O trailer da segunda temporada da série Discovery revelou um novo visual para os Klingons, e que foi confirmado, agora, com um breve vislumbre da personagem L´Rell (Mary Chieffo) com cabelo. Veja ainda os comentários do elenco, durante a convenção Destination Star Trek realizada em Birmingham, Reino Unido.

A imagem foi apresentada durante a convenção em Birmingham e mostra L’Rell muito diferente do que foi vista na primeira temporada. Ela é a mais nova líder do Império Klingon.

Comentando sobre a calvice Klingon na convenção da NYCC, Chieffo disse que ela foi inspirada pelo designer Glenn Hetrick, na 6ª temporada, episódio 23 de A Nova Geração, “Righth Heir”, onde se conta a história de como Kahless cortou uma mecha de seu cabelo e mergulhou-a em um vulcão e fez o primeiro bat’leth, com o qual ele matou Molor, o terrível tirano.

Mas o visual de L’Rell parece ter sofrido mais mudanças. Os aparelhos protéticos na face e na boca parecem menos pronunciados do que na primeira temporada, especialmente quando comparados ao episódio piloto da primeira temporada. Além disso, a Chanceler L’Rell não apresenta as cicatrizes resultantes do tiroteio e fuga de Tyler e Lorca (no 5º episódio da primeira temporada).

Outra novidade para L’Rell está em sua vestimenta. Ela trocou sua armadura da Casa Mokai por um vestido condizente com seu novo status de líder do Império Klingon. O novo visual de L’Rell é nitidamente mais feminino do que o visual dela na primeira temporada.

Um close-up revela o clássico emblema Klingon no cinturão do Chanceler L’Rell, sem dúvida parte de sua mensagem geral de forjar a unidade Klingon.

Mary Chieffo mostrou o novo visual de L’Rell em um painel no Destination Star Trek em Birmingman no domingo. A atriz também se divertiu com a revelação nas redes sociais.

Retorno ao otimismo familiar de Star Trek

O elenco de Discovery apareceu no sábado no Destination Star Trek em Birmingham, Reino Unido. Os principais membros do elenco foram Sonequa Martin-Green, Doug Jones, Anthony Rapp, Mary Wiseman, Wilson Cruz e Mary Chieffo, além da presença especial de Jason Isaacs e as estrelas convidadas Jayne Brook, Kenneth Mitchell e Sam Vartholomeos. Alguns destaques do painel a seguir.

Uma pergunta da platéia sobre o tom de Discovery ser sombrio, Anthony Rapp falou sobre a transição de tonalidade da primeira para a segunda temporada:

Toda a primeira temporada foi sobre o efeito do Universo Espelho, graças ao Capitão Lorca. Então, foi de fato passar por isso para sair do outro lado, construindo até o último discurso de Burnham. Foi construindo fora da escuridão para chegar onde estamos, muito mais em território familiar. Então, a segunda temporada segue absolutamente os passos, construindo a Frota Estelar com a qual estamos mais familiarizados.

Rapp então discutiu, que eles estão pedindo aos fãs que sejam pacientes:

É incomum convidar o público de Star Trek para assistir histórias muito longas, porque tem sido muito mais episódicas ao longo do caminho. Pedimos a todos vocês que tenham fé de que sabemos o que estamos fazendo. Estamos cientes de que passaremos um ano numa mudança inesperada para nos levar de volta ao caminho que é mais familiar.

Os  ideais da Frota Estelar

Sonequa Martin-Green também analisou como Discovery mostrará a equipe lutando pelos ideais da Frota Estelar:

Eu acho que há algo a ser dito sobre a luta. Porque essa é uma das coisas mais bonitas sobre a nossa série, e todas as outras iterações de Star Trek, mas definitivamente Discovery. Você não apenas vê esse futuro, mas vê essa luta necessária para chegar a ela. Não apenas para obtê-la, mas para mantê-la. Então, você nos vê ir para a escuridão porque estamos em guerra, mas você nos vê lutando contra isso. Eu acho que é realmente mais esperançoso de todos.

Martin-Green também tentou dar algum contexto ao tom mais sombrio da série, apontando que é resultado da natureza altamente serializada da série:

Um dos nossos produtores executivos disse uma vez que não acha essa iteração mais obscura, mas é só lembrarmos do que aconteceu ontem. E quando você se lembra do que aconteceu ontem, vai chegar a tristeza da perda e o luto da perda. E você também tem a filosofia de lutar. Mas nós sempre nos esforçamos para ser a Frota Estelar e então você pode ver essa luta em ação e eu acho que é algo que pode realmente ser ligado, porque não é apenas uma imagem. Você precisa ver um exemplo de sua atualização.

A ciência de Jornada

A segunda temporada não terá apenas um tom mais leve e otimista, mas também apresentará mais da tradição da ciência de Jornada. Anthony Rapp, que interpreta um cientista na série, disse ao público:

Nesta temporada há ainda mais ciência, com material sociológico e antropológico, assim como alguma física, que sempre fez parte de Star Trek. Os escritores realmente se importam e querem ter certeza de que qualquer ciência, mesmo que esteja tocando em um nível fantástico, é sempre baseada em algo que tenha alguma correspondência com o que as pessoas estão lidando na comunidade científica.

O design Klingon

Uma das maiores mudanças em Discovery foi o design dos Klingons, que exigiu uma maquiagem protética muito mais complexa para os atores, algo que o ator Michael Dorn criticou, dizendo que limita a performance do ator. A atriz Mary Chieffo foi questionada sobre como ela se sentia sobre a maquiagem, e a atriz de L’Rell disse que já havia tido alguma experiência desse tipo antes:

Eu estava muito animada por estar totalmente transformada. Eu trabalhei em um monte de personagens de movimento e trabalho de máscara que fiz na escola. E a voz e a fala, é claro, foram capazes de cair em uma entidade completamente diferente. Então, quando me olhei no espelho, não era Mary Chieffo, eu era L’Rell. Eu estava animada e gratificada.

A atriz também deu alguns detalhes sobre como o novo design dos Klingons informa seu desempenho:

Quanto mais eu conversava com Neville Page e Glenn Hetrick, quem eram os designers, por que eles criaram especificamente os cumes da cabeça, mais eles queriam explorar a complexidade dos dispositivos sensoriais dentro dos cumes. Foi divertido brincar com isso. Eu falo sobre a inclinação da cabeça que comecei a fazer, que simbolizava a computação da informação que Neville encorajou. Ele disse “sim, seus sensores são mais fortes nas costas”.

Diálogo final da temporada explorou o vínculo com Burnham e L’Rell

Tanto Mary Chieffo quanto Sonequa Martin-Green falaram sobre como, embora eles só interagissem no final da temporada, havia sempre um paralelo e um vínculo com seus personagens.

Mary Chieffo: Eu fui compelida pelo fato de que L’Rell foi tirada das sombras por Burnham, mesmo que essas duas mulheres estivessem amarradas pelo coração partido. E o fato de que elas encontraram seu poder em sua vulnerabilidade e demorou muito para chegar a esse lugar.

Sonequa Martin-Green: Nós lutamos para chegar a esse lugar. O que eu amei sobre o que estava na página foi que você vê essas duas mulheres que são poderosas e vulneráveis ​​e em sintonia com sua feminilidade e o poder disso. E elas também percebem que são maiores que a soma de suas partes.

Martin Green também revelou um pouco de diálogo que foi cortado do final da temporada, na cena em que Burnham e L’Rell decidem cooperar:

Havia uma linha que eu estava com o coração partido, que teve que ser cortada na edição, onde eu estou dando a ela este detonador, para que ela possa assumir o controle do Império Klingon, e a Georgiou Terrana diz: “por que você fez isso? Ela é sua inimiga”e Burnham responde: “hoje ela não é minha inimiga”. E eu amei isso. Há uma presença para esse ditado. Hoje significa agora, poderia significar para sempre. Nós não somos realmente inimigas. Nós fomos capazes de cavar uma ao outra e cavar juntas para o bem maior.

Mary Chieffo também pesou, dizendo que o relacionamento de Burnham e L’Rell tem uma mensagem para hoje:

Eu acho que é a única maneira de termos sucesso como sociedade, é se nos erguermos. Acho que estamos neste momento como mulheres, onde realmente precisamos uma da outra. Estamos abraçando a ideia de que a melhor maneira para todos nós termos sucesso é elevando uns aos outros, mesmo se diferirmos.

Fonte: TrekMovie