hrothgar

Enquete

Edição de Stéphanie Cristina
Revisão de Roberta Manaa

Episódio anterior | Próximo episódio