pine-kirkChris Pine é considerado um dos atores em ascensão na indústria de Hollywood. Numa entrevista ao site The Hollywood Reporter, Pine reflete sobre seus primeiros papéis de garoto bonito, seu teste fracassado para o filme “Avatar” e quase recusando ser Kirk em “Star Trek”.

“Fiquei particularmente investido na experiência deste filme”, disse Pine sobre o longa Hell or High Water, seu primeiro western que estreou este ano nos EUA.

Passando por participações pequenas em séries episódicas ocasionais na TV, Pine conseguiu sua grande chance: papel de um príncipe em 2004 no filme O Diário da Princesa 2.

“Eu não sabia o que estava fazendo”, diz Pine sobre o filme para adolescentes. “Tudo o que precisava era ser carismático”. Vários outros papéis iniciais, incluindo um com Lindsay Lohan, não foram diferentes. “Eu não tinha interesse em tudo isso”, confessa.

Até que Joe Carnahan ofereceu-lhe o papel de um assassino neo-nazista em 2006 em Smokin ‘Aces (A Última Cartada), onde encontrou algo que realmente se importou e causou boa impressão.

Pouco tempo depois, ele fez o teste para dois grandes filmes: Avatar e Star Trek. Não foi bem em nenhum dos dois.

Mas Abrams, cutucado por sua esposa, pediu a Pine para voltar para um segundo teste – e ele quase recusou a fazê-lo. “Na época”, reconhece ele, “eu tinha uma ideia do tipo de ator que eu queria ser: Eu meio que me imaginava como um jovem Sean Penn – interessante, chocante e complicado, fumando cigarros, dilacerando-se tão profundamente – Eu queria fazer toda essa merda!”.

Pine não achava que Star Trek iria oferecer-lhe essa oportunidade, então ele não se importou se conseguiria o papel ou não. “No momento em que você não se importa e você joga fora”, observa o ator, “é o momento em que você faz um bom trabalho”. Acabou sendo oferecido o trabalho e, “após duas semanas de consideração (eu estava realmente com medo), aceitei”.

“Esse foi o grande ponto-pivô, obviamente, em minha carreira”, reconhece Pine.

Animado com seu estrelato em Jornada, ele também tentou ancorar em uma franquia de ação conhecida, fazendo o papel título em 2014, Jack Ryan: Operação Sombra, “Infelizmente, não funcionou do jeito que eu queria”, disse Pine. “Esses personagens heróicos, são super arquétipos”, explica. “Há cerca de 30 por cento na página do personagem e os 70 por cento extra você tem que apenas preencher com você. Isso me levou muito tempo para descobrir que, nesses tipos de papéis, o que você está sendo convidado a fazer é mostrar-se e ser você e isso é realmente muito mais complicado e mais complexo de fazer do que ter um sotaque, um pressentimento e um monte de acessórios de personagem que você pode se esconder atrás.”

Desde o primeiro Star Trek , Pine tornou-se um membro de uma lista de Hollywood (embora, ele ri, quando ainda é frequentemente confundido com Chris Hemsworth ou Ryan Reynolds), e continua tentando ancorar uma série de outros filmes, incluindo um da DC Comics, Mulher Maravilha.

Pine valoriza sua experiência no set de Hell or High Water. O filme estreou no Festival de Cinema de Cannes, em agosto, e foi bem recebido. E ele quase não conseguiu fazer por causa de um conflito de agenda com Star Trek Sem Fronteiras. Mas seu foco agora vai para outros tipos de produções. “As coisas que eu escolhi agora são comédias e coisas com uma mensagem positiva”, diz ele. “O mundo está tão obscuro, que eu prefiro rir agora. Eu gosto de filmes de armas, soco, luta”, diz ele. “Mas nós também temos, penso eu, uma responsabilidade distinta de colocar bondade no mundo, podemos fazer isso, você pode fazer bons filmes sem que as pessoas morram por todo o lugar”.

Fonte: TrekToday