VOY 2×01: The 37’s

Abertura da temporada traz senso de família para a tripulação da Voyager

Sinopse

Data estelar: 48975.1

A USS Voyager altera o curso ao detectar traços de metal oxidado (ferrugem) no espaço. Janeway surpreende-se, pois ferro não tem como enferrujar no cosmo devido à ausência de oxigênio. Chegando às novas coordenadas os tripulantes encontram um objeto à deriva no vácuo: um automóvel da Terra do século 20.

Ao transportar o veículo para o hangar, descobre-se em seu primitivo equipamento de rádio um sinal de SOS emitido de um planeta nas proximidades. Os transportes não funcionam na atmosfera, do mesmo modo que uma nave auxiliar não conseguiria navegar. Logo, a única solução encontrada é pousar a própria Voyager na superfície. Nesse mundo a capitã encontra humanos que foram abduzidos da Terra e levados ao quadrante Delta por uma raça avançada, em 1937.

Os 37s e Janeway

Mais que isso, a nave descobre que ali se desenvolveu uma nova civilização humana, espalhada por três cidades. Os humanos são hospitaleiros e oferecem abrigo para os tripulantes da Voyager que optarem por ficarem no quadrante Delta em vez de continuar tentando voltar para casa.

No fim, toda a tripulação opta por ficar na Voyager, que abandona o planeta e segue viagem rumo ao quadrante Alfa.

Comentários

“The 37’s” foi originalmente concebido para fechar a primeira temporada de Voyager. Por uma decisão da rede UPN (que exibia a série nos EUA), ele acabou ficando como episódio de abertura da nova temporada. Ainda assim, ele é um marco para a série. Ele foi o primeiro segmento (e um dos únicos) a transmitir o senso de que a tripulação da Voyager é realmente uma grande família.

37s title card

Esse sentimento, que nasceu de parto normal durante a evolução de A Nova Geração e Deep Space Nine, teve de ser parido por cesariana em Voyager, pela necessidade das duas tripulações (maquis e federada) de unir forças e voltar para casa. Justamente por serem obrigatoriamente uma família, esse relacionamento entre os personagens nunca ficou muito natural – até este episódio.

A história tem vários méritos, apesar de apelar um pouco para a credulidade do telespectador em achar que coisas altamente improváveis -como a Voyager encontrar humanos isolados no quadrante Delta em sua viagem de volta para casa – podem de fato acontecer.

Também é forçada a necessidade de pousar a nave. Mas os produtores estavam a fim de mostrar o que a nova belezinha deles podia fazer! Alguém tem alguma reclamação quanto ao lindo procedimento de aterrissagem da nave? Eu não tenho.

USS Voyager e tripulação

De resto, é um episódio bonito e raro. Primeiro, porque resolveu contar uma história, em vez de ficar despejando tecnobaboseira por 45 minutos, como às vezes costuma ocorrer. Não houve sequer um elemento importante da trama resolvido com tecnologias malucas tiradas da cartola.

Cenas como a que mostra Janeway e Chakotay rumo à área de carga para ver quem vai querer deixar a nave e descobrem que a sala está vazia, ou a subsequente, que mostra a capitã na ponte dando ordens para a decolagem da nave, funcionam maravilhosamente para estabelecer esse clima familiar. Apesar de ligeiramente previsíveis e piegas, as cenas funcionam para tocar o telespectador. As atuações, a música e os ângulos de cena operam sua magia com facilidade.

Só senti falta de ver as tais cidades humanas no planeta. As sequências provavelmente não foram produzidas em razão de custos proibitivos, mas parece que faltou alguma coisa entre o convite dos habitantes e a volta à nave, na cena seguinte.

Chakotay e Janeway

Por fim, vale comentar o relacionamento de Amelia Earhart com a capitã Janeway – ambas pioneiras em seus próprios contextos. O papel de Amelia para com Janeway é semelhante ao que Abraham Lincoln teve com Kirk no episódio clássico “The Savage Curtain”. Aposto que a aviadora foi um dos ídolos da capitã da Voyager!

O episódio é totalmente Janeway e serve para demonstrar a capacidade da capitã de manter a tripulação unida e coesa. Nenhum espaço foi reservado para os outros personagens. Mas a capitã merece…

Avaliação

Citações

“Captain, I think I should tell you I’ve never actually landed a starship before.”
(Capitão, eu acho que deveria avisá-la de que eu nunca pousei uma nave estelar antes.)
Paris

Trivia

  • Esse é o primeiro episódio em que a USS Voyager pousa em um planeta. Depois a veríamos pousar novamente em “Basics, parte I”, no último episódio da atual temporada.
  • A cena em que a tripulação de Voyager encontra uma pick-up Ford de 1937 flutuando no espaço pode ser considerada uma reminiscência de um quadro parodiando a série clássica de Jornada nas Estrelas, exibido no programa americano “Saturday Night Live”.
  • “The 37’s” foi originalmente concebido para marcar uma nova direção à série, após a resolução (ao menos parcial) dos conflitos entre as tripulações da Federação e os Maquis, unindo enfim os grupos em uma só tripulação. Segundo Brannon Braga, um dos escritores do episódio, “The 37’s” seria o último episódio do 1º ano. “Nós estávamos interessados em termos a tripulação mostrando um pouco de solidariedade, tentando fazer o melhor nesta situação forçada em que se encontravam. Não existe nada pior do que ligar sua TV e ver um programa em que todos se odeiam (a não ser que seja uma comédia estilo sitcom)”, diz Braga.

Ficha Técnica

Escrito por Jeri Taylor & Brannon Braga
Dirigido por James L. Conway

Exibido em 28 de agosto de 1995

Título em português: “Os 37s”

Elenco

Kate Mulgrew como Kathryn Janeway
Robert Beltran como Chakotay
Roxann Biggs-Dawson como B’Elanna Torres
Robert Duncan McNeill como Tom Paris
Jennifer Lien como Kes
Ethan Phillips como Neelix
Robert Picardo como Doutor
Tim Russ como Tuvok
Garret Wang como Harry Kim

Elenco convidado

Sharon Lawrence como Amelia Earhart
David Graf como Noonan
James Saito como o soldado japonês
Mel Winkler como Jack Hayes
John Rubenstein como John Evansville

Enquete

Edição de Stéphanie Cristina
Revisão de Roberta Manaa

Episódio anterior | Próximo episódio