TOS 1×18: Arena

Episodio navega entre o trash e o cult

Sinopse

Data estelar: 3045.6.

Atendendo a um convite de um comodoro famoso por sua hospitalidade, a Enterprise chega a Cestus III, um posto avançado da Federação situado em espaço profundo. Um grupo de desembarque que, além de Kirk, McCoy e Spock, inclui (aparentemente a pedido dos próprios habitantes do posto avançado) o “pessoal tático” da nave, desce à superfície, onde descobre rapidamente que todas as instalações foram destruídas por um atacante desconhecido.

Após comunicar a situação a Sulu, que ficou no comando da Enterprise, e encontrar um sobrevivente gravemente ferido, o grupo de descida é atacado aparentemente pelos mesmos responsáveis pelo ataque ao posto avançado. Kirk requisita transporte de volta a bordo, mas Sulu informa que a nave está agora também sob ataque o que o impede de baixar os escudos sem se expor ao fogo inimigo. Sulu recebe ordens expressas de Kirk para defender a nave a qualquer custo e, para cumprir tal ordem, o tenente é obrigado a deixar a órbita de Cestus III, deixando o grupo de desembarque para trás.

Em terra, Kirk e seu pessoal são obrigados a se virar como podem para se defender. Após perder dois homens, conseguem contra-atacar, usando um item do arsenal do próprio posto avançado. O ataque sob o grupo em solo é encerrado ao mesmo tempo em que Sulu retoma as comunicações informando que a nave que antes atacava a Enterprise partiu um pouco depois de um sinal de teletransporte ter sido captado.

Kirk ordena o envio de um novo grupo de descida para procurar por sobreviventes e retorna à nave trazendo o sobrevivente encontrado em terra, iniciando uma perseguição à nave atacante.

Kirk decide, a despeito do ceticismo de Spock, que o ataque (e o convite falso enviado) foi uma trama a fim de trazer a Enterprise a Cestus III com o propósito de destruí-la e em seguida iniciar uma invasão a Federação. Assim, aproxima-se da nave atacante com intenção de destruí-la.

Quando a Enterprise começa a se aproximar do inimigo, Uhura informa que a nave está sendo sondada por um sinal não identificado proveniente de um sistema estelar próximo à rota seguida pela nave perseguida. Logo em seguida a nave inimiga perde força de dobra e para completamente. Ao perceber isto, Kirk ordena a aproximação final para o ataque, mas subitamente a Enterprise também perde sua toda sua força e para.

Spock identifica o sistema estelar que haviam notado antes como a fonte dos problemas da nave. Neste momento, seres que se identificam como metrons se comunicam com a Enterprise, informando que esta havia entrado em seu espaço, e que tal ato motivado por razões violentas não seria tolerado. Os metrons revelam que a nave a qual a Enterprise perseguia era pertencente a uma raça chamada gorn. Kirk e o capitão da nave gorn são transportados pelos metrons para um planeta onde deverão combater até a morte, cabendo ao vencedor passagem livre de volta para casa e ao perdedor a destruição de sua nave e de sua tripulação.

Kirk é transportado então ao planeta onde já se encontra seu oponente, uma criatura que lembra algum tipo de réptil, muito forte e violento, e que imediatamente tenta atacá-lo. Kirk consegue fugir (seu oponente se move de forma muito lenta) e percebendo que não terá chances em um combate corpo a corpo, começa a procurar por algum material que lhe permita construir algum tipo de arma – material que os metrons garantiram existir no planeta – enquanto os oficiais da Enterprise tentam sem sucesso fazer retornar a força da nave.

Spock insiste em tentar restabelecer contato com os metrons, mas é ignorado. Enquanto isto, Kirk prossegue com dificuldades a luta por sua sobrevivência, algo que os próprios metrons julgam estar seriamente ameaçada. Estes resolvem entrar em contato com os Federados apenas para informar à tripulação da Enterprise que se preparem para serem destruídos, e permitem que o fim da batalha seja assistido pela tripulação da ponte da Enterprise através da tela visual.

Na superfície do planeta, o capitão dos gorns se comunica com Kirk, revelando que o posto de Cestus III havia sido destruído por estar em seu território. Kirk começa então a montar uma arma, uma espécie de canhão primitivo construído à base de substâncias encontradas no planeta, conforme os metrons haviam dito no inicio.

Kirk dispara seu canhão contra a criatura e consegue imobilizar o gorn, que fica a sua mercê, inconsciente. Porém, reluta em dar o golpe final, racionalizando que o ataque ao posto não era o prelúdio de uma invasão, mas sim defesa territorial.

Um dos metrons aparece e, fascinado pelo ato de Kirk, decide libertá-lo junto com sua tripulação. Kirk pede ainda que os gorns sejam também libertados e em seguida retorna a nave, que é lançada para longe de sua posição inicial no espaço metron. Kirk ordena a Sulu então que a nave retome o curso para Cestus III.

Comentários

“Arena” talvez seja um dos episódios mais controversos de Jornada até esse momento da série, talvez por conta da forma beligerante como ele se apresenta, dando tons um tanto quanto cinzentos principalmente na voz do capitão Kirk. A certa altura dos acontecimentos, ele se mostra muito decido a tomar uma ação militar contra o que parece ser um ataque não provocado.

Em primeira instancia essa realmente é a impressão com a qual ficamos pelo desenrolar do episódio. Embora um ataque de uma raça desconhecida a um posto avançado da Federação seja um motivo convincente para que sejam tomadas providências mais drásticas, as conclusões e ações de Kirk parecem um pouco esquizofrênicas, principalmente se lembrarmos que em “Balance of Terror” tínhamos um argumento parecido, com consequências similares e com uma condução mais amena e profissional do capitão da Enterprise, ainda que firme e grave.

Mas se há algo que não se pode negar é que existe vida inteligente em Jornada nas Estrelas. À medida que avançamos no episodio e encontramos Kirk e o Capitão gorn se enfrentando pelas vidas de sua tripulação na arena que dá nome ao episódio – local escolhido pela raça super poderosa e avançada da semana – somos capazes de encontrar onde está o “coração” do segmento (ou pelo menos a tentativa de achar esse coração).

Kirk, num ato de reflexão e misericórdia, poupa poupa a vida de seu oponente e, ao faze-lo, consegue alguns créditos importantes para a humanidade com essa atitude inesperada para os metrons. Essa é a mensagem de “Arena”: devemos evoluir como seres humanos para além do ressentimento e do simples desejo de vingança. Tal façanha pode levar algum tempo, mas somos capazes de fazê-lo.

Infelizmente o episodio sofre um pouco devido à escassez de orçamento para realizá-lo. O posto avançado não é lá muito convincente e dessa vez a gravação em externa não fez muito bem ao segmento, muito embora o cenário de Vasques Rocks tenha se tornado o mais famoso da galáxia graças à icônica luta de Kirk com o gorn.

O combate entre os dois (única aparição dos gorns na Série Clássica) certamente está entre uma das cenas mais lembradas da história da franquia, pela sua “plasticidade”. Temos que descontar as já mencionadas dificuldades técnicas da época, é claro.

Além dessas questões, algumas informações são um pouco contraditórias. O fato da Enteprise ser responsável pelo patrulhamento do setor causa estranheza, pois muitas vezes sua missão de exploração e pesquisa a leva um pouco longe, comprometendo essa parte da missão da nave. Além disso, a decisão de Kirk de perseguir e destruir a nave gorn sem aval da frota estelar parece exceder a autoridade do capitão.

Ainda recordando “Balance of Terror”, fica claro que a altivez e elegância de Mark Lenard não foi reproduzida aqui quando pensamos no capitão gorn, o que explica em parte a distância entre os dois episódios. Também é estranho que Kirk precise ficar “ditando” a Sulu o que fazer enquanto a Enterprise é atacada, assim como é um pouco “fora do estilo” de uma serie sci fi como essa o “Obus” utilizado por Kirk.

Os metrons aqui, que se parecem com anjos gregos, continuam a tradição de seres super avançados de Star Trek, começando pelo própria Serie Clássica, chegando em A Nova Geração, onde em “Encounter At Farpoint”, Q é trazido com o mesmo propósito de julgar os atos de seres humanos. Também em “The Last outpost” a Enterprise de Picard se vê numa situação similar a de “Arena”, mas desta com o ferenguis.

Quanto aos demais atores, há pouco o que dizer da participação deles, visto que esse foi praticamente um voo solo de Kirk. Spock e demais personagens não tiveram muito a fazer a não ser observar. Suas breves aparições em nada acrescentam de fato ao episodio. Nada que comprometa o episódio.

No frigir dos ovos, mesmo com algumas arestas, “Arena” apresenta um conceito interessante e alguns elementos que seriam reutilizados em Jornada nas Estrelas, se tornando um clássico entre os clássicos.

Avaliação

Citações

“An incredible fortune in stones… yet I would trade them all for a hand-phaser, or a good, solid club.”
“Schshschshchsch.”
(Uma incrível fortuna em pedras…mas eu trocaria todas por um feiser, ou um bom taco.)
(Schshschshchsch.)
Kirk e Gorn

“We’re a most promising species, Mr. Spock, as predators go. Did you know that?”
“I frequently have my doubts.”
“I don’t. Not any more. And maybe in a thousand years or so, we’ll be able to prove it.”
(Somos uma espécie muito promissora, Sr. Spock, mesmo entre os predadores. Você sabia disso?)
(Eu frequentemente tenho minhas dúvidas.)
(Eu não. Não mais. E talvez em 1000 anos ou mais, poderemos provar isso.)
Kirk e Spock

“Sparing your helpless enemy who surely would have destroyed you, you demonstrated the advanced trait of mercy, something we hardly expected. We feel that there may be hope for your kind. Therefore you will not be destroyed. It would not be civilized.”
(Poupando seu inimigo indefeso que, certamente, o teria destruído, você demonstrou o avançado traço de piedade, algo que não esperávamos. Sentimos que talvez haja esperança para o seu povo. Por isso, você não será destruído. Não seria civilizado.)
Metron

“You are still half-savage, but there is hope.”
(Vocês ainda são meio selvagens, mas há esperança.)
Metron

Trivia

  • O conto de Frederic L. Brown que deu origem a “Arena” também deu origem ao episódio “Fun And Games” da série The Outer Limits.
  • A aceitação das diferenças e o combate ao preconceito constituíam temas recorrentes dos roteiros de Gene Coon como em “The Devil In The Dark” e “Metamorphosis” entre outros.
  • Vic Perrin, o narrador da abertura da série The Outer Limits, faz a voz tanto do gorn quanto do metron.
  • O posto avançado foi filmado no rancho da Paramount em Agoura, Califórnia. As cenas com o gorn foram filmadas em “Vasquez Rocks”, uma área vista diversas vezes na série, inclusive em Jornada Nas Estrelas IV: A Volta Para Casa. A fantasia gorn é uma criação de Wah Chang.

Ficha Técnica

História de Fredric L. Brown
Roteiro de Gene L. Coon
Dirigido por Joseph Pevney

Exibido em 19 de janeiro de 1967

Título em português: “Arena” (AIC-SP), “Arena” (VTI-Rio)

Elenco

William Shatner como James Tiberius Kirk
Leonard Nimoy como Spock
DeForest Kelley como Leonard H. McCoy
James Doohan como Montgomery Scott
Nichelle Nichols como Uhura
George Takei como Hikaru Sulu

Elenco convidado

Carole Shelyne como Metron
Vic Perrin como voz do Metron
Gary Coombs como o capitão Gorn
Bobby Clark como o capitão Gorn
Vic Perrin como Voz do Gorn
Grant Woods como Sr. Kelowitz
Sean Kenney como Sr. DePaul
Eddie Paskey como tenente Leslie

Revisitando

Enquete

Edição de Carlos Henrique B Santos
Revisão de Roberta Manaa

Episódio anterior | Próximo episódio

Be the first to comment on "TOS 1×18: Arena"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*