O site TrekMovie aproveitou o painel Discovery, na New York Comic Con, para conversar com o elenco e produtores executivos em entrevistas na mesa de imprensa. Neste artigo temos a primeira entrevista com os atores Ethan Peck (Spock) e Anson Mount (Christopher Pike) que falaram sobre o trabalho em cima de seus personagens.

Qual a sensação de estar se tornando parte desta franquia icônica?

PECK: Você está brincando comigo? É ‘Star Trek’, é como … este é o mais longo no trabalho, onde eu ainda me sinto surreal [sobre a experiência]. Você sabe, como todos os dias. Literalmente, todo dia eu vou estar no set, e eu vou olhar em volta, e eu vou ficar tipo “Eu estou fodendo ‘Star Trek!’”

MONTE: Eu disse isso três vezes ontem! [Risos] É muito surreal. E eu quero dizer, a quantidade de trabalho que vai criar esses cenários que são uma obra prima… a atenção aos detalhes é simplesmente incomparável, na minha opinião.

PECK: É enorme. São seis palcos de som.

Você se sente pressionado a assumir papéis icônicos de Jornada?

Mount:  Sentir esse tipo de pressão não é útil para mim como ator. Não que eu não respeite o cânon. E não que eu não faça meu dever de casa e respeite o que veio antes de mim. Mas eu não posso estar trabalhando eficientemente, no meu top game e me preocupar com o que as outras pessoas pensam sobre mim, ou vão pensar em mim. Eu acho que acabei de chegar ao ponto da minha vida onde eu não dou a mínima? A menos que seja minha esposa ou minha mãe com quem estou falando.

Peck:  Eu te admiro, capitão. Sim, para mim parecia que era uma tarefa impossível. Mas eu fui escolhido para fazer isso, e … na noite anterior eu descobri, e pensei, “Eu deveria fazer isso?” Como, isso poderia mudar minha vida de uma maneira que é irreversível, e isso é muito assustador também em um nível pessoal. E como ator eu nunca tive mais responsabilidade, nunca fui mais desafiado. Mas eu fui escolhido por uma razão, e você tem que começar em algum lugar, e eu fui escolhido para o que eu trouxe para a sala no começo, que eu não posso falar muito sobre onde ele está, mas eu não começo como o Spock que conhecemos na série original. E nunca tentaria imitar Nimoy, porque o que eles criaram naquela série era muito especial. E nós honraremos isso durante todo o tempo.

Qual foi a primeira cena que você filmou?

Peck:  Aquele que você vê no trailer, onde eu estou deitado, essa foi minha primeira filmagem como Spock. Eles realmente me facilitaram fazer Spock. Spock inconsciente, eu poderia lidar com isso. (risos)

Mount: O meu foi como um monólogo de três páginas.

Ethan, você pode levantar sua sobrancelha?

Peck:  Claro. Ambas!

“The Cage” deu informações sobre suas performances como Pike e Spock?

Mount:  Não tanto quanto “The Menagerie”. Os sacrifícios que Spock faz, sua disposição de colocar tudo na linha para fazer algo para Pike, definitivamente informa o relacionamento.

Peck: Sim, eu acho que “The Cage” foi mais – foi definitivamente importante para mim – mas eu acho que foi definitivamente mais informativo para os escritores.

Será que vamos ver o capitão Pike na USS Enterprise, antes de assumir a Discovery?

Mount:  Talvez você queira, e talvez não.

Qual é a dinâmica entre Pike e a Number One?

Mount:  Bem, eu não posso dizer muito, mas posso dizer que talvez você veja esse relacionamento se tornar um pouco mais, e talvez não.

Como é o relacionamento de Pike com Saru?

Mount:  Bem .. Pike nunca encontrou um Kelpiano antes. Você não está apenas encontrando um ser, você está encontrando um ser que está tentando descobrir o lugar dele em tudo isso. E dependendo de como esse personagem lida com essa jornada vai determinar meu relacionamento com esse personagem. Como eu o utilizo, como me aproximo dele. E Saru passa por muitas mudanças. Doug não estava apenas falando da boca para fora, ele passa por algumas mudanças muito profundas nesta temporada. Então, o relacionamento e minha maneira de encontrar tem que flutuar com ele.

Ethan, você pode nos contar sobre conhecer a família Nimoy?

Peck:  Oh cara, então eu cresci em LA, e os Nimoys também, Adam e Julie. E eu queria falar com eles e a CBS fez uma reunião entre nós na Sportsmen’s Lodge, que fica em Studio City, e eu fui para Harvard Westlake [escola primária], que fica na rua, e nós tivemos, tipo, nosso banquete de futebol no Sportsmen’s Lodge, então foi como algo … muito nostálgico e surreal, porque eu tinha acabado de descobrir que eu tinha conseguido o papel, e aqui eu estava pensando: “Eu vou me encontrar com o Nimoys!” Como se eu não conseguisse me acordar com esse fato. E eles foram muito amistosos e curiosos. E eu assisti os documentários que cada um fez, Por Amor de Spock e Recordando Leonard Nimoy, e eles me deram cópias autografadas, e eu fiquei meio que, “Você tem algum conselho?” E eles disseram apenas, “Apenas assista a série original” e eles basicamente me disseram para ser curioso. Qual conselho melhor do que eu poderia ter recebido? Spock era muito observador, certo? E então eu senti que tinha que encontrar algo e realmente procurar alguma coisa sem ter ouvido o óbvio, então foi um grande presente para mim com eles. E eles me fizeram sentir digno.

Anson, o que aconteceu quando você conheceu o Chris Hunter?

Mount:  Chris Hunter, que é filho de Jeffrey Hunter, veio até San Diego Comic-Con só para me dizer que seu pai teria aprovado, o que eu fiz … meu deus. Isso e o fato de que, quando entrei pela primeira vez em Star Trek, todo mundo dizia: “Bem-vindo à família, bem-vindo à família”. Eu ficava meio que “Uau, esse é um mantra que pegou”. Na convenção de Star Trek em Vegas todos os fãs estavam dizendo isso. E eu fiquei tipo “Oh. Oh. E Vegas era muito mais descontraída. A convenção foi muito mais descontraída do que qualquer coisa que eu poderia imaginar, que é realmente uma espécie de família extensa. Isso é o que eu realmente amo nessa série e nessa base de fãs.

Veja a entrevista abaixo: