Easter eggs e referências de “Terra Firma, Part I”

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO CONTÉM SPOILERS!

Criando uma série de elementos que parecem preparados para a saída de Philippa Georgiou (Michelle Yeoh) da série, o episódio de Star Trek: Discovery desta semana, denominado “Terra Firma, Part I”, está repleto de cenas e simbolismo que implicam uma conclusão para sua história, no próximo epísódio “Terra Firma, PartII”, pelo menos até que a série da Seção 31 chegue.  Esta, não tão coincidentemente, será liderada por dois membros da equipe de roteiristas deste episódio, Bo Yeon Kim e Erika Lippoldt.

Erika Lippoldt e Bo Yeon Kim

A sequência dos títulos leva 11 minutos para aparecer, tornando este um dos teasers mais longos de Star Trek: Discovery.

A reconstrução holográfica de Georgiou de dentro para fora, na enfermaria, pode usar a mesma tecnologia desenvolvida pelo Doutor, o holograma médico (EMH), no episódio “Latent Image” de Star Trek: Voyager.

Logo no início do episódio, o misterioso Kovich (David Cronenberg) explica a Culber que viajar tanto através do tempo quanto saltar de universos diferentes pode “deixá-lo muito doente”, e apresenta o caso de um “soldado do tempo” chamado Yor. As origens de Yor são descritas como um universo alternativo criado pela “incursão temporal de uma nave de mineração romulana”. Esta é uma referência ao estabelecimento do que chamamos de linha do tempo Kelvin, o cenário da mais recente trilogia de JJ Abrams. começando com Star Trek de 2009. A nave de mineração pertencia a Nero, que voltou no tempo depois de ver a destruição de Rômulus, em 2387. Este é o primeiro reconhecimento em tela da linha do tempo Kelvin dentro da linha do tempo principal (Prime), e sua descrição como um universo alternativo talvez estabeleça que é um pouco diferente de uma linha do tempo alternativa típica, criada por travessuras normais de viagem no tempo.

Nero e a Narada

Kovich explica que viagens temporais podem deixá-lo muito doente. No episódio “Relativity” de Star Trek: Voyager foi estabelecido que repetidos saltos de tempo poderiam resultar em psicose temporal. Também é explicado que moléculas não gostam de saltar no tempo ou na dimensão. Em “Parallels”, o salto de Worf na linha do tempo foi confirmado examinando sua assinatura quântica.

O holograma de Yor está usando um uniforme da Frota Estelar, das duas primeiras temporadas da Star Trek: The Next Generation, colocando-o entre os anos 2350 e meados da década de 2360. Yor é descrito como tenente-comandante, mas em seu uniforme estão faltando os pins de patente, como os de Data nesta foto.

Yor é da mesma espécie de Connor Traitt no episódio “That Hope is You”. Inicialmente identificado como yridian, foi esclarecido no programa The Ready Room que a espécie era betelgeusiana, embora isso não tenha sido estabelecido no cânone.

A morte de Yor também explica perfeitamente por que o velho Spock morreu fora da tela em Star Trek: Sem Fronteiras. Kovich diz: “Antes de Georgiou, Yor era o único indivíduo conhecido por ter viajado através do tempo e dimensões.” Isso implica que seus arquivos não sabem sobre o velho Spock, que fez o mesmo, bem como sobre Nero e sua tripulação. Parece que Kovich sabe que a linha do tempo de Kelvin existe, mas nada mais do que isso.

Yor morreu porque os Acordos Temporais impediram a Federação de mandá-lo para casa. Essa rigidez às regras e regulamentos, ao custo da vida de um indivíduo, não soa nada como a Federação que conhecemos e amamos, mas soa exatamente como a Federação que permitiu que Thad Riker, filho de Will Riker e Deanna Troi morresse desnecessariamente, como citado no episódio “Nepenthe” de Star Trek: Picard.

Kovich menciona tanto as Guerras Temporais quanto os Acordos Temporais, e menciona que a “restrição de deslocamento interdimensional” impede as pessoas de irem para outros universos paralelos de propósito. De acordo com Daniels em Star Trek: Enterprise, os Acordos Temporais existiam em algum momento do século 31, cerca de cem anos antes dos eventos da 3ª Temporada de Discovery, e provavelmente antes da Queima, conforme explicado aqui. Embora a Discovery tenha mencionado as Guerras Temporais antes, é lógico que um aspecto dessas guerras foi a Guerra Fria Temporal, vista ao longo de todas as quatro temporadas de Star Trek: Enterprise. Se a hipótese do Guardião da Eternidade estiver correta, isso pode servir como uma maneira de contornar os Acordos para tirar Georgiou deste tempo e dimensão.

Georgiou brinca que, se Tilly conseguir matar a tripulação por acidente, talvez a chamem de Killy depois de tudo. Isso faz referência à 1ª temporada de Discovery, na qual aprendemos que o nome de Tilly no  universo Espelho era capitão Killy. No episódio  “Despite Yourself” ou qualquer um dos outros episódios da 1ª temporada em que ela foi referenciada, a verdadeira capitão Killy nunca foi vista. Obviamente, isso muda neste episódio.

Tille como Killy e a verdadeira capitão Killy

O computador da Discovery sugere levar Georgiou ao planeta Dannus V, que Michael Burnham diz ser quase no quadrante Gamma, perto da borda galáctica. O quadrante Gamma é a área do espaço onde o buraco de minhoca bajorano acabava, em Deep Space Nine. Dizer que este planeta é na borda do quadrante Gamma, pode indicar que está bem na fronteira entre os quadrantes Alfa e Gamma. A borda galáctica pode se referir à barreira na borda da galáxia. que foi rompida pela USS Enterprise em “Where No Man Has Gone Before” e novamente em “By Any Other Name” da Série Clássica. Passar por essa barreira fez Gary Mitchell e a Dra. Dehner adquirirem poderes e lentamente enlouquecerem.

O Almirante Vance sugere que deixar Georgiou em um planeta desabitado é melhor do que uma prisão na nave estelar. Isso faz referência à ideia de que Kirk ia deixar Gary Mitchell no planeta Delta Vega, em vez de matá-lo. O nome do planeta aqui – Dannus V – é novo no cânone de Star Trek, mas poderia referenciar o escritor Richard Danus, que escreveu para Star Trek: The Next Generation e Star Trek: Deep Space Nine.

Saru cita Spock em Jornada nas Estrelas II: A Ira de Khan, em sua decisão de não ajudar Georgiou com sua condição. Essa frase foi citada em vários outros episódios desta temporada.  Ele é rejeitado, o que meio que ecoa a conversa de Saru com a presidente vulcana T’Rina no episódio “Unification III”, no qual ela disse que ditados são uma parte que os vulcanos estavam tentando superar.

Vance diz a Burnham que ele precisa saber que ela não hesitará se Georgiou ficar perigosa. Burnham diz: “Você está se referindo à comandante Airiam.” Isso faz referência aos eventos do episódio “Project Daedalus”, no qual Airiam quase matou todos depois de ser possuída pela inteligência artificial chamada Controle.

A pulseira que Burnham dá a Georgiou é uma Fitbit, uma tecnologia introduzida na Consumer Electronics Expo de 2013.

Temos visto novos fasers da Frota Estelar nos créditos de abertura por um tempo, mas parece a primeira vez que alguém (Georgiou) pega um. Também parece que o faser se transforma em algo no pulso de Georgiou. Então, talvez esses fasers sejam feitos de matéria programável,

Georgiou fala: “De onde eu venho, éramos Prime e você era o Espelho.” A ideia de que há um universo Prime é uma fala de fãs e agora passou para o cânone real de Star Trek. Ninguém no universo Espelho se considera de uma dimensão alternativa. Esta é a primeira vez que esse tipo de coisa é abertamente abordado em tela no cânone de Star Trek.

Burnham e Georgiou caminham quilômetros através de uma tundra ártica — uma viagem que espelha a excursão no deserto de Burnham e Georgiou em “The Vulcan Hello”, outro sinal de que este pode ser o fim da estrada para essa dupla de personagens.

Fotos originais do site TrekCore

Segundo Jörg Hillebrand (@gaghyogi49 ) esta  é a primeira vez nos 54 anos de história televisiva de Star Trek que a neve real é vista caindo em uma cena filmada, para um seriado com os atores reais. Em episódios anteriores, era sempre neve falsa ou imagens de estoque. História da televisão, pois a neve real também é vista caindo em Jornada nas Estrela VI: A Terra Desconhecida, apesar de estar está soprando, não caindo,  e em Star Trek de 2009, em cenas filmadas no Alasca com deblês e não com os atores reais.

Foto de Jörg Hillebrand @gaghyogi49

Georgiou e Burnhan encontram um cavalheiro chamado Carl (Paul Guilfoyle de CSI: Crime Scene Investigation) que lê um jornal ao lado de uma porta. Um anúncio de “Good Soup!”, um vislumbre do nome da Missão da Rua 21, um retrato de uma mulher meia-vista e uma oferta muito visível para “Deixe-me ajudar!” no verso do jornal The Star Dispatch, são todos elementos do trabalho de Edith Keeler na década de 1930, visto no episódio “The City on the Edge of Forever”. Essas peças do quebra-cabeça parecem revelar imediatamente uma conexão entre a porta mágica de Carl e o icônico portal de volta através do tempo, do Guardião da Eternidade. O jornal é o mesmo em que a morte de Edith Keeler aparece no episódio.

Foto original do site TrekCore

A frente do  jornal informa o preço de uma cópia, de 15 quatloos, uma moeda usada no episódio “The Gamesters of Triskelion” da Série Clássica.

Outras manchetes no jornal de Carl referem-se à USS Jenolan desaparecida, que é a nave que levou Montgomery Scott para o século 24, no episódio “Relics” de Star Trek: The Next Generation. A queda do Império T’Kon por uma supernova, também aparece no jornal, e foi vista no episódio “The Last Outpost” de Star Trek: The Next Generation. T´Kon era uma sociedade avançada vivendo há 600.000 anos até que uma supernova destruiu seu mundo natal. O único remanescente identificado de T´kon foi na forma de um guardião chamado Portal, dormindo em um planeta deserto. Em uma nota completamente não relacionada, Spock estimou que o Guardião da Eternidade tinha aproximadamente um milhão de anos.

Foto original do site TrekCore

A página de trás do jornal (ver acima) ainda apresenta uma coluna sobre a vitória de Worf na competição bat’leth em Forcas III, vista no episódio “Parallels” de Star Trek: The Next Generation. O quebra-cabeça em forma de favo de mel, completo com duas áreas pretas em forma de espiral, pode ser uma referências às naves em forma de hexágono que compõem uma hélice Suliban, onde os principais eventos ocorreram durante a Guerra Fria Temporal em Star Trek: Enterprise, mas tanto o cabeçalho quanto as perguntas parecem estar impressos na escrita bajorana. Esta página tem ainda uma seção escrita em vulcano, acompanhada por um símbolo IDIC simplificado, desenhado grosseiramente como se fosse uma runa.

Burnham diz que a porta misteriosa não tem registro em seu tricorder. Isso é como o Guardião da Eternidade no episódio “The City on the Edge of Forever” da Série Clássica  . Nesse episódio, Spock diz: “Para isso fazer o que ele faz é impossível para qualquer ciência que eu entenda.”

Ter um Guardião personificado – se isso é realmente o que está acontecendo aqui – é na verdade um conceito que remonta a Harlan Ellison para o que eventualmente se tornou o episódio “The City on the Edge of Forever” de Star Trek. Na adaptação de 2014, da IDW Comics, do roteiro original de Ellison, o Guardião não é um portal  de pedra falante, mas são, na verdade, entidades reais que se autodenominam Guardiões da Eternidade.

A correção de Stamets para o algoritmo travado de Adira foi desligá-lo e ligá-lo novamente, o que parece o que fizemos e até hoje fazemos em nossos computadores, quando tudo trava. Parece que não houve progresso nessa área.

A cientista kelpien Dra. Issa menciona a USS Hiraga Gennai, que foi nomeada em homenagem a um homem renascentista japonês do século XVIII, que sabe muito sobre muitos assuntos. Hiraga Gennai (1728-1780) foi um farmacologista japonês, estudante do metódo Rangaku, pelo qual o Japão se manteve informado sobre a tecnologia e medicina ocidentais, quando o Japão se encontrava isolado para o resto do mundo, médico, autor, pintor e inventor de coisas como como elekiter (gerador eletrostático), kandankei (termómetro) e kakanpu (roupas de amianto).

A kelpien Issa do holograma centenário, recuperado da nebulosa, é interpretada por Hannah Spear, que também interpretou a irmã de Saru, Sirannah, na última temporada.

Sirannah e Issa

O nome da nave Kelpian, KSF Khi´eth, começa com as iniciais KSF, que devem significar Força Espacial Kelpian (Kelpian Space Force, em inglês)

Quando Adira e Stamets localizam a nave Kelpien, que ainda está enviando um sinal na nebulosa de Verubin, eles mencionam que eles têm o código prefixo, que deve ser capaz de abrir um porta dos fundos para os sistemas. Isso faz referência à Jornada nas Estrelas II: Ira de Khan, quando Kirk usa o código prefixo da Reliant para ordenar que a nave baixe seus escudos.

Antes de Georgiou entrar pela porta mágica, ela diz que prefere morrer de pé (die standing em inglês). Isso pode fazer referência ao recente romance de Discovery, chamado Die Standing, de John Jackson Miller. Nesse livro, há um personagem do passado de Georgiou chamado San, e parece que esta é a pessoa a que ela se refere nos flashbacks do universo Espelho desta temporada, explicado aqui

Georgiou aparentemente viajou para o universo Espelho, de volta ao ano 2255. Todos esses eventos serviram como a história de fundo para a primeira temporada de Star Trek: Discovery, e efetivamente aconteceram antes do seriado começar.

A nave da Imperatriz Georgiou, a ISS Discovery, é, provavelmente, uma  extensão digital da USS Discovery regular, como as duas capturas de tela inferiores da 1ª temporada mostram.

Foto de Jörg Hillebrand @gaghyogi49

Ouvimos o título extravagante da imperatriz Georgiou duas vezes neste episódio, a primeira pela capitão Killy: Sua Majestade Mais Imperial, Mãe da Pátria, Soberana de Vulcano, Dominus de Qo’noS, Regina Andor, imperatriz Philippa Georgiou Augustus Iaponius Centarius. Ouvimos este título pela primeira vez no episódio “Vaulting Ambition”. Quanto Stamets fala, ele adiciona Filha de Roma, o que pode insinuar que o Império Romano não caiu no universo Espelho.

Killy faz referência aos estaleiros imperiais em Epsilon Indi IV. Este sistema estelar apareceu pela primeira vez no episódio “And the Children Shall Lead” da Série Clássica.

O uniforme terráqueo vermelho de Culber, também usado por outros atores tipicamente vistos no uniforme branco de médico, a bordo da Discovery do universo Prime, foi apresentado pela primeira vez, como arte conceitual, durante um episódio de 2018 de After Trek. Embora não tenha sido usado na primeira viagem ao universo espelho, os conceitos da história inicial incluíram uma aparição de Culber durante a primeira temporada.

Esta tripulante médica na foto abaixo, que está a bordo da Discovery desde a 1ª temporada, aparece também universo Espelho, com o uniforme vermelho. Excelente verificar também que pessoas de  mais idade trabalhem como extras  a bordo da Discovery.

Culber, Stamets e Airiam, ainda humana (Hannah Cheesman), estão se chocando com agonizantes portáteis no refeitório da ISS Discovery.  Que divertido esse jogo de festa!

Airiam

Ellen Landry, interpretada pela veterana de Battlestar Galactica, Rekha Sharma, retorna neste episódio. Não vemos Landry desde a 1ª temporada de Discovery, na qual ela aparentemente morreu duas vezes, uma como a Landry original, e novamente, quando a Discovery explodiu a Charon. Landry fez parte do golpe de Lorca, mas parece que ninguém sabe disso agora.

David Benjamin Tomlinson (Linus) interpreta o escravo kelpien que derramou molho em Landry.

O refeitório do universo espelho ISS Discovery do espelho apresenta pinturas de naves klingon em chamas. Uma das pinturas pintura apresenta uma classe Veqlargh ou Qoj, a outra uma classe Qugh.

Foto de Jörg Hillebrand @gaghyogi49

Foto de Jörg Hillebrand @gaghyogi49

A última vez que visitamos o universo Espelho, ainda não tínhamos sido apresentados aos robôs DOT da 2ª temporada de Discovery. Aqui, parece que a Frota Estelar Terráquea tem versões escuras, de olhos vermelhos, dessas coisinhas fofas. Será que também são do mal?

Na 1ª temporada de Discovery, não sabíamos sobre o processo de vahar’ai, no qual kelpiens deveriam perder o medo. No universo Espelho, parece que os terráqueos tomaram o lugar dos Ba’ul, introduzidos no episódio, “A Sound of Thunder”. Georgiou sabia de Vahar’ai só por causa de sua viagem ao universo Prime. Ou será que os terráqueos também sabem disso?

Vemos Owo lutando com Rhys para manter seu emprego como chefe de segurança da Charon. Na primeira linha do tempo do espelho, ela já tinha esse emprego.

A história de Burnham do espelho sobre artistas talentosos e seus atos perversos contra eles a levou ao planeta Kepler-174d, que é um exoplaneta verdadeiro, descoberto em 2014. Kepler-174d é um exoplaneta que orbita a estrela Kepler-174, localizada na constelação de Lyra. Foi descoberto pelo telescópio Kepler em fevereiro de 2014. Ele orbita sua estrela-mãe a 0,677 unidades astronômicas de distância, e à sua distância completa uma órbita uma vez a cada 247 dias. É potencialmente habitável. Esta pode ser a primeira menção de um exoplaneta da vida real em Star Trek.

Kepler 174D

Georgiou está em um lugar semelhante ao que Kirk estava em “Mirror, Mirror”. Kirk poupou a vida do Chekov do espelho e Georgiou poupou a vida da Burnham do espelho. Kirk começou a ser legal com sua concubina, Georgiou está sendo legal com seu escravo, o Saru do Espelho. Em ambos os casos, os personagens sabem que todos vão surtar se continuarem agindo bem e perdoando as pessoas ao seu redor, por isso é necessário um ar de arrogância. A diferença é que Kirk só teve que fingir até sair do universo Espelho. O que Georgiou vai fazer? Fingir até ela reformar o Império Terráqueo?

Todas as citações do capitão Lorca neste episódio me fizeram pensar se Jason Isaacs iria aparecer em algum momento, mas infelizmente, ele não apareceu. Talvez no próximo episódio? Quero muito ver este personagem em “Terra Firma, Part II”.

Estes são os easter eggs e as referências que encontramos. Se você encontrar mais alguma, coloque nos comentários.

 

 

Be the first to comment on "Easter eggs e referências de “Terra Firma, Part I”"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*